Um Jor­na­lis­mo de Com­ba­te pe­la Li­ber­da­de e Au­to­no­mia

Jornal Cultura - - Primeira Página - AR­TUR QU­EI­ROZ

Oli­vro História e Evo­lu­ção da Im­pren­sa Bra­si­lei­ra (Rio de Ja­nei­ro, 1940), de Li­cur­go Cos­ta e Bar­ros Vi­dal, afir­ma na sua pá­gi­na 15 que no sé­cu­lo XVIII exis­tia um pre­lo me­câ­ni­co em Lu­an­da e ou­tro em S. Sal­va­dor do Con­go (Mbanza Kon­go). Vá­ri­os es­tu­di­o­sos na ma­té­ria, en­tre eles Jú­lio de Cas­tro Lo­po, ape­sar de te­rem in­ves­ti­ga­do a ve­ra­ci­da­de des­ta in­for­ma­ção, nun­ca con­se­gui­ram en­con­trar pro­vas do­cu­men­tais que a sus­ten­tas­sem.

Mais re­cen­te­men­te, em 1982, Lau­ren­ce Hal­lewell pu­bli­cou em Lon­dres uma obra so­bre a História da Im­pren­sa on­de afir­ma que no fi­nal do sé­cu­lo XVI, che­ga­ram as pri­mei­ras má­qui­nas im­pres­so­ras a Áfri­ca, pe­la mão dos mis­si­o­ná­ri­os por­tu­gue­ses, que as ins­ta­la­ram nos seus co­lé­gi­os da Or­dem dos Je­suí­tas, em Lu­an­da e S. Sal­va­dor do Con­go (Mbanza Con­go). Mas não se co­nhe­ce ne­nhum do­cu­men­to im­pres­so des­se tem­po.

O que sa­be­mos de fon­te se­gu­ra é que o pri­mei­ro ór­gão de In­for­ma­ção em An­go­la foi o Bo­le­tim do Go­ver­no-Ge­ral da Pro­vín­cia de An­go­la e que co­me­çou a cir­cu­lar no dia 13 de Se­tem­bro de 1845, era go­ver­na­dor Pedro Ale­xan­dri­no da Cunha, um ofi­ci­al da Ma­ri­nha de Gu­er­ra, que dei­xou obra na en­tão co­ló­nia de An­go­la. A po­pu­la­ção de Lu­an­da, agra­de­ci­da, man­dou eri­gir- lhe uma es­tá­tua em bron­ze, no lar­go fron­tei­ro ao Pa­lá­cio dos Cor­rei­os.

A im­pren­sa ofi­ci­al co­me­çou a ser mon­ta­da em 1836, ano em que o mi­nis­tro das Co­ló­ni­as de­cre­tou que to­das as “pos­ses­sões ul­tra­ma­ri­nas” ti­ves­sem a sua folha ofi­ci­al pa­ra pu­bli­ca­ção de des­pa­chos, de­cre­tos e ou­tros do­cu­men­tos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca. O pre­lo foi des­pa­cha­do de Lis­boa, fi­cou guar­da­do num qual­quer ar­ma­zém do al­mo­xe­ri­fa­do du­ran­te mais de se­te anos e só quan­do Pedro Ale­xan­dri­no da Cunha de­sem­bar­cou em Lu­an­da, o Bo­le­tim do Go­ver­no che­gou ao pú­bli­co. An­go­la foi a pri­mei­ra co­ló­nia a ter uma folha ofi­ci­al. No dia 13 de Se­tem­bro, um sá­ba­do cheio de luz e sol, a Im­pren­sa nas­ceu em An­go­la. Era ain­da a cha­ma­da “Im­pren­sa Ofi­ci­al”. Pou­cos anos mais tar­de, um pu­nha­do de in­te­lec­tu­ais, ani­ma­dos pe­la ideia li­ber­tá­ria e so­ci­a­lis­ta, cri­a­ram os ali­cer­ces da “Im­pren­sa Li­vre” em opo­si­ção à folha ema­na­da do quar­tel-ge­ne­ral do go­ver­na­dor.

Pedro Ale­xan­dri­no da Cunha to­mou pos­se em 6 de Se­tem­bro de 1845 e no dia 13 do mes­mo mês, era pu­bli­ca­do o pri­mei­ro exem­plar de um jor­nal em An­go­la. É evi­den­te que o no­vo go­ver­na­dor, que subs­ti­tuí­ra Lou­ren­ço Pos­so­lo, tra­zia or­dens ri­go­ro­sas pa­ra dar cum­pri­men­to ao des­pa­cho do mi­nis­tro das Co­ló­ni­as. Mas em Lu­an­da exis­tia um pre­lo mui­to mais mo­der­no, com ti­pos de ex­ce­len­te qua­li­da­de, ser­vi­do por ofi­ci­ais ti­pó­gra­fos, com o ar­ma­zém cheio de pa­pel do me­lhor e tintas de fi­no pig­men­to, tu­do im­por­ta­do de Lon­dres, na épo­ca o cen­tro mun­di­al da Im­pren­sa, on­de se des­ta- ca­va o cir­cuns­pec­to Ti­mes. Es­sa ti­po­gra­fia par­ti­cu­lar es­ta­va nas mãos er­ra­das de um li­ber­tá­rio ma­dei­ren­se, de­por­ta­do pa­ra Lu­an­da “por cri­me re­vo­lu­ci­o­ná­rio”. Era ele Ar­sé­nio Pom­pí­lio Pom­peu de Car­po.

