Ci­ne Na­ci­o­nal em es­ta­do de con­tin­gên­cia

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Fo­ram pos­tas a cir­cu­lar no­tí­ci­as em al­gu­mas re­des so­ci­ais com o ti­tu­lo: " MI­NIS­TRA PROI­BE EXI­BI­ÇÃO DE PE­ÇA HO­JE E AMA­NHÃ NO TE­A­TRO NA­CI­O­NAL", pon­do em cau­sa o bom no­me do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e do Go­ver­no an­go­la­no, por des­co­nhe­ci­men­to das re­ais con­di­ções téc­ni­cas do imó­vel.

As­sim, de­vi­do à interdição do es­pa­ço do Ci­ne Te­a­tro Na­ci­o­nal, pro­pri­e­da­de da Ede­ci­ne, aon­de es­ta­va agen­da­da a exi­bi­ção da pe­ça te­a­tral com o tí­tu­lo “Ora­ções de Man­sa­ta”, pe­lo pro­jec­to Ce­na Lu­só­fo­na, o mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra fez-nos che­gar o re­la­tó­rio su­cin­to apre­sen­ta­do em Mar­ço de 2014 pe­la cons­tru­to­ra Tei­xei­ra Du­ar­te, em que re­co­men­da, na qua­li­da­de de em­prei­tei­ra es­pe­ci­a­li­za­da na res­tau­ra­ção de Pa­tri­mó­ni­os Edi ica­dos, a não uti­li­za­ção da pe­ça no re­fe­ri­do lo­cal. “Sen­do as­sim, a As­so­ci­a­ção Chá de Ca­xin­de, ig­no­ran­do tão im­por­tan­te do­cu­men­to en­tre­gue à sua di­rec­ção em Mar­ço de 2014, agiu de má fé, por sua con­ta e ris­co, alu­gan­do o re­fe­ri­do es­pa­ço ao Elin­ga Te­a­tro, co-or­ga­ni­za­do­ra do even­to, inan­ci­a­do pe­la União Eu­ro­peia. Não es­tá em cau­sa o con­teú­do da pe­ça te­a­tral mas, sim, a se­gu­ran­ça dos es­pec­ta­do­res e até mes­mo dos in­ter­ve­ni­en­tes em pal­co”, es­cla­re­ce a no­ta do mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra.

RE­LA­TÓ­RIO DE INS­PEC­ÇÃO

Eis os as­pec­tos mais im­por­tan­tes a re­ter res­pi­ga­dos do ex­ten­so re­la­tó­rio da em­pre­sa Tei­xei­ra Du­ar­te.

“Foi re­a­li­za­da vi­si­ta téc­ni­ca e ins­pec­ção vi­su­al edi ício do Ci­ne Te­a­tro Na­ci­o­nal, com o ob­jec­ti­vo de iden­ti icar as prin­ci­pais pa­to­lo­gi­as exis­ten­tes na co­ber­tu­ra e pal­co. A vi­si­ta foi re­a­li­za­da no dia 8 de Fe­ve­rei­ro de 2014, a pe­di­do da Ede­ci­ne e As­so­ci­a­ção Chá de Ca­xin­de.

Cor­po A (sa­la de es­pec­tá­cu­los)

Os pai­néis de ibro­ci­men­to, en­con­tram-se da­ni ica­dos, ten­do si­do iden­ti ica­dos al­guns pon­tos de en­tra­da de água, in­cluin­do na cu­me­ei­ra. A es­tru­tu­ra de su­por­te da co­ber­tu­ra apre­sen­ta-se bas­tan- te da­ni ica­da, ve­ri ican­do-se de­for­ma­ções acen­tu­a­das, com le­chas que atin­gem 5cm A ma­dei­ra apre­sen­ta-se igual­men­te de­gra­da­da e de­te­ri­o­ra­da, com al­te­ra­ção de cor em zo­nas pon­tu­ais, com pre­sen­ça de in­dí­ci­os de exis­tên­cia de in­sec­tos e fun­gos xi­ló­fa­gos e fo­cos de hu­mi­da­de, es­tan­do su­jei­ta às in­tem­pé­ri­es e agen­tes bi­o­ló­gi­cos.

As can­to­nei­ras me­tá­li­cas apre­sen­tam ac­tu­al­men­te uma en­cur­va­du­ra bas­tan­te acen­tu­a­da nas ex­tre­mi­da­des e a meio-vão.

