Kya­ku Kya­daff

“Nun­ca so­nhei ser mú­si­co”

Jornal Cultura - - Primeira Página - MBan­gu­la Ka­tu­mua

Acon­vi­te da or­ga­ni­za­ção da 3ª edi­ção do con­cur­so de mú­si­ca “Ben­gue­la: Gen­tes e mú­si­cas”, o mú­si­co Edu­ar­do Fer­nan­des, mais co­nhe­ci­do por Kya­ku Kya­daff, na­tu­ral de Mbanza Con­go, pro­vín­cia do Zai­re, es­te­ve em Ben­gue­la.

Kya­ku Kya­daff é li­cen­ci­a­do em Psi­co­lo­gia pe­la Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de Agostinho Ne­to e fre­quen­ta o mes­tra­do em Go­ver­na­ção e Ges­tão Pública na Fa­cul­da­de de Di­rei­to.

Par­ti­ci­pou no Va­ri­an­te 2009 e no Fes­ti­val de Can­ção da LAC – 2010 , re­a­li­za­do no Lubango. É ven­ce­dor do Fes­ti­val Na­ci­o­nal de Tro­va em 2012, pro­mo­vi­do pe­la Fun­da­ção Agostinho Ne­to em Lu­an­da e ven­ceu o Con­cur­so Va­ri­an­te 2012, pro­mo­vi­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra de An­go­la. É co-au­tor com Ka­ma­ne do te­ma “Pa­ga que pa­ga” in­ter­pre­ta­do por Ary e tem par­ti­ci­pa­ção nu­ma mú­si­ca de Ca­bo Sno­op a sair a pú­bli­co em bre­ve.

A equi­pa do Jor­nal Cul­tu­ra apro­vei­tou a oca­sião pa­ra uma des­con­traí­da con­ver­sa.

Jor­nal Cul­tu­ra – Qu­an­do e on­de é que começou o so­nho de ser mú­si­co?

Kya­ku Kya­daff – Nun­ca so­nhei ser mú­si­co, em­bo­ra can­te des­de miú­do. Os meus pais é que eram. A mi­nha mãe era do co­ral e o meu pai to­ca­va gui­tar­ra. Mas ele qu­e­ria mes­mo que eu fos­se jor­na­lis­ta, por­que di­zia que eu fa­la­va mui­to.

JC – En­tão, co­mo veio pa­rar à mú­si­ca?

KK– Foi mes­mo por in luên­cia dos meus pais e da igre­ja. Em Mbanza Con­go eu fa­zia par­te do co­ral, no se­mi­ná­rio on­de an­dei. Mes­mo an­tes dis­so, a mi­nha ca­sa ti­nha cul­tu­ra mu­si­cal: a mi­nha mãe a can­tar de um la­do e o meu pais a to­car do ou­tro. Eu fa­zia de aju­dan­te; trans­por­ta­va e con­ser­va­va as cas­se­tes e car­re­ga­va pi­lhas do rá­dio (ri­sos). Em 2005, qu­an­do vim pa­ra Lu­an­da e me ma­tri­cu­lei na fa­cul­da­de de le­tras da Uni­ver­si­da­de Agostinho Ne­to é que as coi­sas co­me­ça­ram a to­mar ou­tro rumo. Pas­sei a can­tar nos even­tos da fa­cul­da­de, os co­le­gas e ami­gos me con­vi­da­vam, prin­ci­pal­men­te por in­cen­ti­vo do Car­los Pedro, meu ami­go. Uma vez can­tei nas Jor­na­das Ci­en­tí icas de Psi­co­lo­gia, e a mi­nha can­ção foi adop­ta­da co­mo Hi­no Na­ci­o­nal dos Psi­có­lo­gos, is­to em 2007. Foi aí que tu­do começou… ac­tu­ei na União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos a con­vi­te do Car­los Pedro, on­de o jor­na­lis­ta Mi­guel Ne­to me con­vi­dou pa­ra o seu pro­gra­ma… a mi­nha pri­mei­ra apa­ri­ção na te­le­vi­são. Por­que, an­tes dis­so, pos­so di­zer que eu can­ta­va na igre­ja, em ca­sa com os ami­gos mas era ape­nas por uma ques­tão de te­ra­pia, can­ta­va pa­ra mi­nha au­to-cu­ra.

