O sem­ba é ma­nei­ra fi­lo­só­fi­ca de es­tar

Jornal Cultura - - Primeira Página - Ma­ta­di Ma­ko­la

Amor­na as­su­miu a al­ma das ilhas e ele­vou o mo­te do amor pe­lo mar e to­da a idi­os­sin­cra­sia dos que a sen­tem no co­ra­ção, cri­an­do as­sim a sua pró­pria es­tir­pe que Ce­sá­ria Evora ele­vou à es­ca­la mun­di­al. Qu­an­to a nós, an­go­la­nos, é tem­po de ques­ti­o­nar­mo-nos: quem é o sem­bis­ta e o que o di­fe­ren­cia das con­tur­ba­das no­vi­da­des da má­qui­na do ho­je: sua vi­são, sua con­du­ta, seu mis­ter, seus ide­ais e prag­ma­tis­mo? En­ga­na-se quem o to­mar pe­lo ter­no, ócu­los de mar­ca Pra­da e a exa­lar os mais inos aro­mas. Em Bon­ga che­ga­mos sem­pre à con­clu­são que o me­ni­no do Mar­çal ja­mais se­rá di­zi­ma­do pe­la es­tre­la “dos gran­des mun­dos” e das “eu­ro­pas da vi­da”, du­as ca­ris­má­ti­cas ex­pres­sões su­as que es­tão em vo­ga en­tre ar­tis­tas da no­vís­si­ma ge­ra­ção do sem­ba. O es­te­reó­ti­po de atra­ves­sar o as­fal­to é uma con­di­ção que ain­da o afec­ta. An­go­la é guar­da­da no la­do do co­ra­ção que se ne­ga à as­si­mi­la­ção to­tal da cul­tu­ra mo­der­na e pos-mo­der­na. Tão lo­go su­biu ao pal­co lem­brou bem ser o me­ni­no do Mar­çal e bom co­nhe­ce­dor das má­xi­mas em kim­bun­du re­bus­ca­do que as bes­san­ga­nas gar­bo­sa­men­te di­ta­vam com um mu­xo­xo es­ta­la­di­ço à mis­tu­ra, mas que ho­je caí­ram na­qui­lo que ele tra­tou por “es­qui­si­ti­ces”, na ten­ta­ti­va de clas­si icar os no­vos há­bi­tos in­di­fe­ren­tes às mais pro­fun­das ma­ni­fes­ta­ções do ser e es­tar pro­pri­a­men­te an­go­la­nos.

A in­vo­ca­ção ao “mwan­go­lé” ou “anangola” – tam­bém can­ta­da pe­lo con­jun­to Nza­ji, ou o me­ni­no das im­bas nas la­go­as que o Wal­de­mar Bastos ca­rac­te­ri­za com en­ge­nho e que faz eco em Car­los do Nas­ci­men­to na sua ode ao Bair­ro Ope­rá­rio, não fu­gi­ram da ca­rac­te­ri­za­ção so­ci­al que im­põe na sua mú­si­ca e na sua ma­nei­ra de es­tar, adi­an­tan­do as­sim que o “sem­ba é uma ma­nei­ra ilo­só ica de es­tar”. Tal­vez com is­to nos es­te­ja tam­bém a cha­mar a aten­ção pa­ra a con­si­de­ra­ção da pro­po­si­ção da “pin­ta do sem­bis­ta”, que po­de­rá ser uma con­du­ta do ar­tis­ta que o le­ve à ele­va­ção do gé­ne­ro nes­tes tem­pos di íceis pa­ra o es­ti­lo de ou­ro da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na.

Bon­ga tem es­sa pin­ta no seu to­que de sem­ba de kim­bun­du re­che­a­do de ca­om­bo, o seu ar­ro­jo nas le­tras pou­co ma­ça­do­ras, na sua ale­gria ima­nen­te, na sua ban­ga, no seu vir­tu­o­so to­que de gai­ta ou na sua pre­o­cu­pa­ção em dar voz à di­kan­za e ao ngo­ma co­mo ins­tru­men­tos si­ne qua non (pro­po­si­ção: a ban­da de

sem­ba e seus ins­tru­men­tos in­dis­pen­sá­veis). São mais de cin­co dé­ca­das atra­ves­sa­das co­mo mú­si­co, o que lhe deu o pri­vi­lé­gio de ates­tar em jei­to de brin­ca­dei­ra o fac­to de ha­ver a pos­si­bi­li­da­de de al­gu­mas pes­so­as pre­sen­tes ain­da não te­rem si­do nas­ci­das. A inal, o seu re­ben­to mu­si­cal apa­re­ce

pre­ci­sa­men­te em 72, qu­an­do um pou­co de­pois, 73, con­se­gue o no­tá­vel fei­to de ac­tu­ar nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, im­buí­do do es­pí­ri­to das li­ber­da­des afri­ca­nas.

