Hugh Ma­se­ke­la so­bre Ar­te e Ac­ti­vis­mo

Jornal Cultura - - Primeira Página - ANA KO­LU­KI

“Can I al­so ha­ve a hug?... You don’t know me, but I konw you very well”... As­sim ob­ti­ve o meu pri­mei­ro, bre­ve, abra­ço de Hugh Ma­se­ke­la, no Hall de en­tra­da do ‘Hong Kong The­a­tre’ na ‘Lon­don Scho­ol of Eco­no­mics & Po­li­ti­cal Sci­en­ce’ (LSE), num des­tes ins de tar­de de Ou­to­no lon­dri­no.

Há cer­ca de dois anos, ti­nha ti­do, de for­ma com­ple­ta­men­te ines­pe­ra­da, a opor­tu­ni­da­de de o ver em pal­co pe­la pri­mei­ra vez, nu­ma sua par­ti­ci­pa­ção especial no ‘show’ de An­ge­li­que Kid­jo no ‘Afri­can Sta­ge’ do pri­mei­ro “Ri­ver of Mu­sic Fes­ti­val”, que sal­pi­cou de sons e dan­ças um pou­co de to­do o mun­do os con­tor­nos das mar­gens do Tha­mes. Fã in­con­di­ci­o­nal que sou há anos da sua mú­si­ca, ti­nha per­di­do, sem o sa­ber, o seu próprio ‘show’ du­ran­te aque­le con­cor­ri­do fes­ti­val, mas con­si­de­rei aque­la ines­pi­ra­da vi­são de­le ao vi­vo num lo­cal ap­ta­men­te de­sig­na­do ‘Lon­don Ple­a­su­re Gar­dens’, “the tre­at of my li­fe”!...Es­ta­va en­tão lon- ge de ima­gi­nar que al­gum tem­po de­pois vi­ria a ter com ele um en­con­tro ‘up clo­se and per­so­nal’ – com aque­le abra­ço à en­tra­da, se­gui­do de uma ri­ca ses­são de mú­si­ca, po­e­sia, ri­sos, lá­gri­mas, idei­as, pal­mas e… um ou­tro abra­ço à saí­da – e me­nos ain­da no lo­cal a que mais de­vo nes­ta mi­nha aven­tu­ra bri­tâ­ni­ca: a LSE.

Bra Ma­se­ke­la vi­nha pres­tar a ter­cei­ra edi­ção da ‘An­nu­al Ste­ve Bi­ko Me­mo­ri­al Lec­tu­re – Eu­ro­pe’, um even­to cri­a­do pe­la ‘Ste­ve Bi­ko Foundation’ (SBF), fun­da­da por Nko­si­na­ti Bi­ko, ilho do ho­me­na­ge­a­do, que vem ten­do lu­gar anu­al­men­te na Áfri­ca do Sul nos úl­ti­mos 12 anos (sen­do que a lis­ta dos seus an­te­ri­o­res ora­do­res in­clui Nel­son Man­de­la, Des­mond Tu­tu e Mamphe­la Ramphe­le, com­pa­nhei­ra de vi­da de Bi­ko) e,des­de 2012, si­mul­ta­ne­a­men­te na Eu­ro­pa, ten­do es­te ano si­do pa­tro­ci­na­do pe­la LSE.An­tes de a co­me­çar, de­pois dos dis­cur­sos in­tro­du­to­ri­os por re­pre­sen­tan­tes da LSE e da SBF, en­quan­to re­ti­ra­va da ma­la o seu trom­pe­te – o que lhe va­leu a pri­mei­ra gran­de sal­va de pal­mas (não sei se era aque­le, o pri­mei­ro que te­ve, que Louis Arms­trong lhe en­vi­ou da Amé­ri­ca pa­ra a Áfri­ca do Sul no iní­cio da sua aven­tu­ra pe­lo mun­do da mú­si­ca, do jazz e das du­ras re­a­li­da­des da vi­da, nos seus tem­pos de jo­vem ir­re­qui­e­to na Áfri­ca do Sul sob o do­mí­nio do Apartheid, co­mo re­la­ta no seu li­vro au­to-biográ ico “Still Gra­zing”, mas is­so pou­co im­por­ta ago­ra: o fac­to é que nun­ca ti­nha vis­to um ins­tru­men­to mu­si­cal ser tão aplau­di­do!...) – dei­xou-nos sa­ber que iria fa­zer e di­zer tu­do o que não era su­pos­to na­que­le even­to…

Se­guiu-se en­tão uma po­de­ro­sa ren­di­ção, a so­lo com trom­pe­te e voz, de ‘Sti­me­la’ (o ‘Trem de Car­vão’), obra in­con­tor­na­vel do seu re­per­tó­rio – um do­cu­men­to mu­si­cal, poé­ti­co e per­for­ma­ti­vo so­bre a história dos lu­xos de trabalho mi­gra­tó­rio da Áfri­ca Aus­tral pa­ra as mi­nas de ou­ro e di­a­man­tes da Áfri­ca do Sul em que as­sen­ta a ri­que­za da­que­le país da nos­sa re­gião.

