XI edi­ção do Lu­an­da Car­to­on

Jornal Cultura - - Primeira Página - Ma­ta­di Ma­ko­la

Nos es­pa­ços do Ins­ti­tu­to Ca­mões de Lu­an­da e do Be­las Sho­ping, a XI edi­ção do fes­ti­val de ban­da de­se­nha­da “Lu­an­da Car­to­on 2014” acon­te­ceu de 22 a 30 de Agos­to e con­tou com a par­ti­ci­pa­ção dos tra­ba­lhos de au­to­res de An­go­la, Mo­çam­bi­que, Por­tu­gal, Bra­sil, Ca­ma­rões, Tan­zâ­nia e da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. Es­pe­ci­al­men­te, es­ta edi­ção sai po­si­ti­va­men­te mar­ca­da de­vi­do aos no­mes de vis­to­sos ta­len­tos an­go­la­nos que des­pon­ta­ram nes­tes 11 anos de exis­tên­cia do fes­ti­val: Jú­lio Pin­to, de gran­de cri­a­ti­vi­da­de na com­po­si­ção das li­nhas; o Al­ti­no Chin­de­le, de uma sim­pli­ci­da­de le­gí­vel; Ho­rá­cio Gil­ber­to, bom no de­se­nho a lá­pis e de po­der nar­ra­ti­vo; Ne­lo Tum­bu­la, um de­ta­lhis­ta dos pla­nos; Zix Co­mics, de ima­gi­na­ção in­vul­gar e cri­a­ção mi­ni­ma­lis­ta.

Pré­mio in­ter­na­ci­o­nal da BD an­go­la­na

Es­te ano o es­tú­dio Olin­do­mar, or­ga­ni­za­dor do cer­ta­me, te­ve a “bra­vu­ra” de apre­sen­tar ao pú­bli­co o pré­mio in­ter­na­ci­o­nal que a BD an­go­la­na ga­nhou em No­vem­bro do ano pas­sa­do, na ci­da­de de Ama­do­ra, Por­tu­gal. Foi con­si­de­ra­da a me­lhor pu­bli­ca­ção em Lín­gua Por­tu­gue­sa. O Ins­ti­tu­to Ca­mões e seus par­cei­ros fo­ram os por­ta-ma­las do pré­mio, na pes­soa do em­bai­xa­dor de Por­tu­gal em An­go­la, que fez a en­tre­ga do pré­mio na sex­ta-fei­ra, 22, dia da aber­tu­ra da XI edi­ção do Lu­an­da Car­to­on, no au­di­tó­rio Pe­pe­te­la.

Lin­do­mar de Sou­sa, o di­rec­tor do fes­ti­val, acen­tu­ou que a BD an­go­la­na “nun­ca re­ce­beu um pré­mio in­ter­na­ci­o­nal”. O pré­mio foi ga­nho com a 3ª edi­ção da pu­bli­ca­ção BDLP: Ban­da De­se­nha­da em Lín­gua Por­tu­gue­sa, um pro­jec­to re­a­li­za­do pe­lo es­tú­dio Olin­do­mar que con­ta com a par­ti­ci­pa­ção de au­to­res CPLP. Te­ve gran­de des­ta­que por ser um pro­jec­to ino­va­dor e de uni­da­de, por um la­do. Tam­bém por­que mui­tos pen­sa­vam que fos­se o Bra­sil ou Por­tu­gal a fa­zer o pro­jec­to e não An­go­la, que é vi­si­vel­men­te o país com o cir­cui­to com mui­to ain­da por per­cor­rer. Des­ta­ca­da­men­te, as­se­ve­ra que a qua­li­da­de de au­to­res des­te pro­jec­to as­sus­tou um pou­co o jú­ri e a or­ga­ni­za­ção, que de­ci­di­ram que os an­go­la­nos se­rão os con­vi­da­dos es­pe­ci­ais da edi­ção des­te ano, que de­cor­re­rá de 25 de Ou­tu­bro a 9 de No­vem­bro, com di­rei­to a uma me­ga ex­po­si­ção dos tra­ba­lhos de au­to­res an­go­la­nos.

O pa­no­ra­ma da BD: cir­cui­to e cri­a­ção

E dis­so qui­sé­mos sa­ber do pró­prio co­mo es­ta­mos no que to­ca à na­tu­re­za do seu cir­cui­to no país, que clas­si icou ser ain­da uma ques­tão al­go po­lé­mi­ca. “É di ícil tra­çar um pa­no­ra­ma ge­ral. Tal co­mo acon­te­ce na música, na BD, o pro­ble­ma que se im­põe é igual: vi­si­bi­li­da­de e di­vul­ga­ção. Se al­guém per­gun­tar a um An­sel­mo Ralph, ele po­de­rá di­zer que es­tá bom e que é pos­sí­vel vi­ver da música.

