“A Mão Sul-Afri­ca­na”

Jornal Cultura - - Primeira Página - ANTÓNIO JO­SÉ TE­LO *

A IN­TER­PRE­TA­ÇÃO DA OBRA

“A Mão Sul-Afri­ca­na” é o tí­tu­lo de edi­ção por­tu­gue­sa (Edi­to­ra Tri­bu­na da His­tó­ria, 2014) de um es­tu­do pu­bli­ca­do ori­gi­nal­men­te em Lu­an­da (Edi­to­ra Mayam­ba, 2013).

Co­mo se­ria de es­pe­rar, a obra co­me­ça por um en­qua­dra­men­to his­tó­ri­co e con­cep­tu­al do te­ma tra­ta­do. O ca­pí­tu­lo I é de­di­ca­do no­me­a­da­men­te a um acom­pa­nha­men­to do con­cei­to de guer­ra in­sur­rec­ci­o­nal e da pa­ra­le­la con­tra-in­sur­rei­ção. É um ca­pí­tu­lo mui­to ne­ces­sá­rio, pois mui­tas ve­zes ve­mos mis­tu­ra­dos con­cei­tos que, em­bo­ra li­ga­dos, são dis­tin­tos, co­mo se­ja o de guer­ra ir­re­gu­lar, guer­ra in­sur­rec­ci­o­nal e guer­ra de guer­ri­lhas.

A guer­ra ir­re­gu­lar é a fei­ta por uni­da­des ir­re­gu­la­res, ou se­ja, uni­da­des que não per­ten­cem ao nú­cleo re­gu­lar das For­ças Ar­ma­das de um Es­ta­do. Po­dem efec­ti­va­men­te ser uni­da­des de guer­ri­lha, mas po­dem igual­men­te ser de ou­tro ti­po, co­mo as mi­lí­ci­as, que no pe­río­do das guer­ras de 1961-1975 se for­ma­ram com o ob­jec­ti­vo o icial de au­to-de­fe­sa das po­pu­la­ções. Não eram uni­da­des de guer­ri­lha, mas eram uni­da­des ir­re­gu­la­res, com­po­nen­tes da con­cep­ção de uma ma­no­bra am­pla, in­se­ri­da no con­cei­to por­tu­guês da con­train­sur­rei­ção.

A guer­ri­lha em si é so­bre­tu­do uma tác­ti­ca, um mé­to­do de ac­ção ar­ma­da pra­ti­ca­do des­de há mi­lé­ni­os, prin­ci­pal­men­te por uni­da­des ir­re­gu­la­res de guer­ri­lhei­ros, mas que va­mos en­con­trar nas mais di­ver­sas cir­cuns­tân­ci­as. Por ve­zes a guer­ri­lha é a úni­ca com­po- nen­te da ma­no­bra, co­mo acon­te­ce nu­ma cer­ta fa­se da mai­or par­te das guer­ras in­sur­rec­ci­o­nais mo­der­nas; mas, nou­tras cir­cuns­tân­ci­as, a guer­ri­lha po­de ser me­ra­men­te um com­po­nen­te de uma ma­no­bra mais ge­ral, que ac­tua em as­so­ci­a­ção com uni­da­des re­gu­la­res com tác­ti­cas con­ven­ci­o­nais. Na cha­ma­da “Gran­de Guer­ra Pa­trió­ti­ca”, por exem­plo, a ma­no­bra pen­sa­da pe­la URSS pa­ra se de­fen­der da in­va­são ale­mã pas­sa­va prin­ci­pal­men­te pe­la ac­ção con­ven­ci­o­nal do seu exér­ci­to re­gu­lar na fren­te de com­ba­te, mas, na re­ta­guar­da ale­mã, ac­tu­a­vam mui­tas cen­te­nas de pe­que­nos gru­pos de guer­ri­lhei­ros, co­or­de­na­dos sem­pre que pos­sí­vel pe­lo co­man­do mi­li­tar cen­tral. Es­tes gru­pos eram apoi­a­dos so­bre­tu­do pe­lo ar e ti­nham co­mo al­vo pri­o­ri­tá­rio as li­nhas de co­mu­ni­ca­ção do ini­mi­go. Eram for­ças ir­re­gu­la­res de com­po­si­ção mui­to di­ver­sa, des­de mi­li­ta­res que ti­nham ica­do pa­ra trás, se­pa­ra­dos das su­as uni­da­des em re­ti­ra­da, até ci­vis, que in­te­gra­vam as guer­ri­lhas pa­ra re­sis­tir ao in­va­sor. Va­mos en­con­trar uma si­tu­a­ção mui­to se­me­lhan­te em Por­tu­gal, no pe­río­do das in­va­sões fran­ce­sas (1807-1812). Tam­bém nes­sa al­tu­ra a vi­to­ri­o­sa ma­no­bra Ali­a­da pas­sou pe­la ac­ção con­jun­ta das for­ças re­gu­la­res de pri­mei­ra li­nha, com os gru­pos de guer­ri­lhei­ros que ac­tu­a­vam na re­ta­guar­da do ini­mi­go e eram mes­mo mais nu­me­ro­sos que o exér­ci­to re­gu­lar. Foi a con­ju­ga­ção dos dois ti­pos mui­to di­fe­ren­tes de tác­ti­cas, que fez a vi­da im­pos­sí­vel pa­ra os in­va­so­res fran­ce­ses e le­vou à sua der­ro­ta.