A sua “Água Ra­ra” vol­tou a jor­rar no Ki­lam­ba nu­ma tar­de cal­ma de do­min­go, 6 de Abril. Lu­las da Pai­xão, Ca­la­be­to, Yu­ri da Cu­nha e Edy Tus­sa aju­da­ram na fes­ta.

Aque­le que nes­sa tar­de a mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ro­sa Cruz e Sil­va, tra­tou com hon­ras de so­ba da pa­ra­da e elo­gi­ou por “es­tar sem­pre aten­to ao pas­sar pa­ra as ou­tras ge­ra­ções um sem­ba de raiz”, veio cheio de âni­mo e fez o Cen­tro Re­cre­a­ti­vo Ki­lam­ba ga­nhar um jan­go de ma­ko­tas a con­ta­rem pa­ra os kan­den­gues es­tó­ri­as de má­xi­mas pro­fun­das so­bre a vi­da lu­an­den­se.

A sua voz meio rou­ca vol­tou res­so­nan­te no su­ces­so Mu­lem­ba Xan­go­la, já uma vez to­ca­do com a par­ti­ci­pa­ção da con­sa­gra­da can­to­ra Lu­ra nu­ma des­sas ses­sões da al­ta ro­da da mú­si­ca afri­ca­na no mun­do.

To­cou e fez dan­çar os su­ces­sos “Lá­gri­ma no can­to do olho”, “Mo­na Ki Ngi Xi­ka”, “Kam­buá”, “Di­a­kam­dum­ba”. A tar­de ia em de­clí­nio e o show in­da­va com a par­ti­ci­pa­ção de Yu­ri da Cu­nha no su­ces­so “Ka­ma­ko­ve”, nes­se dia em que foi aplau­di­do de pé e qua­se to­dos se sen­ti­ram obri­ga­dos a dan­çar o seu sem­ba tão se­du­to­ra­men­te an­go­la­no, so­an­do o re­frão win­guééé, win­gué, win­gué, win­gé, win­gé, win­gé.

O grau do pre­con­cei­to dos eu­ro­peus e ame­ri­ca­nos em re­la­ção às nos­sas coi­sas

Se­gui­mo-lo en­tão pa­ra uma pe­que­na “con­ver­sa” a meio da ses­são de fo­tos com ad­mi­ra­do­res. Começou por di­zer ser mui­to im­por­tan­te des­ta­car que aqui­lo que é nos­so é mui­to mais im­por­tan­te do que aqui­lo que é do es­tran­gei­ro e que se im­põe aqui pe­las tran­sa­ções in­ter­cul­tu­rais, sen­do que só aos an­go­la­nos com­pe­te a pre­ser­va­ção do bem cul­tu­ral.

“Es­sa coi­sa da imi­ta­ção sis­te­má­ti­ca da coi­sa do ou­tro dá-nos a en­ten­der que a cul­tu­ra do ou­tro é que é su­pe­ri­or. Ain­da que ha­ja uma li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal, não sig­ni ica a per­mis­são de uma ab­sor­ção to­tal do que é alheio. É pre­ci­so nos evi­den­ci­ar­mos com aqui­lo que é nos­so. Eu que mo­ro lá fo­ra sei bem o grau do pre­con­cei­to dos eu­ro­peus e ame­ri­ca­nos em re­la­ção às nos­sas coi­sas”, dis­se.

É de­fen­sor as­su­mi­do da pro­te­ção da Cul­tu­ra, que do as­sun­to dis­se que cor­re­mos o ris­co de um dia não ter­mos sem­ba, ki­la­pan­ga e ou­tros rit­mos da gé­ne­se da mú­si­ca an­go­la­na. “Cor­re­mos es­se gran­de ris­co, se é que já não começou atra­vés dos gran­des trans­mis­so­res que é es­sa ju­ven­tu­de per­ti­nen­te, que an­da um bo­ca­do dis­traí­da a fa­zer ou­tras coi­sas com es­sa on­da in­ter­na­ci­o­nal e es­se com­ple­xo de su­pe­ri­o­ri­da­de”, aler­ta.

Ape­sar de mo­rar em Por­tu­gal, di icil­men­te can­ta lá. Dis­se ser mais fá­cil can­tar na Fran­ça, que pro­mo­veu os no­mes Ma­no Di­ban­go, Sa­lif Kei­ta, Ce­sá­ria Évo­ra, pois há mui­to mais aber­tu­ra. Tam­bém ma­ni­fes­tou o de­se­jo de ser con­vi­da­do mais ve­zes, de­fen­den­do que o an­go­la­no de­ve­ria ser mais im­por­tan­te em An­go­la do qual­quer mú­si­co bra­si­lei­ro, eu­ro­peu ou ame­ri­ca­no que ve­nha aqui.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.