Po­e­mas de Vas­co Gra­ça Mou­ra

Jornal Cultura - - Arte Poética -

So­ne­to do amor e da mor­te

qu­an­do eu mor­rer mur­mu­ra es­ta can­ção que es­cre­vo pa­ra ti. qu­an­do eu mor­rer ica jun­to de mim, não quei­ras ver as aves par­das do anoi­te­cer a re­vo­ar na mi­nha so­li­dão. qu­an­do eu mor­rer se­gu­ra a mi­nha mão, põe os olhos nos meus se pu­der ser, se in­da ne­les a luz es­mo­re­cer, e diz do nos­so amor co­mo se não ti­ves­se de aca­bar, sem­pre a do­er, sem­pre a do­er de tan­ta per­fei­ção que ao dei­xar de ba­ter-me o co­ra­ção ique por nós o teu in­da a ba­ter, qu­an­do eu mor­rer se­gu­ra a mi­nha mão.

(in "An­to­lo­gia dos Ses­sen­ta Anos")

Um po­e­ma iné­di­to

pois eu gos­to de lom­bo e fei­jo­a­da, fa­vas e grão, e tu­do o que in­di­ges­to me faz sen­tir um ci­da­dão ho­nes­to na ho­ra pran­di­al e bem re­ga­da do tin­to das co­lhei­tas a que pres­to a vé­nia pa­la­tal e rei­te­ra­da, sem es­que­cer qual­quer ba­ca­lho­a­da, troi­xas de ovos, pu­dins e tu­do o res­to que até po­de pro­var-nos que al­gum deus a inal sem­pre exis­te e á cá dos meus e às ve­zes me apro­xi­ma do vinicius. e po­de mes­mo ser que não se mor­ra as­sim da gran­de bouf­fe à tri­pa-for­ra, e se fa­ça um so­ne­to a es­ses ví­ci­os...

(pu­bli­ca­do no JL, nº 1138)

La­men­to por Di­o­ti­ma

o que va­mos fa­zer ama­nhã nes­te ca­so de amor de­ses­pe­ra­do? ou­vir mú­si­ca ro­mân­ti­ca ou tre­par pe­las pa­re­des aci­ma? amar­fa­nhar-nos nu­ma ca­dei­ra ou icar ixa­men­te di­an­te de um co­po de vi­nho ou de uma ra­vi­na? o que va­mos fa­zer ama­nhã que não se­ja um ajus­te de con­tas? o que va­mos fa­zer ama­nhã do que mais se so­nhou ou mor­reu? nu­ma es­qui­na tal­vez te atro­pe­lem, num rel­va­do tal­vez me fu­si­lem o teu cor­po tal­vez se­ja meu, mas que va­mos fa­zer ama­nhã en­tre as ár­vo­res e a so­li­dão?

(in “O Con­cer­to Cam­pes­tre”)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.