Mas se per­gun­tar a ou­tro bom can­tor que não te­nha es­sa vi­si­bi­li­da­de, a res­pos­ta se­rá to­tal­men­te di­fe­ren­te”, ex­pli­ca. No en­tan­to, ga­ran­te que têm fei­to um tra­ba­lho a ní­vel na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal por via do fes­ti­val, a co­me­çar, por exem­plo, com as edi­ções, vis­to que nes­te fes­ti­val fo­ram lan­ça­dos no­ve li­vros iné­di­tos.

Es­sa ci­fra, com­ple­ta, re­sul­ta de mui­ta qua­li­da­de dos au­to­res, mas o nú­me­ro de pu­bli­ca­ção é que ain­da é mui­to re­du­zi­do, o que le­va a con­cluir que ain­da pre­ci­sa­mos de mais obras e de mui­tas me­lho­ri­as: têm mui­tas di icul­da­des em pu­bli­car, o pre­ço do li­vro ain­da é mui­to ca­ro, as grá icas pra­ti­cam pre­ços exor­bi­tan­tes, as dis­tri­bui­do­ras não se im­põem, o que faz com que se­jam nu­las as pos­si­bi­li­da­des de ha­ver uma mí­ni­ma com­pa­ra­ção com o que é fei­to lá fo­ra.

Nes­tes 11 anos, o pa­no­ra­ma mos­tra que as coi­sas ten­dem a me­lho­rar. Já pas­sa­ram por pi­or. Só pa­ra ter­mos uma ideia, da pri­mei­ra à quin­ta edi­ção ize­ram o fes­ti­val com o di­nhei­ro dos pró­pri­os ar­tis­tas, uma em­prei­ta­da di ícil na an­ga­ri­a­ção. Foi a qua­li­da­de dos ar­tis­tas e res­pon­sa­bi­li­da­de da or­ga­ni- za­ção que ize­ram com que con­quis­tas­sem os bons par­cei­ros de ago­ra. “Não es­ta­mos mal, mas ain­da es­tá lon­ge do que que­re­mos.

Te­mos di icul­da­des em im­por o tra­ço da BD na­ci­o­nal cá mes­mo, só pa­ra não fa­lar das di icul­da­des ao ten­tar­mos no es­tran­gei­ro. Não é só re­ce­ber li­vros dos ou­tros, nós tam­bém que­re­mos que eles re­ce­bam os nos­sos li­vros.

Que co­nhe­çam a nos­sa his­tó­ria e nos­sos he­róis con­tem­po­râ­ne­os. Já te­mos si­do con­vi­da­dos a fes­ti­vais, mas os apoi­os é que não acon­te­cem. E pe­di­mos coi­sas co­mo bi­lhe­te e alo­ja­men­to ape­nas, a ver se con­se­gui­mos re­pre­sen­tar o país”, tra­ça Lin­do­mar, que ga­ran­te que a ní­vel da téc­ni­ca e ta­len­to os ar­tis­tas já são con iá­veis, mas não vão ao pú­bli­co an­go­la­no por­que não há li­vros e edi­to­ras a bom pre­ço: o cir­cui­to ain­da pre­ju­di­ca a cri­a­ção ar­tís­ti­ca.

Con­se­quen­te­men­te, os ar­tis­tas aca­bam por fa­zer fran­zi­ni, pro­du­to com me­nos ti­ra­gens que se es­go­ta ain­da du­ran­te o fes­ti­val. De­se­jam fa­zer me­lhor, já que aca­len­tam o pla­no de aju­dar a fa­zer to­da An­go­la ler: “se ama­nhã que­re­mos ter mais um bom Pe­pe­te­la, Lu­an­di­no ou Bo­a­ven­tu­ra Cardoso, é pre­ci­so que as pes­so­as ar­ran­jem for­mas de fa­zer as cri­an­ças le­rem, por­que elas não es­tão a ler. Gos­ta­ría­mos de ter apoi­os ins­ti­tu­ci­o­nais pa­ra o efei­to. Is­so fal­ta. É uma lu­ta”.

