LAÚCA Re­ve­la­das evi­dên­ci­as de ocu­pa­ção hu­ma­na mui­to an­ti­gas

Jornal Cultura - - Eco De Angola -

Orio Kwan­za rei­vin­di­ca pa­ra si a fa­ma de ser dos mais im­por­tan­tes de An­go­la. Não so­men­te pe­la sua ex­ten­são mas, prin­ci­pal­men­te, por­que nos vá­ri­os es­pa­ços à sua bor­da, de­sen­ca­de­a­ram-se mui­tas das mais im­por­tan­tes ce­nas da his­tó­ria do país.

Fa­zen­do recurso à his­tó­ria, tais es­pa­ços eram, an­tes do pe­río­do de ocu­pa­ção co­lo­ni­al lu­si­ta­na, ha­bi­ta­dos por nú­cle­os da po­pu­la­ção afri­ca­na or­ga­ni­za­dos po­lí­ti­ca e eco­no­mi­ca­men­te, sen­do que um des­ses cor­res­pon­de ao an­ti­go Rei­no do Ndon­go, ou se­ja, o Es­ta­do dos Mbun­du. Não es­tra­nha, por is­so, a exis­tên­cia de um ri­co acer­vo es- pe­lhan­do va­lo­res e tes­te­mu­nhos his­tó­ri­cos e cul­tu­rais, ma­te­ri­ais e ima­te­ri­ais, que os in­ves­ti­ga­do­res e as ins­ti­tui­ções, len­ta e pa­ci­en­te­men­te, vêm des­co­brin­do e re­ve­lan­do.

Até re­cen­te­men­te, nin­guém ima­gi­na­va que, na re­gião de Nhan­ga ya Pe­pe, ads­tri­ta à co­mu­na de São Pedro da Ki­lem­ba (Kam­bam­be, Kwan­za-Nor­te), na Pe­dra Laúca e à sua en­vol­ven­te (zo­na pe­ri­fé­ri­ca do pro­jec­to de Apro­vei­ta­men­to Hi­dro­e­léc­tri­co de Laúca) pu­des­se exis­tir um ri­co es­pó­lio his­tó­ri­co e cul­tu­ral, ou se­ja, um vas­to ca­pi­tal de in­for­ma­ção e co­nhe­ci­men­to.

O es­pa­ço é ca­rac­te­ri­za­do por uma di­ver­si ica­da re­de de sí­ti­os ar­que­o­ló­gi­cos da pré-his­tó­ria re­cen­te, com­pos­to por es­tru­tu­ras amu­ra­lha­das ou for­ti ica­das, tú­mu­los me­ga­lí­ti­cos e gru­tas com es­pó­lio di­ver­so, es­ta­be­le­cen­do, a par­ti­da, uma per­fei­ta sim­bi­o­se com a pai­sa­gem na­tu­ral.

Tu­do in­di­ca que aque­la re­gião te­rá si­do ocu­pa­da pe­las co­mu­ni­da­des des­de épo­cas mui­to re­cu­a­das, ou me­lhor, um ter­ri­tó­rio an­ces­tral. O co­nhe­ci­men­to so­bre es­tas ocu­pa­ções é es­cas­so e, por is­so, foi du­ran­te mui­to tem­po, con­si­de­ra­do, sim­ples­men­te ilu­só­rio, so­bre­tu­do pe­la apa­ren­te au­sên­cia de tes­te­mu­nhos ísi­cos.

Po­rém, o que acon­te­ce, mui­tas ve­zes é que, as co­mu­ni­da­des man­têm ocul­ta a lo­ca­li­za­ção de mui­tos des­ses sí­ti­os e tes­te­mu­nhos fí­si­cos re­ser­van­do- os, ge­ral­men­te, pa­ra seus fins ri­tu­ais es­pe­ci­ais, co­mo for­ma de man­ter o seu va­lor ou ca­rác­ter sim­bó­li­co e sa­gra­do!

E Laúca é um bom exem­plo da­qui­lo que aca­ba­mos de aqui re­fe­rir. A exis­tên­cia de tro­ços de an­ti­gas mu­ra­lhas, es­tru­tu­ras com apa­rên­cia de tor­res de vi­gia, uma ex­tra­or­di­ná­ria quan­ti­da­de de tú­mu­los de an­ti­gos so­be­ra­nos e ain­da uma gru­ta (um alon­ga­do cor­re­dor es­ca­va­do na pe­dra com ga­le­ri­as) on­de se po­de achar ar­te­fac­tos do quo­ti­di­a­no bas­tan­te an­ti­gos, ao que pa­re­ce, foi man­ti­da ocul­ta pe­las po­pu­la­ções du­ran­te mui­to tem­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.