Ao que a au­di­ên­cia, a co­me­çar por mim, aplau­diu de pé!... Fin­dos os efu­si­vos aplau­sos, ob­ser­vou co­mo “é in­te­res­san­te que uma can­ção tão tris­te se­ja sem­pre re­ce­bi­da com ale­gria, mas su­po­nho que a vi­da é is­so mes­mo: ale­gria, fe­li­ci­da­de e mui­ta tris­te­za pe­lo meio”…

E pros­se­guiu: “quan­do fui con­vi­da­do pa­ra fa­zer es­ta ‘lec­tu­re’, tre­mi e qua­se mo­lhei as cal­ças. Mas a mi­nha as­sis­ten­te pes­so­al dis­se-me que o Nko­si­na­ti ti­nha pe­di­do e in­sis­tia que o izes­se, ao que lhe res­pon­di: mas eu nun­ca iz na­da as­sim na mi­nha vi­da, de­pois de to­dos os gran­des in­te­lec­tu­ais que por aqui têm pas­sa­do. Mas, por cau­sa do Ban­tu Ste­ve Bi­ko,de­ci­di de ini­ti­va­men­te acei­tar fa­zê-lo. Foi­me da­da in­tei­ra li­ber­da­de pa­ra fa­lar so­bre as mi­nhas per­cep­ções e ex­pe­ri­ên­cia so­bre ‘mú­si­ca e li­ber­ta­ção’, mas mui­to já foi di­to so­bre o te­ma e a mú­si­ca não pa­re­ce ter fun­ci­o­na­do, ape­sar de Bob Mar­ley, Har­ry Be­la­fon­te, os Be­a­tles, Bob Dy­lan, Mi­ri­am Ma­ke­ba, en im, to­dos os gran­des mú­si­cos

te­rem fa­la­do e ten­ta­do con­tri­buir pa­ra a con­quis­ta­da paz. Des­de que eu nas­ci em 1939, há guer­ras pe­lo mun­do e is­so con­ti­nua. Mas um dia vai aca­bar: há um pa­ra­fu­so al­gu­res que tem que ser vi­ra­do, só que es­tá dificil en­con­trá- lo.” Pos­to o que, ini­ci­ou a sua pre­le­ção:

“Des­de os anos do Trá ico Tran­sA­tlân­ti­co de Es­cra­vos, as so­ci­e­da­des oci­den­tais e do Nor­te…”

Fo­ra in­ter­rom­pi­do na­que­le pon­to pe­la sú­bi­ta en­tra­da na sa­la de al­guém que se sen­tou ra­pi­da­men­te na pri­mei­ra ila. Tra­ta­va-se do es­cri­tor Ni­ge­ri­a­no Ben Okri, com a sua boi­na pre­ta, pre­lec­tor da ‘Ste­ve Bi­ko Me­mo­ri­al Lec­tu­re’ de 2012 na Uni­ver­si­da­de de Ca­pe Town. Bra Ma­se­ke­la icou a olhar pa­ra ele com um ar pre­ten­sa­men­te gra­ve, até que por im dis­se, pa­ra gáu­dio da au­di­ên­cia: “that’s the most per­fect ti­ming I’ve ever se­en!”E sau­dou en­tão cor­di­al­men­te o ‘la­te­co­mer’ e dis­se “I’ll start again…”

CONS­CI­ÊN­CIA AFRI­CA­NA

Pros­se­guiu en­tão, sem mais in­ter­rup­ções,com uma lon­ga e pro­fun­da di­gres­são pe­la História da Áfri­ca do Sul no con­tex­to glo­bal, des­de a pri­mei­ra ocu­pa­ção ho­lan­de­sa no sé­cu­lo XVII, se­gui­da pe­la bri­tâ­ni­ca, até ao im do re­gi­me do Apartheid e pe­los su­ces­si­vos mo­vi­men­tos e lí­de­res da Resistência an­ti-ocu­pa­ci­o­nis­ta, an­ti-co­lo­ni­a­lis­ta e an­ti-ra­cis­ta, sem­pre mar­ca­dos pe­las su­as ca­rac­te­rís­ti­cas can­ções e dan­ças de pro­tes­to: des­de os guer­rei­ros Khoi­san, pas­san­do pe­los gran­des Reis Xho­sa (e.g. Hint­sa ka Khawu­ta) e Zu­lu (e.g. Sha­ka), até Nel­son Man­de­la.

