Mor­reu Maya An­ge­lou

“Eu sei por­que é que o pás­sa­ro can­ta na gai­o­la”

Jornal Cultura - - Primeira Página - (Maya An­ge­lou)

“O fa­to de uma mu­lher ne­gra ame­ri­ca­na adul­ta emer­gir com uma per­so­na­li­da­de ex­tra­or­di­ná­ria é fre­quen­te­men­te vis­to com es­pan­to, re­pug­nân­cia e até be­li­ge­rân­cia” (pg. 248), pon­de­ra Maya An­ge­lou no im de I Know Why The Ca­ged Bird Sings (Eu sei por­que é que o pás­sa­ro can­ta na gai­o­la), no­ve­la au­to­bi­o­grá ica bri­lhan­te e ado­rá­vel de uma das mu­lhe­res ne­gras mais no­tá­veis do mun­do. É uma fra­se ape­ti­to­sa, que sin­te­ti­za em pou­cas li­nhas o po­der e o char­me de sua au­to­ra: uma mu­lher ne­gra de men­te ex­tra­or­di­ná­ria, que sem­pre te­ve que com­ba­ter es­se des­pre­zo e es­sa sur­pre­sa dos pre­con­cei­tu­o­sos e be­li­ge­ran­tes, que de­se­ja­ri­am man­ter nas jau­las, acor­ren­ta­das e amor­da­ça­das, es­sas aves ra­ras que bem mais be­las icam vo­an­do e can­tan­do...

Po­e­ta, es­cri­to­ra, ac­triz, pro­fes­so­ra e re­a­li­za­do­ra nor­te-ame­ri­ca­na, Maya An­ge­lou mor­reu aos 86 anos em 28 de Maio de 2014. Mar­gue­ri­te Ann John­son (St. Louis, Mis­sou­ri, 4 de Abril de 1928 — Wins­tonSa­lem, Ca­ro­li­na do Nor­te, 28 de Maio de 2014) era o seu no­me de bap­tis­mo.

Pas­sou a in­fân­cia na Ca­li­fór­nia, Ar­kan­sas, e St. Louis, e vi­veu com a avó pa­ter­na, An­nie Hen­der­son, na mai­or par­te de sua in­fân­cia. Qu­an­do ti­nha 8 anos, foi es­tu­pra­da pe­lo na­mo­ra­do da mãe em St. Louis; is­to le­vou a anos de mu­dez pa­ra Maya que inal­men­te su­pe­rou com a aju­da de uma vi­zi­nha aten­ci­o­sa, e um gran­de amor pe­la li­te­ra­tu­ra.

Aos 17, Maya se tor­nou a pri­mei­ra mo­to­ris­ta ne­gra de au­to­car­ro em São Fran­cis­co e tor­nou-se mãe sol­tei­ra ao dar à luz seu pri­mei­ro ilho, nu­ma épo­ca em que is­so não era co­mum; Maya tor­nou-se a pri­mei­ra mu­lher ne­gra a ser ro­tei­ris­ta e di­rec­to­ra em Hollywo­od. Na dé­ca­da de 50 – qu­an­do sur­giu com o pseu­dó­ni­mo de Maya An­ge­lou – ela se a ir­mou co­mo ac­triz, can­to­ra e dan­ça­ri­na em vá­ri­as mon­ta­gens te­a­trais que per­cor­re­ram o país; nos anos 60, ela era ami­ga de Mar­tin Luther King Jr. e Mal­colm X. Tam­bém nos anos 60, tra­ba­lhou e vi­a­jou pe­la Áfri­ca, co­mo jor­na­lis­ta e pro­fes­so­ra, aju­dan­do vá­ri­os mo­vi­men­tos de in­de­pen­dên­cia afri­ca­nos. Em 1970, ela pu­bli­cou o pri­mei­ro li­vro, I Know Why the Ca­ged Bird Sings, al­vo de gran­de acla­ma­ção, e foi no­me­a­da pa­ra o Pu­lit­zer Pri­ze em po­e­sia no ano se­guin­te.

