Dan­ça con­tem­po­râ­nea afri­ca­na

Jornal Cultura - - Artes - Ma­ta­di Ma­ko­la

Ac­to­res e dan­ça­ri­nos se jun­ta­ram pa­ra dar cor­po à co­re­o­gra ia com du­as par­tes. Um pal­co sem gran­des ade­re­ços, mo­vi­men­ta­ções rá­pi­das e mui­ta es­pon­ta­nei­da­de. Pa­ra ser só te­a­tro fal­ta­va a fa­la. Os ac­to­res e dan­ça­ri­nos de di­ver­sas com­pa­nhi­as in­te­ra­gi­am na­qui­lo que era na ver­da­de uma es­pé­cie de mo­nó­lo­go atra­vés de mo­vi­men­tos. Fa­lar e gri­tar com o cor­po, ou dis­cu­tir o cor­po até à exaus­tão dos li­mi­tes. Por is­so mes­mo é que a dan­ça é tal­vez a mí­mi­ca mais elo­quen­te.

A co­re­o­gra­fa in­te­grou va­ri­a­dos es­ti­los de dan­ça, até abriu es­pa­ço pa­ra o ku­du­ro, que, a inal, bem la­pi­da­do e har­mo­ni­za­do, com dis­ci­pli­na e pos­tu­ra cri­a­do­ra em pal­co, po­de ser fon­te de eva­são de vá­li­das lin­gua­gens es­té­ti­cas ur­ba­nas. Ora, o ku­du­ro?

Mas não foi só. A co­re­o­gra ia tam­bém re­a­pro­vei­tou mo­vi­men­tos da ce­na elec­tró­ni­ca ur­ba­na, co­mo o bre­ak e o pop. To­do o es­pec­tá­cu­lo foi uma re­a­pro­pri­a­ção de es­ti­los.

Mas, a inal, o que é a dan­ça con­tem­po­râ­nea? Que lei­tu­ra ver­ti­cal po­de­mos ter des­ta?

Em vez de dan­ça con­tem­po­râ­nea, de­ve fa­lar-se de dan­ça no seu to­do, co­mo par­te to­ta­li­za­do­ra. Le­van­ta a crí­ti­ca do va­zio con­cep­tu­al des­te tí­tu­lo, mui­tas ve­zes po­lé­mi­co qu­an­do apli­ca­do às re­a­li­da­des afri­ca­nas, on­de ain­da há pou­cos dan­ça­ri­nos de dan­ça con­tem­po­râ­nea. Sayou­ba é dos que vê a dan­ça afri­ca­na co­mo exer­cí­cio li­vre que pre­ci­sa da au­to­no­mia dos Es­ta­dos que a tu­te­lam. Con­ta que nos úl­ti­mos dez anos uma va­ga de ar­tis­tas afri­ca­nos mar­cou pre­sen­ça em vá­ri­os fes­ti­vais do ce­ná­rio mun­di­al. “Tal­vez não pos­sa­mos com­pe­tir a ní­vel eco­nó­mi­co com as cha­ma­das gran­des po­tên­ci­as, mas, em ter­mos cul­tu­rais, nós te­mos mui­ta coi­sa por a ir­mar”.

Co­reó­gra­fo e dan­ça­ri­no bur­qui­na­be, Sayou­ba Si­gue é for­ma­do em dan­ça tra­di­ci­o­nal, con­tem­po­râ­nea e hip-hop, em Ou­a­ga­dou­gou no Bur­qui­na Fa­so.

Tra­ba­lha com co­reó­gra­fos de Áfri­ca: Ser­ge-Ai­mé Coulibaly, Ire­ne Tas­sem­be­do, Sou­ley­ma­ne Por­go, An­dreya Ou­am­ba..., da Eu­ro­pa: Natha­lie Veuil­let, Ele­na Rol­la, Ve­ra San­der, Vir­gi­nie De­jeux, Kal­pa­na Raghu­ra­man..., e par­ti­ci­pou em vá­ri­as cri­a­ções de re­co­nhe­ci­do mé­ri­to.

Em 2007, Sayou­ba foi o co-cri­a­dor da com­pa­nhia Te­gue­rer Dan­se do Bur­qui­na Fa­so e de­pois tor­nou-se as­sis­ten­te de Ser­ge-Ai­mé Coulibaly do Fa­so Dan­se Théâ­tre. Re­a­li­zou a co­re­o­gra ia de vá­ri­os es­pec­tá­cu­los co­mo A Sui­vre, se­le­ci­o­na­da no âm­bi­to dos en­con­tros co­re­o­grá icos Dan­se l’Afri­que Dan­se de 2010. Ini­ci­ou e co­la­bo­rou es­trei­ta­men­te em in­ter­câm­bi­os ar­tís- ti­cos. Aliás, Sayou­ba es­tá en­vol­vi­do nos pro­jec­tos de ou­tras com­pa­nhi­as e ins­ti­tui­ções cul­tu­rais. Pa­ra­le­la­men­te à cri­a­ção co­re­o­grá ica, Sayou­ba Si­gue mo­ni­to­ra tam­bém workshops, cur­sos e es­tá­gi­os. Foi por es­tas su­as fa­ce­tas na dan­ça que Sayou­ba veio a An­go­la mos­trar a tran­si­ção en­tre a dan­ça pa­tri­mo­ni­al e a cri­a­ção co­re­o­grá ica con­tem­po­râ­nea, pa­ra um workshop de dan­ça con­tem­po­râ­nea afri­ca­na re­a­li­za­do de 21 a 25 de Abril e que cul­mi­nou com um es­pec­tá­cu­lo no dia 26.

Na ver­da­de, a te­má­ti­ca foi es­co­lhi­da pe­los par­ti­ci­pan­tes. Sayou­ba per­gun­tou-lhes o que era mais im­por­tan­te. O pri­mei­ro gru­po qu­e­ria fa­lar da fal­ta de es­pa­ços pa­ra as ar­tes. O segundo qu­e­ria fa­lar de to­das as vi­o­lên­ci­as. E foi as­sim que de­ci­di­ram dan­çar as ma­kas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.