Ter­cei­ra edi­ção do JAANGO NA­CI­O­NAL

Jornal Cultura - - Artes -

“Jo­vens Ar­tis­tas An­go­la­nos” (JAANGO) reu­niu no pas­sa­do mês em Lu­an­da, na ga­le­ria da UNAP, 18 obras de 9 ar­tis­tas, nu­ma mos­tra con­si­de­ra­da uma “pla­ta­for­ma ino­va­do­ra de ar­tis­tas re­si­den­tes ou na diás­po­ra”. Tu­do co­me­çou em 2011, e te­ve co­mo ba­se a uti­li­za­ção de ma­te­ri­ais des­car­tá­veis (2 ins­ta­la­ções pa­ra ca­da ar­tis­ta), e a par­tir daí a ideia te­ve per­nas pa­ra an­dar, pois coi­sas dei­ta­das fo­ra pe­la nos­sa era con­su­mis­ta é que não fal­tam e es­tão mes­mo à mão de se­me­ar. Pen­se-se nos an­ti­gos dis­cos de vi­nil que Manuela Sam­bo, re­si­den­te na Ale­ma­nha, apro­vei­tou pa­ra com­por de­se­nhos ins­pi­ra­dos nos fres­cos de Pom­peia e nou­tras di­men­sões his­tó­ri­cas, co­mo o seu qua­dro da rai­nha Ngin­ga Mban­di.

O ob­jec­ti­vo do JAANGO é pro­vo­car “o des­lo­ca­men­to ísi­co e cerebral, até mes­mo con­cep­tu­al do es­pec­ta­dor.”

Ali es­te­ve tam­bém o ir­re­ve­ren­te Li­no Da- mião com a sua ci­da­de eri­gi­da de res­tos de apa­re­lhos elec­tró­ni­cos e o pro­vo­ca­dor Van com a sua ins­ta­la­ção que é uma es­ca­da que con­duz ao re­co­nhe­ci­men­to dos três mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção, is­to é a in­ter­ven­ção política atra­vés da tin­ta e dos ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, pois que a Paz é um edi ício a cons­truir se­gu­ra­men­te to­dos os di­as nu­ma An­go­la on­de a guer­ra fez do­er a Al­ma de Deus.

Ci­tar dois ou três ar­tis­tas não sig­ni­fi- ca dei­xar to­dos os ou­tros de fo­ra. O con­jun­to for­ma­va uma es­tru­tu­ra de ex­pres­sões im­pen­sá­veis com es­ses “ma­te­ri­ais re­ci­cla­dos, re­a­pro­vei­ta­dos, rein­ven­ta­dos e re­con­cep­tu­a­li­za­dos so­bre as raí­zes e in­fluên­ci­as an­go­la­nas”. O que vem pro­var que “a Ar­te Con­tem­po­râ­nea An­go­la­na é uma das ri­que­zas la­ten­tes no nos­so país.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.