Re­no­va­ção e mu­ta­ção es­té­ti­ca

Jornal Cultura - - Artes - Emí­dio Pi­nhei­ro

Nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das as ar­tes plás­ti­cas an­go­la­nas têm re­gis­ta­do um pe­río­do de re­no­va­ção e de mu­ta­ção es­té­ti­ca atra­vés do sur­gi­men­to de uma no­va ge­ra­ção de ar­tis­tas.

Não pre­ten­den­do fa­zer uma rup­tu­ra com o pas­sa­do, es­ta no­va ge­ra­ção de ar­tís­ti­cas, da qual faz par­te Hil­de­bran­do Me­lo, tem-nos brin­da­do com obras mui­to ri­cas, na me­di­da em que, não se li­mi­ta a uma me­ra ob­ser­va­ção e com­pre­en­são es­té­ti­ca do quo­ti­di­a­no. As su­as cri­a­ções ar­tís­ti­cas são uma fu­são do “olhar pro­fun­do so­bre a re­a­li­da­de que nos ro­deia”, com as su­as vi­vên­ci­as e in luên­ci­as cul­tu­rais do mun­do con­tem­po­râ­neo. Hil­de­bran­do Me­lo in­ter­pre­ta e ex­plo­ra o mis­ti­cis- mo e a al­ma de Áfri­ca co­mo pou­cos, trans­pon­do pa­ra a te­la em si­mul­tâ­neo e com enor­me ele­gân­cia a agres­si­vi­da­de e o equi­lí­brio, o que tor­na a sua pro­du­ção nu­ma sim­bo­lo­gia im­par e de ca­rác­ter uni­ver­sal.

Hil­de­bran­do Me­lo é um ar­tis­ta ir­re­ve­ren­te, per­sis­ten­te, ima­gi­na­ti­vo e mui­to cri­a­ti­vo na sua pro­du­ção ar­tís­ti­ca. A sua ar­te é em si mes­mo um pro­ces­so de cons­tru­ção do seu “ego” e do seu olhar crítico so­bre tu­do o que o ro­deia. A co­lec­ção “Ví­rus” é dis­so pro­va. O ar­tis­ta procura re­tra­tar as in­ter­ro­ga­ções hu­ma­nas so­bre a exis­tên­cia da vi­da. É o con­tri­bu­to próprio de quem não se con­for­ma com os lu­ga­res co­muns, que ras­ga o seu próprio ca­mi­nho no mun­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.