“Em ArmUasm P Le­li­o­vrSo­oN­nho­o­tá Dve­ol Im­pé­rio”

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural - Ben­to da Cruz

Por co­mo­di­da­de de ex­po­si­ção, di­vi­di­re­mos EM AR­MAS PE­LO SO­NHO DO IM­PÉ­RIO em du­as par­tes: a his­tó­ri­ca e a au­to­bi­o­grá ica.

A pri­mei­ra é uma sín­te­se lú­ci­da, mui­to bem do­cu­men­ta­da, das re­la­ções de Por­tu­gal com as co­ló­ni­as de Áfri­ca. Frei Ber­nar­do de Bri­to re­cua a sua his­tó­ria de Por­tu­gal até ao di­lú­vio. An­tó­nio Cha­ves ica-se pe­los Des­co­bri­men­tos.

Os pri­mei­ros bar­cos que o In­fan­te D. Hen­ri­que lan­çou ao mar não se de­vem ter di­ri­gi­do pa­ra o Atlân­ti­co mas sim pa­ra o Me­di­ter­râ­neo. A fa­zer o que? Pi­lha­gens nas cos­tas do Nor­te de Áfri­ca e do sul de Es­pa­nha on­de en­tão ain­da exis­tia o rei­no mu­çul­ma­no de Gra­na­da. Es­ta tác­ti­ca re­ve­lou-se pe­ri­go­sa por­que os mu­çul­ma­nos pa­ga­vam-nos na mes­ma mo­e­da. E qu­an­do Ma­o­mé qu­e­ria, ata­ca­vam as cos­tas por­tu­gue­sas. É daí que vem a ex­pres­são: “mou­ro na cos­ta!” Qu­an­do es­te alar­me so­a­va, era o pâ­ni­co, o sal­ve-se quem pu­der. E nem sem­pre se sal­va­va tu­do nem to­dos. O for­te des­tas sur­ti­das a ter­ras ini­mi­gas era fa­zer pri­si­o­nei­ros pa­ra de­pois os ven­der co­mo es­cra­vos. E o In­fan­te, ou al­guém por ele, che­gou à con­clu­são de que se­ria mais fá­cil e me­nos pe­ri­go­so ir bus­car es­cra­vos às cos­tas afri­ca­nas do Atlân­ti­co do que às do Me­di­ter­râ­neo. E começou a di­ri­gir a na­ve­ga­ção pa­ra sul. Os pri­mei­ros bar­cos, po­rém, es­bar­ra­ram com um obs­tá­cu­lo in­trans­po­ní­vel: o Ca­bo Bo­ja­dor, pa­ra além do qual ica­va o “Mar Te­ne­bro­so,” com “Mons­tros Ma­ri­nhos” “Tem­pe­ra­tu­ras tão al­tas que a água fer­via” e ou­tros hor­ro­res ali­men­ta­dos pe­la ig­no­rân­cia e a su­pers­ti­ção me­di­e­vais. A ver­da­dei­ra di- icul­da­de em do­brar o Bo­ja­dor é que ele era cons­ti­tuí­do por bai­xi­os de tal or­dem que a 25 qui­ló­me­tros da cos­ta a pro­fun­di­da­de do mar não ia além de 2,5 me­tros. Aper­ce­ben­do-se des­tes es­co­lhos, Gil Eanes afas­tou-se o su ici­en­te da cos­ta pa­ra os evi­tar. E do­brou e te­me­ro­so ca­bo em 1434.

Na es­tei­ra de Gil Eanes, vi­e­ram Nu­no Tristão, Di­o­go Cão e Bar­to­lo­meu Di­as que fo­ram co­lo­can­do pa­drões e es­ta­be­le­cen­do fei­to­ri­as ao lon­go da cos­ta oci­den­tal da Áfri­ca até ao Ca­bo da Boa Es­pe­ran­ça. A par­tir des­tas fei­to­ri­as cos­tei­ras co­me­ça­ram os por­tu­gue­ses a ne­go­ci­ar com os po­vos in­dí­ge­nas. Con­sis­tia o co­mér­cio em ou­ro, mar im, pe­les, es­pe­ci­a­ri­as e, prin­ci­pal­men­te, es­cra­vos. No seu mag­ní ico li­vro, pag. 157, An­tó­nio Cha­ves trans­cre­ve da “Cró­ni­ca do Des­co­bri­men­to e Con­quis­ta da Gui­né” de Gomes Eanes de Zu­ra­ra, o am­bi­en­te em que de­cor­reu, na pre­sen­ça do In­fan­te, o pri­mei­ro leilão de es­cra­vos, a 8 de Agos­to de 1445, na ci­da­de de La­gos. Lei­am, que me­re­ce a pe­na.

As­sim começou a sa­ga da es­cra­va­tu­ra. Mais de do­ze mi­lhões de ne­gros cap­tu­ra­dos em Áfri­ca e tra­zi­dos, nas con­di­ções mais pre­cá­ri­as e sub hu­ma­nas que ima­gi­nar se pos­sa, pa­ra a Eu­ro­pa, os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca e o Bra­sil. Es­ta pou­ca-ver­go­nha man­te­ve-se até à re­vo­lu­ção in­dus­tri­al, na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo de­za­no­ve. Nes­sa al­tu­ra os es­cra­vos dei­xa­ram de ser ca­ça­dos e ven­di­dos, não por ra­zões hu­ma­ni­tá­ri­as, mas sim por­que já não fa­zi­am fal­ta. As má­qui­nas ti­nham vin­do subs­ti­tuí-los nas plan­ta­ções de ca­fé e do al­go­dão.

