A po­e­sia da dan­ça

Jornal Cultura - - Eco De Angola - Jo­sé Luís Men­don­ça

Dan­çar faz bem à al­ma hu­ma­na e ao Gran­de Es­pí­ri­to da Na­tu­re­za. An­tes do ho­mem dan­çar, já o fa­zi­am as ár­vo­res, ao sa­bor do ven­to e da chu­va. Já dan­ça­vam, an­tes do ho­mem, as aves e os oce­a­nos, as ba­lei­as e as arei­as inís­si­mas de mui­tas co­res, já dan­ça­vam os vul­cões e as pla­cas tec­tó­ni­cas da pró­pria Ter­ra. O Sol dan­ça há mui­tos mi­lhões de anos, em tor­no de si mes­mo, e to­do o Uni­ver­so é uma in ini­ta dan­ça em es­pi­ral.

Dan­çam os ani­mais an­tes de aca­sa­la­rem. Dan­çam as aves e os pás­sa­ros, poi­sa­dos ou sus­pen­sos no io do ho­ri­zon­te. Dan­çam as pa­la­vras no céu da nos­sa bo­ca, an­tes de saí­rem pe­la bo­ca fo­ra e cri­a­rem no­vas re­a­li­da­des ísi­cas e psí­qui­cas.

De tan­to ob­ser­var a so­ci­e­da­de hu­ma­na nos seus mí­ni­mos con­tor­nos, te­nho vis­to ao pé de mim aves bai­la­ri­nas. Mes­mo sem asas vi­sí­veis. Es­sas aves têm ou­tra es­pé­cie de asas: as da ima­gi­na­ção e da bon­da­de. Tam­bém as tem a Ana Cla­ra Guer­ra Marques, fun­da­do­ra da Com­pa­nhia de Dan­ça Con­tem­po­râ­nea de An­go­la (CDC). E o es­pí­ri­to que com ela se sen­ta à me­sa é es­sa ar­te de sa­ber dan­çar co­mo uma ma­ri­po­sa e fa­zer dan­çar em pal­co os se­te pás­sa­ros acro­bá­ti­cos da CDC. Se­te re­ve­la­ções do an­ti­go mi­to do hu­ma­no voo com os pés na ter­ra.

De­pois de ver­mos tu­do qu­an­to a CDC já mos­trou, ica­mos sem sa­ber qual es­pec­tá­cu­lo ele­ger, por­que to­dos se pau­ta­ram pe­lo pris­ma da ex­ce­lên­cia e do ri­gor. O úl­ti­mo es­pec­tá­cu­lo, que é te­ma de ca­pa des­te jor­nal, “Pai­sa­gens Pro­pí­ci­as” tem al­go de má­gi­co: são as vo­zes dos pas­to­res do de­ser­to do Na­mi­be. E é to­da uma cul­tu­ra nas­ci­da do ou­ro do lei­te das va­cas e da tran­su­mân­cia que ir­ra­dia des­sa pe­ça. Os cor­pos em êx­ta­se dan­çan­te ex­pri­mem, em igu­ras mó­veis, elás­ti­cas e em de­ter­mi­na­das pau­sas e si­lên­ci­os o que só a po­e­sia de Ruy Du­ar­te de Car­va­lho e a po­e­sia dos can­ta­res dos He­re­ro foi ca­paz de ex­pri­mir. É uma re­cri­a­ção poé­ti­ca da vi­da em for­ma de dan­ça e de dra­ma que tem, no meu mo­des­to ver, o es­ta­tu­to de Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral Ima­te­ri­al de An­go­la. A ser exi­bi­do ao pú­bli­co que não ca­be nu­ma sa­la de es­pec­tá­cu­los.

Li­te­ra­tu­ra e di­rei­tos hu­ma­nos

Na­di­ne Gor­di­mer dei­xou de pen­sar em es­cre­ver aos 90 anos. Dei­xou-nos aque­la que uniu a li­te­ra­tu­ra à lu­ta pe­los di­rei­tos hu­ma­nos, nu­ma Áfri­ca do Sul que es­te­ve tan­to tem­po sob um dos re­gi­mes mais des­pre­zí­veis do Pla­ne­ta, o Apartheid.

Pré­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra em 1991, Gor­di­mer ven­ceu tam­bém o pré­mio Man Bo­o­ker. O jor­nal Cul­tu­ra re­cor­da aqui es­sa gran­de es­cri­to­ra su­la­fri­ca­na que nun­ca quis ver as pes­so­as pe­la cor da pe­le. Es­te é o le­ga­do mais im­por­tan­te que qual­quer ser hu­ma­no po­de dei­xar aqui na Ter­ra an­tes de par­tir. Olhar o Ou­tro pe­la cor úni­ca do san­gue. Ou da al­ma, que é in­vi­sí­vel. E que faz do ser hu­ma­no, um ani­mal trans­pa­ren­te.

O olhar do es­cri­tor

“O meu olhar é o do es­cri­tor. Aci­ma de tu­do en­ten­do-me na poé­ti­ca da mi­nha ic­ci­o­na­li­da­de. Fa­lo al­to e gros­so: te­nho uma ma­nei­ra mi­nha de fa­zer ic­ção”, diz Ma­nu­el Rui, em entrevista ao Cul­tu­ra. Ma­nu­el Rui, pa­ra quem o exer­cí­cio da es­cri­ta re­pre­sen­ta “o fa­vo, o voo da abe­lha e o mel.” Uma entrevista que des­ven­da a for­ma e o âma­go do nos­so griô, aque­le que sa­be con­tar es­tó­ri­as “Da Pal­ma da Mão” e dar a um por­co o es­ta­tu­to de ci­da­dão na­ci­o­nal. Um vi­si­o­ná­rio que en­con­tra na es­cri­ta o chão fér­til de er­guer uma Na­ção. Ain­da que vir­tu­al.

O ví­cio de rein­ven­tar a Vi­da

São es­tas vo­zes da Ar­te Afri­ca­na que des­ta­ca­mos, no meio de ou­tros ma­te­ri­ais de ler, pa­ra que vo­cê nos aju­de a ce­le­brar es­te ví­cio de rein­ven­tar a Vi­da nas pá­gi­nas dos jor­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.