Con­jun­to An­go­la 70 en­cer­ra fes­ti­val de Berlim

Ins­ti­tu­to Go­ethe faz cin­co anos a li­gar An­go­la e Ale­ma­nha

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural - Ma­ta­di Ma­ko­la

Co­me­mo­ra­da na For­ta­le­za de Lu­an­da na tar­de do dia 15 de Ju­nho, a fes­ta dos cin­cos anos da pre­sen­ça do Go­etheIns­ti­tu­to Cul­tu­ral Ale­mão de An­go­la de­cor­reu ao som da­que­la que se tor­nou na sua mas­co­te mu­si­cal: Con­jun­to Mu­si­cal An­go­la 70, que da sua di­rec­to­ra, *Ch­ris­ti­a­ne Schul­te, re­ce­be­mos a noc­tí­cia do con­cer­to des­te con­jun­to no tra­di­ci­o­nal Fes­ti­val de Ve­rão ao ar li­vre "Wassermusik" na Ca­sa das Cul­tu­ras do Mun­do, em Berlim.

Com iní­cio a 24 de Ju­lho, o con­cer­to do con­jun­to An­go­la 70 no dia 16 de Agos­to en­cer­ra o re­fe­ri­do fes­ti­val. Fi­ca ain­da agen­da­do pa­ra o fes­ti­val a apre­sen­ta­ção no dia 8 de Agos­to dos il­mes Ur­ba Mo­ti­on, uma sé­rie de retratos ur­ba­nos e da ce­na mu­si­cal lu­an­den­se que a pro­du­to­ra an­go­la­na Ge­ra­ção 80 de­sen­vol­veu con­tan­do com o apoio do Ins­ti­tu­to Go­ethe.

A apos­ta no con­jun­to as­sen­ta na vi­são glo­bal do Go­ethe em não dei­xar es­que­cer o pas­sa­do, co­mo ates­ta a sua di­rec­to­ra: “Sem co­nhe­cer o pas­sa­do não se­ria pos­sí­vel tra­çar o fu­tu­ro ou de­sen­vol­ver no­vos pro­jec­tos. Eu pes­so­al­men­te acho que é uma ideia glo­bal. Apos­ta­mos no co­nhe­ci­men­to des­tes clás­si­cos e da­mos a co­nhe­cer as no­vas rou­pa­gens. As pes­so­as gos­tam mui­to des­sa mú­si­ca lá na Ale­ma­nha e têm gran­de acei­ta­ção e res­pei­to”.

Nes­tes cin­co anos, o Go­ethe fo­cou as su­as ener­gi­as nas áre­as da Mú­si­ca, Ar­qui­te­tu­ra, Li­te­ra­tu­ra, Dan­ça, De­sig­ner e Ci­ne­ma. Em Li­te­ra­tu­ra, por exem­plo, a di­rec­to­ra des­ta­cou os pro­jec­tos Ku­sun­gui­la (spo­kem word, em 2013) e Pi­tan­ga, que vi­sam a pro­mo­ção de po­e­si­as an­go­la­nas na Ale­ma­nha, que icou tam­bém co­nhe­ci­do co­mo lo­ja de po­e­tas, vis­to que é uma pla­ta­for­ma cu­jas apre­sen­ta­ções bi­lin­gues (por­tu­guês e ale­mão) fo­ram in­se­ri­das na in­ter­net. Es­tes pro­jec­tos con­ta­ram com a par­ce­ria da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos e do pro­jec­to ju­ve­nil de ca­riz li­te­rá­rio Ar­tes ao Vi­vo.

Tam­bém tem no seu arquivo a com­pi­la­ção de rit­mos tra­di­ci­o­nais de An­go­la, gui­tar­ras psi­ca­dé­li­cas, sons do Con­go vi­zi­nho, Gro­o­ves la­ti­nos, me­ren­gue ca­ri­be­nho e rit­mos da ve­lha es­co­la do car­na­val an­go­la­no, que em 2010 re­sul­tou no cd “An­go­la Sound­track. The uni­que Sound of Lu­an­da (1968-1976)”, que me­re­ceu em 2011 a aten­ção da crí­ti­ca ale­mã.

