Uma len­te aten­ta à vi­da da Ilha do Ca­bo

Jornal Cultura - - Artes - Tex­to: Ma­ta­di Ma­ko­la

“É o per­cur­so. Começou e foi se es­pa­lhan­do ou ex­pan­din­do”, con­si­de­ra An­tó­nio Ole, o ar­tis­ta que no dia 3 de Ju­nho abriu a ter­cei­ra edi­ção do Vi­drul Fo­to­gra ia, que acon­te­ce no Sa­lão No­bre da União Ar­tis­tas Plas­ti­cos e pro­me­te em pró­xi­mas ex­po­si­ções os no­mes Bru­no Ca­ra­tão, Hu­go Sal­va­ter­ra, Jor­da­na Lei­tão e Sér­gio Afon­so. A ex­po­si­ção de Ole en­cer­rou no dia 17 do mes­mo mês.

Começou a fo­to­gra­far já há mui­tos anos, ain­da na dé­ca­da de 70. Reu­niu al­gu­mas das fo­to­gra ias das pri­mi­e­ras ti­ra­gens, foi se­le­ci­o­nan­do al­gu­mas fo­to­gra ias do pre­sen­te e che­gou a es­ta con­clu­são. Quis mos­trar is­so ao mes­mo tem­po. Faz fo­to­gra ia com re­gu­la­ri­da­de. Con­se­guiu cri­ar um acer­vo sig­ni ica­ti­vo, on­de as­se­gu­ra ter mui­tas coi­sas pa­ra mos­trar.

As fo­to­gra ias, tam­bém meio con­fes­si­o­ná­rio, aca­ba­ram por re­ve­lar que o ar­tis­ta tem uma gran­de pai­xão pe­la ilha e pe­la vi­da so­ci­al do pes­ca­dor: sua la­bu­ta de gran­de in­te­ra­ção com o mar. “O te­ma me cau­sa al­gum fas­cí­nio. Ti­ve gran­des ami­gos pes­ca­do­res na Chi­ca­la. Ho­je, pra­ti­ca­men­te não co­nhe­ço a Chi­ca­la. Mas, des­sas tro­cas, foi pos­si­vel co­lher ima­gens e al­guns retratos que eu ofe­re­cia a eles e que ago­ra tra­go”, dis­se Ole.

Le­van­ta­mos a in­qui­e­ta­çao da sua len­te per­me­no­ri­za­do­ra e vi­são su­be­jec­ti­va que ques­ti­o­nam a sim­ples in­ten­ção da fo­to. Não é ape­nas fo­to. É um diá­lo­lo pe­la for­ma e pe­la cor. Ole con ir­ma: “É pin­tu­ra. É li­ga­ção à ar­te pu­ra. A fo­to­gra ia po­de ser mui­to ana­lí­ti­ca. Pa­ra nós, pin­to­res, a má­qui­na fo­to­grá ica é uma fer­ra­men­ta mui­to im­por­tan­te. Às ve­zes é mais pin­tu­ra do que pro­pri­a­men­te uma fo­to”.