O de­por­ta­do era um in­te­lec­tu­al e ho­mem de cul­tu­ra. As­sim que foi li­ber­ta­do das ce­las da for­ta­le­za de S. Miguel lo­go di­na­mi­zou um gru­po de te­a­tro ama­dor on­de era ac­tor prin­ci­pal. Ele acres­cen­tou ao seu no­me ver­da­dei­ro, Pom­peu de Car­po, mais os no­mes de Ar­sé­nio e Pom­pí­lio, no­mes de per­so­na­gens que ele ha­via re­pre­sen­ta­do co­mo ac­tor ama­dor. A co­mu­ni­da­de eu­ro­peia, na épo­ca, era mui­to pe­que­na e mai­o­ri­ta­ri­a­men­te anal­fa­be­ta. Até os ofi­ci­ais das tro­pas de ocu­pa­ção eram anal­fa­be­tos, por­que nas leis de en­tão, só o sar­gen­to­mor era obri­ga­do a sa­ber ler e es­cre­ver. Os ofi­ci­ais, mui­tos de­les oriun­dos de fa­mí­li­as no­bres, não pre­ci­sa­vam de se sub­me­ter à apren­di­za­gem da lei­tu­ra e da es­cri­ta. De­por­ta­do mas lon­ge da ce­la do pre­sí­dio, Pom­peu do Car­po co­me­çou a tra­ba­lhar e em tem­po de ár­vo­re das pa­ta­cas fez for­tu­na ra­pi­da­men­te. Do­mi­na­va per­fei­ta­men­te o in­glês e es­sa par­ti­cu­la­ri­da­de per­mi­tiu-lhe ini­ci­ar uma bem-su­ce­di­da car­rei­ra de agen­te co­mer­ci­al, re­pre­sen­tan­do as me­lho­res ca­sas de Lon­dres. Foi es­ta re­la­ção que lhe per­mi­tiu ad­qui­rir um mo­der­no pre­lo me­câ­ni­co e ex­ce­len­tes ti­pos. De Por­tu­gal im­por­tou os mes­tres ti­pó­gra­fos.

O pre­lo da Im­pren­sa Na­ci­o­nal era de má qua­li­da­de e os ti­pos ain­da pi­o­res. O Bo­le­tim Ofi­ci­al res­sen­tia-se des­sa de­bi­li­da­de téc­ni­ca. Pom­peu do Car­po viu aí uma for­ma de ad­qui­rir a li­ber­da­de ple­na. E ofe­re­ceu a Pedro Ale­xan­dri­no da Cunha a sua ofi­ci­na com­ple­ta e tres­pas­sou pa­ra o Go­ver­no-Ge­ral os mes­tres e sa­be­do­res ti­pó­gra­fos. Pedro Ale­xan­dri­no da Cunha pa­gou-lhe, le­van­tan­do a pe­na de de­gre­do que im­pen­dia so­bre o li­ber­tá­rio ma­dei­ren­se. Pa­ra mos­trar o seu pa­tri­o­tis­mo ao re­pre­sen­tan­te do rei de Por­tu­gal na ter­ra, Pom­peu do Car­po fez-se co­ro­nel de se­gun­da li­nha e che­gou a co­man­dar as guar­ni­ções do Bai­lun­do e do Bié. O Go­ver­no do Rei­no fez de­le co­men­da­dor. Mais li­vre pa­ra os ne­gó­ci­os, Pom­peu do Car­po em bre­ve era um dos ho­mens mais ri­cos de Lu­an­da. E en­quan­to a sua ma­qui­na­ria grá­fi­ca im­pri­mia a folha ofi­ci­al, ele já con­ge­mi­na­va com ou­tros li­ber­tá­ri­os a im­por­ta­ção de mais pre­los me­câ­ni­cos.

O go­ver­na­dor man­dou pren­der Pom­peu do Car­po e o re­vo­lu­ci­o­ná­rio fez o per­cur­so in­ver­so, se­guiu a fer­ros pa­ra a Me­tró­po­le e che­ga­do a Lis­boa foi en­car­ce­ra­do no cas­te­lo de S. Jor­ge. O li­ber­tá­rio es­ta­va de no­vo a cons­pi­rar e des­ta vez cri­an­do na som­bra uma in­dús­tria grá­fi­ca pa­ra im­pri­mir jor­nais que pro­cla­ma­vam a li­ber­da­de de Im­pren­sa e a au­to­no­mia de An­go­la. Pom­peu do Car­po ti­nha mui­to di­nhei­ro e em bre­ve com­prou a sua li­ber­da­de. Em 1848, já es­ta­va em Lon­dres a ne­go­ci­ar com os seus par­cei­ros in­gle­ses a cons­tru­ção de uma via-fér­rea en­tre Lu­an­da e Ka­lum­bo. O com­boio era na épo­ca um trans­por­te mo­der­no e re­vo­lu­ci­o­ná­rio. No co­ra­ção da so­ci­e­da­de in­dus­tri­al, Pom­peu do Car­po tam­bém com­prou má­qui­nas a va­por pa­ra uma ser­ra­ção de ma­dei­ras, a ins­ta­lar nas ma­tas do rio Kwan­za. E en­co­men­dou aos en­ge­nhei­ros in­gle­ses um pro­jec­to arrojado pa­ra ca­na­li­zar a água do Kwan­za até Lu­an­da. Os seus so­nhos fo­ram ati­ra­dos por ter­ra pe­lo po­der ins­ti­tuí­do, que lhe mo­veu uma per­se­gui­ção impiedosa até con­se­guir ani­qui­lá-lo so­ci­al e eco­no­mi­ca­men­te. Em 1854, a Jun­ta de Jus­ti­ça de Lu­an­da da­va Pom­peu do Car­po co­mo in­di­gen­te. Mas en­quan­to não su­cum­biu, ele es­cre­veu e pôs a cir­cu­lar na ci­da­de de Lu­an­da pan­fle­tos áci­dos, tex­tos de fi­no re­cor­te li­te­rá­rio que de­mo­li­am o po­der, o go­ver­na­dor e a sua cor­te cor­rup­ta e anal­fa­be­ta. Pom­peu do Car­po foi, nes­ta épo­ca, o mais te­mi­do dos pan­fle­tá­ri­os. Mas to­dos os in­te­lec­tu­ais do seu tem­po, eu­ro­peus ou afri­ca­nos,

eram ter­rí­veis po­le­mis­tas e pan­fle­tá­ri­os. Foi as­sim que nas­ceu a Im­pren­sa An­go­la­na. Num cli­ma pan­fle­tá­rio e li­ber­tá­rio.