No seu es­ti­lo lu­en­te e cul­to An­tó­nio Cha­ves dá-nos um qua­dro im­pres­sio- nan­te des­sa sa­ga da es­cra­va­tu­ra. Pas­sa de­pois à mi­rí ica de­ci­são de po­vo­ar An­go­la com de­gre­da­dos. To­dos os cri­mi­no­sos e in­de­se­já­veis de Por­tu­gal, da Itá­lia, da In­gla­ter­ra, da ín­dia e do Bra­sil ali eram des­pe­ja­dos. Mui­tos de­les mor­ri­am nos pri­mei­ros anos. Mas uma boa par­te de­les so­bre­vi­veu e to­mou, por as­sim di­zer, con­ta da co­ló­nia. Nes­te es­ta­do de coi­sas che­gá­mos à con­fe­rên­cia de Berlim de 1885, on­de as po­tên­ci­as eu­ro­pei­as in­te­res­sa­das na par­ti­lha da Áfri­ca, de­li­be­ra­ram que, pa­ra um país rei­vin­di­car a pos­se de um ter­ri­tó­rio, não bas­ta­vam os cha­ma­dos “di­rei­tos his­tó­ri­cos”. Era pre­ci­so ocu­pá-lo efec­ti­va­men­te.

Foi tam­bém por es­sa al­tu­ra que Por­tu­gal se saiu com a fan­ta­sia do cha­ma­do “Ma­pa cor-de-ro­sa” que era, nem mais nem me­nos, que o so­nho de li­gar An­go­la a Mo­çam­bi­que. Tal pro­jec­to co­li­dia fron­tal­men­te com ou­tro da In­gla­ter­ra que pro­jec­ta­va li­gar a ci­da­de do Ca­bo ao Cai­ro e deu ori­gem ao Ul­ti­ma­to In­glês de 11 de Ja­nei­ro de 1890, à re­vol­ta de 31 de Ja­nei­ro de 1891 no Por­to, e, no res­cal­do, ao as­sas­si­na­to do rei D. Car­los e do prín­ci­pe D. Luís Fi­li­pe no Ter­rei­ro do Pa­ço em 1 de Fe­ve­rei­ro de 1908 e à im­plan­ta­ção da Re­pú­bli­ca em 5 de Ou­tu­bro de 1910.

O fac­to é que, na con­sequên­cia ou por im­pe­ra­ti­vo da Con­fe­rên­cia de Berlim, Por­tu­gal deu iní­cio às Cam­pa­nhas de ocu­pa­ção do sul de An­go­la, as quais nem sem­pre fo­ram fa­vo­rá­veis às nos­sas tro­pas co­mo acon­te­ceu em 1904 no cha­ma­do “De­sas­tre mi­li­tar do Va­le do Pem­be” em que um des­ta­ca­men­to de qui­nhen­tos mi­li­ta­res de car­rei­ra fo­ram com­ple­ta­men­te es­pe­zi­nha­dos pe­los Cu­a­ma­tos.

No seu es­ti­lo dig­no de Jú­lio César ou de Xe­ne­fon­te, An­tó­nio Cha­ves fa­la­nos ain­da da ten­ta­ti­va de co­lo­ni­za­ção do sul de An­go­la pe­los Bóe­res ex­pul­sos pe­los in­gle­ses do Trans­va­al e que le­va­ram cin­co anos pa­ra atra­ves­sar o de­ser­to an­tes de se ixa­rem na re­gião de Hum­pa­ta, e da odis­seia dos ma­dei­ren­ses atraí­dos por pro­mes­sas fa­la­ci­o­sas a Sá da Ban­dei­ra ou Lubango.

En­tre­tan­to eclo­diu a Pri­mei­ra Gran­de Guer­ra e nós, além de ser­mos obri­ga­dos a com­ba­ter os ale­mães na Flan­dres, ti­ve­mos de os ir com­ba­ter tam­bém em Áfri­ca.

Após a Pri­mei­ra veio a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al e a se­guir a ela a Car­ta das Na­ções Uni­das, a qual, sob a in luên­cia de Fran­klin Ro­o­se­velt, pre­co­ni­za­va a in­de­pen­dên­cia dos po­vos co­lo­ni­za­dos. Di­zia ele e com ra­zão: não ti­nha lógica ne­nhu­ma es­tar­mos a com­ba­ter as di­ta­du­ras fas­cis­tas na Eu­ro­pa e con­ti­nu­ar­mos a ex­plo­rar po­vos de ou­tros con­ti­nen­tes. Os Es­ta­dos Uni­dos de­ram o exem­plo con­ce­den­do a in­de­pen­dên­cia às Filipinas; a Holanda fez o mes­mo à In­do­né­sia; a In­gla­ter­ra aca­bou por abrir mão da Ín­dia, da Áfri­ca do Sul e do res­to das su­as co­ló­ni­as afri­ca­nas; a Fran­ça e a Bél­gi­ca apro­vei­ta­ram a li­ção. Só Por­tu­gal, com a sua de­sas­tra­da po­lí­ti­ca do Es­ta­do No­vo e do “Or­gu­lho­sa­men­te Sós”, é que se lem­brou de con­ser­var in­tac­to o seu “Im­pé­rio Co­lo­ni­al”. Os nos­sos co­lo­ni­za­dos, po­rém, ven­do to­dos os seus vi­zi­nhos a ca­mi­nhar pa­ra a in­de­pen­dên­cia, não po­di­am icar in­di­fe­ren­tes aos cha­ma­dos “ven­tos da his­tó­ria”. Co­me­ça­ram a or­ga­ni­za­rem­se em “Mo­vi­men­tos de Li­ber­ta­ção”. Daí à lu­ta ar­ma­da e à guer­ra, foi um

An­tó­nio Cha­ves la­de­a­do de Te­re­sa Ben­to do I. Ca­mões e do edi­tor, Ar­lin­do Isa­bel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.