O ora­dor Nuno Sa­rai­va

Fi­si­ca­men­te, é a pri­mei­ra vez que o ar­tis­ta por­tu­guês Nuno Sa­rai­va par­ti­ci­pa no fes­ti­val. O cri­a­dor por­tu­guês é o ora­dor prin­ci­pal da par­te for­ma­ti­va do fes­ti­val. Se é ou não a sua pri­mei­ra vez, a res­pos­ta “ar­ma­di­lha­da” de­ve­rá ser sim e não. Nuno ex­pli­ca que já há dez anos que foi con­vi­da­do a par­ti­ci­par no cer­ta­me, mas, no mo­men­to mar­ca­do, nas­ce a sua pri­mei­ra ilha. Por du­as oca­siões icou re­pre­sen­ta­do pe­los seus tra­ba­lhos. É a pri­mei­ra vez que vem a Lu­an­da. Do pré­mio que aju­dou a tra­zer, diz: “A pri­mei­ra vez é sem­pre ines­que­cí­vel, é um pou­co co­mo o pri­mei­ro bei­jo, mar­ca-nos a vi­da to­da. Nes­ta vi­da jo­vem do fes­ti­val e do es­tú­dio Olin­do­mar, é de icar ra­di­an­te­men­te fe­liz”.

Re­co­nhe­ceu que o pré­mio é en­tre­gue de­pois de uma ob­ser­va­ção cau­te­lo­sa da par­te do jú­ri, e é atri­buí­do pe­lo Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de BD da Ama­do­ra. É um fes­ti­val equi­va­len­te ao Lu­an­da Car­to­on. O es­tú­dio Olin­do­mar re­ce­beu o pré­mio de me­lhor fran­zi­ni, que é uma pu­bli­ca­ção de vá­ri­os au­to­res.

Pro­fes­sor de Ban­da De­se­nha­da, é bas­tan­te co­me­di­do nas su­as opi­niões. Mas viu-se sur­pre­en­di­do com os tra­ba­lhos que en­con­trou. Nem ao mui­to bom diz “ad­mi­rá­vel” nem ao mui­to mau diz “abai­xo do li­xo”. Viu es­ti­los dis­tin­tos, des­de as li­nhas in­fan­to-ju­ve­nis da Mó­ni­ca, o eró­ti­co, a crí­ti­ca so­ci­al e os de­se­nhos fo­to­grá icos. Re­co- nhe­ceu que den­tro dos vá­ri­os es­ti­los há au­to­res aqui que po­de­ri­am ser per­fei­ta­men­te in­ter­na­ci­o­nais.

Barly Ba­ru­ti, um gran­de mes­tre afri­ca­no

Faz qua­se tu­do só com tin­ta-da-chi­na e agua­re­la. No fun­do, os seus de­se­nhos mos­tram um re­a­lis­mo des­ta­ca­do, ní­ti­do. “Ele é mes­mo um mes­tre de Áfri­ca”, acen­tua Lin­do­mar.

É nes­te mo­men­to o mes­tre da ban­da de­se­nha­da con­go­le­sa. Acom­pa­nha o fes­ti­val por via das re­des so­ci­ais. Com­pa­ran­do-o a ou­tros ar­tis­tas da música, é co­mo um Ma­nu Di­ban­gu, Lo­kua Kan­za, Is­ma­el Lo, Sa­lif Kei­ta, é um ar­tis­ta de res­pei­to obri­ga­tó­rio em Áfri­ca.

Por en­con­trar di icul­da­des em con­se­guir o vis­to, a che­ga­da do mes­tre ti­nha ica­do adi­a­da pa­ra sex­ta-fei­ra, dia em que ha­ve­ria de pro­fe­rir aos jo­vens ar­tis­tas uma pa­les­tra so­bre o es­ta­do da BD afri­ca­na no mun­do e as su­as téc­ni­cas. Fi­ca­mos a sa­ber que a di icul­da­de de des­lo­ca­ção e fa­ci­li­da­de na emis­são de vis­tos são dos pro­ble­mas que têm cus­ta­do mui­to à or­ga­ni­za­ção do fes­ti­val, que re­pon­ta: “Quan­do nós pe­di­mos apoio, as ins­ti­tui­ções li­gam sem­pre es­te pe­di­do ao di­nhei­ro. Mas mui­tas das ve­zes não é is­so, só pe­di­mos fa­ci­li­da­de na des­lo­ca­ção dos ar­tis­tas pa­ra se fa­ze­rem pre­sen­te nos cer­ta­mes. Ele te­ve di icul­da­des em con­se­guir o vis­to. Es­sa é uma das nos­sas gran­des di icul­da­des, e pen­so que a co­o­pe­ra­ção das em­bai­xa­das se­ria um gran­de pas­so pa­ra a re­so­lu­ção do pro­ble­ma, e tal­vez, tam­bém, abrir ca­mi­nho pa­ra uma me­lhor cir­cu­la­ção da ar­te afri­ca­no no pró­prio con­ti­nen­te. Se­ria uma gran­de hon­ra ter­mo-lo cá por­que vai trans­mi­tir ex­pe­ri­ên­cia. Tra­zen­do es­ses gran­des em­bai­xa­do­res da Áfri­ca que le­vam a cul­tu­ra afri­ca­na pa­ra a Eu­ro­pa, a pró­pria cul­tu­ra ica­ria di­na­mi­za­da com os no­mes que ho­je a su­por­tam”.

