XIIª edi­ção do ENSARTE Fi­ne­za Te­ta con­ven­ce jú­ri

Jornal Cultura - - Artes - Ma­ta­di Ma­ko­la

“In­qui­e­ta­ções Cul­tu­rais”, de Fi­ne­za Te­ta (FISTY)*, é a obra ven­ce­do­ra da XIIª edi­ção do ENSARTE*. Nes­sa pin­tu­ra, a for­ça do olhar, a au­ra que ema­na do ros­to for­mam um aglo­me­ra­do de lin­gua­gens que nos le­vam a so­nhar ima­gens de oní­ri­cas lei­tu­ras. Tal­vez se­ja is­so que o co­mis­sá­rio das obras em con­cur­so, Jor­ge Gum­be, no seu tex­to de apre­sen­ta­ção, sin­te­ti­za as ten­dên­ci­as es­té­ti­cas cul­ti­va­das nas trin­ta obras des­ta edi­ção do ENSARTE. Gum­be sa­li­en­ta, num dos seus pon­tos que, em re­la­ção à di­men­são es­té­ti­ca, as obras qua­se to­das cons­truí­das de di­fe­ren­tes ma­te­ri­ais e al­guns reu­ti­li­za­dos, dis­tin­guem-se por uma poé­ti­ca di­rec­ta, que se as­so­cia a no­ções de tra­du­ção, fan­ta­sia, si­mu­la­cros, uto­pia, a for­mar no­vas ro­tas de en­vol­vi­men­to num sis­te­ma in­te­gral de in­ter­câm­bio e de vi­sões. Mas, a inal, que lei­tu­ras es­té­ti­cas sus­ci­ta? Hen­ri­que Guer­ra, pre­si­den­te do jú­ri, ma­ni­fes­tou que, em prin­cí­pio, não se de iniu um sis­te­ma rí­gi­do de va­lo­res es­té­ti­cos, mas pri­vi­le­gi­ou a ex­pres­si­vi­da­de: a ca­pa­ci­da­de de ex­pri­mir com for­ça um sen­ti­men­to in­te­ri­or e não cair na re­pe­ti­ção.

Quan­to às cor­ren­tes de opi­nião da ar­te an­go­la­na em vo­ga que as obras sus­ci­ta­ram, re­ve­lou que hou­ve uma cer­ta dis­cus­são nes­ta atri­bui­ção por­que um cer­to gru­po do jú­ri va­lo­ri­za­va a uti­li­za­ção de sím­bo­los e de ma­tri­zes da cul­tu­ra tra­di­ci­o­nal afri­ca­na, e ou­tros não pri­o­ri­za­vam tan­to es­te as­pec­to. Es­pe­ci ica­men­te so­bre a mun­di­vi­dên­cia da mes­ma, re­fe­re: “Em­bo­ra a obra si­ga mais os câ­no­nes da ten­dên- cia ar­tís­ti­ca eu­ro­peia em de­tri­men­to de uma sa­tis­fa­ção es­té­ti­ca afri­ca­na, ela fu­giu àque­la ten­ta­ção de cer­tos pin­to­res que se re­fu­gi­am nos va­lo­res tra­di­ci­o­nais e aca­bam por cri­ar uma obra sem ca­rac­te­rís­ti­cas pró­pri­as. Es­sa obra pre­mi­a­da va­le pe­la for­ça in­te­ri­or es­pe­lha­da, pe­la sua gran­de car­ga de per­su­a­são, is­to in­de­pen­den­te­men­te de ser mais pró­xi­ma de um ti­po de ar­te do que de ou­tro. De fac­to, ela tem ca­rác­ter mui­to uni­ver­sal que se ex­pres­sa de ma­nei­ras di­fe­ren­tes”.

Ques­ti­o­na­do so­bre a in­cli­na­ção es­té­ti­ca, avan­çou que, de cer­to mo­do, a mes­ma tem gran­des ten­dên­ci­as pa­ra o im­pres­si­o­nis­mo, por um la­do. Por ou­tro, sus­ten­ta: “Mas, se olhar­mos a fun­do, po­de­re­mos con­cluir com se­gu­ran­ça que se tra­ta de um ob­jec­to ar­tís­ti­co cul­ti­va­do nas de­mar­ca­ções da den­si­da­de do sur­re­a­lis­mo”.

Quan­to à não atri­bui­ção do Gran­de Pré­mio de Es­cul­tu­ra, sa­li­en­tou que o jú­ri acre­di­tou que as obras não su­pe­ra­ram as exi­gên­ci­as atin­gi­das em edi­ções pas­sa­das, e par­tiu do prin­cí­pio de que em ca­da ano as obras de­ves­sem es­tar mais cui­da­das e com apu­ro es­té­ti­co con­so­li­da­do, apre­sen­tan­do fac­tos di­fe­ren­tes em re­la­ção àqui­lo que se pro­du­ziu an­te­ri­or­men­te, o que não acon­te­ceu nes­ta edi­ção.

É a pri­mei­ra vez que uma ar­tis­ta ganha o ENSARTE. A pro­pó­si­to, Francisco Vandú­nem “Van”, mem­bro do jú­ri, re­pli­cou que não pe­sou o gé­ne­ro, mui­to me­nos que o jú­ri qui­ses­se um fei­to no­vo por ques­tões além da ava­li­a­ção ar­tís­ti­ca. “Foi uma jus­ta ven­ce­do­ra e sa­tis­fez a de­vi­da clas­si ica­ção: te­ma, as­pec­tos cro­má­ti­cos, es­tru­tu­ra do tra­ba­lho, com­po­si­ção”, sus­ten­tou.

Já em es­cul­tu­ra, con­tra­põe que hou­ve es­sa fa­lha. “Hou­ve as­pec­tos téc­ni­cos em fal­ta, que nós ava­li­a­mos e vi­mos que co­li­di­am com o re­gu­la­men­to do con­cur­so: tex­tu­ra, téc­ni­ca, cor e for­ma­to”, acu­sa.

O jú­ri, num dos pon­tos da sua ac­ta, li­da por Suzana Sou­sa, que trans­cre­ve­mos, ex­pli­ca: “Es­te ano, as obras a con­cur­so sus­ci­ta­ram gran­de dis­cus­são, pois a es­co­lha era re­du­zi­da. Ten­do em con­ta a pou­ca qua­li­da­de das obras, o jú­ri de­ci­diu a não atri­bui­ção do 1º Gran­de Pré­mio em Es­cul­tu­ra e o re­co­nhe­ci­men­to com men­ções hon­ro­sas aos ar­tis­tas que ino­va­ram no meio e téc­ni­cas usa­dos.”

Fi­ne­za Te­ta re­ce­be de Ro­sa Cruz e Sil­va o tro­feu de Pri­mei­ro Gran­de Pré­mio Pin­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.