O ócio cri­a­ti­vo ver­sus co­pi­ar e co­lar

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma - Val­deck Almeida de Je­sus

de ou de­vi­do à pre­gui­ça men­tal, a nos­sa ge­ra­ção es­tá se es­tag­nan­do, per­den­do neu­ró­ni­os ou ican­do bur­ra.

Par­te des­se pro­ces­so de em­bur­re­ci­men­to se de­ve à edu­ca­ção que pri­vi­le­gia a for­ma­ção de mão-de-obra far­ta e ba­ra­ta, em de­tri­men­to da cri­a­ti­vi­da­de e da va­lo­ri­za­ção do ser hu­ma­no. Não se le­va em con­ta as po­ten­ci­a­li­da­des in­di­vi­du­ais e, por is­so, to­dos são obri­ga­dos a ad­qui­rir e me­mo­ri­zar mi­lhões de in­for­ma­ções. Ex­ces­so de in­for­ma­ção po­de stres­sar e em­bo­tar o cé­re­bro, nos trans­for­mar nu­ma má­qui­na re­pe­ti­do­ra, re­pro­du­to­ra de co­nhe­ci­men­tos. E re­pro­du­zir, qual­quer ma­ca­co faz, até os que nun­ca ti­ve­ram con­tac­to com o que se cha­ma cul­tu­ra. Cri­ar é ou­tra coi­sa, mes­mo que a cri­a­ção se­ja ba­se­a­da no que já exis­te, tan­to pa­ra aper­fei­ço­ar qu­an­to pa­ra dar no­vas ina­li­da­des, re­ci­clar ou o que se­ja. E cri­a­ti­vi­da­de po­de sur­gir, tam­bém, no meio do ca­os. Mas o exem­plo dos gran­des iló­so­fos e in­ven­to­res de­mons­tra que a cal­ma, a pa­ci­ên­cia, a re le­xão, o tem­po pa­ra pen­sar e pa­ra se di­ver­tir ti­ve­ram al­ta re­le­vân­cia no pro­ces­so cri­a­ti­vo de­les. As gran­des in­ven­ções fo­ram fei­tas em uma épo­ca em que o li­mi­te do cor­po hu­ma­no ain­da era res­pei­ta­do. O cor­po e a men­te pre­ci­sam de tem­po pa­ra des­can­so, pois so­mos uma má­qui­na per­fei­ta, mas so­mos bi­o­ló­gi­cos, de car­ne e os­so, com li­mi­tes ísi­cos, men­tais e psi­co­ló­gi­cos.

Es­ses li­mi­tes nem sem­pre são res­pei­ta­dos no pro­ces­so me­ca­ni­za­do em que o mun­do mo­der­no se en­con­tra. Tu­do é cro­no­me­tra­do e me­di­do em ci­fras: tem­po é di­nhei­ro. Des­can­sar e pa­rar pa­ra re lec­tir não po­de; re­ser­var um tem­po pa­ra pen­sar é proi­bi­do, pois po­de sig­ni icar me­nos lu­cro. Até o ho­rá­rio do al­mo­ço é de­ter­mi­na­do pe­lo re­ló­gio inan­cei­ro. To­dos de­vem sen­tir fo­me no ho­rá­rio “co­mer­ci­al”, das 12 às 14 ho­ras. Co­mo não se tem tem­po pa­ra re le­xão, des­can­so e la­zer, o pro­ces­so cri­a­ti­vo po­de so­frer per­das. En­tão, va­mos co­pi­ar e co­lar que dá me­nos tra­ba­lho, não can­sa o cé­re­bro, não stres­sa nin­guém. Re­sul­ta­do: o mun­do ex­pe­ri­men­ta uma en­xur­ra­da de cri­a­ção que vi­ra li­xo em pou­cos mi­nu­tos. Pa­ra con­su­mir es­se mon­te de coi­sas é ne­ces­sá­rio tra­ba­lhar ca­da vez mais, ga­nhan­do ca­da vez me­nos, ge­ran­do dis­pu­ta de­sen­fre­a­da por bens ma­te­ri­ais e vi­o­lên­cia. Pa­ra se li­vrar de tan­to li­xo não bas­ta sen­tar no va­so sa­ni­tá­rio e pu­xar a cor­di­nha, te­mos que pa­rar pa­ra pen­sar... __________________________________ Val­deck Almeida de Je­sus nas­ceu em Je­quié-BA, em 15 de Mar­ço de 1966, fez o pri­má­rio e cur­so mé­dio em Je­quié. Em­bai­xa­dor Uni­ver­sal da Paz, Mem­bro da Aca­de­mia de Le­tras do Bra­sil, Aca­de­mia de Le­tras de Je­quié, da Aca­de­mia de Cul­tu­ra da Baía, da Aca­de­mia de Le­tras de Teó ilo Oto­ni, dos Po­e­tas del Mun­do, do Fa­la Es­cri­tor e da União Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res. In­gres­sou na Fa­cul­da­de de Le­tras da UESB e con­cluiu um se­mes­tre. In­gres­sou na Fa­cul­da­de São Sal­va­dor e con­cluiu três se­mes­tres de Tu­ris­mo. Cur­sou in­glês e es­pa­nhol no FISK, por três anos e meio. Es­tá cur­san­do Jor­na­lis­mo na Fa­cul­da­de So­ci­al da Baía. Lan­çou os se­guin­tes li­vros: “He­ar­ta­che Po­ems. A Bra­zi­li­an Gay Man Co­ming Out from the Clo­set”, Edi­to­ra iU­ni­ver­se, New York, USA, 2004; “Fei­ti­ço Con­tra o Fei­ti­cei­ro”, Edi­to­ra Scor­tec­ci, São Pau­lo, 2005; 20% da ren­da do­a­da às Obras So­ci­ais de Ir­mã Dul­ce; “Me­mo­ri­al do In­fer­no. A Sa­ga da Fa­mí­lia Almeida no Jar­dim do Éden”, Edi­to­ra Scor­tec­ci, São Pau­lo, 2005; 1ª edi­ção – 100% da ren­da do­a­da às Obras So­ci­ais de Ir­mã Dul­ce; “Ja­mais Es­que­ce­rei do Brother Je­an Wyllys”, Ca­sa do No­vo Au­tor Edi­to­ra, São Pau­lo, 2006; “1ª An­to­lo­gia Poé­ti­ca Val­deck Almeida de Je­sus”, pu­bli­ca­da pe­la Ca­sa do No­vo Au­tor Edi­to­ra, São Pau­lo, 2006; “Me­mo­ri­al do In­fer­no. A Sa­ga da Fa­mí­lia Almeida no Jar­dim do Éden”, Giz Edi­to­ri­al, São Pau­lo, 2007 – 2ª edi­ção; 20% da ren­da do­a­da às Obras So­ci­ais de Ir­mã Dul­ce; Par­ti­ci­pa de mais de vin­te an­to­lo­gi­as de po­e­si­as.

Si­te pes­so­al: www.ga­li­nha­pu­lan­do.com

Char­les Cha­plin

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.