Raúl To­lin­gas

Sem di­kan­za não há sem­ba

Jornal Cultura - - Primeira Página - Tex­to: Ma­ta­di Ma­ko­la Fo­tos: Ri­ta So­a­res e Pau­li­no Da­mião (50)

“A al­ma do som vem do exe­cu­tan­te e é in­dis­so­ciá­vel a ele. Não é ins­tru­men­to de se to­car frio e sem qual­quer re­la­ção sé­ria com a mú­si­ca”

Mui­ta coi­sa foi ou­vin­do de Fon­ti­nhas, em­bo­ra es­se vul­to da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na não lho te­nha pas­sa­do tes­te­mu­nho di­rec­ta­men­te. Viuo pou­cas ve­zes a to­car, mas sem­pre com mui­ta aten­ção. Foi de­pois de um con­cer­to que se di­ri­giu a To­lin­gas e dis­se: “vo­cê te­rá fu­tu­ro a to­car es­se ins­tru­men­to”. Foi na en­tão Li­ga Afri­ca­na, du­ran­te um con­cer­to do gru­po Ki­tu­xi, há mais de 20 anos. E era ver­da­de. Num epi­só­dio pos­te­ri­or, no Bra­sil, qu­an­do vai gra­var o Tchi­pa­le­pa de An­dré Min­gas, no dia de em­bar­car pa­ra Lu­an­da, o ba­te­ris­ta e o gui­tar­ra-bai­xo bra­si­lei­ros ize­ram-lhe um cerco no ae­ro­por­to por cau­sa da sua di­kan­za. Eles ti­nham con­se­gui­do ver o re­al va­lor do ins­tru­men­to e que­ri­am to­má-lo. In­ter­ro­ga­ram To­lin­gas e ali­ci­a­ram-no a ven­dê-lo. Por vá­ri­as ve­zes dis­se não à pro­pos­ta. Ho­je, é pe­la di­kan­za que se re­ve­la. Car­re­ga-a aon­de quer que vá e co­nhe­ce-lhe o pe­so da rít­mi­ca.

Co­nhe­ci­do pe­la ele­gân­cia e sin­gu­la­ri­da­de do seu to­car a di­kan­za, nas­ceu no Mar­çal a 10 de Ju­nho de 1954, e faz exac­ta­men­te 60 anos ama­nhã (ter­ça-fei­ra).

To­lin­gas co­nhe­ceu vá­ri­os es­tá­gi­os da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na: en­con­trou as tur­mas, te­ve par­ti­ci­pa­ção di­rec­ta nos con­jun­tos e tem par­ti­ci­pa­do aten­ta­men­te nas va­ri­a­ções da úl­ti­ma dé­ca­da, ac­tu­al­men­te a “re­sis­tir” no con­jun­to mu­si­cal de con­tem­po­râ­ne­os An­go­la 70 (de fe­li­ci­tar o tra­ba­lho do Go­ethe-Ins­ti­tut de Lu­an­da pe­la fa­ça­nha de os fa­zer ro­dar na Eu­ro­pa), for­ma­do a pro­pó­si­to pa­ra re­cor­dar o quão à fren­te já es­ti­vé­mos em ma­té­ria de cri­a­ção mu­si­cal, e na Re­bi­ta.

Pa­ra a mai­o­ria dos mais no­vos, mui­to in lu­en­ci­a­da com as ca­ras das re­vis­tas e das es­co­lhas da te­le­vi­são, Raúl To­lin­gas po­de mui­to bem pas­sar des­per­ce­bi­do. Po­dem não dar pe­lo exí­mio to­ca­dor de di­kan­za e de con­cer­ti­na, um dos pou­cos ma­es­tros des­ta vi­gen­te es­co­la do sem­ba, que o tem­po vai pou­co a pou­co dei­xan­do à res­pon­sa­bi­li­da­de de Pau­lo Flo­res, Ma­ti­as Da­má­sio, Yu­ri da Cu­nha ou Edy Tus­sa, só pa­ra ci­tar al­guns no­mes pro­ta­go­nis­tas da no­vís­si­ma es­co­la.