A guer­ri­lha é mui­to an­ti­ga, con­fun­din­do-se com as ori­gens da guer­ra. Na An­ti­gui­da­de Clás­si­ca, por exem­plo, po­de­mos men­ci­o­nar as fa­mo­sas guer­ras dos Lu­si­ta­nos con­tra o in­va­sor ro­ma­no na Pe­nín­su­la, que eram já fun­da­men­tal­men­te guer­ras de guer­ri­lha. No en­tan­to, a guer­ri­lha mo­der­na, com as su­as tác­ti­cas ca­rac­te­rís­ti­cas vai-se de­sen­vol­ver mui­to as­so­ci­a­da às guer­ras de re­sis­tên­cia à ocu­pa­ção co­lo­ni­al do sé­cu­lo XIX. Um mar­co im­por­tan­te nes­te per­cur­so é a guer­ra an­glo-bo­er de co­me­ços do sé­cu­lo XX. Ne­la en­con­tra­mos mui­tos dos com­po­nen­tes tí­pi­cos de uma guer­ra de guer­ri­lhas: o rá­pi­do cres­ci­men­to das for­ças re­gu­la­res que se opõem à guer­ri­lha, a in­ca­pa­ci­da­de de re­sol­ver a guer­ra com uma so­lu­ção mi­li­tar, o re­cur­so aos al­de­a­men­tos em lar­ga es­ca­la, a cres­cen­te im­po­pu­la­ri­da­de da ac­ção da an­ti-guer­ri­lha na sua pró­pria opi­nião pú­bli­ca. No inal en­con­tra­mos uma si­tu­a­ção tí­pi­ca de de­sen­la­ce de uma guer­ra de guer­ri­lhas bem con­du­zi­da: a In­gla­ter­ra im­põe-se mi­li­tar­men­te, mas os bo­ers aca­bam por con­se­guir uma so­lu­ção política que lhes é mui­to fa­vo­rá­vel e lhes per­mi­te do­mi­na­rem o apa­re­lho po­lí­ti­co na Áfri­ca do Sul nas dé­ca­das sub­se­quen­tes. A guer­ra de guer­ri­lhas no sé­cu­lo XX é apro­fun­da­da e de­sen­vol­vi­da por ex­pe­ri­ên­ci­as co­mo a in­sur­rei­ção ára­be na Gran­de Guer­ra, ou a ac­ção ale­mã em Mo­çam­bi­que no mes­mo pe­río­do (con­du­zi­da pe­lo no­tá­vel ge­ne­ral ale­mão Le­tow-Vo­er­beck).

De­pois da 1ª Guer­ra Mun­di­al a guer­ri­lha é am­pla­men­te uti­li­za­da as­so­ci­a­da às cha­ma­das “guer­ras po­pu­la- res”, co­mo acon­te­ce na guer­ra ci­vil na Rús­sia (1918-1923) ou na lon­ga guer­ra ci­vil na Chi­na, que ter­mi­na em 1949 com a con­quis­ta das prin­ci­pais ci­da­des. É nes­ta al­tu­ra que, prin­ci­pal­men­te a par­tir de Mao-Tse Tung, se de­sen­vol­ve a te­o­ria da “guer­ra po­pu­lar”, co­mo o au­tor men­ci­o­na. Ne­la, a guer­ri­lha se­ria a tác­ti­ca que ori­en­ta­va a ac­ção mi­li­tar das pri­mei­ras fa­ses, exer­ci­da fun­da­men­te nas zo­nas ru­rais; na úl­ti­ma fa­se da guer­ra, po­rém, as uni­da­des de guer­ri­lha de­vi­am for­mar uni­da­des re­gu­la­res, as­so­ci­a­das a um no­vo go­ver­no, e o con li­to ter­mi­na­ri­am com tác­ti­cas con­ven­ci­o­nais usa­das pa­ra con­quis­tas as gran­des ci­da­des, o úl­ti­mo re­du­to do re­gi­me der­ru­ba­do. As te­o­ri­as da “guer­ra po­pu­lar”, nas su­as ver­sões rus­sa, chi­ne­sa ou vi­et­na­mi­ta (to­das di­fe­ren­tes) se­ri­am am­pla­men­te uti­li­za­das nas guer­ras an­ti-co­lo­ni­ais a par­tir de 1945. O au­tor acom­pa­nha o de­sen­vol­vi­men­to des­ta te­o­ria mo­der­na da guer­ri­lha, as­so­ci­an­do-a a um fe­nó­me­no par­ti­cu­lar: o das guer­ras in­sur­rec­ci­o­nais.

