O Re­ló­gio do Ve­lho Trin­ta de So­be­ra­no Ca­nhan­ga

Jornal Cultura - - Letras -

Num olhar de sos­laio ao “Re­ló­gio do Ve­lho Trin­ta”, meus olhos de ler de­pa­ra­ram-se com a fra­se “ál­co­ol só na fe­ri­da”. Es­ta fra­se cha­mou-me a aten­ção e con­vi­dou-me a fo­lhe­ar cau­te­lo­sa­men­te o tex­to, pois, diz Fernando Pes­soa, que é: Um pra­zer Não cum­prir um de­ver Ter um li­vro pa­ra ler E não fa­zer!

Sim! Es­te mun­do é do­ta­do de uma pseu­do­ma­nia, que faz do ho­mem ac­tu­al um ser apa­ren­te, pa­ra quem o ter re­le­va o ser, o agir an­te­ci­pa o pen­sar. Nes­ta mun­di­vi­dên­cia glo­ba­li­zan­te, vi­ve­mos que nem um rio que cor­re bem ou mal.

Por­tan­to, “Li­vros são pa­péis pin­ta­dos com tin­ta. A dis­tin­ção en­tre na­da e coi­sa ne­nhu­ma” . Não ler um li­vro sob pre­tex­to de não ter tem­po ou mes­mo es­ta ser a ac­ti­vi­da­de dos lou­cos li­te­ra­tos é pe­dir de Cris­to de­sis­tên­cia da vi­da. Por­que sem lei­tu­ra não há vi­da.

A lei­tu­ra é um ins­tru­men­to de ca­pi­tal im­por­tân­cia pa­ra a vi­da hu­ma­na. A par­tir do mo­men­to em que a pes­soa nas­ce, ela per­mi­te-lhe dar sen­ti­do a to­dos as­pec­tos da re­a­li­da­de ob­jec­ti­va.

No de­cor­rer da exis­tên­cia hu­ma­na, a lei­tu­ra con­ti­nua sen­do es­sen­ci­al pa­ra que não só se pos­sa co­nhe­cer, mas tam­bém in­ter­pre­tar o mun­do, fa­zen­do lei­tu­ra dos ob­jec­tos, das pes­so­as, do am­bi­en­te, das si­tu­a­ções e de tu­do aqui­lo que lhe ro­deia.

A par­tir des­ses fac­tos se po­de ca­rac­te­ri­zar a lei­tu­ra co­mo uma com­pe­tên­cia ne­ces­sá­ria e de ex­tre­ma im­por­tân­cia na vi­da de um su­jei­to, den­tro e fo­ra da sa­la de au­las, pois ela pro­por­ci­o­na des­co­ber­tas do meio cir­cun­dan­te o qual, an­tes da lei­tu­ra, era des­co­nhe­ci­do pe­lo lei­tor.

Os so­be­ra­nos olhos de So­be­ra­no Ca­nhan­ga ize­ram uma lei­tu­ra pon­tu­al da re­a­li­da­de ob­jec­ti­va. Cap­ta­ram do sen­ti­men­to po­pu­lar ce­ná­ri­os re­le­van­tes pa­ra pro­du­zir es­ta obra li­te­rá­ria, com que nos mi­mo­seia ho­je.

Se, por um la­do, ren­de ho­me­na­gem ao Jor­na­lis­ta da LAC Pedro de Me­ne­zes, seu co­le­ga que de­sis­tiu da vi­da, no vi­gor da sua ju­ven­tu­de, por ou­tro, a obra traz a des­nu­da An­go­la de olho no as­sun­to, “vis­to cla­ra­men­te ven­do” .

O que as­sis­ti­mos nos di­as de ho­je nos óbi­tos, os ri­cos cho­ram pe­lo na­riz, pois é ne­le que mais se lim­pa e não nos olhos. Pa­gam pes­so­as, as di­tas car­pi­dei­ras, pa­ra cho­rar de mil, cin­co mil ou dez mil Kwan­zas. Co­mo quem diz: cho­rar um en­te que­ri­do é coi­sa de po­bres. A inal, já te­mos em An­go­la ve­ló­rio chi­que.

Es­te é um exem­plo cla­ro de es­tar­mos a vi­ver uma con­tur­ba­da fa­se de de­sor­dens mo­rais, em que ca­da um ou­sa que­rer tu­do fa­zer em no­me da li­ber­da­de. Te­rá is­so al­gum le­ga­do?