A inal, a di­kan­za

O pai gos­ta­va de to­car con­cer­ti­na na rua ou em ca­sa de ami­gos. Foi du­ran­te a ado­les­cên­cia, en­tre os dez e os quin­ze anos, que co­me­ça a to­mar o gos­to pe­la mú­si­ca por in luên­cia do seu pai, João Fer­nan­do da Fon­se­ca ou “Ti Pa­po ou Pa­po Mu­la­to”, pa­ra o di­fe­ren­ci­ar dos Pa­po Vieira Di­as e Pa­po da Ca­veia. O pai mui­tas ve­zes via a ne­ces­si­da­de de dar um “chei­ri­nho” de di­kan­za. Ele pe­ga­va num pra­to de es­mal­te ou gar­ra­fa e gar­fo e ia en­sai­an­do pa­ra co­brir a pro­e­za da di­kan­za. O es­mal­te, a gar­ra­fa, o gar­fo e a ida­de pas­sa­ram, mas a veia de “di­kan­zei­ro” ja­mais pas­sou. Co­nhe­ce­lhe bem os se­gre­dos e de­les se ali­men­ta e se faz dis­tin­to.

Iro­nia do des­ti­no, ini­ci­al­men­te “Rau­li­nho” Raúl To­lin­gas to­ca­va har­mó­ni­ca de bei­ço num con­jun­to com os ir­mãos Chi­qui­nho (vo­ca­lis­ta e bai­la­ri­no), Ze­ca Pa­po (pui­ta) e os vi­zi­nhos Mo­ne­li­to (vo­ca­lis­ta que era do Jihen­da Rit­mo), João Dan­zam­ba (ir­mão de Ji­va­go que to­ca­va bum­bu) e Ki­ki­ri­ki (cho­ca­lho). “Pi­ra­tas do Rit­mo” é o no­me que che­gam a dar ao gru­po, lá pa­ra a dé­ca­da de 70. Che­ga­ram mes­mo a gra­var du­as mú­si­cas na an­ti­ga Rá­dio Clu­be.

A di­kan­za volta de­pois, num sal­to pa­ra os gru­pos “Mo­re­nos do Rit­mo”, “Pi­cas do Zan­ga­do”, que das me­mó­ri­as lhe veio à ca­be­ça o no­me de Ne­li­nho do Sem­ba. Es­tes gru­pos se­gui­am à ris­ca a cha­ma­da “Es­co­la do Sem­ba”, que era ti­da co­mo mo­de­lo e meio de dis­cus­são do sem­ba. To­lin­gas re­cor­da que a pri­mei­ra es­co­la foi for­ma­da por Ma­lé Ma­lam­ba (Oli­vei­ra de Fon­tes Pereira), que, pos­te­ri­or­men­te, foi re­to­ma­da por jo­vens do Mar­çal, co­mo se­gui­do­res da pri­mei­ra es­co­la de sem­ba. To­lin­gas ain­da não to­ca­va e nem che­gou a ver a pri­mei­ra es­co­la de sem­ba, da­ta­da de inais de 50. Mas foi com gra­vi­da­de que lhe pas­sam o tes­te­mu­nho da im­por­tân­cia des­ta no ri­gor a to­mar acer­ca do sem­ba e sua cons­ti­tui­ção em ban­da. Na se­gun­da vez te­ve mais sor­te. Viu e ou­viu, por is­so ci­ta os no­mes de Gouveia, Mi­chel, Inó (do Ki­tu­xi), Lemos (dos Ki­e­zos). Eram jo­vens do Mar­çal que car­re­ga­vam to­do o fo­go mu­si­cal da épo­ca.

Um so­nho por re­a­li­zar

Car­re­ga o so­nho de um dia ver a di­kan­za re­co­nhe­ci­da e to­ca­da por di­ver­sa fai­xas etá­ri­as da mú­si­ca na­ci­o­nal, o que a ti­ra­ria da con­di­ção de “ins­tru­men­to em ex­tin­ção”. É por is­so que acha que o que quer fa­zer ain­da não es­tá a sur­tir efei­to, pois te­mos en­tre nós pes­so­as que não fa­zem ideia do que é uma di­kan­za. Re­le­va que não há mú­si­ca de sem­ba ou de re­bi­ta sem ele. Sa­be is­so co­mo pou­cos. E di­ta: “A ban­da de sem­ba ri­go­ro­sa­men­te tem de ter

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.