Em al­gu­mas uniões ve­ri icam-se igual­men­te pon­tos de cor­ro­são avan­ça­da.O tec­to fal­so exis­ten­te é cons­ti­tuí­do por pla­cas em aglo­me­ra­do de ma­dei­ra e es­tru­tu­ra de su­por­te tam­bém em ma­dei­ra, di­rec­ta­men­te às as­nas da co­ber­tu­ra. Os pai­néis e es­tru­tu­ra em ma­dei­ra en­con­tram-se se­ri­a­men­te de­for­ma­dos, de­vi­do às hu­mi­da­des que se in il­tram pe­la co­ber­tu­ra. Es­ta es­tru­tu­ra de su­por­te en­con­tra-se isen­ta de tra­ta­men­to pré­vio e pre­ga­da à prin­ci­pal, acar­re­tan­do so­bre­pe­so so­bre a es­tru­tu­ra prin­ci­pal da co­ber­tu­ra, ten­do nes­te mo­men­to uma de­for­ma­ção de cer­ca de 3cm.

Al­gu­mas lu­mi­ná­ri­as exis­ten­tes es­tão igual­men­te des­pren­di­das do tec­to fal­so, pre­ven­do-se a imi­nen­te que­da.

Cor­po B (pal­co):

Os pai­néis de ibro­ci­men­to en­con­tram-se da­ni ica­dos, ten­do si­do iden­ti ica­dos al­guns pon­tos de en­tra­da de água, in­cluin­do na cu­me­ei­ra.

De um mo­do ge­ral não se ve­ri icam de­for­ma­ções na es­tru­tu­ra de apoio da co­ber­tu­ra, ve­ri ican­do-se no en­tan­to a cor­ro­são ge­ne­ra­li­za­da dos ele­men­tos me­tá­li­cos.

Exis­tem tam­bém ele­men­tos em ma­dei­ra, co­mo pas­sa­di­ços, es­ca­das de aces­sos e ou­tros ele­men­tos di­ver­sos. To­da a ma­dei­ra en­con­tra-se em avan­ça­do es­ta­do de de­gra­da­ção, sen­do for­te­men­te no­ta­da a pre­sen­ça de in­sec­tos xi­ló­fa­gos. As es­tru­tu­ras em ma­dei­ra de aces­so às di­ver­sas zo­nas da co­ber­tu­ra não ofe­re­cem se­gu­ran­ça de uti­li­za­ção. Cons­ta­ta-se ac­tu­al­men­te um avan­ça­do grau de de­gra­da­ção de to­da a ma­dei­ra, ve­ri ican­do-se zo­nas com is­su­ras de ele­va­da ex­pres­são, al­te­ra­ção de cor e tex­tu­ra, gran­des pon­tos de hu­mi­da­de e

exis­tên­cia de in­sec­tos e fun­gos xi­ló­fa­gos.

CON­SI­DE­RA­ÇÕES FI­NAIS

Da ins­pec­ção e di­ag­nós­ti­co re­a­li­za­dos, com ba­se nu­ma ins­pec­ção vi­su­al, é de sa­li­en­tar o ele­va­do es­ta­do de de­gra­da­ção glo­bal dos ele­men­tos cons­ti­tuin­tes das co­ber­tu­ras e pal­co, tan­to ma­te­ri­al co­mo es­tru­tu­ral.

A au­sên­cia de in­ter­ven­ção a cur­to pra­zo po­de­rá ori­gi­nar a per­da da ca­pa­ci­da­de re­sis­ten­te das co­ber­tu­ras e pal­co, com­pro­me­ten­do a ocu­pa­ção des­tes es­pa­ços e pon­do em ris­co a uti­li­za­ção dos mes­mos.

Re­co­men­da-se por­tan­to que se­jam to­ma­das di­li­gên­ci­as pa­ra a re­a­li­za­ção de uma in­ter­ven­ção no edi ício, que con­tem­ple no­me­a­da­men­te:

• Re­a­bi­li­ta­ção/subs­ti­tui­ção da es­tru­tu­ra de su­por­te das co­ber­tu­ras;

• Subs­ti­tui­ção dos re­ves­ti­men­tos das co­ber­tu­ras;

• Subs­ti­tui­ção do tec­to fal­so da sa­la de es­pec­tá­cu­los e res­pec­ti­va es­tru­tu­ra de su­por­te.• Re­a­bi­li­ta­ção/subs­ti­tui­ção da es­tru­tu­ra de su­por­te do pal­co”.

Par­te ex­te­ri­or do Ci­ne Te­a­tro Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.