Ain­da na mú­si­ca, com o pro­jec­to Tem Ci­ti­es, cu­jo im­pac­to ecoa gran­de­men­te na li­nha do ku­du­ro, que con­quis­tou as gran­des ci­da­des ale­mãs co­mo Ber­lin e Frank­furt, on­de mui­tas noi­tes são pre­en­chi­das com es­te som -, pre­vê pa­ra inal des­te ano a pu­bli­ca­ção em cd das re­co­lhas dos sons ur­ba­nos das ci­da­de de Berlim, Bris­tol, Jo­a­nes­bur­go, Cai­ro, Ki­ev, La­gos, Lis­boa, Lu­an­da, Nai­ro­bi e Ná­po­les.

O Ci­ne­ma no te­lha­do, um dos mais mar­can­tes pro­jec­tos do Go­ethe na área do ci­ne­ma, tem ser­vi­do pa­ra mos­trar il­mes in­de­pen­den­tes de ci­ne­as­tas ale­mãs que não fa­zem par­te do cir­cui­to co­mer­ci­al.

Fa­zer pontes cul­tu­rais en­tre a Ale­ma­nha-An­go­la-Áfri­ca, mos­trar o que se faz de cul­tu­ra é o gran­de ob­jec­ti­vo do Ins­ti­tu­to Go­ethe, a ac­tu­ar nas di­ver­sas áre­as des­te ra­mo. O Go­ethe Ins­ti­tu­to de An­go­la se pro­põe aber­to a vá­ri­os pro­jec­tos, em­bo­ra te­nha uma equi­pa pe­que­na e é um dos ins­ti­tu­tos mais no­vos, em com­pa­ra­ção aos do Qué­nia, Áfri­ca do Sul e Ca­ma­rões. Se­gue a ilo­so ia de co­o­pe­ra­ção, que fun­ci­o­na sem­pre com aju­da de par­ce­ri­as na­ci­o­nais, e é es­sa vi­são que dá fô­le­go ao Mo­ving Áfri­ca, um pro­jec­to que já com­tem­plou vá­ri­os ar­tis­tas: a bai­la­ri­na Ros­sa­na Mi­ran­da foi ao fes­ti­val de dan­ça na Tan­zâ­nia, o re­a­li­za­dor Jor­ge Pal­ma foi ao fes­ti­val de ci­ne­ma FESPACO, a ar­tis­ta plás­ti­ca Ri­ta GT foi a Jo­a­nes­bur­go par­ti­ci­par no workshop “The­ory and Cri­ti­cism”, o de­sig­ner Ja­nuá­rio Jo­sé vi­si­tou o fes­ti­val "Dou­al'art dos Ca­ma­rões, o mú­si­co Jack Nkan­ga foi a Zim­babwe par­ti­ci­par no HIFA-Ha­ra­re In­ter­na­ti­o­nal Fes­ti­val of the Arts Zim­babwe, a re­a­li­za­do­ra Ma­ria João Gan­ga par­ti­ci­pou num en­con­tro de re­a­li­za­do­ras afri­ca­nas em Se­tem­bro de 2010 em Jo­a­nes­bur­go “Pro­fes­si­o­nal Wo­men Arts Me­e­ting”, só pa­ra ci­tar al­guns.

* Ch­ris­ti­a­ne Schul­te

nas­ceu e cres­ceu em Dort­mund, na Ale­ma­nha. Es­tu­dou Lin­guís­ti­ca Ro­mâ­ni­ca, His­tó­ria Mo­der­na e An­ti­ga em Müns­ter e Bor­de­aux. De­pois de uma for­ma­ção com­ple­men­tar co­mo re­dac­to­ra, tra­ba­lhou por mui­tos anos co­mo jor­na­lis­ta pa­ra jor­nais, re­vis­tas e em­pre­sas. Em 2007 começou as su­as fun­ções no Go­ethe-Ins­ti­tut. Du­ran­te três anos ge­riu o Go­ethe-Zen­trum na Na­mí­bia, an­tes de as­su­mir a di­rec­ção do Go­ethe-Ins­ti­tut An­go­la, em 2010.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.