Odo e ds­te­as­teut­vo­o­dla­vim­mu­e­lh­te­or eo a dsi amoi­e­cao e tem o

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma - Pal­mi­ra Tji­pi­li­ca

Ter­mi­na­da a se­gun­da guer­ra mun­di­al, tra­çou-se uma no­va or­dem mun­di­al e eco­nó­mi­ca em que o sur­gi­men­to das Na­ções Uni­das é cri­a­da pa­ra com­ba­ter to­do o ti­po e for­ma de guer­ra no mun­do. Mas se nem sem­pre se con­se­gue evi­tar mui­tos dos tu­mul­tos que a Áfri­ca tem co­nhe­ci­do nal­guns dos paí­ses que a com­põe, a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das ins­ti­tuiu o dia in­ter­na­ci­o­nal da mu­lher que se ce­le­bra a ca­da 8 de Mar­ço em qua­se to­dos os paí­ses des­te pla­ne­ta, co­mo for­ma de com­ba­ter to­da a for­ma e ca­te­go­ria de vi­o­lên­cia. Até es­sa da­ta na­da ha­via de es­pe­ci­al so­bre a his­tó­ria das mu­lhe­res que se in­sur­gi­ram con­tra a mar­gi­na­li­za­ção e a in­fe­ri­o­ri­za­ção do gé­ne­ro fe­mi­ni­no, nos pos­tos de tra­ba­lho ou nos lo­cais on­de es­ta­vam mui­tas de­las a fa­zer o mes­mo es­for­ço bra­çal dos ho­mens que ti­nham que ir à guer­ra, com es­pe­ci­al destaque pa­ra as du­as pri­mei­ras guer­ras mun­di­ais da Eu­ro­pa , a par­tir das quais se cri­ou uma cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia da mu­lher na cons­tru­ção e re­cons­tru­ção de uma Eu­ro­pa di­la­ce­ra­da pe­la guer­ra, des­de 1914 à 1945, com pe­que­no in­ter­va­lo apa­dri­nha­do pe­los tra­ta­dos de paz de pou­ca du­ra­ção, in­su ici­en­tes pa­ra obri­gar as mu­lhe­res a vol­tar à ca­sa, pa­ra os ser­vi­ços me­ra­men­te do­més­ti­cos e do cam­po. A mu­lher afri­ca­na tem si­do vis­ta na de­vi­da pers­pec­ti­va da cul­tu­ra tra­di­ci­o­nal, mas é de di­zer, que pe­lo seu es­for­ço e de­ter­mi­na- ção, não se dei­xou icar aquém das mu­lhe­res eu­ro­peia, no equi­lí­brio das su­as re­la­ções com o ser mas­cu­li­no. A par­tir dos mo­men­tos pas­sa­dos de ca­da cul­tu­ra aos nos­so di­as, o que mais se con­se­guiu é a mu­lher ter ga­nha­do a cons­ci­ên­cia da im­pres­cin­di­bi­li­da­de da sua in­te­li­gên­cia e sen­si­bi­li­da­de, quer no lar, quer nou­tras áre­as so­ci­ais e po­lí­ti­cas , ten­do che­ga­do aos pa­ta­ma­res de li­de­ran­ças, mui­tas ve­zes com o apoio dos ma­ri­dos evo­luí­dos e cul­tos e tam­bém das fa­mí­li­as equi­li­bra­das, por ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al e exi­gên­ci­as da con­tem­po­ra­nei­da­de que não se com­pa­de­ce com as jus­ti ica­ções de he­re­di­ta­ri­e­da­de da mo­nar­quia tra­di­ci­o­nal. O de­sen­vol­vi­men­to da mu­lher na lu­ta pe­la eman­ci­pa­ção so­ci­al e eco­nó­mi­ca, foi re­co­nhe­ci­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te e com o evo­luir dos tem­pos Mar­ço en­trou na lon­ga lis­ta de ce­le­bra­ções que mo­bi­li­zam os ho­mens a se­rem mais gen­tis apai­xo­na­dos nes­te dia 8 de Mar­ço. A evo­lu­ção