JC – Ho­je, con­si­de­ra-se já um mú­si­co pro is­si­o­nal?

KK– Con­si­de­ro-me um mú­si­co e fa­ço mú­si­ca pro is­si­o­nal­men­te. Pos­so mes­mo di­zer que vi­vo da mú­si­ca. Gra­ças a Deus des­de que de­ci­di abra­çar a mú­si­ca, pro is­si­o­nal­men­te, es­tou a fa­zer pro­gres­sos. Te­nho fei­to mui­tos es­pec­tá­cu­los den­tro e fo­ra de An­go­la. Es­ti­ve, re­cen­te­men­te, em Fran­ça, nas “Noi­tes de Lu­an­da em Pa­ris” e te­nho na agen­da ou­tras saí­das.

JC – O que pro­cu­ra trans­mi­tir na sua mú­si­ca?

KK– Fa­lo um pou­co de tu­do. Mas te­nho de­di­ca­do uma aten­ção es­pe­ci­al aos te­mas li­ga­dos ao amor e aos pro­ble­mas psi­cos­so­ci­ais ac­tu­ais bem co­mo a na­tu­re­za e um pou­co de sur­re­a­lis­mo. Por exem­plo, na mú­si­ca “en­tre 77 ro­sas” que cons­ta do dis­co tro­pi­cal do Chico Vi­e­gas, fa­lo de as­sun­tos com que mui­tos jo­vens têm de li­dar di­a­ri­a­men­te, co­mo a mo­da, o pu­dor, o con­su­mo de ál­co­ol, o de­sem­pre­go e a im­pru­dên­cia. Te­nho ou­tras du­as mú­si­cas que tam­bém es­tão a to­car bem nas rá­di­os e dis­co­te­cas que é “Car­li­tos” e “Bi­bi”.

JC – Gos­ta de can­tar em lín­guas na­ci­o­nais ou há al­gum com­pro­mis­so es­pe­ci­al?

KK– Eu can­to em Por­tu­guês e Ki­kon­go. E ago­ra vou in­cluin­do o Kim­bun­do e pou­co a pou­co mais ou­tras, eu gos­to das lín­guas na­ci­o­nais an­go­la­nas e afri­ca­nas e gos­to de fa­zer es­sa com­bi­na­ção por­que as nos­sas lín­guas são mui­to lin­das e ri­cas em me­tá­fo­ras e fá­bu­las. Além de ser uma for­ma de con­tri­buir pa­ra a pre­ser­va­ção da nos­sa iden­ti­da­de e tam­bém é uma ca­rac­te­rís­ti­ca pa­trió­ti­ca.

JC – Qual é a sua opi­nião so­bre a pi­ra­ta­ria mu­si­cal?

KK– Sei que exis­tem teó­ri­cos que pen­sam que a pi­ra­ta­ria aju­da a di­vul­gar a mú­si­ca. Mas, eu não con­cor­da­ria ple­na­men­te. Por­que o pi­ra­ta é con­tra o nos­so tra­ba­lho. Qu­an­do ele faz a có­pia e ven­de o CD por du­zen­tos kwan­zas es­tá a ti­rar a pos­si­bi­li­da­de do mú­si­co ven­der o seu tra­ba­lho e po­der vi­ver dis­so. Te­mos to­dos que nos opor a pi­ra­ta­ria de tu­do que é ar­te!

JC – Pa­ra qu­an­do o seu pri­mei­ro CD?

KK– Es­tou a tra­ba­lhar nis­so. Mas ain­da não te­nho da­ta. Vou dar tem­po ao tem­po. Por ago­ra qu­e­ro con­cen­trar-me na ex­plo­ra­ção des­sas três mú­si­cas. Fa­zer o mai­or nú­me­ro de shows. Qu­e­ro ser co­nhe­ci­do pri­mei­ro. Qu­e­ro que a mi­nha mú­si­ca se­ja co­nhe­ci­da só de­pois vou ver a ques­tão de ti­rar o CD.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.