A No­ção de Ser em Agostinho Ne­to

Jornal Cultura - - Primeira Página - Isa­qui­el Co­ri

Por oca­sião dos 90 anos do nas­ci­men­to do Dr. An­tó­nio Agostinho Ne­to, po­e­ta-mai­or e pri­mei­ro pre­si­den­te de An­go­la, a Fun­da­ção que le­va o seu no­me pôs a dis­po­si­ção do pú­bli­co, no dia 14 de Maio, em Lu­an­da, na se­de da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, o li­vro "A No­ção de Ser" e o DVD "Por­tu­gue­ses Fa­lam de Agostinho Ne­to".

O li­vro, com mais de 800 pá­gi­nas, é uma co­lec­tâ­nea de 65 tex­tos ana­lí­ti­cos so­bre a po­e­sia de Ne­to, as­si­na­dos por 62 au­to­res, a mai­o­ria pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os, es­cri­to­res e jor­na­lis­tas de vá­ri­os paí­ses do mun­do e pu­bli­ca­dos ori­gi­na­ri­a­men­te em li­vros, jor­nais e re­vis­tas ao lon­go dos úl­ti­mos 40 anos. O DVD reú­ne en­tre­vis­tas, pro­du­zi­das pe­la FAAN, de po­lí­ti­cos e in­te­lec­tu­ais por­tu­gue­ses, num tes­te­mu­nho au­di­o­vi­su­al so­bre a tra­jec­tó­ria e a di­men­são po­lí­ti­ca, cul­tu­ral e hu­ma­na de Agostinho Ne­to.

As igu­ras en­tre­vis­ta­das no DVD são Ramalho Eanes, Má­ri­os So­a­res, Almeida San­tos, Car­los Vei­ga Pereira, Domingos Abran­tes, Pe­za­rat Correia, Gon­çal­ves Ri­bei­ro, Jai­me Ser­ra, Aurélio San­tos, Fer­nan­do Ro­sas e Si­las Cer­quei­ra. Raul Ne­to Fer­nan­des cons­ta co­mo con­vi­da­do es­pe­ci­al.

Den­tre os au­to­res dos tex­tos que com­põem " A No­ção de Ser" es­tão Eu­gé­nia Ne­to, Amá­vel Fer­nan­des, Car­los Bel­liBe­lo, Cos­ta Andrade, Con­cei­ção Cris­tó­vão, Da­vid Mes­tre, Jo­fre Ro­cha, Jor­ge Ma­ce­do, Jo­sé Luís Men­don­ça, Luís Kand­jim­bo, Si­mão Souindoula, So­lan­ge Luís, Ino­cên­cia Ma­ta, Ale­xan­dre Pi­nhei­ro Tor­res, Al­fre­do Mar­ga­ri­do, Au­gus­ta Con­chi­glia, Ba­sil Da­vid­son, Ben­ja­min Ab­da­la Ju­ni­or, Car­men Tin­dó Sec­co, Do­nald Bur­ness, Ebe­ne­zer Ade­de­ji Omo­te­so, Fer­nan­do J. B. Mar­ti­nho, Fer­nan­do Mourão, Fran­cis­co Pedro Mi­guel, Ge­rald Mo­ser, He­le­na Ri­au­só­va, Jor­ge Ama­do, Laura Pa­di­lha, Le­o­nel Cos­me, Ma­nu­el Fer­rei­ra, Ma­nu­el G. Simões, Mar­ga Hol­ness, Ma­ria Apa­re­ci­da San­til­li, Mi­chel La­ban, Os­sie Onu­o­ra Enekwe, Pa­trick Cha­bal, Pa­vla Lud­mi­lo­vá, Rus­sel Ha­mil­ton, Sal­va­to Tri­go, Ta­nia Ma­cê­do e Xo­sé Lois Gar­cía.