Pon­tu­ou-a com epi­só­di­os da sua pró­pria história pes­so­al, con­di­men­ta­dos com al­gu­mas pi­ta­das do seu ca­rac­te­rís­ti­co hu­mor sar­cás­ti­co, co­mo um ocor­ri­do nos anos qu­a­ren­ta, quan­do ti­nha seis anos de ida­de, três anos an­tes da ins­ti­tui­ção do Apartheid: vin­do do mer­ca­do com a sua ir­mã, sen­si­vel­men­te da mes­ma ida­de, e a sua avó, Johan­na, que os cri­ou sob re­gras mui­to es­tri­tas e que des­cre­veu co­mo “a in­de­pen­dên­cia per­so­ni ica­da”, fo­ram con­fron­ta­dos por um ‘gang’ de miú­dos bran­cos Afri­ka­ners, que co­me­ca­ram a fa­zer-lhes ca­re­tas e po­ses de chim­pan­zés e a cha­mar-lhes “ba­bo­ons”…

Joha­na dis­se-lhes: “Não pres­tem ne­nhu­ma aten­ção a es­ses ra­fei­ros mal-edu­ca­dos, vo­cês são mui­to me­lho­res do que eles, eles nem se­quer me­re­cem que vo­cês os olhem nos olhos, aque­les olhos to­dos rai­a­dos de san­gue! Con­ti­nu­em sóa an­dar ao meu la­do com as ca­be­ças or­gu­lho­sa­men­te er­gui­das” e, di­ri­gin­do- se a ele:“nao te atre­vas a dei­xar cair es­sa ga­li­nha que tra­zes!” Aque­le epi­só­dio fi­cou pa­ra sem­pre gra­va­do na mi­nha memória mais pro­fun­da e aque­las pa­la­vras da mi­nha avó­tor­na­ram-se o man­tra da mi­nha vi­da: nun­ca mais dei­xei cair uma ga­li­nha! Mas, hu­mor à par­te, acres­cen­tou: “nun­ca mais ti­ve me­do de nin­guém que olhas­se de ci­ma pa­ra bai­xo pa­ra a mi­nha ra­ça co­mo in­fe­ri­or à sua!”

Os anos se­guin­tes vi­ram che­gar a ins­ti­tui­ção do Apartheid, em 1948 e “re­a­li­zei des­de ce­do que o nos­so fu­tu­ro iria ser pre­en­chi­do de ódio ra­ci­al con­tra nós, Afri­ca­nos – uma ba­ta­lha com que me ha­ve­ria de con­fron­tar pe­lo res­to da mi­nha vi­da.” Du­ran­te aque­le pe­río­do negro da história da Áfri­ca do Sul e do mun­do, o re­gi­me do Apartheid qua­se con­se­guiu ani­qui­lar a resistência e a mú­si­ca e ar­te de pro­tes­to no país, en­car­ce­ran­do e iso­lan­do os seus lí­de­res po­lí­ti­cos, co­mo Nel­son e Win­nie Man­de­la, e for­çan­do cen­te­nas de sul-afri­ca­nos ao exí­lio, com des­ta­que pa­ra Mi­ri­am Ma­ke­ba, com quem Bra Ma­se­ke­la se iria jun­tar e pos­te­ri­or­men­te ca­sar, du­ran­te os anos 60, nos EUA, on­de fez os seus es­tu­dos de mú­si­ca.

Eis um re­su­mo do res­tan­te da sua pre­le­ção:

“Mas a re­si­li­ên­cia do nos­so po­vo não é fá­cil de con­ter e, quan­do Hen­drik Verwo­erd, o ar­qui-ar­qui­tec­to do Apartheid e seus dis­cí­pu­los pen­sa­vam que ti­nham de ini­ti­va­men­te es­ma­ga­do a resistência, eis que, das su­as cin­zas apa­ren­te­men­te apa­ga­das, nas­ce um co­me­ta bri­lhan­te, um pla­ne­ta cha­ma­do Ban­tu Ste­ve Bi­ko, um ins­pi­ra­dor jo­vem pro­fes­sor, so­pran­do os fo­gos dos ape­los pe­la li­ber­da­de afri­ca­na.

