A Pro­pó­si­to da Cul­tu­ra e da sua Di­ver­si­da­de IV – Re­la­ções en­tre di­ver­sas cul­tu­ras e plu­ra­lis­mo cul­tu­ral

Jornal Cultura - - Eco De Angola -

Es­te é um as­pec­to que ca­rac­te­ri­za so­bre­tu­do a nos­sa épo­ca que se de­sig­na a «Era Mo­der­na», de acor­do com uma ideia de pe­ri­o­di­za­ção his­tó­ri­ca en­tre­tan­to re­co­nhe­ci­da uni­ver­sal­men­te. (Aliás, ho­je, mui­tos ana­lis­tas re­fe­rem-se já ao tem­po ac­tu­al co­mo o do «Pós-Mo­der­nis­mo»). “As con­di­ções de vi­da do ho­mem mo­der­no … fo­ram pro­fun­da­men­te trans­for­ma­das … e as­sim pre­pa­ra-se pou­co a pou­co um ti­po de ci­vi­li­za­ção mais uni­ver­sal, uma cul­tu­ra hu­ma­na que faz avan­çar a uni­da­de do gé­ne­ro hu­ma­no na me­di­da em que res­pei­ta as par­ti­cu­la­ri­da­des de ca­da cul­tu­ra (…). A pes­soa é um ser de co­mu­nhão … ela de­sen­vol­ve-se dan­do e re­ce­ben­do. É por­tan­to na so­li­da­ri­e­da­de com os ou­tros e atra­vés de la­ços so­ci­ais ac­ti­vos que a pes­soa pro­gri­de. Tam­bém a cul­tu­ra, que é sem­pre uma cul­tu­ra con­cre­ta e par­ti­cu­lar, es­tá aber­ta aos va­lo­res su­pe­ri­o­res co­muns a to­dos os ho­mens. A ori­gi­na­li­da­de de uma cul­tu­ra não sig­ni ica uma re­trac­ção cul­tu­ral mas uma con­tri­bui­ção à uma ri­que­za que é um bem pa­ra to­dos os ho­mens(....) O plu­ra­lis­mo cul­tu­ral não de­ve ser in­ter­pre­ta­do co­mo uma jus­ta­po­si­ção de universos fe­cha­dos, mas co­mo a par­ti­lha con­cre­ta de re­a­li­da­des, to­das ori­en­ta­das pa­ra os va­lo­res uni­ver­sais da hu­ma­ni­da­de.(....) Fre­quen­tes ao lon­go da His­tó­ria, os fe­nó­me­nos de re­cí­pro­ca com­pe­ne­tra­ção cul­tu­ral, ilus­tram es­ta aber­tu­ra fun­da­men­tal das cul­tu­ras par­ti­cu­la­res so­bre os va­lo­res co­muns a to­dos os ho­mens e por is­so uma aber­tu­ra en­tre elas” 1 .

In­ter­de­pen­dên­cia cul­tu­ral

“Exis­te uma re­la­ção ne­ces­sá­ria de mú­tua de­pen­dên­cia en­tre as di­ver­sas cul­tu­ras na me­di­da em que é jus­ta­men­te no âm­bi­to da re­la­ção que ca­da cul­tu­ra po­de se de­sen­vol­ver e atin­gir a sua ple­na re­a­li­za­ção” 2 .

Em An­go­la e em par­ti­cu­lar no Rei­no do Con­go, con­tra­ri­a­men­te ao que se es­pe­ra­va da ali­an­ça cul­tu­ral en­tre por­tu­gue­ses e an­go­la­nos, en­trou o pe­sa­de­lo do trá ico de ho­mens e da es­cra­va­tu­ra que se dei­xou so­bre­tu­do ori­en­tar pe­lo le­ma as­saz am­bí­guo da “cruz e da es­pa­da”. Apa­ren­te­men­te, es­se prin­cí­pio foi mo­ti­vo su ici­en­te pa­ra jus­ti icar o im­pe­ri­a­lis­mo co­lo­ni­al que se tra­du­ziu na von­ta­de de “con­ver­ter os gen­ti­os” e de “ci­vi­li­zá-los” me­di­an­te a as­si­mi­la­ção to­tal pe­los au­tóc­to­nes dos usos e cos­tu­mes dos re­cém-che­ga­dos. No en­tan­to, “os pri­mei­ros sím­bo­los do que pa­re­cia ser um en­con­tro po­si­ti­vo de cul­tu­ras res­sal­ta-(se) a pri­mei­ra tro­ca de dons en­tre Di­o­go Cão e o en­tão rei de Mbanza Kon­go (Nzin­ga a Nku­vu). Es­sa tro­ca po­de­ria ser vis­ta ho­je co­mo si­nal da pri­mei­ra in­ter­de­pen­dên­cia em ter­mos de uma co­o­pe­ra­ção que de­ve­ria pri­vi­le­gi­ar se­ja os afri­ca­nos se­ja os re­cém- che­ga­dos. Den­tre os sím­bo­los mais ele­va­dos des­se in­ter­câm­bio con­ta-se já nes­sa da­ta o en­vio dos pri­mei­ros an­go­la­nos pa­ra Por­tu­gal com o fim de se cul­ti­va­rem na in­te­lec­tu­a­li­da­de e nas tec­no­lo­gi­as de de­sen­vol­vi­men­to e do co­nhe­ci­men­to dos ele­men­tos éti­cos que cons­ti­tu­em a religião dos re­cém-che­ga­dos, uma religião que fa­la­va do amor e da jus­ti­ça so­ci­al” . 3

A cul­tu­ra de so­ci­a­li­za­ção de cer­tos po­vos an­go­la­nos trans­mi­te-lhes “uma gran­de ca­pa­ci­da­de de adap­ta­ção e de con­vi­vên­cia com os po­vos vi­zi­nhos” 4 . Po­rém, pe­ran­te a boa con­vi­vên­cia en­tre os po­vos an­go­la­nos, “os co­lo­ni­za­do­res le­van­ta­ram on­das de ódio ét­ni­cos co­lo­can­do os an­go­la­nos uns con­tra os ou­tros” 5 .

Se o pós-in­de­pen­dên­cia foi mar­ca­do em An­go­la por ri­os de san­gue, há ape­sar dis­so um con­jun­to de ele­men­tos só­ci­o­cul­tu­rais “em par­te, an­ti­gos; em par­te, con­tem­po­râ­ne­os; al­guns es­tão em vi­as de de­sa­pa­re­ci­men­to, en­quan­to que ou­tros per­sis­tem ou se re­no­vam sob no­vas for­mas de ex­pres­são só­cio-cul­tu­rais de um po­vo que lu­ta de­ses­pe­ra­da­men­te pe­la pró­pria exis­tên­cia pas­san­do os pró­pri­os va­lo­res só­cio-cul­tu­rais de uma ge­ra­ção a uma ou­tra” . 6

GLO­BA­LI­ZA­ÇÃO E CUL­TU­RA

Em abor­da­gem cul­tu­ral, a glo­ba­li­za­ção é vis­ta co­mo um fe­nó­me­no com­ple­xo que sus­ci­ta gran­de de­ba­te le­van­do, por ve­zes, a po­si­ções im­buí­das de du­a­li­da­de ma­ni­queís­ta de acei­ta­ção ou de re­cu­sa ab­so­lu­tas, em­bo­ra al­guns re­le­vem pre­ci­sa­men­te

Ar­lin­do Bar­bei­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.