Me­di­a­ti­za­ção de al­guns ac­tos pú­bli­cos de so­li­da­ri­e­da­de

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma -

um mun­do glo­ba­li­za­do, on­de im­pe­ram as TIC’s e se agra­vam as de­si­gual­da­des na qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções, o co­nhe­ci­men­to tor­nou- se em um fac­tor po­de­ro­so de pro­du­ção e de me­di­a­ti­za­ção. Daí que ha­ja um con­jun­to de ne­ces­si­da­des edu­ca­ti­vas e de for­ma­ção, pa­ra to­da a po­pu­la­ção e não ape­nas pa­ra as camadas mais jovens, co­mo tra­di­ci­o­nal­men­te vi­nha sen­do con­si­de­ra­do. No Re­la­tó­rio da Co­mis­são In­de­pen­den­te Po­pu­la­ção e Qua­li­da­de de Vi­da, de 1998, afir­ma- se que “a edu­ca­ção de­ve ser en­ten­di­da e tra­ta­da co­mo um di­rei­to que per­ten­ce não a um gru­po etá­rio es­pe­cí­fi­co ( res­tri­to à in­fân­cia e à ju­ven­tu­de) mas um di­rei­to pa­ra to­da a vi­da e cu­ja re­a­li­za­ção po­de as­su­mir for­mas mui­to di­ver­sas”.

Po­de­re­mos, se­gun­do o so­ció­lo­go Her­ma­no Car­mo, en­glo­bar es­ta re­a­li­da­de em uma úni­ca ex­pres­são: Edu­ca­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to e pa­ra a So­li­da­ri­e­da­de. As­sim sen­do, lo­go à par­ti­da, edu­car pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to in­te­gra du­as com­po­nen­tes in­dis­so­ciá­veis:

- Edu­car o ho­mem pa­ra ti­rar pro­vei­to da for­ma mais cor­rec­ta do meio am­bi­en­te e do que tem; pa­ra evi­tar mor­tes des­ne­ces­sá­ri­as, pa­ra pro­lon­gar a sua vi­da com qua­li­da­de, pa­ra es­co­lher, de for­ma crítica e com um es­ta­tu­to de efec­ti­va ci­da­da­nia eco­nó­mi­ca, on­de e co­mo quer vi­ver e tra­ba­lhar; pa­ra pôr a ren­der as su­as po­ten­ci­a­li­da­des co­mo pes­soa (Edu­ca­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to);

- Edu­car pa­ra a so­bre­vi­vên­cia da Hu­ma­ni­da­de, evi­tan­do-se as­sim con- vul­sões so­ci­ais, on­de se gas­tam enor­mes re­cur­sos e ener­gi­as pa­ra so­lu­ci­o­nar pro­ble­mas evi­tá­veis (Edu­ca­ção pa­ra a So­li­da­ri­e­da­de).

Nos di­as de ho­je, pou­co ou na­da se tem fa­la­do de so­li­da­ri­e­da­de co­mo ina­li­da­de edu­ca­ti­va e co­mo um dos mais re­le­van­tes va­lo­res hu­ma­nos in­dis­pen­sá­vel ao de­sen­vol­vi­men­to e ao bem-es­tar so­ci­al. Mui­tas ve­zes me ques­ti­o­no se, no ac­tu­al con­tex­to da pla­ne­ti­za­ção da eco­no­mia – on­de o trabalho (en­quan­to úni­ca ac­ti­vi­da­de, pú­bli­ca ou pri­va­da, so­ci­al­men­te or­ga­ni­za­da e útil, já que ge­ra ri­que­za) vai con­ti­nu­ar a per­der o mé­ri­to que lhe é de­vi­do e acon­fun­dir-se com o mai­or ou me­nor ex­pe­di­en­te es­pe­cu­la­ti­vo (en­quan­to for­ma de aqui­si­ção rá­pi­da de “en­di­nhei­ra­men­to”), en­fei­ta­do com al­gu­mas ac­ções de ca­rác­ter so­ci­al de oca­sião (?!).

