“Paga que paga” dá Top dos Mais Qu­e­ri­dos a Ary

Na oi­ta­va edi­ção

Jornal Cultura - - Artes - Ma­ta­di Ma­ko­la

Omo­men­to dos espectáculos foi aber­to por Mi­to Gas­par, ar­tis­ta con­vi­da­do da noi­te que deu um to­que mu­si­cal bem da ter­ra num es­pa­ço de 30 mi­nu­tos. Sal­te­an­do de te­mas e re­bus­can­do su­ces­sos dos seus três dis­cos, com des­ta­que pa­ra “Man Po­le” e “Ma­na Min­ga”, as­su­min­do-se, mais uma vez, co­mo “ho­mem de Kim­bun­du”.

Do kim­bun­du pa­ra o por­tu­guês, Ary can­ta a se­guir o te­ma “Paga que Paga”, com o qual se con­sa­gra gran­de ven­ce­do­ra do con­cur­so Top dos Mais Qu­e­ri­dos 2014 com 23.87 por cen­to dos vo­tos, anu­al­men­te re­a­li­za­do pe­la Rá­dio Na­ci­o­nal des­de 1982 e cu­jo úl­ti­mo ven­ce­dor foi Ma­ti­as Da­má­sio, com o te­ma “Kwan­za Bur­ro”. A mú­si­ca foi es­cri­ta pe­lo seu con­tem­po­râ­neo Kiya­ku Ka­da i e con­tem­pla­da no pro­jec­to mu­si­cal de Chi­co Vi­e­gas, “Ca­lor Tro­pi­cal”.

No cul­to de es­tar co­mo ar­tis­ta, o seu jei­to des­con­tro­la­da­men­te ex­tro­ver­ti­do agra­da a mui­tas fãs, adi­ci­o­na­do à fe­bre da cul­tu­ra do cor­po das ac­tu­ais es­tre­las pop, par­te da sua co­mu­ni­ca­ção co­mo ar­tis­ta. Da­da co­mo a di­va da mú­si­ca em 2007, no ano se­guin­te re­pe­te a pro­e­za e acres­cen­ta ain­da a ca­te­go­ria de di­va do mo­men­to. Ary é das can­to­ras an­go­la­nas de mai­or ca­ris­ma jun­to do pú­bli­co feminino de di­fe­ren­tes fai­xas etá­ri­as, com um re­per­tó­rio mu­si­cal que in­clui os su­ces­sos “Co­mo te sen­tes tu”, “Vai dar bum”, “Teu gran­de amor”, “Dá só”, “Be­ti­nho”, “Bo­la pra fren­te”, “Es­can­ga­lha”, “Carta de amor”, re­par­ti­dos em ki­zo­ma­ba, sem­ba e tar­ra­xi­nha. O te­ma “Paga que paga” não cons­ti­tui no­vi­da­de te­má­ti­ca nem me­ló­di­ca. É mais um nú­me­ro mu­si­cal com os con­di­men­tos ha­bi­tu­ais, em que a can­to­ra faz uso de ques­tões do­més­ti­cas do lar e das aven­tu­ras e des­ven­tu­ras do vi­ver o amor à mo­da li­ber­tá­ria dos di­as de ho­je. Da ou­sa­dia e su­ges­tão de que­bra de al­guns com­por­ta­men­tos ta­bus até en­tão mo­de­la­do­res do côn­ju­ge feminino e im­pres­sos nas su­as mú­si­cas co­mo si­tu­a­ções “ca­ri­ca­tas”, al­gu­mas das le­tras in­ter­pre­ta­das por si to­mam a cau­sa da lu­ta fe­mi­nis­ta.

Era cer­te­za que uma vez ga­nha­ria, a inal são oi­to ve­zes em que se des­ta­ca en­tre os dez ina­lis­tas do Top dos Mais Qu­e­ri­dos, che­gan­do mes­mo a atin­gir o se­gun­do lu­gar na edi­ção de 2008 com a mú­si­ca “Teu gran­de amor”. Nas­ci­da na Huí­la a 10 de Agosto de 1986, a can­to­ra se es­treia no mer­ca­do com o dis­co de ori­gi­nais “Sem subs­ti­tui­ções”, em 2007. Kya­ku Kya­daff Da­da co­mo uma das mais for­tes can­di­da­tas ao pré­mio, a mú­si­ca “En­tre se­te e se­te ro­sas” é sem som­bra de dú­vi­das a sen­sa­ção do mo­men­to no cir­cui­to co­mer­ci­al da mú­si­ca an­go­la­na. Au­tor e in­tér­pre­te, Kya­ku Kya­daff con­se­guiu o pré­mio Co­ca-co­la, um che­que ava­li­a­do em 1 mi­lhão de kwan­zas.

Mas não foi só is­so. O mú­si­co dis­se ao Cul­tu­ra que se sen­tia du­as ve­zes vi­to­ri­o­so pe­lo fac­to de ser o pri­mei­ro ar­tis­ta es­co­lhi­do a re­ce­ber o pré­mio re­ve­la­ção Co­ca-co­la e por ser o au­tor da le­tra da can­ção ven­ce­do­ra, “Paga que paga”, in­ter­pre­ta­da por Ary.