Em 1993, An­ge­lou leu um de seus po­e­mas cha­ma­do On the Pul­se of Mor­ning, na pos­se de Bill Clin­ton co­mo pre­si­den­te; es­te foi um dos pon­tos al­tos de sua car­rei­ra: re­ce­beu o Grammy de me­lhor tex­to re­ci­ta­do pe­la lei­tu­ra do mes­mo. No inal de sua car­rei­ra foi pro­fes­so­ra de his­tó­ria ame­ri­ca­na na Wa­ke Fo­rest Uni­ver­sity, Ca­ro­li­na do Nor­te, fa­zia ex­cur­sões e da­va pa­les­tras em vá­ri­os lu­ga­res.

“A ca­rac­te­rís­ti­ca dis­tin­ti­va da pro­sa de An­ge­lou é uma fran­que­za que re­mon­ta à tra­di­ção oral afro-ame­ri­ca­na e dá a seu tra­ba­lho a qua­li­da­de de tes­te­mu­nho.” [The New York Ti­mes]

Ain­da as­sim, eu me le­van­to Vo­cê po­de me ris­car da His­tó­ria Com men­ti­ras lan­ça­das ao ar. Po­de me jo­gar con­tra o chão de ter­ra, Mas ain­da as­sim, co­mo a po­ei­ra, eu vou me le­van­tar. [...] Po­de me ati­rar pa­la­vras a ia­das, Di­la­ce­rar-me com seu olhar, Vo­cê po­de me ma­tar em no­me do ódio, Mas, ain­da as­sim, co­mo o ar, eu vou me le­van­tar. [...] Da fa­ve­la, da hu­mi­lha­ção im­pos­ta pe­la cor Eu me le­van­to De um pas­sa­do en­rai­za­do na dor Eu me le­van­to Sou um oce­a­no ne­gro, pro­fun­do na fé, Cres­cen­do e ex­pan­din­do-se co­mo a ma­ré. Dei­xan­do pa­ra trás noi­tes de ter­ror e atro­ci­da­de Eu me le­van­to Em di­re­ção a um no­vo dia de in­ten­sa cla­ri­da­de Eu me le­van­to Tra­zen­do co­mi­go o dom de meus an­te­pas­sa­dos, Eu car­re­go o so­nho e a es­pe­ran­ça do ho­mem es­cra­vi­za­do. E as­sim, eu me le­van­to Eu me le­van­to Eu me le­van­to.

Car­ta à Mi­nha ilha

“De­di­ca­do à ilha que nun­ca te­ve, Car­ta À Mi­nha Fi­lha mos­tra o per­cur­so de Maya An­ge­lou até al­can­çar uma vi­da boa e com sen­ti­do. Es­cri­to no seu es­ti­lo ini­mi­tá­vel, es­te li­vro es­tá aci­ma de qual­quer gé­ne­ro ou ca­te­go­ria: é ao mes­mo tem­po um li­vro de pe­que­nas his­tó­ri­as, um li­vro de me­mó­ri­as, mas tam­bém um li­vro de po­e­sia – e é um pra­zer ab­so­lu­to.

Di­zer a Ver­da­de

“A mi­nha mãe, Vi­vi­an Bax­ter, avi­sou-me mui­tas ve­zes pa­ra não acre­di­tar que as pes­so­as que­rem re­al­men­te ou­vir a ver­da­de qu­an­do per­gun­tam: “Co­mo es­tás?”. Di­zia que a per­gun­ta era fei­ta em to­do o mun­do em mi­lha­res de lín­guas, mas a mai­o­ria das pes­so­as era ape­nas uma ma­nei­ra de me­ter con­ver­sa. Nin­guém es­pe­ra re­al­men­te re­ce­ber uma res­pos­ta nem se­quer es­tá in­te­res­sa­do em sa­ber:«Bem, os jo­e­lhos do­em-me tan­to que pa­re­ce que es­tão par­ti­dos e te­nho as cos­tas tão des­fei­tas que só me ape­te­cia ati­rar-me pa­ra o chão a cho­rar.» Uma res­pos­ta des­ta ser­vi­ria não pa­ra me­ter con­ver­sa, mas pa­ra aca­bar qual­quer con­ver­sa. Por is­so, res­pon­de­mos to­dos:”Es­tou bem, obri­ga­da.”