As guer­ras in­sur­rec­ci­o­nais são um ti­po par­ti­cu­lar de guer­ras ir­re­gu­la­res (pe­lo me­nos, no pe­río­do ini­ci­al), que sur­gem quan­do um de­ter­mi­na­do gru­po, ani­ma­do nor­mal­men­te por um ideá­rio po­lí­ti­co e por um sis­te­ma de va­lo­res, se lança nu­ma ten­ta­ti­va de con­quis­tar o po­der, der­ru­ban­do o re­gi­me exis­ten­te. Nos úl­ti­mos cem anos va­mos en­con­trar guer­ras in­sur­rec­ci­o­nais em con­tex­tos mui­to di­fe­ren­tes. Um dos mais nor­mais são as “guer­ras de li­ber­ta­ção”, con­du­zi­das con­tra um in­va­sor ou con­tra um re­gi­me co­lo­ni­al

– é o ca­so, por exem­plo, da guer­ra da In­do­chi­na. O au­tor men­ci­o­na e de­sen­vol­ve um ca­so mui­to cu­ri­o­so: a guer­ra in­sur­rec­ci­o­nal nas Fi­li­pi­nas, que co­me­ça por ser di­ri­gi­da con­tra o in­va­sor ja­po­nês, pas­san­do de­pois a ter co­mo ini­mi­go o po­der ame­ri­ca­no e, inal­men­te, o go­ver­no Fi­li­pi­no pos­te­ri­or à com­ple­ta in­de­pen­dên­cia.

O se­gun­do ca­pí­tu­lo do li­vro é de­di­ca­do à Lu­ta de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal de An­go­la (1961-1974), e de­sen­vol­ve um qua­dro ri­co e co­lo­ri­do do seu per­cur­so, sen­do no­tá­vel a isen­ção e ob­jec­ti­vi­da­de com que é fei­to. O au­tor acom­pa­nha nes­te ca­pí­tu­lo o per­cur­so par­ti­cu­lar dos três mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção e as su­as vá­ri­as fa­ses, mui­to di­ver­sas ao lon­go de 13 anos de guer­ra.

O ter­cei­ro ca­pí­tu­lo in­ci­de so­bre a con­train­sur­rei­ção por­tu­gue­sa em An­go­la.

As guer­ras in­sur­rec­ci­o­nais vão con­du­zir de for­ma na­tu­ral ao de­sen­vol­vi­men­to de te­o­ri­as da con­train­sur­rei­ção. Es­tas, têm uma ma­triz co­mum, mas, tal co­mo acon­te­ce com as te­o­ri­as da in­sur­rei­ção, são mui­to va­ri­a­das nos seus de­sen­vol­vi­men­tos. A te­o­ria por­tu­gue­sa da con­train­sur­rei­ção é de­sen­vol­vi­da des­de 1959, in­do be­ber so­bre­tu­do nas te­o­ri­as fran­ce­sas cri­a­das na In­do­chi­na e na Ar­gé­lia, mas ten­do al­gu­ma in­fluên­cia igual­men­te das te­o­ri­as bri­tâ­ni­cas, tal co­mo pra­ti­ca­das na Ma­lá­sia e no Qué­nia, tu­do ex­pe­ri­ên­ci­as da dé­ca­da de 1950, em­bo­ra al­gu­mas pro­lon­gan­do­se pe­la dé­ca­da pos­te­ri­or. São te­o­ri­as mui­to di­fe­ren­tes das que os EUA apli­ca­ri­am no Vi­et­na­me a par­tir de 1964, ou das que a URSS apli­ca­ria no Afe­ga­nis­tão, a par­tir de 1979.