Ain­da sem dis­co no mer­ca­do, an­te­viu que tal­vez com is­so os pa­tro­cí­ni­os ve­nham e que até ao im do ano os fãs pos­sam com­prar o es­pe­ra­do ál­bum.

Des­te su­ces­so, des­ta­ca que a sen­si­bi­li­da­de da po­pu­la­ção com­bi­na com a sua mú­si­ca e que is­so tem da­do gran­des re­sul­ta­dos, ten­do em con­ta o la­do po­si­ti­vo das com­po­si­ções de sua au­to­ria. O te­ma, diz, le­van­ta um con­teú­do so­ci­al pro­fun­do. Quan­to a pro­jec­tos e agen­da, dis­se es­tar a tra­ba­lhar du­ro e que tem agen­da­da vi­a­gens com des­ti­no a Pa­ris, Por­tu­gal e Mo­çam­bi­que, a dar con­ti­nui­da­de ao trabalho.

Se é ou não um no­vo Kya­ku, a lem­brar o ta­len­to­so tro­va­dor que mui­tas ve­zes en­chia de or­gu­lho os pre­sen­tes das ca­sa União dos Es­cri­to­res e Fa­cul­da­de de Le­tras com rit­mos que fogem da ga­ma co­mer­ci­al, dis­se, pri­mei­ra­men­te, es­tar mui­to sa­tis­fei­to com o que tem fei­to nos di­as que cor­rem. Ga­ran­tiu ser ape­nas uma sim­ples sim­bi­o­se: “Uma adap­ta­ção en­tre a pri­mei­ra e se­gun­da re­a­li­da­des mu­si­cais. Há ape­nas uma pin­tu­ra ou ace­le­ra­ção rít­mi­ca. Não vou fu­gir a ten­dên­ci­as afro mui­to mais ca­rac­te­rís­ti­cas. O pro­ces­so de edi­ção dis­co le­va em con­si­de­ra­ção es­ta du­a­li­da­de, até por­que o te­ma car­re­ga no fun­do am­bas fa­ce­tas”. Edy Tus­sa Com um pú­bli­co ha­bi­tu­a­do a vê-lo de fa­to e gra­va­ta, Edy Tus­sa apa­re­ceu de mis­san­gas e tron­co nu, e da in­du­men­tá­ria qu­es­ti­o­na­mos: “Es­pe­lhar bem a raiz. Se­guir a in­du­men­tá­ria de Tony do Fu­mo”, dis­se. Com 17,1 por cen­to dos vo­tos, in­ter­pre­tou a mú­si­ca Mo­na­mi (ori­gi­nal de Tony do Fu­mo) e con­se­guiu o ter­cei­ro lu­gar, ar­re­ca­dan­do um che­que de 700 mil kwan­zas. Ya­nick “Às ve­zes, nem nós con­se­gui­mos adi­vi­nhar os mo­ti­vos da nos­sa pre­sen­ça num mer­ca­do que ca­da vez mais se tor­na com­pe­ti­ti­vo. O pú­bli­co apos­tou no seu mú­si­co e eu ico fe­liz por te­rem acre­di­ta­do em mim, prin­ci­pal­men­te a fa­zer um es­ti­lo que não é acei­te por to­dos. Is­so mos­tra que já te­mos uma no­va men­ta­li­da­de. Já há al­gum tem­po que o rap tem da­dos pas­sos nas ven­das e nos shows, traze-lo aos pré­mi­os foi os ga­nhos dos anos mais re­cen­tes”, dis­se o ra­per Ya­nick, se­gun­do ven­ce­dor com 17.25 por cen­tos dos vo­tos, ar­re­ca­dan­do um che­que no va­lor 1 mi­lhão de kwan­zas.

Em par­ti­cu­lar, o rap foi a pé­ro­la da noi­te, tra­zen­do três par­ti­ci­pan­tes, Ya­nick, au­tor de “Li­ção de vi­da”; Dji Ta i- nha, au­tor de “O próprio wi”; e NGA, au­tor de “Mes­mo as­sim”. A apre­sen­ta­ção do ra­per NGA foi dos mo­men­tos mais altos. Mui­to acei­te pe­la ju­ven­tu­de, o to­que ma­gis­tral da gui­tar­ra de Tedy mar­cou o mo­men­to co­mo um dos mais sig­ni ican­tes da noi­te, pe­la gran­de in­te­rac­ção con­se­gui­da, em­bo­ra não te­nham con­se­gui­do na­da.

Con­tu­do, a in­du­men­tá­ria pou­co acei­tá­vel de al­guns (com as cu­e­cas à mos­tra) foi um dos pon­tos ne­ga­ti­vos. Fo­ram dos mais aplau­di­dos e é ac­tu­al­men­te um dos gé­ne­ros mu­si­cais cu­ja men­sa­gem in luên­cia uma boa par­te da ju­ven­tu­de, daí a ne­ces­si­da­de de pau­tar por uma con­du­ta dig­na do mo­men­to.

Dos con­cor­ren­tes em ge­ral, a von­ta­de do pú­bli­co re­caiu pou­co pa­ra os res­tan­tes Ba­ló Ja­nuá­rio, in­tér­pre­te de “Bo­ca na bo­ti­ja”; An­sel­mo Ralph (au­sen­te), Bru­na Ta­ti­a­na, au­to­ra de “Meu tu­do”, e Le­ga­lai­ze, au­tor de “Mi­ra mi­ra”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.