Acre­di­to que é as­sim que apren­de­mos a ou­vir men­ti­ras “so­ci­ais”. Olha­mos pa­ra ami­gos que ema­gre­ce­ram pe­ri­go­sa­men­te ou es­tão hor­rí­veis de tão gor­dos e di­ze­mos:”Es­tás com óp­ti­mo as­pec­to.” To­da a gen­te sa­be que é uma men­ti­ra des­ca­ra­da, por­que não que­re­mos li­dar com a ver­da­de. Quem me de­ra que con­se­guís­se­mos aca­bar com es­tas pe­que­nas men­ti­ras. Não es­tou a di­zer que te­mos de ser bru­tal­men­te fran­cos. Acho que não há na­da que jus­ti ique que se­ja­mos ru­des; no en­tan­to, uma pes­soa sen­te uma li­ber­da­de ma­ra­vi­lho­sa qu­an­do é ho­nes­ta. Não te­mos de di­zer tu­do o que sa­be­mos, mas de­ve­mos ga­ran­tir que aqui­lo que di­ze­mos cor­res­pon­de à ver­da­de.

Te­nha­mos a co­ra­gem de di­zer às nos­sas jo­vens:«Es­se ca­be­lo to­do mal cor­ta­do po­de es­tar na mo­da, mas não é na­da bo­ni­to. Não te fa­vo­re­ce na­da.» E di­ga­mos aos nos­sos jo­vens:«A fral­da da ca­mi­sa a apa­re­cer por bai­xo da ca­mi­so­la não te dá um ar co­ol; faz­te pa­re­cer des­ma­ze­la­do e des­lei­xa­do.» Os ca­be­ci­lhas da mo­da de Hollywo­od de­ci­di­ram re­cen­te­men­te que usar rou­pas amar­ro­ta­das e ter a bar­ba por fa­zer era sexy por­que da­va aos ho­mens o as­pec­to de te­rem aca­ba­do de le­van­tar-se da ca­ma. Es­ta­vam cer­tos e er­ra­dos. O ar des­ma­ze­la­do dá re­al­men­te a sen­sa­ção de a pes­soa ter aca­ba­do de sair da ca­ma, mas es­se ar não é atra­en­te; é re­pe­len­te.

As ar­go­las no na­riz, nos ma­mi­los e na lín­gua são mui­to pre­za­das pe­los jo­vens ain­da na ida­de de ex­pe­ri­men­tar. Em­bo­ra não gos­te de as ver, não me in­co­mo­dam mui­to por­que sei que, qu­an­do fo­rem mais ve­lhos, irão ade­rir às nor­mas dos gru­pos so­ci­ais em que tra­ba­lham e vi­vem. As ar­go­las vão de­sa­pa­re­cer, e os jo­vens irão re­zar pa­ra que os bu­ra­cos de­sa­pa­re­çam de­pres­sa pa­ra não te­rem de ex­pli­car aos seus ilhos ado­les­cen­tes por que é que aque­les bu­ra­cos ali apa­re­cem.

Va­mos di­zer a ver­da­de às pes­so­as. Qu­an­do nos per­gun­ta­rem «Co­mo es­tá?», va­mos ter a co­ra­gem pa­ra res­pon­der com ho­nes­ti­da­de de vez em qu­an­do. No en­tan­to, é pre­ci­so que sai­bas que as pes­so­as vão co­me­çar a evi­tar-te, por­que tam­bém es­tão mal dos jo­e­lhos, dói-lhes a ca­be­ça e não es­tão in­te­res­sa­das em sa­ber das tu­as do­res. Mas va­mos pen­sar as­sim: se as pes­so­as nos evi­ta­rem, va­mos ter mais tem­po pa­ra me­di­tar e ten­tar des­co­brir a cu­ra pa­ra o que es­tá a a li­gir-nos.”

(re­ti­ra­do da pá­gi­na 47 e 48 do li­vro Car­ta à Mi­nha Fil­lha de Maya An­ge­lou).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.