O ca­pí­tu­lo não de­sen­vol­ve as par­ti­cu­la­ri­da­des e os tra­ços ori­gi­nais da te­o­ria da con­train­sur­rei­ção por­tu­gue­sa, pois não é es­se o ob­jec­to do es­tu­do. Tra­ça, sim, as li­nhas ge­rais da con­train­sur­rei­ção em An­go­la, mos­tran­do co­mo ela se cen­trou na zo­na Nor­te nos pri­mei­ros tem­pos, mas co­mo a cen­tro da ma­no­bra pas­sa pa­ra o Les­te/Sul a par­tir de 1965-1966.

Há no es­sen­ci­al dois acon­te­ci­men­tos ex­ter­nos a An­go­la que jus­ti icam es­ta im­por­tan­te mu­dan­ça. O pri­mei­ro, é a in­de­pen­dên­cia da Zâmbia, em 1964, que abre a pos­si­bi­li­da­de de uma re­ta­guar­da se­gu­ra pa­ra a ac­ção de guer­ri­lha no Les­te de An­go­la, co­mo o au­tor sa­li­en­ta. O se­gun­do, é a de­cla­ra­ção uni­la­te­ral da in­de­pen­dên­cia bran­ca da Ro­dé­sia, dan­do ori­gem a um re­gi­me que se­ria con­de­na­do pe­la ONU e com­ba­ti­do pe­las an­ti­gas po­tên­ci­as co­lo­ni­ais, no­me­a­da­men­te pe­la Grã-Bre­ta­nha. Por­tu­gal tem al­gu­ma im­por­tân­cia nes­te de­sen­vol­vi­men­to, pois co­mo vá­ri­os au­to­res já sa­li­en­ta­ram, a Ro­dé­sia con­sul­ta Lis­boa an­tes de dar o ar­ris­ca­do pas­so da de­cla­ra­ção uni­la­te­ral de in­de­pen­dên­cia. É fá­cil de en­ten­der porquê is­to é fei­to: uma Ro­dé­sia in­de­pen­den­te se­ria um re­gi­me ali­a­do à Áfri­ca do Sul, que so­fre­ria ne­ces­sa­ri­a­men­te um em­bar­go co­mer­ci­al dos prin­ci­pais po­de­res da Eu­ro­pa Oci- den­tal, pe­lo que ne­ces­si­ta­ria de ser abas­te­ci­do em pra­ti­ca­men­te to­dos os pro­du­tos im­por­ta­dos a par­tir dos por­tos de Mo­çam­bi­que, o que im­pli­ca­va al­gum ti­po de acor­do com Por­tu­gal.

A de­ci­são fi­nal so­bre a po­si­ção por­tu­gue­sa é to­ma­da por Oli­vei­ra Sa­la­zar e, co­mo Fran­co No­guei­ra in­di­ca nos seus li­vros, o Pre­si­den­te do Con­se­lho he­si­ta mui­to, ao con­trá­rio do que é nor­mal. Fi­nal­men­te, Sa­la­zar aca­ba por as­su­mir um com­pro­mis­so: Por­tu­gal apoi­a­rá na me­di­da do pos­sí­vel a de­cla­ra­ção uni­la­te­ral de in­de­pen­dên­cia da Ro­dé­sia, mes­mo que is­to o co­lo­que nu­ma ro­ta de co­li­são com a Grã-Bre­ta­nha.

É uma de­ci­são de gran­de im­por­tân­cia, co­mo já ti­ve oca­sião de sa­li­en­tar em al­guns dos meus es­tu­dos an­te­ri­o­res, pois mar­ca um pon­to de vi­ra­gem na ma­no­bra po­lí­ti­co-mi­li­tar por­tu­gue­sa. O seu sig­ni ica­do é sim­ples e re­pre­sen­ta um cor­te imen­so com a an­te­ri­or política por­tu­gue­sa na Áfri­ca Aus­tral. Até en­tão a estratégia política por­tu­gue­sa pa­ra com­ba­ter a in­sur­rei­ção em An­go­la e Mo­çam­bi­que era fun­da­men­tal­men­te au­tó­no­ma, de­sen­vol­vi­da em lar­ga me­di­da com re­cur­sos na­ci­o­nais, sem o apoio e mes­mo com a con­de­na­ção política dos tra­di­ci­o­nais ali­a­dos de Por­tu­gal (a Grã-Bre­ta­nha e os EUA), in­se­ri­da den­tro do con­cei­to da “Pá­tria plu­ri­con­ti­nen­tal e mul­tir­ra­ci­al”, tal co­mo pre­vis­to na Cons­ti­tui­ção. A par­tir de 1965-1966, com a de­ci­são de apoi­ar a de­cla­ra­ção uni­la­te­ral de in­de­pen­dên­cia da Ro­dé­sia, a ma­no­bra por­tu­gue­sa pas­sa a es­tar li­ga­da au­to­ma­ti­ca­men­te com ou­tras no con­tex­to mais ge­ral da Áfri­ca Aus­tral, ten­do co­mo ali­a­dos di­rec­tos a Ro­dé­sia e a Áfri­ca do Sul. Sig­ni ica is­to que, ape­sar de Por­tu­gal con­de­nar o ici­al­men­te os re­gi­mes ra­cis­tas pra­ti­ca­dos na Ro­dé­sia e Áfri­ca do Sul, a sua ma­no­bra mi­li­tar pas­sa a es­tar as­so­ci­a­da a es­tes e se­rá de­sen­vol­vi­da de for­ma co­or­de­na­da a par­tir de en­tão.