Nu­ma aná­li­se ge­ral da en­ti­da­de ar­tís­ti­ca de Ole apre­sen­ta­da no dia da aber­tu­ra, o cu­ra­dor/apre­sen­ta­dor An­dre Cu­nha en­ten­de-o co­mo al­guém que “res­pei­ta a tra­di­ção mas não tem qual­quer in­te­res­se em pro­du­zi-la, an­tes al­te­ra-la”, sen­do que “apro­xi­ma 1981 e 1985, es­tu­dou cul­tu­ra afro-ame­ri­ca­na e ci­ne­ma na Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia (EUA), on­de ob­te­ve o di­plo­ma do Cen­ter for Ad­van­ced Film Stu­di­es. Des­de 1975, di­ri­ge vá­ri­os do­cu­men­tá­ri­os e ví­de­os so­bre a vi­da e his­tó­ria de An­go­la, co­mo Os Fer­ro­viá­ri­os (1975), Apren­der (1976), Car­na­val da Vi­tó­ria (1978), So­nan­gol: 10 Anos Mais For­te (1987), en­tre ou­tros. De sa­li­en­tar, ain­da o fil­me Ngo­la Rit­mos so­bre o po­pu­lar gru­po mu­si­cal an­go­la­no dos anos 50, 60, que só pô­de ser exi­bi­do 11 anos mais tar­de, da­do o con­fli­to en­tre o lí­der do gru­po e o MPLA. Ins­pi­ra­do no pas­sa­do e pre­sen­te de An­go­la, An­tó­nio Ole abor­da so­bre­tu­do as te­má­ti­cas da co­lo­ni­za­ção, da guer­ra ci­vil, da fo­me, dos con­fli­tos so­ci­ais, da ex­plo­são de­mo­grá­fi­ca em Lu­an­da. Qu­an­to ao seu tra­ba­lho co­mo fo­tó­gra­fo, o ar­tis­ta o es­pec­ta­dor da sua obra. Da-lhe um pa­pel im­por­tan­te e obri­ga-o a afas­tar-se do me­ra­men­te es­té­ti­co pa­ra de­sen­vol­ver um diá­lo­go obri­ga­to­ri­a­men­te di­fe­ren­te de par­ti­ci­pan­te pa­ra par­ti­ci­pan­te, cri­an­do o mais va- começou por fo­to­gra­far fa­mí­li­as an­go­la­nas re­tra­tan­do os seus nu­me­ro­sos ele­men­tos e mos­tran­do cer­tos te­mas me­ta­fo­ri­ca­men­te. An­tó­nio Ole faz mon­ta­gens fo­to­grá­fi­cas, in­ti­tu­lan­do-as "Aci­den­tes pe­lo ca­mi­nho", ou de­sen­vol­ve o seu pro­je­to "Sal", on­de fo­to­gra­fa vá­ri­os as­pe­tos da ex­tra­ção e uso do sal co­mo ma­té­ria-pri­ma. Uma ou­tra sé­rie de fo­tos re­cor­ren­tes, são as fo­tos-pa­re­des, nas quais fo­ca a sua ob­je­ti­va pa­ra mu­ros ou fa­cha­das ar­rui­na­dos, sem­pre na mes­ma pers­pe­ti­va, is­to é, de fren­te, si­me­tri­ca­men­te a meio do en­qua­dra­men­to ou, mui­tas ve­zes, li­gei­ra­men­te por bai­xo, por for­ma a que a ima­gem pre­en­cha por com­ple­to o en­qua­dra­men­to. Co­mo ar­tis­ta plás­ti­co, Ole cria es­cul­tu­ras ins­pi­ra­das nas pin­tu­ras mu­rais dos Tchokwe, a les­te do país, e pro­duz pin­tu­ra mo­der­na, cu­ja ori­gi­na­li­da­de ri­a­do es­pec­tro de emo­ções e es­tí­mu­los que in­fe­liz­men­te ain­da ho­je não são com­pren­di­dos pe­lo pú­bli­co ge­ral an­go­la­no, sen­do em par­te gran­de cul­pa da fal­ta de for­ma­ção ar­tís­ti­ca no país.” es­tá vin­ca­da pe­los ele­men­tos tra­di­ci­o­nais uti­li­za­dos. Em 1970, aos 19 anos, cha­mou a aten­ção do pú­bli­co e da crí­ti­ca pa­ra a sua pin­tu­ra, qu­an­do, no IV Sa­lão de Ar­te Mo­der­na de Lu­an­da, expôs um qua­dro re­pre­sen­tan­do o Pa­pa Pau­lo VI a to­mar a pí­lu­la. Re­a­li­zou a sua pri­mei­ra ex­po­si­ção em 1967 e des­de a sua es­treia in­ter­na­ci­o­nal, no Mu­seum of Afri­can American Art, em Los An­ge­les, em 1984, os seus vá­ri­os tra­ba­lhos têm si­do apre­sen­ta­dos em vá­ri­as ex­po­si­ções, bi­e­nais, fes­ti­vais, co­mo em Ha­va­na (1986, 1988, 1997), São Pau­lo (1987), Ex­po'92, em Se­vi­lha, Berlim (1997), Jo­a­nes­bur­go (1995, 1997), Da­kar (1998), Ames­ter­dão (2001) e Ve­ne­za (2003). An­tó­nio Ole, um dos ar­tis­tas an­go­la­nos cu­ja re­pu­ta­ção se es­ten­deu além fron­tei­ras, vi­ve e tra­ba­lha em An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.