Do pou­co co­nhe­ci­men­to des­tas igu­ras jun­to do pú­bli­co an­go­la­no, la­men­tou que pes­so­as há que pas­sam aqui em An­go­la e aca­bam por pas­sar des­per­ce­bi­das, co­mo po­de ser o ca­so des­te gran­de ar­tis­ta.

Ba­ru­ti Kan­do­lo Li­le­la, mais co­nhe­ci­do pe­lo pseu­dó­ni­mo de Barly Ba­ru­ti, nas­ceu no dia 09 de De­zem­bro de 1959, em Ki­san­ga­ni, Con­go De­mo­crá­ti­co. Es­cri­tor e ar­tis­ta, foi des­cri­to pe­la Bri­tish Bro­ad­cas­ting Cor­po­ra­ti­on co­mo "o au­tor con­go­lês mais co­nhe­ci­do fo­ra do seu país".

Em 1982, ele es­cre­veu e de­se­nhou a sua pri­mei­ra his­tó­ria em qua­dri­nhos: Le Temps d'agir (Ho­ra de Agir), que abor­da ques­tões am­bi­en­tais. Em 1984, de­pois de ter ga­nho um con­cur­so de qua­dri­nhos, ele foi con­vi­da­do a es­tu­dar his­tó­ria em qua­dri­nhos es­cri­ta em An­gou­lê­me , a lo­ca­li­da­de fran­ce­sa que se tor­nou mun­di­al­men­te co­nhe­ci­da por aco­lher o mais im­por­tan­te even­to eu­ro­peu de ban­da de­se­nha­da . Três anos de- pois, em 1987, tra­ba­lhou por al­guns me­ses no Stu­di­os Her­gé, em Bruxelas. Re­tor­nou ao Con­go e pu­bli­cou vá­ri­os ál­buns. Mu­dou-se pa­ra a Bél­gi­ca em 1992. Em 1994, o Cen­tro Cul­tu­ral em Ki­san­ga­ni pu­bli­cou seu ál­bum Ob­jec­tif Ter­re! (Ob­je­ti­vo: Ter­ra), um ma­ni­fes­to am­bi­en­tal. No inal de 1990, com Frank Gi­roud, pro­du­ziu Eva K, uma tri­lo­gia de ál­buns de qua­dri­nhos. De­pois pu­bli­ca Man­dril, uma sé­rie de qua­tro ál­buns. Pa­ra es­tas obras, Ba­ru­ti "subs­ti­tuiu seu se­mi-hu­mo­rís­ti­co cla­ro es­ti­lo de li­nha com um mais re­a­lis­ta ".

Em de­zem­bro de 2010, ele foi con­vi­da­do pa­ra par­ti­ci­par da pri­mei­ra ex­po­si­ção in­ter­na­ci­o­nal de qua­dri­nhos afri­ca­nos, em Pa­ris.

Ba­ru­ti é o co-fun­da­dor do Ate­li­er de Créa­ti­on et de l'Ini­ci­a­ção à l'Art (O ici­na Cri­a­ti­va de uma Ini­ci­a­ção à Ar­te), pa­ra in­cen­ti­var os jo­vens ta­len­to­sos de Kinsha­sa.

Nuno Sa­rai­va, ilus­tra­dor e au­tor de ban­da de­se­nha­da, nas­ceu em 1969. Cri­a­dor de uma vas­ta e pre­mi­a­da obra de ilus­tra­ção, é pro­fes­sor de Ban­da De­se­nha­da e de Car­to­on Po­lí­ti­co na es­co­la de artes Ar.Co, em Lis­boa, on­de vi­ve. Pu­bli­ca BD des­de 1993 na im­pren­sa por­tu­gue­sa, foi co-au­tor, com Jú­lio Pin­to, da Fi­lo­so ia de Pon­ta, pu­bli­ca­da no In­de­pen­den­te. Mais re­cen­te­men­te, tem pu­bli­ca­do no gra­tui­to RO­SA MA­RIA, jor­nal do bair­ro da Mou­ra­ria, em Lis­boa, a sé­rie A Vi­da em Ro­sa. Com João Miguel Ta­va­res edi­tou o li­vro in­fan­til A Cri­se con­ta­da às cri­an­ças.

Da es­quer­da : Lin­do­mar, Nuno e Olím­pio

Obras do gran­de mes­tre afri­ca­no Barly no Lu­an­da Car­to­on 2014

Ca­ri­ca­tu­ra de Lin­do­mar e Olím­pio

Tra­ba­lho de Lin­do­mar e Olím­pio,

Ca­pa da BDLP

Ca­ri­ca­tu­ra de Ne­lo Paim, Lu­an­da Car­to­on 2014

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.