Ar­te ban­tu e fi­lo­so­fia de (in)to­le­rân­cia

Jornal Cultura - - Primeira Página - Jo­sé Luís Men­don­ça

“Se não me to­le­ras, eu mor­ro”. Es­te slo­gan loc­ke­a­no es­tam­pou a ex­po­si­ção de es­cul­tu­ra e pin­tu­ra que Eto­na le­vou, no dia 18 de Ju­nho, ao hall de ex­po­si­ções do Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, em Lu­an­da. Eto­na en­trou ves­ti­do com tra­jes afri­ca­nos. A abrir e a acom­pa­nhar a mos­tra, um gru­po de tra­di­ci­o­nais to­ca­do­res de ngo­ma em­pres­ta­va ao am­bi­en­te ain­da mais to­na­li­da­des do con­ti­nen­te berço. As mar­cas an­tro­po­grá icas das es­tá­tu­as de ma­dei­ra re­ve­la­vam o seu cu­nho mar­ca­da­men­te ban­tu. A con­tras­tar com to­do es­ta sim­bo­lo­gia afro-ex­pres­si­o­nis­ta, es­ta­va po­rém o tí­tu­lo da ex­po­si­ção, PRE­SENT ART (em in­glês), a di­zer da in­to­le­rân­cia de Eto­na pa­ra com a sua lín­gua-mãe. Daí o gran­de pa­ra­do­xo de Eto­na: se não to­le­ra­mos as nos­sas lín­guas ban­tu, elas aca­ba­rão por mor­rer.

É do do­mí­nio co­mum que um dos ele­men­tos mais im­por­tan­tes da iden­ti­da­de e da cul­tu­ra de um po­vo é a sua lín­gua. Ain­da há tem­pos, ou­vi­mos um ilus­tre tra­di­ci­o­na­lis­ta a ir­mar que “uma pes­soa iden­ti ica-se me­lhor pe­la sua lín­gua e pe­lo seu no­me.” Co­mo a ir­mou um dia o di­rec­tor do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral, o so­ció­lo­go Fran­cis­co Xavier Yam­bo “a atri­bui­ção dos no­mes pró­pri­os dos an­go­la­nos de­ve ser fru­to da pro­cu­ra cons­tan­te da iden­ti­da­de na­ci­o­nal, pa­ra o co­nhe­ci­men­to da nos­sa his­tó­ria.” Segundo Yam­bo, a no­me­a­ção de­ve re­pre­sen­tar o am­bi­en­te en­vol­ven­te em que a pes­soa nas­ce, as­pec­tos cul­tu­rais, fe­nó­me­no na­tu­rais e a sua ori­gem fa­mi­li­ar Ban­tu. "Só é des­ta for­ma que os no­me­a­dos se vão re­ver nos no­mes, pois de con­trá­rio es­tes cri­am uma aver­são à de­sig­na­ção de­se­ja­da, o que po­de con­du­zir à sua mu­dan­ça", dis­se. Es­ta cons­ta­ta­ção é per­fei­ta­men­te ex­tra­po­lá­vel pa­ra o uni­ver­so dos no­mes que se atri­bui aos ob­jec­tos cul­tu­rais na­ci­o­nais, se­ja um li­vro, um dis­co mu­si­cal, ou uma ex­po­si­ção. Os ob­jec­tos ex­pos­tos na ex­po­si­ção de Eto­na me­re­ci­am, pois, um no­me mais con­di­zen­te com as igu­ras ali de­se­nha­das so­bre a ma­dei­ra, de ma­triz es­sen­ci­al­men­te ban­tu.

Um es­cul­tor por ex­ce­lên­cia

Com es­ta sua mais re­cen­te ex­po­si­ção, Eto­na vem pro­var ser um es­cul­tor por ex­ce­lên­cia. Es­te é, se­gu­ra­men­te, o do­mí­nio mais con­se­gui­do de Eto­na, pe­lo que nos foi da­do a ver. Sem quais­quer ilo­so ias jus­ti ica­ti­vas da­qui­lo que Bat­si­ka­ma cha­mou de “ra­zão to­le­ran­te”, co­mo par­te de um pro­jec­to. Pa­ra nós, a Ar­te vê-se a olho nu, sem ne­ces­si­da­de de ra­zões ilo­só icas. A não ser que es­tas ra­zões se es­pe­lhem no cor­te da ma­dei­ra ou no traço do pin­cel. A ra­zão ilo­só ica não po­de vir de­pois da pro- du­ção da ar­te, co­mo uma co­la­gem pos­ter­ga­da, mas an­tes, co­mo pres­su­pos­to da sua con igu­ra­ção, tal co­mo ize­ram os re­nas­cen­tis­tas eu­ro­peus dos sé­cu­los XV e XVI.

“An­tó­nio To­más Ana. De seu no­me ar­tís­ti­co ETO­NA, nas­ci­do na dé­ca­da 60 no Soyo, na pro­vín­cia do Zai­re, des­de ce­do viu des­per­tar em si o ta­len­to pa­ra as ar­tes. A sua pri­mei­ra ins­pi­ra­ção veio do con­tac­to quo­ti­di­a­no com ma­te­ri­ais li­ga­dos à ter­ra, no seio de uma fa­mí­lia de agri­cul­to­res. To­cou-o par­ti­cu­lar­men­te a ma­dei­ra das ár­vo­res e os tron­cos cor­ta­dos pe­lo seu pai. É nes­sas raí­zes que se en­con­tra a gé­ne­se do seu tra­ba­lho de es­cul­tu­ra.

Nes­se tem­po, fez de tu­do um pou­co. Até apren­deu as ar­tes de mo­de­lar e cos­tu­rar co­mo al­fai­a­te, gra­ças aos en­si­na­men­tos do Mes­tre Mi­guel Ma­vân­du. Ain­da no Soyo, foi apu­ran­do o en­ge­nho na es­cul­tu­ra e pin­tu­ra em Ate­li­ers de ar­tis­tas lo­cais.” Des­te dis­cur­so da di­rec­to­ra do Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, re­ti­ve­mos ain­da “o lu­gar cen­tral que a Mu­lher ocu­pa nes­ta mos­tra e na cri­a­ção ar­tís­ti­ca de ETO­NA. Sua prin­ci­pal fon­te de ins­pi­ra­ção nas be­las igu­ras que es­cul­piu em ma­dei­ra e que ha­bi­tam es­te es­pa­ço. Mu­lher Mãe, Mu­lher Com­pa­nhei­ra, Mu­lher Fi­lha. Mu­lher uni­ver­sal, que ETO­NA con­si­de­ra o pi­lar es­sen­ci­al de es­tru­tu­ra­ção da fa­mí­lia e da so­ci­e­da­de.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.