Lín­gua, iden­ti­da­de e cul­tu­ra na­ci­o­nal

Jornal Cultura - - Eco De Angola -

Nes­te mês, em que co­me­mo­ra­mos mais um ano des­de a pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, ocor­reu-nos pro­ble­ma­ti­zar uma ques­tão que julgamos ser, até ho­je, trans­ver­sal a to­do o pro­ces­so his­tó­ri­co de cons­tru­ção da na­ção an­go­la­na: a ques­tão da iden­ti­da­de na­ci­o­nal. Tra­ta-se de uma ques­tão tão trans­ver­sal quan­to po­lé­mi­ca. Con­tu­do, no qua­dro des­tes de­ba­tes, dois blo­cos an­ta­gó­ni­cos de di­vi­sam: o blo­co dos que a ir­mam exis­tir em An­go­la “um só po­vo e uma só na­ção” e o blo­co dos que de­fen­dem a exis­tên­cia de “vá­ri­os po­vos e uma na­ção em cons­tru­ção”. O nos­so tex­to não pre­ten­de to­mar ne­nhu­ma des­tas po­si­ções. O ob­jec­ti­vo é, tão-so­men­te, de­mons­trar co­mo es­tes três ele­men­tos (lín­gua, iden­ti­da­de e cul­tu­ra) se im­bri­cam na edi ica­ção da ideia de na­ção.

Nu­ma al­tu­ra em que di­ver­sas or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais e a mí­dia nos bom­bar­dei­am com a ideia da ne­ces­si­da­de da exis­tên­cia de “lín­guas glo­bais”, co­mo pa­na­ceia de uma vi­da me­lhor num mun­do ca­da vez mais glo­ba­li­za­do, on­de in­glês é co­lo­ca­do no to­po de um me­nu ser­vi­do às pres­sas, a ve­lo­ci­da­de dos mer­ca­dos e das eco­no­mi­as em in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção. Es­te fac­to pro­vo­ca a ex­tin­ção de vá­ri­as lín­guas to­dos os anos. De acor­do com a UNESCO, 2,5 mil idi­o­mas cor­rem ris­co de se­rem ex­tin­tos dos 6 mil re­cen­se­a­dos.

Es­te dis­cur­so glo­ba­lis­ta pe­ca por per­der de vis­ta, em mui­tos ca­sos, o fac­to de a lín­gua ser mais do que um me­ro ins­tru­men­to de co­mu­ni­ca­ção e tran­sac­ções. Pe­lo que pen­sa­mos tra­tar-se de um et­no­cen­tris­mo en­ca­pu­ça­do com ró­tu­los de fra­ter­ni­da­des e in­clu­são dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to no con­tex­to dos mais de­sen­vol­vi­dos, pe­ri­gan­do a se­gu­ran­ça cul­tu­ral des­tes paí­ses que, na bus­ca do an­si­a­do de­sen­vol­vi­men­to, fran­quei­am os seus sis­te­mas de va­lo­res, per­mi­tin­do in lu­en­ci­as e in­ter­fe­rên­ci­as de to­do ti­po co­lo­can­do as­sim em cau­sa se­gu­ran­ça cul­tu­ral da na­ci­o­nal.

Pa­ra o ca­so de An­go­la, con­quis­ta­das que es­tão a in­de­pen­dên­cia e paz, pre­ci­sa­mos cui­dar da di­men­são cul­tu­ral da de­fe­sa na­ci­o­nal. Num tex­to pu­bli­ca­do nes­te jor­nal, em Ju­nho de 2012 , o es­cri­tor e en­saís­ta Luís Kand­jim­bo de­fen­deu o cru­za­men­to da Cul­tu­ra e da De­fe­sa Na­ci­o­nal e a ne­ces­si­da­de de se re lec­tir em re­dor do con­cei­to de na­ção, en­ten­do-o co­mo uma ca­te­go­ria que ser­ve pa­ra de­sig­nar um su­jei­to co­lec­ti­vo e, que ao mes­mo tem­po, ocu­pa um lu­gar es­tra­té­gi­co na ela­bo­ra­ção de uma po­lí­ti­ca de de­fe­sa na­ci­o­nal. No nos­so en­ten­der, es­sa de­fe­sa pas­sa­rá, ne­ces­sa­ri­a­men­te, pe­la va­lo­ri­za­ção das nos­sas lín­guas en­quan­to ba­ses da cons­tru­ção da iden­ti­da­de dos po­vos de An­go­la. A lín­gua é e tem si­do um fac­tor de uni ica­ção e cri­a­dor da cons­ci­ên­cia de na­ção e, co­mo tal, tem ocu­pa­do um lu­gar cen­tral na cons­tru­ção da iden­ti­da­de dos nos­sos po­vos, mes­mo den­tro da gran­de di­ver­si­da­de do nos­so mo­sai­co cul­tu­ral. Co­mo sa­be­mos, a lín­gua é, si­mul­ta­ne­a­men­te, pro­du­to e lu­gar da cul­tu­ra de um po­vo. Ca­da po­vo pro­duz a sua lín­gua e ne­la ser re­a­li­za, atra­vés da sua for­ma pe­cu­li­ar de con­ce­ber o mun­do de o trans­for­mar. A lín­gua é um traço iden­ti­tá­rio e um re­qui­si­to pa­ra a na­ci­o­na­li­da­de, pe­lo que se tor­na ne­ces­sá­rio com­pre­en­der­mos co­mo a re­la­ção en­tre a lín­gua e a na­ção é cons­truí­da no ima­gi­ná­rio dos an­go­la­nos. A es­te res­pei­to, é pa­ra­dig­má­ti­co o ce­leu­ma que cri­a­do em tor­no da al­te­ra­ção da gra ia dos no­mes de al­gu­mas das pro­vín­ci­as do nos­so país. Os ci­da­dãos ao se­rem con­fron­ta­dos com a no­va gra ia, on­de por exem­plo, as pro­vín­ci­as do Kwan­do Kubango e Kwan­za-Sul pas­sa­ram a es­cre­ver-se com Cuando Cu­ban­go e Cu­an­za Sul, res­pec­ti­va­men­te, re­cla­ma­ram ale­gan­do que, por es­te meio, os lu­ga­res es­ta­vam a ser des­ti­tuí­dos da sua história e sim­bo­lis­mo.