O Bo­le­tim do Go­ver­no se­guia os seus pas­sos, dis­tin­ta­men­te im­pres­so na ti­po­gra­fia ofe­re­ci­da por Pom­peu do Car­po. Em 1845, a folha ofi­ci­al da­va uma no­tí­cia so­ci­al. A As­sem­bleia de Lu­an­da, on­de se jun­ta­va a al­ta bur­gue­sia eu­ro­peia e afri­ca­na, ia dar um bai­le em ho­me­na­gem ao go­ver­na­dor Pedro Ale­xan­dri­no da Cunha. Mais tar­de, pu­bli­ca­va um anún­cio co­mer­ci­al. O co­mer­ci­an­te Va­len­tim José Pe­rei­ra da­va no­ta pú­bli­ca de que era com­pra­dor de to­das as fo­lhas de ta­ba­co que lhe apa­re­ces­sem. Em 1846, o Bo­le­tim Ofi­ci­al (em 13 de Se­tem­bro de 1845, mu­dou de no­me) da­va a sua pri­mei­ra no­tí­cia cul­tu­ral. O Te­a­tro Pro­vi­dên­cia, ali na Rua dos Mer­ca­do­res, le­va­va à ce­na a pe­ça “O Fu­gi­ti­vo da Bas­ti­lha”. Des­de en­tão, o Bo­le­tim Ofi­ci­al pas­sou a ser um ver­da­dei­ro jor­nal mas con­tro­la­do pe­lo Go­ver­no-Ge­ral. Por is­so, os in­te­lec­tu­ais da épo­ca, de­ci­di­ram cri­ar a Im­pren­sa Li­vre, em opo­si­ção à Im­pren­sa Ofi­ci­al. E não de­mo­rou mui­to tem­po.

OS PI­O­NEI­ROS DA IM­PREN­SA LI­VRE

Em 1852, sur­giu em Lu­an­da o anuá­rio Al­ma­nak Sta­tis­ti­co da Pro­vín­cia d’An­go­la e su­as De­pen­dên­ci­as. Nun­ca mais saiu qual­quer ou­tro exem­plar. Por es­ta pu­bli­ca­ção fi­cá­mos a sa­ber que em Lu­an­da, nes­se ano, exis­ti­am “74 ne­go­ci­an­tes e lo­jis­tas”. Nes­ta lis­ta, so­bres­saía o no­me de uma se­nho­ra: Do­na Ana Jo­a­qui­na, de seu no­me com­ple­to Ana Jo­a­qui­na dos Santos e que mais tar­de, pe­lo ca­sa­men­to, ga­nhou o so­bre­no­me de Sil­va. Em 1856, nas­ceu o “jor­nal li­te­rá­rio e de en­tre­te­ni­men­to” A Au­ro­ra mas te­ve uma vi­da efé­me­ra. No dia 6 de De­zem­bro de 1866 nas­ceu em Lu­an­da o pri­mei­ro jor­nal pri­va­do, com con­sis­tên­cia e con­ti­nui­da­de, que te­ve co­mo fun­da­do­res os ad­vo­ga­dos An­tó­nio Urbano Mon­tei­ro de Cas­tro e Al­fre­do Jú­lio Cor­tês Mân­tua. O tí­tu­lo era A Ci­vi­li­za­ção

da Áfri­ca Por­tu­gue­sa e o sub­tí­tu­lo Se­ma­ná­rio de­di­ca­do a tra­tar dos in­te­res­ses ad­mi­nis­tra­ti­vos, eco­nó­mi­cos, agrí­co­las e in­dus­tri­ais de An­go­la e S. To­mé. Além dos dois ad­vo­ga­dos, o jor­nal te­ve ain­da co­mo fun­da­do­res João Fe­li­ci­a­no Pe­der­nei­ra, co­mer­ci­an­te de Pun­go An­don­go, Fe­li­ci­a­no da Sil­va Oliveira, co­mer­ci­an­te de Cam­bam­be e Fran­cis­co An­tó­nio Pi­nhei­ro Bayão, fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co de Lu­an­da.

O jor­nal en­trou a ma­tar e o go­ver­na­dor-ge­ral pe­diu au­to­ri­za­ção ao mi­nis­tro das Co­ló­ni­as pa­ra pro­ce­der ao seu en­cer­ra­men­to. Urbano de Cas­tro e Mân­tua de­fen­di­am e apoi­a­vam aber­ta­men­te a gu­er­ra dos Dem­bos con­tra a co­roa por­tu­gue­sa. Os fei­tos de Ka­zu­an­gon­go eram glo­ri­fi­ca­dos. No fun­do, os dois po­le­mis­tas eram por­ta­vo­zes dos co­mer­ci­an­tes de Lu­an­da, que exi­gi­am do go­ver­no o fim das guer­ras de kwa­ta-kwa­ta, por­que es­ta­vam a cau­sar sé­ri­os pre­juí­zos ao co­mér­cio lo­cal e à per­mu­ta dos pom­bei­ros. A po­de­ro­sa As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al de Lu­an­da tam­bém pres­si­o­na­va o go­ver­no no sen­ti­do de aca­bar com a gu­er­ra. Os co­mer­ci­an­tes acei­ta­vam de bom gra­do pa­gar por­ta­gem aos Dem­bos na pas­sa­gem pa­ra o rei­no do Con­go. O que eles que­ri­am era ne­gó­cio e nos Dem­bos exis­ti­am mi­nas de ou­ro! Ou pe­lo me­nos era es­sa a cren­ça dos co­mer­ci­an­tes.