Apa­ren­te­men­te, al­guns co­nhe­ci­dos ac­tos pú­bli­cos de so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al, por mais im­por­tan­tes que se re­vis­tam, tra­zem sem­pre uma for­te com­po­nen­te me­diá­ti­ca atrás, pa­ra que os ci­da­dãos se tor­nem sen­sí­veis ou no mí­ni­mo no­ta­dos fa­ce à opi­nião pú­bli­ca. Mais do que apoi­ar ou, até mes­mo, re­pu­di­ar, há, por ve­zes, um ex­ces­so de pro­ta­go­nis­mo à mis­tu­ra.

Em ple­no sé­cu­lo XXI, o ra­cis­mo, um dos as­pec­tos de­plo­rá­veis de com­por­ta­men­to so­ci­al des­vi­a­do, con­ti­nua a ma­ni­fes­tar-se, quer de for­ma aber­ta, quer de mo­do ca­mu­fla­do. Há uns tem­pos tem­po atrás, co­mo for­ma de des­cri­mi­na­ção ra­ci­al, há es­pec­ta­do­res que ati­ram ba­na­nas pa­ra o rel­va­do, na di­rec­ção de al­gum jo­ga­dor negro ou mes­ti­ço que pre­ten­dem me­lin­drar. O ac­to é, evi­den­te­men­te, re­pro­vá­vel e te­rá de con­ti­nu­ar a ser com­ba­ti­do pe­la FIFA e pe­los agen­tes da or­dem pú­bli­ca. Tam­bém, a so­li­da­ri­e­da­de pa­ra co­mo os jo­ga­do­res ne­gros ou mes­ti­ços ames­qui­nha­dos e mo­ral­men­te agre­di­dos te­rá de ser de­nun­ci­a­da. Con­tu­do, pa­ra con­de­nar­mos es­te ti­po de prá­ti­cas de com­por­ta­men­to so­ci­al des­vi­an­te, te­re­mos mes­mo de pas­sar a ti­rar fo­tos a co­mer ba­na­nas, pu­bli­cá-las nas re­des so­ci­ais e a ir­mar­mos or­gu­lho­sa­men­te “so­mos to­dos ma­ca­cos” (?!).

Te­nho tam­bém o mai­or res­pei­to e es­pí­ri­to de so­li­da­ri­e­da­de pe­la es­cle­ro­se la­te­ral ami­o­tró ica (ALS na si­gla in­gle­sa, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo do­en­ça de Lou Geh­rig) e apoio to­dos os que con­tri­bu­em mo­ne­ta­ri­a­men­te pa­ra a ALS As­so­ci­a­ti­on, que já an­ga­ri­ou mais de 3 mi­lhões de eu­ros. To­da­via, per­gun­to-me se a cam­pa­nha do Ice Buc­ket (ou se­ja, des­pe­jar, em pú­bli­co, um bal­de de água ge­la­da pe­la ca­be­ça abai­xo), ac­ção le­va­da a cabo por vá­ri­as igu­ras pú­bli­cas, que de­sa iam ou­tras a fa­zer o mes­mo, se tor­na­rá ne­ces­sá­ria pa­ra mos­trar­mos que so­mos so­li­dá­ri­os com os do­en­tes da es­clo­ro­se la­te­ral ami­o­tró ica ou qual­quer ou­tra do­en­ça gra­ve?

Pa­ra além de ri­dí­cu­la a cam­pa­nha, pa­re­ce-me mais vol­ta­da pa­ra a au­to­pro­mo­ção­de pes­so­as do que pa­ra o ver­da­dei­ro sen­ti­do so­li­da­ri­e­da­de pa­ra co­mo as más ati­tu­des ou as gra­ves do­en­ças, mes­mo que de­pois pas­sem (ou se ca­lhar não) a con­tri­buir mo­ne­ta­ri­a­men­te pa­ra qual­quer uma das cau­sas. Es­tra­nho que ain­da não ha­ja ba­nhos de agua ge­la­da, ou coi­sa pa­re­ci­da, con­tra a fo­me a ex­tre­ma po­bre­za, que atin­gem mais de me­ta­de da Hu­ma­ni­da­de. Tal­vez pa­ra es­te ca­so, o ba­nho es­te­ja ain­da mor­no e não ge­re ain­da nem gri­ti­nhos,nem ar­re­pi­os de in­dig­na­ção.

Al­gu­mas fi­gu­ras da po­lí­ti­ca e do des­por­to que apoi­a­ram Daniel Ál­ves

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.