Nar­ra­ti­vas so­bre o nar­co­trá­fi­co na mú­si­ca Rap da Gui­né-Bis­sau

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural - Mi­guel de Bar­ros e Patrícia Go­mes Pal­cos

A his­tó­ria política re­cen­te da Gui­né- Bis­sau foi atra­ves­sa­da por pro­fun­das trans­for­ma­ções des­de pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia por via uni­la­te­ral em 1973, após on­ze anos da lu­ta ar­ma­da. O pro­ces­so de li­be­ra­li­za­ção da economia atra­vés da apli­ca­ção de Pro­gra­mas de Ajus­ta­men­to Es­tru­tu­ral a par­tir da se­gun­da me­ta­de dos anos oi­ten­ta le­va­ria, qua­se de for­ma au­to­má­ti­ca, a uma “im­po­si­ção” de re­for­mas po­lí­ti­cas no iní­ci­os dos anos no­ven­ta, mar­ca­da pe­la re­a­li­za­ção das pri­mei­ras elei­ções mul­ti­par­ti­dá­ri­as em 1994.

En­tre­tan­to, a fa­se da de­mo­cra­ti­za­ção iria ser pro­gres­si­va­men­te ca­rac­te­ri­za­da pe­la per­sis­tên­cia de gran­des con­tras­tes e des­con­ti­nui­da­des no sis­te­ma de­mo­crá­ti­co nas­cen­te. A clas­se di­ri­gen­te, sem ter em con­ta as di­ver­si­da­des in­ter­nas e cri­té­ri­os co­mo a in­clu­são e a equi­da­de, aca­ba­ria por pro­vo­car pro­fun­das frac­tu­ras in­ter­nas e in­ter­rup­ções a ní­vel go­ver­na­ti­vo, con­du­zin­do a Gui­né-Bis­sau à pre­ca­ri­e­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal cró­ni­ca e ao pri­mei­ro con li­to po­lí­ti­co-mi­li­tar da sua his­tó­ria co­mo país in­de­pen­den­te (1998-99), co­nhe­ci­da co­mo a “Guer­ra de 7 de Ju­nho”.

Des­de es­te úl­ti­mo even­to, o país tem vi­vi­do em per­ma­nen­te ins­ta­bi­li­da­de política e go­ver­na­ti­va, o que con­cor­re pa­ra a fra­gi­li­za­ção das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do e da economia, fac­to que tem ace­le­ra­do os ní­veis da po­bre­za e in­se­gu­ran­ça. A es­ta re­a­li­da­de acres­cen­ta-se a ine ici­ên­cia do sis­te­ma da jus­ti­ça pa­ra fa­zer fa­ce às ame­a­ças con­tra a se­gu­ran­ça do Es­ta­do e ao nar­co­trá ico, fe­nó­me­no es­se que tem cres­ci­do de for­ma ex­po­nen­ci­al nos úl­ti­mos anos, ten­do trans­for­ma­do a Gui­né-Bis­sau nu­ma no­va ro­ta do trá ico de co­caí­na da Amé­ri­ca do Sul com des­ti­no à Eu­ro­pa (UNODC, 2007 e 2008; ICG, 2008, 2009 e 2012).