O go­ver­na­dor-ge­ral de­ses­pe­ra­va com a fal­ta de res­pos­ta da Me­tró­po­le e Urbano de Cas­tro des­tro­ça­va o go­ver­na­dor e os seus mais pró­xi­mos co­la­bo­ra­do­res. O go­ver­na­dor man­dou uma úl­ti­ma carta pa­ra Lis­boa im­plo­ran­do ao mi­nis­tro que o au­to­ri­zas­se a en­cer­rar o jor­nal – “uma folha fac­ci­o­sa e tur­bu­len­ta”, se­gun­do o go­ver­na­dor - por­que “pu­bli­ca ar­ti­gos sub­ver­si­vos da or­dem pú­bli­ca” e pro­vo­ca um “cli­ma de anar­quia to­tal”. Um ano de­pois da sua fun­da­ção, fi­nal­men­te che­gou a or­dem de en­cer­ra­men­to do jor­nal. A po­lí­cia ir­rom­peu pe­la Re­dac­ção e pren­deu Urbano de Cas­tro e Al­fre­do Mân­tua. O pre­lo foi apre­en­di­do.

Lu­an­da era nes­ta épo­ca ter­ri­tó­rio de aven­tu­rei­ros de to­das as ori­gens, mi­li­ta­res oci­o­sos, chus­mas de bra­si­lei­ros, vi­si­o­ná­ri­os, clé­ri­gos ve­nais, mis­si­o­ná­ri­os sem mis­sões e umas es­cas­sas de­ze­nas de co­mer­ci­an­tes. A co­mu­ni­da­de eu­ro­peia nem se­quer con­se­guia po­vo­ar o li­to­ral. Pa­ra além de Lu­an­da, os ou­tros cen­tros im­por­tan­tes eram Ben­gue­la e Mo­çâ­me­des (Na­mi­be), de res­to os úni­cos cen­tros ur­ba­nos que ti­nham Po­der Ju­di­ci­al ins­ti­tuí­do. Lu­an­da e Ben­gue­la eram ci­da­des com uma per­cen­ta­gem mui­to ele­va­da de mes­ti­ços. En­tre eles des­pon­ta­vam al­guns dos que vi­ri­am a ser os gran­des jor­na­lis­tas do úl­ti­mo quar­tel do sé­cu­lo XIX.

Urbano de Cas­tro e Mân­tua não se ren­de­ram ao po­der ins­ti­tuí­do e com ou­tros in­te­lec­tu­ais da épo­ca par­ti­ram pa­ra ou­tros pro­jec­tos da Im­pren­sa Li­vre. Em 9 de Ju­lho de 1870, nas­ceu O Mer­can­til, um jor­nal com gran­de qua­li­da­de grá­fi­ca e com seis pá­gi­nas! Na épo­ca, o usu­al eram jor­nais com a pri­mei­ra, a úl­ti­ma e as pá­gi­nas cen­trais. De vez em quan­do era en­car­ta­da uma quin­ta folha. E só ex­cep­ci­o­nal­men­te os jor­nais eram com­pos­tos de oi­to pá­gi­nas. Es­te pe­rió­di­co pos­suía pre­lo próprio, nas su­as ofi­ci­nas da Rua Di­rei­ta do Bun­go.

O Mer­can­til fez épo­ca em Lu­an­da. Urbano de Cas­tro es­te­ve li­ga­do a es­te jor­nal. O di­rec­tor e pro­pri­e­tá­rio era José Pin­to da Sil­va Ro­cha, jor­na­lis­ta e pu­bli­cis­ta de gran­de mé­ri­to. O jor­nal já ti­nha uma es­tru­tu­ra pro­fis­si­o­nal, ape­sar do es­ti­lo pan­fle­tá­rio e con­tes­ta­tá­rio do po­der ins­ti­tuí­do. Nes­te jor­nal co­la­bo­ra­ram fi­gu­ras co­mo Hen­ri­que de Carvalho (o ge­ne­ral que deu o no­me a Sau­ri­mo) ou Lo­pes de Men­don­ça, um ofi­ci­al da Ma­ri­nha de Gu­er­ra que no ad­ven­to da Re­pú­bli­ca em Por­tu­gal foi au­tor da le­tra do hi­no na­ci­o­nal por­tu­guês. O jor­nal ti­nha cor­res­pon­den­tes em Lis­boa, Pa­ris e na Baía, Bra­sil.

Sil­va Ro­cha fez, in­du­bi­ta­vel­men­te, o me­lhor jor­nal da épo­ca da Im­pren­sa Li­vre. Mas as su­as po­si­ções con­tes­ta­tá­ri­as des­per­ta­ram a fú­ria do go­ver­na­dor que man­dou o co­man­dan­te da po­lí­cia de Lu­an­da en­cer­rar o jor­nal e apre­en­der o pre­lo me­câ­ni­co. O Mer­can­til ti­nha o apoio da As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al de Lu­an­da e nu­ma lon­ga ex­po­si­ção ao mi­nis­tro das Co­ló­ni­as, foi pe­di­do o le­van­ta­men­to da in­ter­di­ção do jor­nal. O mi­nis­tro An­dra­de Cor­vo, em 12 de Abril de 1873, or­de­nou o le­van­ta­men­to da in­ter­di­ção e O Mer­can­til vol­tou de no­vo ao con­ví­vio dos leitores. Mas du­ran­te o tem­po de sus­pen­são, Sil­va Ro­cha usou de um ex­pe­di­en­te no­tá­vel. Lan­çou o jor­nal

No­tí­ci­as de Lo­an­da, com o sub­tí­tu­lo Á Sahi­da do Ben­go (sic) exac­ta­men­te igual ao jor­nal O Mer­can­til. E quan­do a sus­pen­são foi le­van­ta­da, o di­rec­tor do jor­nal edi­tou uma re­vis­ta “pa­ra com­pen­sar os as­si­nan­tes”. A pu­bli­ca­ção ti­nha 60 pá­gi­nas, com uma pa­gi­na­ção ar­ro­ja­da pa­ra a épo­ca, obra do próprio Sil­va Ro­cha.