Na prá­ti­ca, es­ta de­ci­são le­va a que, a par­tir de 1965-1966, a in­sur­rei­ção e a con­train­sur­rei­ção em An­go­la ou em Mo­çam­bi­que só pos­so ser re­al­men­te en­ten­di­da no con­tex­to mais ge­ral e com­ple­xo da Áfri­ca Aus­tral co­mo um to­do, o que é uma mu­dan­ça de gran­de en­ver­ga­du­ra. É por cau­sa dis­so que, em­bo­ra a guer­ra co­lo­ni­al ter­mi­ne o ici­al­men­te em 1974 com o ces­sar fo­go, a guer­ra em An­go­la e em Mo­çam­bi­que se vai pro­lon­gar de­pois da in­de­pen­dên­cia, con­du­zin­do a um lon­go con li­to ci­vil. É igual­men­te por cau­sa dis­so que a guer­ra, a par­tir de 1965-1966, pas­sa a es­tar for­te­men­te en­qua­dra­da pe­lo de­sen­vol­vi­men­to da Guer­ra Fria e pe­las di­fe­ren­tes fa­ses do re­la­ci­o­na­men­to EUA – URSS, que mu­da mui­to en­tre 1965 e 1990. O que as­sis­ti­mos em 1965-1966 é a uma in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do con li­to em An­go­la, que pas­sa a ser for­te­men­te con­di­ci­o­na­do pe­la evo­lu­ção do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal.

Há dois fac­tos que ilus­tram de for­ma cla­ra es­ta evo­lu­ção. O pri­mei­ro, é nor­mal­men­te ig­no­ra­do pe­la mai­or par­te dos au­to­res, mas sa­li­en­ta­do pe­lo te­nen­te-ge­ne­ral Mi­guel Jú­ni­or: a che­ga­da da Chi­na em for­ça à Áfri­ca Aus­tral. A Chi­na es­ta­be­le­ce a par­tir de me­a­dos dos anos ses­sen­ta uma li­ga­ção for­te com a Tan­zâ­nia e, em me­nor grau, com a Zâmbia. Um com­po­nen­te im­por­tan­te des­sa li­ga­ção são os gran­des pro­jec­tos de trans­por­tes, com os quais se pre­ten­de cri­ar uma re­de de ca­mi­nhos de fer­ro al­ter­na­ti­va à por­tu­gue­sa e Sul-afri­ca­na, que pas­sa­vam por An­go­la e Mo­çam­bi­que. A re­de de trans­por­tes tra­di­ci­o­nal era efec­ti­va­men­te um dos gran­des trun­fos de Por­tu­gal e da Áfri­ca do Sul. Ela vi­sa­va ca­na­li­zar os pro­du­tos do in­te­ri­or pa­ra os por­tos do li­to­ral an­go­la­nos, mo­çam­bi­ca­nos e sul-afri­ca­nos, per­mi­tin­do a quem os do­mi­nas­se con­tro­lar as con­di­ções des­te es­co­a­men­to. Foi por cau­sa dis­so que, pa­ra dar só um exem­plo, a Zâmbia proi­biu em de­ter­mi­na­da al­tu­ra a ac­ção do MPLA a par­tir do seu ter­ri­tó­rio, de mo­do a sal­va­guar­dar a se­gu­ran­ça do ca­mi­nho de fer­ro de Ben­gue­la, por on­de eram ex­por­ta­dos uma par­te im­por­tan­te dos seus pro­du­tos. A Áfri­ca do Sul res­pon­de a es­ta ac­ção da Chi­na igual­men­te com gran­des in­ves­ti­men­tos eco­nó­mi­cos, no­me­a­da­men­te os pro­jec­tos das gi­gan­tes­cas bar­ra­gens no Zam­be­ze (Ca­bo­ra Bas­sa, em Mo­çam­bi­que) e no Sul da An­go­la, que vi­sa­vam o im es­tra­té­gi­co de ga­ran­tir a au­to­no­mia ener­gé­ti­ca da Áfri­ca Aus­tral e fa­vo­re­cer a ixa­ção da po­pu­la­ção.

