OS LI­VROS E A EXAL­TA­ÇÃO À PAZ EM SAURIMO

Jornal Cultura - - Primeira Página - So­be­ra­no Ca­nhan­ga

Saurimo, 04 de Abril de 2014. A ci­da­de es­tá com um mo­vi­men­to de­si­gual. Co­ros de igre­jas (re­co­nhe­ci­das ou não pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra) atra­ves­sam as ru­as da ci­da­de de can­to a can­to. Há chu­va, mas nin­guém ar­re­da pé. O des­ti­no é o Es­tá­dio das Man­guei­ras on­de de­cor­re o cul­to ecu­mé­ni­co em­sau­da­ção e ora­ção pe­los 12 anos do ca­lar das ar­mas. Cân­di­da Nar­ci­so, a go­ver­na­do­ra e o seu elen­co, al­tas pa­ten­tes mi­li­ta­res e sua pra­ça, co­man­dan­te da po­lí­cia e re­pre­sen­tan­tes dos seus di­ver­sos ra­mos, jo­vens, cri­an­ças (que apro­vei­tam o con­tac­to com a rel­va sin­té­ti­ca, en­quan­to o cul­to não co­me­ça), to­dos os an­go­la­nos re­si­den­tes na Lun­da Sul re­pre­sen­ta­dos no cul­to mul­ti-de­no­mi­na­ci­o­nal .

Can­ta­ram os co­ros se­lec­ci­o­na­dos. Che­gou a chu­va, mas de pou­ca du­ra. Os kim­ban­guis­tas de­ci­dem en­fren­tar os dois mi­nu­tos de chu­vis­co e inun­dam o es­tá­dio com o som das su­as cor­ne­tas. O am­bi­en­te se re­faz. Na ver­da­de, nin­guém saiu do es­tá­dio. Foi ape­nas um re­cuo es­tra­té­gi­co das ban­ca­das pa­ra a par­te co­ber­ta do cam­po de fu­te­bol. O cul­to re­to­ma. Um pas­tor faz a pre­ga­ção da "pa­la­vra" e o con­teú­do é so­bre "as van­ta­gens de vi­ver em paz". Faz-se a ora­ção e o pro­to­co­lo re­co­lhe as ofer­tas. A go­ver­na­do­ra di­ri­ge-se ao al­tar e faz ape­lo à ne­ces­si­da­de de se pre­ser­var a paz, du­ra­men­te con­se­gui­da, com san­gue e sa­cri ício…

– Olhe­mos à nos­sa volta e com­pa­re­mos com o que éra­mos e tí­nha­mos há do­ze anos, an­tes da paz. – So­li­ci­tou a go­ver­nan­te.

Che­gam os mur­mú­ri­os vo­lun­tá­ri­os, em jei­to de res­pos­ta, ca­da um no seu lu­gar. A res­pos­ta era co­mum e evi­den­te. – Mui­ta coi­sa mu­dou pa­ra me­lhor. Há mui­tos ga­nhos… Res­pon­de­mos to­dos, sem co­a­ção.

– En­tão, te­mos de pre­ser­vá-la. Te­mos de mul­ti­pli­cá-la. Te­mos de ex­pan­di-la. – Vol­tou a ape­lar Cân­di­da Nar­ci­so. No seu can­to, aten­to, no ver­so do con­vi­te, o cro­nis­ta apon­ta­va: “Mu­lhe­res e mi­li­ta­res, os que mais so­fre­ram na car­ne os efei­tos da guer­ra, es­tão gran­de­men­te re­pre­sen­ta­dos. Ain­da bem que to­dos os an­go­la­nos per­cor­rem o di­ci­o­ná­rio pa­ra apa­gar (pa­ra sem­pre) a pa­la­vra guer­ra que le­vou mui­tos de nós a "par­tir lon­dan­go por cau­sa do lu­kan­go” [1]. De Ka­bin­da ao Ku­ne­ne e do Lo­pi­to ao Lwaw, uma só país em PAZ. “Tri-ti-ti” [2] nun­ca mais, e que a PAZ do Se­nhor es­te­ja e per­ma­ne­ça con­nos­co pa­ra to­do o sem­pre!” Dis­si­pa­das as nu­vens chu­vo­sas, qu­an­do era já o sol quem go­ver­na­va so­bre o azul ce­les­te, ter­mi­nou o cul­to e to­dos os ca­mi­nhos iam de­sem­bo­car no Lar­go 1º de Maio, cen­tro de Saurimo, on­de uma equi­pa pro­ce­den­te de Lu­an­da pro­mo­via o fes­ti­val da PAZ.

Pro­du­ção agro-pe­cuá­ria, com pro­du­tos ali­men­ta­res e ani­mais; pro­du­ção cul­tu­ral com dan­ça Cyan­da, mú­si­ca ao vi­vo e de dis­co­te­ca, ar­te­sa­na­to, es­cul­tu­ra, e li­te­ra­tu­ra; brin­que­dos vá­ri­os pa­ra en­tre­ter os me­ni­nos que, por três di­as, des­fru­ta­ram de um car­ros­sel. Tu­do is­so mo­vi­men­tou o lar­go que se tor­nou pe­que­no du­ran­te três di­as.

Paz com li­vros

Di­as an­tes, a mi­nha cai­xa de cor­reio elec­tró­ni­co aler­ta­va: “Con­vi­te pa­ra ex­po­si­ção de li­vros na fei­ra de paz em Saurimo. Es­tás pron­to”? A mi­nha res­pos­ta foi ime­di­a­ta. Os “11 clás­si­cos” re­e­di­ta­dos pe­lo Grecima e que an­dam à ven­da por kz. 500,00. Aos 11 clás­si­cos jun­ta­ram ou­tros ic­ci­o­nis­tas, den­tre eles eu, e lá iquei au­to­gra­fan­do pa­ra mais de ses­sen­ta pes­so­as em ape­nas uma tar­de.

– Agra­da-me o cres­ci­men­to do in­te­res­se dos sau­ri­mu­en­ses pe­la li­te­ra­tu­ra. Foi mui­to bom au­to­gra­far 60 li­vros em uma tar­de, nu­ma ci­da­de on­de os há­bi­tos de lei­tu­ra co­me­çam a ser res­ga­ta­dos. – Ex­pli­quei, sa­tis­fei­to, à re­por­ta­gem da TPA.

Os lei­to­res, mui­tos de­les po­lí­ti­cos, fun­ci­o­ná­ri­os da ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do e es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os, per­gun­ta­ram tam­bém por di­ci­o­ná­ri­os e gra­má­ti­cas, li­vros que nas au­las de Lín­gua Por­tu­gue­sa re­co­men­do sem­pre pa­ra com­pra­rem e ler. In­fe­liz­men­te não ha­via, mas quem sa­be da pró­xi­ma se con­tac­tem tam­bém edi­to­ras pa­ra se jun­ta­rem ao Pro­jec­to de Ini­ci­a­ti­va Pre­si­den­ci­al, o Leia An­go­la?!

[1] Ex­pres­são em um­bun­do equi­va­len­te a: par­tir os ma­xi­la­res por cau­sa da mastigação de mi­lho tor­ra­do. Um re­tra­to dos tem­pos ár­du­os da fo­me cau­sa­da pe­la guer­ra (mú­si­ca de Ca­pen­da Sa­lon­gue).

[2]Pas­sa­gem da mú­si­ca de Viñi Viñi, ina­do mú­si­co do pla­nal­to cen­tral an­go­la­no. Tri­ti­ti, por ono­ma­to­peia, é o som das aja­das de ba­las. O mes­mo que guer­ra!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.