O go­ver­na­dor-ge­ral per­se­guiu pes­so­al­men­te Sil­va Ro­cha e só lar­gou a pre­za quan­do ele já es­ta­va de­pau­pe­ra­do eco- no­mi­ca­men­te e cri­va­do de dí­vi­das. Pa­ra o es­cân­da­lo não ser gran­de, o go­ver­no ofe­re­ceu-lhe o car­go de ad­mi­nis­tra­dor nu­ma al­deia per­to do Lo­bi­to, Ji­xi­tu, ho­je co­nhe­ci­da co­mo Egi­to e lá mor­reu so­zi­nho e amar­gu­ra­do.

Em 18 de Se­tem­bro de 1867 nas­ceu o jor­nal se­ma­ná­rio O Com­mer­cio de Lo­an­da, tam­bém com ti­po­gra­fia pró­pria. Urbano de Cas­tro e seu com­pa­nhei­ro Al­fre­do Mân­tua fo­ram ata­ca­dos vi­o­len­ta­men­te nes­te jor­nal, pro­pri­e­da­de de José Men­des Af­fon­so, pre­si­den­te do Tri­bu­nal da Re­la­ção de Lu­an­da e que, por for­ça do seu car­go ofi­ci­al não po­dia dar a ca­ra. O ma­gis­tra­do era apon­ta­do pe­los dois po­le­mis­tas co­mo ve­nal e cor­rup­to. Em 1872, sur­giu mais um anuá­rio, o Al

ma­na­ch Po­pu­lar só saiu o pri­mei­ro nú­me­ro. Em 1873, nas­ceu o se­ma­ná­rio

Cru­zei­ro do Sul. Es­te jor­nal, on­de pon­ti­fi­ca­va o pa­dre Cas­ta­nhei­ra Ne­ves e o ine­vi­tá­vel Urbano de Cas­tro, já te­ve co­mo fun­da­do­res jor­na­lis­tas afri­ca­nos. Em 1882, nas­ceu o se­ma­ná­rio A União

Afri­co-Por­tu­gue­sa, ain­da sob o gé­nio e a in­fluên­cia de Urbano de Cas­tro.

Quem era es­te jor­na­lis­ta? Foi escrivão de Di­rei­to e ad­vo­ga­do. Mas des­ta­cou-se co­mo jor­na­lis­ta, pan­fle­tá­rio e po­le­mis­ta. A sua pe­na era le­tal. Che­gou a ser ve­re­a­dor da Câmara de Lu­an­da, pe­se em­bo­ra as su­as op­ções po­lí­ti­cas li­ber­tá­ri­as. Tra­du­ziu tex­tos do ale­mão e do in­glês pa­ra por­tu­guês. Os co­mer­ci­an­tes do Don­do, de­ten­to­res da com­pa­nhia de va­po­res do Kwan­za, ofe­re­ce­ram-lhe uma pe­na de ou­ro cra­ve­ja­da de bri­lhan­tes, por re­le­van­tes ser­vi­ços pres­ta­dos à cau­sa do co­mér­cio. Os gran­des jor­na­lis­tas, es­cri­to­res e po­lí­ti­cos Pi­nhei­ro Cha­gas e Oliveira Mar­tins ren­de­ram-lhe as su­as ho­me­na­gens. Na­da mais se po­de di­zer de um jor­na­lis­ta bri­lhan­te, pi­o­nei­ro da Im­pren­sa Li­vre em An­go­la.

Al­fre­do Tro­ni foi um ex­ce­len­te se­gui­dor dos com­ba­tes de Urbano de Cas­tro e Al­fre­do Mân­tua, os dois pi­o­nei­ros da Im­pren­sa Li­vre. Ad­vo­ga­do, jor­na­lis­ta e cro­nis­ta bri­lhan­te, veio de Coim­bra pa­ra Lu­an­da ser­vir o Po­der Ju­di­ci­al. Mas em bre­ve se re­be­lou con­tra o po­der per­so­ni­fi­ca­do no go­ver­na­dor e sua cor­te. Al­fre­do Tro­ni, em 7 de Ju­lho de 1878, fun­dou o Jor­nal de

Lo­an­da, com ti­po­gra­fia pró­pria e se­de na Rua Di­o­go Cão. O go­ver­na­dor-ge­ral foi ví­ti­ma da sua pe­na bri­lhan­te. E quan­do Tro­ni, pe­los seus afa­ze­res de ad­vo­ga­do, te­ve de se au­sen­tar da trin­chei­ra do jor­nal, con­tra­tou um jor­na­lis­ta de pri­mei­ra água, La­dis­lau Ba­ta­lha, na épo­ca um dos mais bri­lhan­tes arau­tos do so­ci­a­lis­mo. Ba­ta­lha, que ti­nha um es­pí­ri­to aven­tu­rei­ro, es­ta­va em S. To­mé a ti­rar no­tas pa­ra um ro­man­ce quan­do re­ce­beu o con­vi­te de Al­fre­do Tro­ni. Ele em­bar­cou de ime­di­a­to na cé­le­bre barca a va­por Flor de