Va­mos as­sim en­con­trar uma si­tu­a­ção bas­tan­te mais com­ple­xa e, so­bre­tu­do, mais in­ter­li­ga­da na Áfri­ca Aus­tral a par­tir de 1965-1966. Um dos re le­xos no­vos des­ta si­tu­a­ção é que em qua­se to­dos os mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção sur­gem des­de en­tão “fac­ções pró-chi­ne­sas”, com uma pos­tu­ra di­fe­ren­te das di­rec­ções tra­di­ci­o­nais, fa­vo­re­cen­do no­me­a­da­men­te uma ma­no­bra mi­li­tar al­ter­na­ti­va.

O úl­ti­mo ca­pí­tu­lo do li­vro diz res­pei­to a en­vol­vi­men­to Sul-Afri­ca­no no sul de An­go­la em 1966-1974.

Ele tem mui­to a ver com a ma­no­bra po­lí­ti­co-mi­li­tar por­tu­gue­sa pa­ra res­pon­der à no­va si­tu­a­ção. Sa­li­en­to que nes­te ti­po de guer­ras nun­ca po­de­mos fa­lar sim­ples­men­te de uma ma­no­bra mi­li­tar, pois ela não faz qual­quer sen­ti­do sem o seu en­qua­dra­men­to po­lí­ti­co, que de­pen­de da gran­de estratégia de ini­da. Em 1965-1966 a gran­de estratégia por­tu­gue­sa pa­ra a Áfri­ca Aus­tral mu­dou e pas­sou a de­pen­der no es­sen­ci­al de um en­ten­di­men­to com os re­gi­mes da Ro­dé­sia e da Áfri­ca do Sul, o que co­lo­ca to­do o con­tex­to das ope­ra­ções mi­li­ta­res num am­bi­en­te in­ter­na­ci­o­nal di­fe­ren­te. No ca­so de An­go­la, a adap­ta­ção da ma­no­bra mi­li­tar é cla­ra em 1966-67: a pri­o­ri­da­de pas­sa a es­tar na Fren­te Les­te, nu­ma ac­ção con­ju­ga­da di­rec­ta­men­te com a Áfri­ca do Sul.

O te­nen­te-ge­ne­ral Mi­guel Jú­ni­or sa-

li­en­ta no seu li­vro um as­pec­to par­ti­cu­lar des­ta mu­dan­ça política: a ac­ção da UNITA no Les­te, que es­tá, pra­ti­ca­men­te des­de o co­me­ço, as­so­ci­a­da à SWAPO, o que sig­ni ica que abar­ca uma área que, pa­ra além do Les­te – Sul de An­go­la, se es­ten­de pe­la fu­tu­ra Na­mí­bia, en­tão um ter­ri­tó­rio de­pen­den­te da Áfri­ca do Sul. Há as­sim um in­cen­ti­vo for­te e di­rec­to pa­ra um en­vol­vi­men­to sul-afri­ca­no.

O en­ten­di­men­to en­tre Por­tu­gal, a Ro­dé­sia e a Áfri­ca do Sul pa­ra uma ma­no­bra po­lí­ti­co mi­li­tar con­jun­ta a par­tir de 1965-66 é mui­to am­plo e pas­sa no es­sen­ci­al pe­la cha­ma­da ope­ra­ção Al­co­ra, que só ago­ra co­me­ça a ser es­tu­da­da por au­to­res por­tu­gue­ses co­mo Luís Bar­ro­so ou Ani­ce­to Afon­so, sem es­que­cer os es­tu­dos pi­o­nei­ros de al­guns ca­de­tes da Aca­de­mia Mi­li­tar nos seus tra­ba­lhos de in­ves­ti­ga­ção apli­ca­da.

A ope­ra­ção Al­co­ra era um no­me mo­des­to, que es­con­dia uma mu­dan­ça de gran­de en­ver­ga­du­ra, co­or­de­na­da ao ní­vel mais ele­va­do da di­rec­ção política com múl­ti­plas ver­ten­tes. Ha­via uma ver­ten­te eco­nó­mi­ca e de de­sen­vol­vi­men­to, que pas­sa­va no­me­a­da­men­te pe­la edi ica­ção de uma re­de de ener­gia au­tó­no­ma, pe­lo cres­ci­men­to da re­de de trans­por­tes in­ter­li­ga­da (o pi­pe­li­ne da Bei­ra era um dos seus com­po­nen­tes) e pe­la cri­a­ção de um am­plo cin­tu­rão de zo­nas ir­ri­ga­das e abas­te­ci­das de ener­gia no Sul de An­go­la e no va­le do Zam­be­ze, o que iria fa­vo­re­cer a eco­no­mia de plan­ta­ção mo­der­na, li­ga­da aos pro­du­tos de ex­por­ta­ção.