No en­tan­to, im­põe-se-me ob­vi­ar que nas­cer po­bre nun­ca foi, e nem se­rá, apa­ná­gio dos ma­les a qui­nho­a­dos, nem mes­mo es­ca­pe pa­ra he­re­si­as dos bem-po­si­ci­o­na­dos da so­ci­e­da­de.

O que ve­mos nos nos­sos di­as: bu­fet pa­ra um óbi­to, ya­pa ofe­ka ya­pua ake­pa olombwa vya­fe­ti­ka oku­ta­ki­la oma­nu3 … por is­so, ál­co­ol só na fe­ri­da.

Mas… “von­gon­go ya yeho­va le­vi vya­tun­ga­mo, oma­nu la­va va tun­ga­mo ” al­guns vi­vem co­mo que­rem e ou­tros co­mo po­dem.

É im­pe­ri­o­so fa­zer-se eco­ar os ma­les da vi­da, em tor­ta de ace­pi­pes a ba­ço­ne­gro fei­ta de ne­ces­si­da­des pe­re­nes, se­não ve­ja­mos:

O ho­mem vi­ve sem­pre in­sa­tis­fei­to e is­so é um fac­to per­ma­nen­te, pro­cu­rar al­go no­vo e mais per­fei­to.

O amor no qual ho­mens e mu­lhe­res co­lo­cam a sua es­pe­ran­ça de fe­li­ci­da­de, por im, se re­ve­la de­cep­ci­o­nan­te pa­ra mui­tos. Lo­go, o amor se tor­na a in­dús­tria for­ne­ce­do­ra de ilu­sões, fra­cas­sos, lá­gri­mas, an­si­e­da­des, quei­xu­mes e des­gos­tos.

O ho­mem vi­ve na pro­cu­ra do po­der. E quan­do se lhe é da­do um pou­co de po­der, ho­mem ou mu­lher re­ve­lam de­pres­sa a sua in­ca­pa­ci­da­de de olhar pa­ra o ser hu­ma­no su­bor­di­na­do co­mo um li­xo. En im é uma es­pé­cie de ce­guei­ra no ajus­ta­men­to do de­se­jo de vi­ver ca­da vez me­lhor e a for­ma de o con­quis­tar.

E pa­ra sal­gar o pão que o di­a­bo amas­sou: o mal do mun­do cir­cuns­cri­to nas inun­da­ções, vul­cões, do­en­ças in­cu­rá­veis, es­ti­a­gens, aci­den­tes e até a pró­pria mor­te.

Es­tes as­pec­tos ani­ma­ram a cons­ci­ên­cia aten­ta do Su­jei­to li­te­rá­rio, que, nu­ma lei­tu­ra dis­cre­ta da Mwan­go­pe, cap­tou das al­ga­zar­ras do mus­se­que da al­ma po­pu­lar, tra­çou um ro­tei­ro, com Sa­tu­la, na vi­da rec­ta e cur­vi­lí­nea, bra­vo com­ba­ten­te, con­quis­ta­dor de vi­tó­ri­as, e ho­je con­su­min­do mi­ga­lhas que nem “Lá­za­ro em ca­sa do ri­co ”5.

Igual a Sa­tu­la, quan­tos an­ti­gos com­ba­ten­tes da Ngo­la Ye­tu cho­ram as ma­lam­bas da vi­da no wa­len­de? Quan­tos de­le se ri­em e zom­bam? Es­tes são mam­bos da nos­sa ban­da.

O re­ló­gio do ve­lho trin­ta é se­me­lhan­te ao Ovo­lu va­te­ka te­ka … va­te­ke­la ko kuya­ka lomwe on­de­te va­li6 ou mes­mo olha ca­tu­ta, pu­xa ca­tu­ta… ar­ran­ca ca­tu­ta… são pro­ble­mas…

É a lu­ta pe­la so­bre­vi­vên­cia e a con­tra­di­ção na­tu­ral: ser pro­pri­e­tá­rio de uma agên­cia fu­ne­rá­ria e au­gu­rar que mais gen­te mor­ra pa­ra as pa­ne­las em ca­sa não bai­xa­rem de di­vi­são… é ca­so pa­ra se di­zer:

A gló­ria des­ta vi­da é uma mi­sé­ria ín ima.

A tris­te­za, nos­sa pe­na ín­ti­ma;

Ses­são de ven­da e as­si­na­tu­ras de au­tó­gra­fos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.