Lo­an­da e de­sem­bar­cou em An­go­la mais mor­to que vi­vo. Tro­ni alo­jou-o nu­ma pen­são de lu­xo e no dia se­guin­te La­dis­lau Ba­ta­lha co­me­çou a zur­zir no go­ver­na­dor e em to­dos os que se opu-

nham às idei­as so­ci­a­lis­tas de Al­fre­do Tro­ni ou aos seus nu­me­ro­sos ne­gó­ci­os. Um dia La­dis­lau Ba­ta­lha de­sa­pa­re­ceu. Per­deu-se de amo­res por uma se­nho­ra ne­gra e foi com ela al­gu­res pa­ra o Nor­te de An­go­la. Apa­re­ceu anos mais tar­de em Lis­boa e es­cre­veu em li­vro as su­as me­mó­ri­as e aven­tu­ras afri­ca­nas. Um li­vro de­li­ci­o­so! Al­fre­do Tro­ni per­deu o seu Jor­nal

de Lo­an­da mas não cru­zou os bra­ços. Em 1888, da sua ti­po­gra­fia pri­va­da saía o ce­le­bér­ri­mo jor­nal Mu­ku­a­ri­mi (o mal­di­zen­te?). As ofi­ci­nas grá­fi­cas do Bun­go pas­sa­ram a cha­mar-se Ty

po­graphia do Mu­ku­a­ri­mi. O jor­nal se­guiu o seu ca­mi­nho sem La­dis­lau Ba­ta­lha e Tro­ni te­ve que pu­xar das pis­to­las de ou­ro e mos­trar quan­to va­lia co­mo jor­na­lis­ta e cro­nis­ta. Es­ta sé­rie é a que me­lhor re­ve­la o ta­len­to e a ar­te da­que­le que foi um dos mai­o­res cro­nis­tas de sem­pre da Im­pren­sa An­go­la­na e um dos mais no­tá­veis de lín­gua por­tu­gue­sa.

No ano de 1872, a Ma­ço­na­ria ins­ta­lou-se em An­go­la, pri­mei­ro em Lu­an­da e lo­go a se­guir na vi­la da Ca­tum­be­la. Pou­co tem­po de­pois es­ta lo­ja ma­çó­ni­ca trans­fe­riu-se pa­ra Ben­gue­la on­de fez obra de gran­de vul­to. A Ma­ço­na­ria tam­bém te­ve os seus jor­nais de com­ba­te. O mais im­por­tan­te de to­dos foi A De­fe­za de An­go­la (1903), um bi-se­ma­ná­rio, ser­vi­do por jor­na­lis­tas pro­fis­si­o­nais que se des­lo­ca­ram de Por­tu­gal pa­ra Lu­an­da. O jor­nal ti­nha ti­po­gra­fia pró­pria de gran­de qua­li­da­de, com­pra­da por subs­cri­ção pú­bli­ca. O co­mer­ci­an­te Fa­ri­nha Lei­tão foi um dos que mais se des­ta­cou na cri­a­ção de con­di­ções pa­ra o ape­tre­cha­men­to grá­fi­co do jor­nal.

A LIS­TA DOS PE­RIÓ­DI­COS

Em Lu­an­da: Bo­le­tim do Go­ver­noGe­ral da Pro­vín­cia de An­go­la (1845), Al­ma­nak Sta­tis­ti­co da Pro­vín­cia d’An­go­la e su­as De­pen­dên­ci­as (1852), A Au­ro­ra (1856), A Ci­vi­li­za­ção da Áfri­ca Por­tu­gue­sa (1866), O Com­mer­cio de Lo­an­da (1867), O Mer­can­til (1870), Al­ma­na­ch Po­pu­lar (1872), O Cru­zei­ro do Sul (1873), O Me­te­o­ro (1873), Cor­res­pon­dên­cia de An­go­la (1875), Jor­nal de Lo­an­da (1878), No­ti­ciá­rio de An­go­la (1880), Bo­le­tim da So­ci­e­da­de Pro­pa­ga­do­ra de Co­nhe­ci­men­tos Ge­o­graphi­co-afri­ca­nos de Lo­an­da (1881), Ga­ze­ta de An­go­la (1881), O Echo de An­go­la (1881), A Ver­da­de (1882), O Fu­tu­ro d’An­go­la (1882), A União Afri­co-Por­tu­gue­za (1882), O Ul­tra­mar (1882), O Pha­rol do Po­vo (1883), O Raio (1884), O Bis­na­gas (1884), O Arau­to dos Con­ce­lhos (1886), A Te­sou­ri­nha (1886), O Se­rão (1886), O Rei Guilherme (1886), O Pro­gres­so d’An­go­la (1887), O Exér­ci­to Ul­tra­ma­ri­no (1887), O Im­par­ci­al (1888), O Fo­gue­te (1888), Mu­ku­a­ri­mi (1888), Arau­to Afri­ca­no (1889), Nu­en’exi (1889), O De­sas­tre (1889), Cor­reio de Lo­an­da (1890), O Chi­co­te (1890), O Po­lí­cia Afri­ca­no (1890), Os Con­ce­lhos de Les­te (1891), No­tí­ci­as de An­go­la (1891), Com­mer­cio d’An­go­la, 1892, A Pro­vín­cia (1893), O Im­par­ci­al (1894), o In­de­pen­den­te (1894), Bo­fe­ta­das (1894), Pro­pa­gan­da Co­lo­ni­al (1896), O San­tel­mo (1896), Re­vis­ta de Lo­an­da (1896), Pro­pa­gan­da An­go­len­se (1897), A Folha de Lo­an­da (1899).