Es­te ti­po de ten­sões re­sul­tan­tes das po­lí­ti­cas lin­guís­ti­cas do Es­ta­do não dei­xam de cum­prir uma fun­ção ini­bi­tó­ria das ca­pa­ci­da­des ex­pres­si­vas dos po­vos. Aliás, foi sem­pre o Es­ta­do que na pros­se­cu­ção dos seus ins de do­mi­na­ção impôs aos po­vos uma lín­gua mes­mo con­tra a von­ta­de des­te, cau­san­do pre­juí­zos gra­ves a ní­vel dos pro­ces­sos de re- sig­ni­fi­ca­ção da lín­gua. Es­te exem­plo ilus­tra, cla­ra­men­te, co­mo no ima­gi­ná­rio dos an­go­la­nos, a lín­gua re­pre­sen­ta um dos prin­ci­pais et­ne­mas da sua cul­tu­ra. A sua pre­ser­va­ção, em quan­ti­da­de, con­teú­do e for­ma, tem mo­bi­li­za­do di­fe­ren­tes ex­trac­tos so­ci­ais.

Em An­go­la, co­mo na mai­or par­te dos paí­ses afri­ca­nos, a cons­tru­ção do Es­ta­do-na­ção fez-se (ou se faz?) em opo­si­ção ao Es­ta­do co­lo­ni­al, is­to é, pe­la re­jei­ção dos ele­men­tos e tra­ços pró­pri­os do opres­sor co­lo­ni­al. No ca­so an­go­la­no en­con­tra­mos o exem­plo des­sa re­jei­ção em Ua­nhen­ga Xi­tu e nos Ngo­la Rit­mos, só pa­ra ci­tar es­tes. A pro­du­ção de no­vas ex­pres­sões, for­ja­das em pre­me­di­ta­das cor­rup­te­las da lín­gua do co­lo­ni­za­dor com a sua pró­pria não é ape­nas um sim­ples e có­mo­do meio de se ex­pres­sar é uma for­ma de de­mar­ca­ção ide­o­ló­gi­ca, e vi­o­lên­cia con­tra o sis­te­ma cul­tu­ral do co­lo­ni­za­dor. É um mo­do par­ti­cu­lar de cap­tar o mun­do. Dis­to re­sul­ta que, ho­je, no ima­gi­ná­rio dos an­go­la­nos, a in­tro­du­ção de ele­men­tos pró­pri­os ou ori­gi­ná- ri­os do sis­te­ma cul­tu­ral do co­lo­ni­za­dor no seu sis­te­ma cul­tu­ral cons­ti­tui uma eva­são e pe­ri­go a in­te­gri­da­de da sua pró­pria iden­ti­da­de. A lín­gua (ou as lín­guas são) é pa­ra os an­go­la­nos si­no­ni­mo de iden­ti­da­de na­ci­o­nal, as­su­min­do-se co­mo pon­to de in­ter­sec­ção en­tre a iden­ti­da­de e a cul­tu­ra.

A lín­gua por­tu­gue­sa en­quan­to lín­gua o ici­al e vei­cu­lar tem cum­pri­do o seu pa­pel ao lon­go des­tes cer­ca de qu­a­ren­ta nos de in­de­pen­dên­cia. Ao con­trá­rio do que al­guns crí­ti­cos mais con­ser­va­do­res pen­sam, foi a lín­gua por­tu­gue­sa que per­mi­tiu a rá­pi­da es­co­la­ri­za­ção dos an­go­la­nos e in­tro­du­ção do nos­so país no con­tex­to das na­ções. Qua­se qu­a­ren­ta anos de­pois, é che­ga­do o mo­men­to de se pres­tar uma mai­or aten­ção às nos­sas lín­guas; a sua in­tro­du­ção no sis­te­ma ge­ral de en­si­no, a pro­du­ção de ma­nu­ais, di­ci­o­ná­ri­os e gra­má­ti­ca são se­gu­ra­men­te, en­tre mui­tos ou­tros, de­sa ios que to­dos te­re­mos de en­fren­tar se qui­ser­mos pre­ser­var a nos­sa história e a iden­ti­da­de dos nos­sos po­vos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.