Ha­via igual­men­te um com­po­nen­te di­rec­ta­men­te po­lí­ti­co, mais dis­cre­to, mas não me­nos im­por­tan­te, que pas­sou no­me­a­da­men­te pe­lo fa­vo­re­ci­men­to do en­ten­di­men­to pos­sí­vel com al­guns re­gi­mes afri­ca­nos vi­zi­nhos (Ma­lawi, Zâmbia e os dois Con­gos), pe­la pro­mo­ção em ter­ri­tó­rio por­tu­guês de al­gu­mas cor­ren­tes favoráveis a uma in­de­pen­dên­cia bran­ca (no­me­a­da­men­te no pe­río­do de Mar­ce­lo Ca­e­ta­no, pos­te­ri­or a 1969), por uma ac­ção co­or­de­na­da em cer­tos fó­runs in­ter­na­ci­o­nais (no­me­a­da­men­te na ONU) e por uma ac­ção in­di­rec­ta no seio da pró­pria di­rec­ção dos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção, pro­cu­ran­do iso­lar cer­tas ten­dên­ci­as po­lí­ti­cas e fa­vo­re­cer ou­tras, o que es­ta­va di­rec­ta­men­te as­so­ci­a­do à ma­no­bra mi­li­tar – não é aqui que es­te as­pec­to po­de ser de­sen­vol­vi­do, mas não que­ria dei­xar de men­ci­o­nar a sua exis­tên­cia.

Ha­via, inal­men­te, a ver­ten­te mi­li­tar de Al­co­ra, uma das mais vi­sí­veis e im­por­tan­tes. Ela ti­nha uma ex­pres­são di­rec­ta e di­fe­ren­te nos dois ter­ri­tó­ri­os por­tu­gue­ses abran­gi­dos. Em Mo­çam­bi­que, a co­la­bo­ra­ção mi­li­tar pas­sa­va es­sen­ci­al­men­te pe­lo apoio à ac­ção por­tu­gue­sa na fren­te de Te­te, no­me­a­da­men­te na edi ica­ção de um dis­po­si­ti­vo de se­gu­ran­ça de Ca­bo­ra Bas­sa e da sua li­nha, que trans­por­ta­ria a elec­tri­ci­da­de pro­du­zi­da pa­ra a Áfri­ca do Sul num mui­to vul­ne­rá­vel per­cur­so de cen­te­nas de qui­ló­me­tros. No ca­so de An­go­la, o acor­do mi­li­tar pas­sa­va prin­ci­pal­men­te por uma ac­ção con­jun­ta na Fren­te Les­te, que com­por­ta­va fun­da­men­te du­as ver­ten­tes: o apoio lo­gís­ti­co às ope­ra­ções das for­ças es­pe­ci­ais por­tu­gue­sas, no­me­a­da­men­te em ter­mos de he­li­cóp­te­ros, con­ju­ga­da com uma ac­ção pon­tu­al de for­ças sul-afri­ca­nas em ter­ri­tó­rio an­go­la­no, no­me­a­da­men­te na perseguição a gru­pos de guer­ri­lhei­ros da SWAPO. O apoio lo­gís­ti­co Sul-afri­ca­no era im­por­tan­te em ter­mos dos he­li­cóp­te­ros, prin­ci­pal­men­te pe­lo em­pe­nha­men­to dos Pu­mas com mai­or ca­pa­ci­da­de que os Al­lou­et­tes, que só no inal da guer­ra che­ga­ri­am a Por­tu­gal. Mui­tas das ope­ra­ções das for­ças es­pe­ci­ais por­tu­gue­sas no Les­te de An­go­la des­de 1969 fo­ram apoi­a­das por he­li­cóp­te­ros Su­la­fri­ca­nos.