Em Ben­gue­la: O Pro­gres­so (1870) e A Se­ma­na (1893).

Em Mo­çâ­me­des (Na­mi­be): Jor­nal de Mos­sa­me­des (1881), Al­ma­na­ch de Mos­sa­me­des (1884), O Sul d’An­go­la (1892), A Te­sou­ra (1892), A Te­sou­ri­nha (1892) e A Bo­fe­ta­da (1893). Na Ca­tum­be­la: A Ven­to­sa (1886). No Am­briz: A Afri­ca­na (1893). An­go­la, no sé­cu­lo XIX ti­nha 59 jor­nais. Em Lu­an­da fo­ram edi­ta­dos 49, seis em Mo­çâ­me­des (Na­mi­be), dois em Ben­gue­la e um no Am­briz.

JOR­NA­LIS­TAS AFRI­CA­NOS

Em to­dos os jor­nais da épo­ca exis­ti­am jor­na­lis­tas afri­ca­nos, até por­que os fi­lhos da bur­gue­sia ne­gra ca­pri­cha­vam no do­mí­nio da lín­gua por­tu­gue­sa e qua­se to­dos ti­nham es­tu­dos pri­má­ri­os e se­cun­dá­ri­os quan­do não uni­ver­si­tá­ri­os. En­tre os jor­na­lis­tas afri­ca­nos ne­gros do sé­cu­lo XIX me­re­cem des­ta­que al­guns no­mes, por­que eles fo­ram os me­lho­res do seu tem­po, os pri­mei­ros en­tre os seus pa­res, fos­sem afri­ca­nos ou de ori­gem eu­ro­peia. Fo­ram eles João da Res­sur­rei­ção Aran­tes Bra­ga, cu­ja fa­mí­lia deu ori­gem ao fa­mo­so mu­ce­que Bra­ga, lu­gar de in­fân­cia de Lu­an­di­no Vi­ei­ra e que fi­ca­va on­de é ho­je o bair­ro do Café e ti­nha co­mo fron­tei­ra a Nor­te o lo­cal on­de é ho­je a igre­ja Sa­gra­da Fa­mí­lia; José de Fon­tes Pe­rei­ra, Pedro da Pai­xão Fran­co, Sant’An­na Pal­ma e Augusto Bas­tos.

O jor­nal Echo de An­go­la (12 No­vem­bro de 1881) foi o pri­mei­ro jor­nal ex­clu­si­va­men­te pro­pri­e­da­de de an­go­la­nos e cu­ja Re­dac­ção era com­pos­ta tam­bém por jor­na­lis­tas afri­ca­nos ne­gros. En­tre os seus re­dac­to­res es­ta­va José de Fon­tes Pe­rei­ra, jus­ta­men­te con­si­de­ra­do um mes­tre do jor­na­lis­mo lu­an­den­se do úl­ti­mo quar­tel do sé­cu­lo XIX. Quan­do fa­le­ceu, era o de­ca­no dos jor­na­lis­tas an­go­la­nos e Sant’An­na Pal­ma, ou­tro jor­na­lis­ta negro, no seu elo­gio fú­ne­bre, con­si­de­rou-o o me­lhor en­tre os me­lho­res. José de Fon­tes Pe­rei­ra re­cu­sou o cli­ma pan­fle­tá­rio da épo­ca, as po­lé­mi­cas e fez um jor­na­lis­mo in­te­li­gen­te e só­brio. Co­la­bo­rou em vá­ri­as pu­bli­ca­ções de Urbano de Cas­tro, mas deu sem­pre uma no­ta de so­bri­e­da­de, ri­gor e gran­de pro­fis­si­o­na­lis­mo. Tam­bém foi um dos mais va­li­o­sos co­la­bo­ra­do­res do jor­nal O

Mer­can­til, con­si­de­ra­do una­ni­me­men­te co­mo o me­lhor jor­nal da fa­se da Im­pren­sa Li­vre.

Co­mo ad­vo­ga­do de­fen­deu os di­rei­tos fun­da­men­tais de afri­ca­nos e eu­ro­peus. De­sen­ca­de­ou na Im­pren­sa cam­pa­nhas con­tra o al­co­o­lis­mo. Foi um de­fen­sor fer­vo­ro­so dos bons cos­tu­mes e da cul­tu­ra. Quan­do fa­le­ceu em Lu­an­da, a 3 de Maio de 1891 (foi se­pul­ta­do a 4 de Maio no Ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes) o jor­nal O De­sas­tre, con­cor­ren­te e ad­ver­sá­rio do Echo de

An­go­la de­di­cou um su­ple­men­to de du­as pá­gi­nas (num to­tal de qua­tro pá­gi­nas que ti­nha o jor­nal) a José de Fon­tes Pe­rei­ra. Num ar­ti­go as­si­na­do pe­lo jor­na­lis­ta negro Ma­me­de de Sant’An­na e Pal­ma, di­rec­tor e pro­pri­e­tá­rio do jor­nal, o de­ca­no dos jor­na­lis­tas an­go­la­nos foi con­si­de­ra­do um “ver­da­dei­ro mes­tre”.

Uma no­tí­cia da épo­ca di­zia que “o en­ter­ro te­ve lu­gar no dia 4, às cin­co ho­ras da tar­de ten­do saí­do o prés­ti­to da Rua D. Miguel de Mello (ca­sas do ca­pi­tão Pedro de Sou­sa) pa­ra a igre­ja do Car­mo, on­de foi en­co­men­da­do o ca­dá­ver”.