A es­te pro­pó­si­to, e ape­sar de en­tre os anos 80 e os anos 90 do sé­cu­lo XX o trá ico ile­gal da co­caí­na ter atin­gi­do pro­por­ções glo­bais, in il­tran­do não ape­nas os mer­ca­dos tra­di­ci­o­nais co­mo o dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca e da Amé­ri­ca La­ti­na, mas tam­bém os da Eu­ro­pa oci­den­tal, da Rús­sia e, mais re­cen­te­men­te, al­guns paí­ses da cos­ta oci­den­tal afri­ca­na tor­na­dos paí­ses de “trân­si­to” dos car­téis da dro­ga2, foi so­bre­tu­do no iní­cio do no­vo mi­lé­nio que a re­gião oes­te afri­ca­na foi mar­ca­da por um mai­or en­vol­vi­men­to no trá- ico in­ter­na­ci­o­nal da co­caí­na com des­ti­no à Eu­ro­pa oci­den­tal. Prin­ci­pais ro­tas da co­caí­na Sen­do a Gui­né-Bis­sau um dos paí­ses mais po­bres do mun­do (176º se­gun­do o Re­la­tó­rio de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no 2012) e sem ca­pa­ci­da­des de con­tro­lar o seu ter­ri­tó­rio, a abor­da­gem do fe­nó­me­no do nar­co­trá ico não é ape­nas uma ques­tão da fal­ta de de­sen­vol­vi­men­to, mas sim, cons­ti­tui um pro­ble­ma de se­gu­ran­ça no país e na sub-re­gião (UNODC, 2007; CES, 2008).

O pre­sen­te ar­ti­go pre­ten­de ana­li­sar a tra­jec­tó­ria de um pe­que­no país mar­ca­do pe­la ins­ta­bi­li­da­de política e go­ver­na­ti­va, afec­ta­do pe­lo fe­nó­me­no da glo­ba­li­za­ção do cri­me or­ga­ni­za­do, atra­vés das re­des do nar­co­trá ico fa­ce à (in)e icá­cia das su­as es­tra­té­gi­as de com­ba­te, por um la­do, e por ou­tro, apre­sen­tar for­mas ino­va­do­ras de cons­tru­ção de re­sis­tên­ci­as atra­vés da emer­gên­cia de um mo­vi­men­to con­tes­ta­tá­rio na ci­da­de de Bis­sau, resultado da ar­ti­cu­la­ção en­tre os mú­si­cos rap e a uti­li­za­ção das rá­di­os, o que con­tri­buiu pa­ra dar vi­si­bi­li­da­de às de­nún­ci­as da so­ci­e­da­de ci­vil so­bre o fe­nó­me­no de nar­co­trá ico na Gui­né-Bis- sau.

Do pon­to de vis­ta me­to­do­ló­gi­co, pa­ra além da re­vi­são da li­te­ra­tu­ra so­bre o fe­nó­me­no do nar­co­trá ico e da mú­si­ca Rap na sub-re­gião-oes­te afri­ca­na e no país, a pes­qui­sa de ter­re­no no que con­cer­ne as nar­ra­ti­vas da mú­si­ca Rap re­la­ci­o­na­das ao nar­co­trá ico, con­sis­tiu no acom­pa­nha­men­to da edi­ção e apre­sen­ta­ção dos pro­gra­mas ra­di­o­fó­ni­cos3, na par­ti­ci­pa­ção em al­guns con­cer­tos, no diá­lo­go com rap­pers, na aus­cul­ta­ção do re­per­tó­rio mu­si­cal exis­ten­te e na trans­cri­ção das nar­ra­ti­vas se­lec­ci­o­na­das. A ex­pe­ri­ên­cia pre­gres­sa dos in­ves­ti­ga­do­res so­bre o te­ma em es­tu­do4 ser­viu de ba­se de ori­en­ta­ção pa­ra a pro­ble­ma­ti­za­ção e cru­za­men­to de olha­res na aná­li­se dos dis­cur­sos/nar­ra­ti­vas, con­tri­buin­do pa­ra a (des)cons­tru­ção sim­bó­li­ca do so­ci­al de­sen­ca­de­a­do pe­los rap­pers en­quan­to sím­bo­lo de re­sis­tên­cia e de res­pon­sa­bi­li­za­ção do Es­ta­do.