Um ou­tro as­pec­to mui­to im­por­tan­te da co­o­pe­ra­ção mi­li­tar di­zia res­pei­to ao aces­so a ar­ma­men­to e mei­os mi­li­ta­res mais so is­ti­ca­dos. O pro­ble­ma aqui é que Por­tu­gal não ti­nha ca­pa­ci­da­de in­dus­tri­al pa­ra a sua pro­du­ção au­tó­no­ma e a Áfri­ca do Sul, em­bo­ra com uma in­dús­tria de de­fe­sa mais de­sen­vol­vi­da, não ti­nha a ca­pa­ci­da­de de con­ce­ber e de­sen­vol­ver sis­te­mas mi­li­ta­res so is­ti­ca­dos em 1966. Ha­via, no en­tan­to, um im­por­tan­te pon­to co­mum: am­bos (Por­tu­gal e Áfri­ca do Sul) uti­li­za­vam mui­tos sis­te­mas mi­li­ta­res de ori­gem fran­ce­sa, que ti­nham subs­ti­tuí­do em lar­ga me­di­da os sis­te­mas bri­tâ­ni­cos, de­pois das di icul­da­des do re­la­ci­o­na­men­to po­lí­ti­co. Nos blin­da­dos, por exem­plo, Por­tu­gal co­me­ça­va a re­ce­ber os Pa­nhard, que a Áfri­ca do Sul fa­bri­ca­va lo­cal­men­te com o no­me de Eland (são os veí­cu­los que apa­re­cem na ca­pa do li­vro). No ca­so da aviação, o ma­te­ri­al mais re­cen­te Sul-Afri­ca­no e por­tu­guês era de ori­gem fran­ce­sa, am­bos uti­li­zan­do no­me­a­da­men­te os he­li­cóp­te­ros Al­lou­et­te e Pu­ma, sis­te­mas es­sen­ci­ais pa­ra a lu­ta an­ti-guer­ri­lha. Do mes­mo mo­do, a Áfri­ca do Sul usa­va os Mi­ra­ge (tan­to o Mi­ra­ge III co­mo o Mi­ra­ge F1) e Por­tu­gal ti­nha um projecto pa­ra com­prar Mi­ra­ge III, que não se con­cre­ti­zou de­vi­do ao 25 de Abril. Am­bos os paí­ses pen­sa­vam ain­da ad­qui­rir in­di­rec­ta­men­te a par­tir da Fran­ça al­guns mís­seis, tan­to os an­ti-aé­re­os (co­mo os Cro­ta­le/Cac­tus) co­mo an­ti-car­ro (co­mo os SS-11).

A Áfri­ca do Sul con­ce­be o projecto de de­sen­vol­ver uma in­dús­tria de de­fe­sa so is­ti­ca­da e mo­der­na, ca­paz de con­ce­ber sis­te­mas adap­ta­dos à lu­ta an­ti-guer­ri­lha no Les­te de An­go­la, na Na­mí­bia e em Te­te, tu­do re­giões mar­ca­das pe­la sa­va­na ou pe­lo de­ser­to, com pou­cas ár­vo­res e com uma ve­ge­ta­ção ras­tei­ra. Nes­tes ter­re­nos, a ac­ção dos blin­da­dos de ro­das de gran­de mo­bi­li­da­de e com uma boa pro­tec­ção con­tra mi­nas (a prin­ci­pal ame­a­ça en­fren­ta­da) era con­si­de­ra­da mui­to im­por­tan­te pe­la Áfri­ca do Sul. É en­tão que se lan­çam os pro­jec­tos que vi­ri­am a pro­du­zir os veí­cu­los am­pla­men­te uti­li­za­dos pe­la Áfri­ca do Sul no Les­te de An­go­la de­pois da in­de­pen­dên­cia: era o ca­so do Cas­s­pir, do Rhi­no, do Ra­tel, do G-6, do Eland e do Oli­fant, en­tre ou­tros. Se­ri­am dos mais mo­der­nos blin­da­dos de ro­das dos anos oi­ten­ta, co­me­ça­dos a con­ce­ber ain­da an­tes de 1974. A ideia era que es­tes mes­mos veí­cu­los po­de­ri­am ser for­ne­ci­dos de for­ma au­tó­no­ma a Por­tu­gal e à Ro­dé­sia, cri­an­do um mer­ca­do alar­ga­do a to­da a Áfri­ca Aus­tral, o que se con­ju­ga­va com o es­for­ço in­dus­tri­al por­tu­guês de fa­bri­car lo­cal­men­te ou­tros veí­cu­los mi­li­ta­res, co­mo os Chai­mi­te ou os ca­miões Ber­li­et.

O te­nen­te-ge­ne­ral Mi­guel Jú­ni­or de­ci­diu ter­mi­nar o seu li­vro com um vas­to ane­xo com a reprodução de do­cu­men­ta­ção sul-afri­ca­na. Em boa ho­ra o fez, pois es­ta do­cu­men­ta­ção é iné­di­ta e par­ti­cu­lar­men­te im­por­tan­te. A do­cu­men­ta­ção é es­sen­ci­al­men­te do Co­man­do Sul-Afri­ca­no em An­go­la, mas in­clui al­guns do­cu-

Mi­guel Jú­ni­or, à es­quer­da

Mi­guel Jú­ni­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.