A obra "se­rá um elo per­ma­nen­te de ins­pi­ra­ção pa­ra a ju­ven­tu­de an­go­la­na e afri­ca­na", dis­se Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, pre­si­den­te da FAAN, que deu a co­nhe­cer a pu­bli­ca­ção, ain­da es­te ano, de li­vros so­bre Agostinho Ne­to e a sua po­e­sia em in­glês, ita­li­a­no e chi­nês.

"O li­vro pro­cu­ra mos­trar o mais am­pla­men­te pos­sí­vel os vá­ri­os ti­pos de re­ce­bi­men­to da obra de Agostinho Ne­to. Se­rá um mar­co na his­tó­ria da re­cep­ção e do es­tu­do da obra de Ne­to", acres­cen­tou Pires La­ran­jei­ra, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Coimbra, um dos or­ga­ni­za­do­res da pu­bli­ca­ção, a par de Ana T. Ro­cha, igual­men­te aca­dé­mi­ca e es­tu­di­o­sa da obra de Agostinho Ne­to.

A pro­pó­si­to dos que ten­tam di­mi­nuir o va­lor e a im­por­tân­cia da po­e­sia de Ne­to, La­ran­jei­ra dis­se: "há um gra­ve mal en­ten­di­do. As pes­so­as têm uma con­cep­ção de po­e­sia ne­fe­li­ba­ta, inis­se­cu­lar, de­ca­den­tis­ta, exis­ten­ci­al­men­te amar­ga e de­ses­pe­ran­te qu­an­do não com­ple­ta­men­te abs­trac­ti­zan­te (...). O que es­tá em cau­sa é uma con­cep­ção de uma cer­ta cul­tu­ra co­mer­ci­al e in­dus­tri­a­li­za­da pós-mo­der­na, que jo­ga em de­ter­mi­na­dos ti­pos de li­te­ra­tu­ra, e no­me­a­da­men­te na po­e­sia, con­si­de­ran­do que uma po­e­sia en­ga­ja­da, épi­ca, de de­di­ca­ção a um po­vo, co­mo foi o ca­so da po­e­sia de Agostinho Ne­to, é uma po­e­sia me­nor".

Após con­si­de­rar "fun­da­men­tais e im­por­tan­tís­si­mas" as obras de An­tó­nio Ja­cin­to, Má­rio An­tó­nio, Viriato Cruz, Aires de Almeida San­tos, e de ou­tros po­e­tas da mes­ma ge­ra­ção, Pires La­ran­jei­ra de­fen­deu que a obra de Ne­to é "a úni­ca que, na­que­le mo­men­to his­tó­ri­co, dá con­ta e des­cre­ve a si­tu­a­ção do po­vo an­go­la­no sob o re­gi­me co­lo­ni­al, as su­as as­pi­ra­ções, ali­e­na­ções, so­fri­men­to, as be­be­dei­ras, as pu­ni­ções e a re­pres­são nos sá­ba­dos dos mus­se­ques. É a úni­ca obra que ape­la à re­con­quis­ta da an­go­la­ni­da­de dos po­bres dos mus­se­ques e pa­ra que os pe­que­no-bur­gue­ses e os in­te­lec­tu­ais as­si­mi­la­dos con­si­gam des­pir a sua ex­ces­si­va in luên­cia [por­tu­gue­sa e eu­ro­peia] e ir be­ber à cul­tu­ra tra­di­ci­o­nal, po­pu­lar, e as­su­mi-la".

E re­ma­tou: "a obra de Agostinho Ne­to é a obra poé­ti­ca e épi­ca do po­vo an­go­la­no, e é ca­nó­ni­ca. Não há volta a dar".

Em Abril des­te ano o li­vro "A No­ção de Ser" e o DVD "Por­tu­gue­ses Fa­lam de Agostinho Ne­to" fo­ram lan­ça­dos em Por­tu­gal, com apre­sen­ta­ção do ex-pre­si­den­te da­que­le país, Ramalho Eanes, e do es­cri­tor an­go­la­no Lu­an­di­no Vieira.

À me­sa Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to e Pires La­ran­jei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.