Alar­ga­do a to­do o país

Jornal Cultura - - Letras -

con­cur­so de con­tos “Quem Me De­ra Ser On­da”, des­ti­na­do a cri­an­ças/ado­les­cen­tes dos 13 aos 17 anos, pre­fe­ren­ci­al­men­te alu­nos das es­co­las pú­bli­cas e par­ti­cu­la­res, pas­sa a ser, a par­tir des­te ano, de di­men­são na­ci­o­nal. Pa­ra tal ga­nhou o en­vol­vi­men­to di­rec­to do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, que o en­qua­drou no seu pro­gra­ma de pro­mo­ção e in­cen­ti­vo à lei­tu­ra pú­bli­ca.

O prin­ci­pal pa­tro­ci­na­dor con­ti­nua a ser a Fun­da­ção Sol. A Tex­to Edi­to­res, ex­ten­são an­go­la­na da edi­to­ra mul­ti­na­ci­o­nal Leya, vai en­car­re­gar-se da edi­ção e dis­tri­bui­ção das obras pre­mi­a­das.

A União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, pro­mo­to­ra do con­cur­so, jun­tou (26/08) na sua se­de os par­cei­ros de em­prei­ta­da pa­ra apre­sen­ta­ção à im­pren­sa do re­gu­la­men­to ac­tu­a­li­za­do e es­cla­re­ci­men­to de dú­vi­das pon­tu­ais.

Além da já ci­ta­da ex­ten­são às de­zoi­to pro­vín­ci­as do país, a no­vi­da­de do con­cur­so é a edi­ção de uma an­to­lo­gia com os 30 me­lho­res con­tos, sen­do que os au­to­res dos três me­lho­res de­ve­rão ser con­tem­pla­dos com os pré­mi­os pe­cu­niá­ri­os, em kwan­zas, equi­va­len­tes a 5 mil, 3 mil e 2 mil dó­la­res, res­pec­ti­va­men­te.

A par­ti­ci­pa­ção das cri­an­ças se­rá fei­ta atra­vés das es­co­las, com o acom­pa­nha­men­to dos pro­fes­so­res de lín­gua por­tu­gue­sa e dos pais ou tu­to­res. O pra­zo de en­tre­ga das obras con­cor­ren­tes fe­cha a 30 de Ou­tu­bro des­te ano e a pre­mi­a­ção acon­te­ce no dia 20 de Fe­ve­rei­ro de 2015, nu­ma pro­vín­cia a de­sig­nar, na pre­sen­ça pres­ti­gi­an­te do pa­tro­no, o es­cri­tor Manuel Rui,.

A UEA vai pro­mo­ver en­con­tros do pa­tro­no e ou­tros es­cri­to­res de literatura in­fan­til com pro­fes­so­res de lín­gua por­tu­gue­sa e os alu­nos em vá­ri­as pro­vín­ci­as; vai igual­men­te tra­ba­lhar pa­ra a cri­a­ção de uma ba­se de da­dos dos pro­fes­so­res que pos­su­am o ici­nas li­te­rá­ri­as nas su­as es­co­las.

Um jo­ga­dor de pe­so

A en­tra­da em jo­go do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, que traz con­si­go to­da a re­de de es­co­las pú­bli­cas e par­ti­cu­la­res de to­do o país - abar­can­do um uni­ver­so de cen­te­nas de mi­lha­res de alu­nos - e in­clui o con­cur­so no âm­bi­to das ac­ti­vi­da­des ex­tra­cur­ri­cu­la­res o ici­ais, fa­zia pre­ver que os or­ga­ni­za­do­res ti­ves­sem a am­bi­ção, mais do que vi­si­o­ná­ria, re­a­lis­ta, de apro­vei­tar os be­ne íci­os da eco­no­mia de es­ca­la, pro­gra­man­do uma ti­ra­gem da obra a edi­tar mui­to pa­ra lá dos ha­bi­tu­ais mil exem­pla­res, com van­ta­gem de pre­ço pa­ra o con­su­mi­dor inal.De­bal­de.

“Pre­ve­mos uma ti­ra­gem de mil exem­pla­res”, dis­se, im­pá­vi­do, Xye­tu Sil­va, co­or­de­na­dor edi­to­ri­al da Tex­to Edi­to­res. “São lu­ná­ti­cos os que acre­di­tam em ti­ra­gens de mais de mil exem­pla­res. As pes­so­as não gos­tam de ler, não com­pram li­vros”, su­bli­nhou, em tom de quei­xa, Car­mo Ne­to, se­cre­tá­rio-ge­ral da UEA.

Sim, as pes­so­as não gos­tam de ler, não com­pram li­vros, cor­ro­bo­ra­mos nós. Ac­tu­al­men­te. Mas a re­a­li­da­de nem sem­pre foi es­ta e po­de mu­dar. É sa­bi­do que na dé­ca­da de 1980 as edi­ções da pró­pria UEA iam dos 5 mil aos 20 mil exem­pla­res. E as pes­so­as com­pra­vam os li­vros. Se uns o fa­zi­am ape­nas pa­ra en­fei­tar as es­tan­tes das sa­las de es­tar, mui­tos ou­tros os li­am e os da­vam a ler aos mais pe­que­nos.

Com o en­vol­vi­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção e da sua re­de for­mi­dá­vel de es­co­las, a pro­mo­ve­rem e a re­co­men­da­rem aos pais a com­pra da an­to­lo­gia de con­tos re­sul­tan­te do con­cur­so, é ex­pec­tá­vel que a ti­ra­gem de mil exem­pla­res se­ja com­ple­ta­men­te ir­ri­só­ria. Nes­sas coi­sas de en­xer­gar o fu­tu­ro, às ve­zes ser lu­ná­ti­co é uma vir­tu­de.

A som­bra do plá­gio

Ou­tra pre­o­cu­pa­ção apre­sen­ta­da du­ran­te a con­fe­rên­cia de im­pren­sa es­te­ve re­la­ci­o­na­da com as de­nún­ci­as de plá­gio. Na úl­ti­ma edi­ção, o jú­ri do “Quem Me De­ra Ser On­da” ex­pli­ci­toua pre­o­cu­pa­ção, a par­tir de cons­ta­ta­ções con­cre­tas. O re­gu­la­men­to do con­cur­so, no seu ar­ti­go sex­to, re­fe­re que “ca­da es­co­la ou a tu­te­la po­de­rá apoi­ar os au­to­res con­cor­ren­tes no que con­cer­ne a cor­rec­ções de or­dem or­to­grá ica sem que se in­tro­me­tam na cri­a­ti­vi­da­de do au­tor ou a ela se so­bre­po­nham nem tão pou­co au­to­ri­zem o plá­gio ou ac­tos si­mi­la­res que in­va­li­da­rão a can­di­da­tu­ra ou o pré­mio”.

Em úl­ti­ma ins­tân­cia, ca­be ao jú­ri do­tar-se de pers­pi­cá­cia e dis­cer­ni­men­to pa­ra iden­ti icar e eli­mi­nar as obras re­sul­tan­tes de plá­gio.

A gran­de ven­ce­do­ra da úl­ti­ma edi­ção do con­cur­so foi Ali­ce da Con­cei­ção, do co­lé­gio Ri­vi­o­ri, de Lu­an­da, com a es­tó­ria “Pa­ti, a Me­ni­na de Rua”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.