Quin­te­to Fran­co na Bi­so me odia de m er i on i o da m si a a ri ana

Jornal Cultura - - Navegações - Ma­ta­di Ma­ko­la

Tan­to em has­ta pública nu­ma ar­té­ria mo­vi­men­ta­da de Lu­an­da ou a atrac­ção es­pe­ci­al num des­tes fes­ti­vais que Lu­an­da co­me­ça a ter à far­ta, ver o Fran­co na Bi­so to­car Fran­có nos di­as de ho­je se­ria co­mo uma obri­ga­tó­ria au­la mag­na so­bre cul­tu­ra mu­si­cal afri­ca­na e seus he­róis con­tem­po­râ­ne­os. Dar a co­nhe­cer o gé­nio ar­tís­ti­co afri­ca­no por via de ac­ções aca­dé­mi­cas in­ter­dis­ci­pli­na­res de­ve­ria ser um ac­to obri­ga­tó­ria que pos­si­bi­li­ta­ria mui­to bem res­pon­der à ques­tão de quem so­mos (o ca­so iner­te da dis­ci­pli­na de In­tro­du­ção às Cul­tu­ras Afri­ca­nas, por exem­plo, que não apre­sen­ta fer­ra­men­tas do le­ga­do et­no­mu­si­cal do Rei­no do Kon­go, es­se que é con­si­de­ra­do co­mo uma das fon­tes da mú­si­ca mo­der­na afri­ca­na, ten­do Kinsha­sa apa­re­ci­do na li­nha da fren­te da van­guar­da).

To­car Fran­có nas­ceu do de­se­jo de ho­me­na­geá-lo e pro­cu­rar sus­ci­tar ou­tras so­no­ri­da­des que sir­vam de pon­te e ins­pi­ra­ção a no­vas ten­dên­ci­as, co­mo é nes­te ca­so o da rum­ba/jazz que o quin­te­to Fran­co na Bi­so nos propôs num con­cer­to no Ci­ne Te­a­tro Na­ci­o­nal na noi­te de 5 de Abril, sá­ba­do.

O quin­te­to pro­cu­rou tra­zer um Fran­có ge­nuí­no, mas com a ener­gia ju­ve­nil da ex­plo­si­va pos­si­bi­li­da­de mu­si­cal dos di­as de ho­je. Tu­do as­sen­ta na es­sên­cia. aque­la que é so­be­ja­men­te con­si­de­ra­da uma das três gran­des mú­si­cas da mo­der­na dis­co­gra­fia afri­ca­na, tam­bém é pa­ra o quin­te­to a can­ção mais po­pu­lar nas su­as ac­tu­a­ções. A mais pe­di­da e a mais dan­ça­da.

Fran­có era ape­li­da­do por “fei­ti­cei­ro da gui­tar­ra”. Mui­tas ve­zes em con­cer­to, o pró­prio Fran­có adap­ta­va a sua gui­tar­ra pa­ra po­der ter mais li­ber­da­de e pos­si­bi­li­da­de de jo­go das cor­das.

Ko­jack Kos­sa­kamvwe, o gui­tar­ris­ta pro­di­gi­o­so do quin­te­to, pa­ra se apro­xi­mar com en­ge­nho e ar­te à so­no­ri­da­de do íco­ne, tam­bém o faz. Vi­mo-lo pa­rar por ins­tan­tes pa­ra acer­tar. Ti­rou do bol­so qual­quer pe­da­ço de me­tal que o aju­das­se. O Ci­ne Te­a­tro Na­ci­o­nal era ou­tra vez res­ti­tuí­do ao si­lên­cio de­pois de bons mo­men­tos de rum­ba mis­tu­ra­da com a tó­ni­ca do sax do jazz saí­da do úni­co fran­cês do quin­te­to, Je­an-Rémy Gué­don.

Com Ko­jack, a gui­tar­ra é ex­plo­ra­da ao úl­ti­mo sus­pi­ro e a mú­si­ca ga­nha evo­lu­ção ins­tan­tâ­nea, ou co­mo di­rá o sa­xo­fo­nis­ta fran­cês Je­an-Rémy Gué­don: “mis­tu­ra com êxi­to a tra­di­ção do vi­o­lão con­go­lês com os úl­ti­mos te­mas de Ri­chard Bo­na e as fu­gas de Ba­ch, que ele es­cu­ta e to­ca de re­pen­te. Além de ser um so­lis­ta mui­to do­ta­do, é tam­bém um ex­ce­len­te can­tor…”

Foi do seu to­que ge­ni­al de gui­tar­ra que so­ou re ina­do a pon­to de dei­xar o pú­bli­co de pé. A mú­si­ca da gui­tar­ra de Ko­jack Kos­sa­kamvwe re­a­pa­re­cia no fun­do de ca­da pre­sen­te. A gui­tar­ra é do­mi­na­da de for­ma ma­qui­nal. Es­te som ge­nuí­no foi tam­bém bem con­se­gui­do em

e

Co­mo ou­sa­mos ser tão in­sen­sí­veis, tão cép­ti­cos, tão es­que­ci­dos e va­zi­os de nós? Era a per­gun­ta que se ins­ta­la­ra mi­nu­tos de­pois de uma con­go­le­sa re­si­den­te em An­go­la ter-se afir­ma­do al­go de­si­lu­di­da com a Áfri­ca de ho­je que uma das vo­zes fe­mi­ni­nas que acom­pa­nhou a len­dá­ria mar­ca de Fran­có era na­da mais do que uma des­per­ce­bi­da teó­lo­ga com al­guns do­tes vo­cais dig­no de aplau­sos. “Ela ago­ra é pas­to­ra e mo­ra na Cu­ca”, afir­ma. Tra­ta-se sim­ples­men­te de Jo­lie Det­ta, a vo­cal que en­tra pa­ra a obri­ga­tó­ria ban­da de res­pei­to ET TP OK JAZZ lá pa­ra idos me­a­dos de 80, aca­ban­do mais uma vez de con­fir­mar a ur­gên­cia de uma in­ter­ven­ção aca­dé­mi­ca.

For­ma­do pe­lo vo­ca­lis­ta e gui­tar­ris­ta so­lo Ch­ris­ti­an Kos­sa­kamvwe “Ko­jack”, o sa­xo­fo­nis­ta e co­ris­ta Je­an-Rémy Gué­don, o co­ris­ta e gui­tar­ris­ta Al­ber­to Ma­po­to, o ba­te­ris­ta e co­ris­ta Ch­ris­ti­an Kam­ba e o gui­tar­ra bai­xo e co­ris­ta Guy Tu­si­a­ma, o quin­te­to es­tá a fa­zer uma tour­née por Áfri­ca e che­gou a An­go­la a con­vi­te da Ali­an­ça Fran­ce­sa de Lu­an­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.