Aran­tes Bra­ga, um an­go­la­no tam­bém negro, é fun­da­dor do jor­nal

Pha­rol do Po­vo, sub­tí­tu­lo Folha Re­pu­bli­ca­na. Foi o pri­mei­ro jor­nal de An­go­la que em ple­na mo­nar­quia, nu­ma fa­se de tre­men­da re­pres­são, se de­cla­rou de­fen­sor dos ide­ais re­pu­bli­ca­nos. É con­si­de­ra­do o mais ar­gu­to jor­na­lis­ta afri­ca­no na pro­du­ção de jor­na­lis­mo po­lí­ti­co.

Pedro da Pai­xão Fran­co foi o mais me­diá­ti­co de to­dos os jor­na­lis­tas afri­ca­nos ne­gros do sé­cu­lo XIX. Além de jor­na­lis­ta, foi es­cri­tor de mé­ri­to, dei­xan­do a obra em dois vo­lu­mes,

Co­la­bo­rou em pra­ti­ca­men­te to­dos os gran­des jor­nais por­tu­gue­ses da épo­ca, as­si­nan­do ar­ti­gos des­pa­cha­dos de Lu­an­da, mui­to apre­ci­a­dos pe­lo pú­bli­co lei­tor. Além de jor­na­lis­ta e es­cri­tor, Pedro da Pai­xão Fran­co foi fun­ci­o­ná­rio dos Ca­mi­nhos-de-Fer­ro de Ma­lan­ge. A sua cer­ti­dão de óbi­to diz que mor­reu de pneu­mo­nia. Mas Pedro da Pai­xão Fran­co te­rá si­do en­ve­ne­na­do por uma be­la se­nho­ra afri­ca­na que o se­du­ziu e cha­mou pa­ra uma ar­ma­di­lha. An­tes de mor­rer ain­da te­ve tem­po de re­ve­lar com quem es­te­ve e o que co­meu e be­beu em ca­sa des­sa se­nho­ra.

O li­vro História de uma Trai­ção era mui­to crítico de al­gu­mas fa­mí­li­as tra­di­ci­o­nais ne­gras. Mas Pedro Pai­xão Fran­co era tam­bém oriun­do de fa­mí­li­as da bur­gue­sia ne­gra. Sua mãe era Ma­ria Fran­cis­ca de As­sis e seu pai Pedro da Pai­xão Fran­co. Am­bos per­ten­ci­am à al­ta bur­gue­sia da épo­ca. Ao es­cre­ver o li­vro as­si­nou a sua sen­ten­ça de mor­te. A obra, em dois vo­lu­mes, foi des­pa­cha­da do Por­to ( on­de foi com­pos­ta e im­pres­sa) pa­ra Lu­an­da. Quan­do o cai­xo­te com os vo­lu­mes es­ta­va na Al­fân­de­ga, de­sa­pa­re­ceu e ao que se sa­be, foi quei­ma­do. So­bra­ram al­guns exem­pla­res que Pedro da Pai­xão Fran­co re­ce­be­ra na ma­la do cor­reio. Nos anos 50 do sé­cu­lo XX o po­vo ain­da can­ta­va can­ções em kim­bun­du de ho­me­na­gem a Pedro da Pai­xão Fran­co. Es­te jor­na­lis­ta é fun­da­dor do Se

ma­ná­rio An­go­len­se (1907). A história do jor­na­lis­mo An­go­la­no do sé­cu­lo XIX en­cer­ra com du­as fi­gu­ras ím­pa­res: Augusto Bas­tos, de Ben­gue­la e Jú­lio Lo­ba­to, um an­go­la­no de ori­gem eu­ro­peia. Augusto Bas­tos era fi­lho de uma ne­gra e de um co­mer­ci­an­te por­tu­guês. Os seus do­tes de in­te­li­gên­cia le­va­ram o pai a en­viá-lo pa­ra Por­tu­gal, on­de fez es­tu­dos se­cun­dá­ri­os. Quan­do se ma­tri­cu­lou na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de Lis­boa o pai fa­le­ceu e ele fi­cou sem re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra con­ti­nu­ar em Por­tu­gal. Nos úl­ti­mos anos do sé­cu­lo XIX já era um dos jovens ta­len­tos do jor­na­lis­mo an­go­la­no.

Jú­lio Lo­ba­to era igual­men­te um jo­vem e ta­len­to­so jor­na­lis­ta que co­me­çou a sua car­rei­ra pro­fis­si­o­nal na Im­pren­sa Li­vre do úl­ti­mo quar­tel do sé­cu­lo XIX. Ex­plo­diu nos pri­mei­ros anos do sé­cu­lo XX e em 1908 fun­dou o jor­nal A Voz de An­go­la que ti­nha co­mo le­gen­da: Li­ber­tan­do pe­la Paz; Igua­lan­do pe­la Jus­ti­ça; Pro­gre

din­do pe­la Au­to­no­mia. Es­te jor­nal ti­nha um con­tra­to com a agên­cia Reuter e pu­bli­ca­va to­das as se­ma­nas no­ti­ciá­rio de Lon­dres. Pe­la pri­mei­ra vez um jor­nal de An­go­la as­su­mia em sub­tí­tu­lo que era de­fen­sor da au­to­no­mia de An­go­la. A re­pres­são caiu so­bre Lo­ba­to e o seu jor­nal, mas a se­men­te fi­cou, ger­mi­nou e os fru­tos es­tão à vis­ta no Jor­nal de An­go­la e no Jor­nal de Des­por­tos.

Pers­pec­ti­va da Ci­da­de de Sa o Pau­lo de Lo­an­da

Ge­ne­ral Hen­ri­que de Carvalho e o Mu­a­ti­an­vua Sá Ma­di­am­ba - Fo­to ob­ti­da em 1973 de um qua­dro de 1886, exis­ten­te nu­ma das pa­re­des da Tas­ca do Mais Ve­lho (res­tau­ran­te) na po­vo­a­ção do Ca­co­lo, Sau­ri­mo

Al­fre­do Tro­ni

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.