Lei­tu­ras a par­tir das nar­ra­ti­vas do nar­co­trá ico na mú­si­ca Rap

As Na­ções Uni­das re­fe­rem a Gui­néBis­sau co­mo “one of the har­dest hit coun­tri­es, risks be­co­ming a «nar­cos­ta­te» […] drug traf ic­kers are in il­tra­ting sta­te struc­tu­res and ope­ra­ting with im­pu­nity. This is de­e­pe­ning fe­ar and mis­trust among and betwe­en se­ni­or of ici­als and the pu­blic. Ad­di­ti­o­nally, the­re are signs of growing drug ad­dic­ti­on, par­ti­cu­larly among young pe­o­ple who of­ten al­so work with the traf ic­kers […] drug traf ic­kers can af­ford to buy and use sa­tel­li­te pho­nes, to mo­ve around in fast bo­ats and ex­pen­si­ve cars, to trans­fer mo­ney and in­for­ma­ti­on dis­cre­e­tly and to buy pro­tec­ti­on (UNODC, 2008: 2; 5-6).

Pa­ra além da me­di­a­ti­za­ção da es­pec­ta­cu­la­ri­da­de da in­ter­ven­ção pon­tu­al ame­ri­ca­na con­tra o fe­nó­me­no do nar­co­trá ico na Gui­né-Bis­sau e na sub-re­gião oes­te afri­ca­na, im­por­ta per­ce­ber quais os me­ca­nis­mos in­ter­nos de re­sis­tên­ci­as que es­tão a ser adop­ta­dos e que efei­tos têm no es­pa­ço na­ci­o­nal. É nes­te sen­ti­do que os jo­vens “não ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­dos” e per­ten­cen­tes às ca­ma­das so­ci­ais su­bal­ter­nas, apa­re­cem co­mo pro­ta­go­nis­tas atra­vés da de­nún­cia com a mú­si­ca de in­ter­ven­ção, Rap, em pro­gra­mas ra­di­o­fó­ni­cos e em di­rec­tos, apre­sen­tan­do-se co­mo um ins­tru­men­to ar­tís­ti­co atra­vés do qual os rap­pers in­ter­pre­tam, cri­ti­cam o en­vol­vi­men­to de ac­to­res com res­pon­sa­bi­li­da­des no Es­ta­do no nar­co­trá ico e con­tes­tam a (des)or­dem so­ci­al vi­gen­te, ali­an­do a eman­ci­pa­ção cul­tu­ral ao exer­cí­cio da par­ti­ci­pa­ção política e de­mo­crá­ti­ca (BAR­ROS, 2013).

As nar­ra­ti­vas aqui re­gis­ta­das em dis­cur­so que to­dos fa­zem mas não di­zem, vão des­de:

NAR­RA­TI­VA DA DE­NÚN­CIA: […] dro­ga tchi­ga Gui­né i djum­blin­ti­nu se­na­riu/Nhu al­fe­ris ku nhu ka­bu/Tu­du pa­sa se­du bi­da em­pre­sa­riu […] [A dro­ga che­gou a Gui­né e ba­ra­lhou-nos o ce­ná­rio/Se­nhor Al­fe­res e Se­nhor Ca­bo/To­dos vi­ra­ram em­pre­sá­ri­os] (…) Ama­du ki che i di izer­si­tu/Io­o­o­de/I ka fa­si nin 2 dia ki tchi­ga la/Io­o­o­de/I ma­ta Djo­kin i su­bi la [Ama­du é che­fe do exér­ci­to/Io­o­o­de/Não há dois di­as que che­gou lá/Io­o­o­de/Ma­tou Jo­a­quim e su­biu até lá] Ku asa­si­na­tu ku au­men­ta/ko­rup­son ga­nha for­sa [Com o au­men­to dos as­sas­si­na­tos/A cor­rup­ção ga­nhou for­ça] I ta tro­ka mind­jer su­ma ro­pa/I te­ne kum­bu té na Ero­pa [Tro­ca de mu­lher co­mo se tro­ca de rou­pa/Tem di­nhei­ro até na Eu­ro­pa] Nun­de ki sai ku es man­ga di ku­sas?/no ka si­bi! [On­de é que ar­ran­jou aqui­lo tu­do?/Não sa­be­mos!]. (Tor­res Gé­me­os,

Mas­ta Ti­to, ra­per sem medo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.