e a a ir­ma­ção da mu­lher, cri­ou no­vas re­gras de jo­go no no­vo xadrez cul­tu­ral mun­di­al, a par­tir dos es­for­ços e aces­so a lu­ga­res de de­ci­são, nos seus de­vi­dos paí­ses, com re­per­cus­são no mu­do glo­bal. A per­so­na­li­da­de da mu­lher de ho­je é re­le­van­te pa­ra o equi­lí­brio das fa­mí­li­as e das co­mu­ni­da­des on­de elas se in­se­rem. Mui­tas mu­lhe­res que ho­je se apre­sen­tam cla­ra­men­te eman­ci­pa­das, fo­ram for­ja­dos nos par­ti­dos po­lí­ti­cos. Es­ta ver­da­de é tão pre­sen­te nos paí­ses afri­ca- nos co­mo nos do oci­den­te, pe­lo que o de­sen­vol­vi­men­to do gé­ne­ro, já não se apre­sen­ta de for­ma utó­pi­ca, mas sim su ici­en­te­men­te con ir­ma­da pe­los pensamentos das mu­lhe­res, co­mo a In­di­ra Gan­di que dis­se: “há dois ti­pos de pes­so­as: as que fa­zem as coi­sas e as que icam com os lou­ros. Pro­cu­re icar no pri­mei­ro gru­po: há me­nos com­pe­ti­ti­vi­da­de”. Ma­dre Te­re­sa de Cal­cu­tá, tam­bém foi mui­to pro­fun­da, nas su­as re le­xões so­bre a vi­da qu­an­do dis­se: “sa­be­mos que o que va­mos fa­zen­do é uma gota do oce­a­no, mas o oce­a­no se­ria me­nor se lhe fal­tas­se es­sa gota”. Mui­to mais ci­ta­ções ha­ve­ria por es­pe­lhar aqui, no qua­dro da cul­tu­ra hu­ma­na, qu­an­to ao va­lor da mu­lher, não de­ven­do ape­nas es­pe­lhar-se no mês de Mar­ço, o que a hu­ma­ni­da­de sen­te e pen­sa da mu­lher, por­que tu­do se es­ba­te na cul­tu­ra par­ti­cu­lar, que aos pou­cos se vai ele­van­do pa­ra a cul­tu­ra uni­ver­sal qu­an­to à “igual­da­de do gé­ne­ro”. To­da­via, te­mos o de­ver de pas­sar bo­as prá­ti­cas fa­mi­li­a­res aos nos­sos jo­vens que olham pa­ra mui­tos de nós co­mo boa re­fe­rên­cia pa­ra as ge­ra­ções vin­dou­ras. Acre­di­to re­li­gi­o­sa­men­te que ho­mens e mu­lhe­res do meu país im­buí­dos das res­pon­sa­bi­li­da­des mo­rais do res­ga­te dos gran­des va­lo­res da nos­sa cul­tu­ra, po­dem cons­truir um mun­do me­lhor, on­de os mais no­vos não se en­ver­go­nhem da nos­sa fra­gi­li­da­de hu­ma­na, mas sim, da nos­sa ca­pa­ci­da­de de acom­pa­nhar a evo­lu­ção glo­bal do sa­ber téc­ni­co e ci­en­tí ico e pas­sá-lo de for­ma di­a­lo­ga­da, pa­ra tor­nar es­te can­ti­nho cha­ma­do An­go­la, num ver­da­dei­ro lu­gar de de­sen­vol­vi­men­to, de paz fa­mi­li­ar e con­so­li­da­ção da cul­tu­ra do tra­ba­lho, en­quan­to ad­mi­ra­vel­men­te evi­den­ci­a­mos me­lhor cres­ci­men­to da vi­da hu­ma­na, qu­an­to à es­tru­tu­ra­ção dos va­lo­res su­pe­ri­o­res, ali­cer­ça­dos na edu­ca­ção es­co­lar, na mo­ral e nou­tras áre­as do di­rei­to, eco­no­mia e diplomacia no re­la­ci­o­na­men­to com ou­tros em que a pre­sen­ça da mu­lher não o pri­vi­lé­gio de pou­cas, mas sim, o re­sul­ta­do do mé­ri­to re­co­nhe­ci­do na exe­cu­ção das fun­ções em to­das as áre­as da vi­da pública e pri­va­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.