Bi­ko im­plo­ra­va aos Afri­ca­nos que se­guis­sem a ilo­so ia da ‘Cons­ci­en­cia Afri­ca­na’, com ba­se no au­to-co­nhe­ci­men­to e na au­to-es­ti­ma, co­mo uma for­ma de vi­da. Ele acre­di­ta­va que a adop­ção de va­lo­res e mé­to­dos po­lí­ti­cos oci­den­tais es­ta­va a des­vi­ar os afri­ca­nos dos seus va­lo­res tra­di­ci­o­nais, le­ga­dos in­dí­ge­nas, gló­ri­as his­tó­ri­cas e he­ran­ça cul­tu­ral. Lu­tar pe­la li­ber­da­de com ba­se em ilo­so ias de­mo­crá­ti­cas oci­den­tais era aban­do­nar pre­ci­sa­men­te os va­lo­res que ize­ram dos afri­ca­nos o po­vo úni­co que era an­tes da che­ga­da dos co­lo­ni­a­lis­tas e seus mis­si­o­na­ri­os re­li­gi­o­sos, tra­zen­do a Bí­blia nu­ma mão e a es­pin­gar­da na ou­tra.

O re­gi­me per­ce­beu o pe­ri­go de tal ilo­so ia e de­ci­diu agir ra­pi­da­men­te con­tra as se­men­tes que Bi­ko es­ta­va a plan­tar. Eles em­pe­nha­ram-se em in­fer­ti­li­zar e de­ser­ti icar o ter­re­no em que ele es­ta­va a se­me­ar. Ti­ve­ram que lhe re­ti­rar a vi­da, re­ben­tar o ba­lão dos seus so­nhos, eclip­sar o pro­fun­do amor que ele de­di­ca­va ao seu po­vo e aos seus an­ces­trais, em­ba­ci­ar a vi­são do nos­so le­ga­do, cri­ar me­do nas men­tes dos que atre­ves­sem a as­pi­rar pe­la vi­si­bi­li­da­de da sua he­ran­ça cul­tu­ral, ene­vo­ar as ja­ne­las a par­tir das quais as lar­gas vis­tas de in­de­pen­dên­cia pa- re­ci­am cla­ras e bri­lhan­tes e as es­tra­das que con­du­zi­am ao im do eter­no con ina­men­to so­li­tá­rio da nos­sa so­ci­e­da­de.A vi­da de Ban­tu Bi­ko foi ar­ran­ca­da de nós tão bru­tal­men­te co­mo as de Lu­mum­ba, So­bukwe, Ma­ka­na, os Mxen­ges, Shar­pe­vil­le, as cri­an­cas de 1976 e mi­lho­es de afri­ca­nos pa­ra quem não exis­te uma pla­ca em qua­se lu­gar ne­nhum.

Mas os ide­ais de Bi­ko, o seu so­nho, re­cu­sam-se a mor­rer, o seu le­ga­do diz “não” à sen­ten­ca de mor­te por cons­tan­te tor­tu­ra e assalto que foi im­pos­to ao seu ser. Es­tá, de fac­to, a emer­gir no­va­men­te o tem­po em que os po­vos de Áfri­ca irão an­si­ar e re­vi­ver a vi­si­bi­li­da­de cons­tan­te da sua he­ran­ça. Cri­a­re­mos aca­de­mi­as on­de po­de­re­mos vol­tar a apren­der as nos­sas lín­guas e as can­ções dos nos­sos an­te­pas­sa­dos, on­de to­ca­re­mos os tam­bo­res, mbi­ras, ma­rim­bas, ba­lo­tons, ouds, ko­ras, si­nos, vi­o­li­nos, tan­tans e ba­tu­ques fa­lan­tes dos nos­sos an­ces­trais, dan­çan­do a co­re­o­gra ia pa­ra a qual eles nos es­cul­pi­ram. Cons­trui­re­mos aca­de­mi­as on­de os nos­sos ve­lhos vi­rão re­ci­tar pa­ra nós as su­as pro ici­ên­ci­as orais co­lhi­das das mar­gens das su­as úl­ti­mas me­mó­ri­as de on­de as nos­sas raí­zes con­ti­nu­am a bro­tar.

Cons­trui­re­mos es­ta­be­le­ci­men­tos on­de as ve­lhas e no­vas ge­ra­ções de ho­je irão apren­der so­bre os im­pé­ri­os do Songhai, Ma­li, Gha­na, Mo­no­mo­ta­pa, Khoi-San, Do­gon, Ashan­ti, Ma­a­sai, Ig­bo, Ma­nin­ka, Ni­lo, Zam­be­zi, Ka­laha­ri, Kon­go, en im, a História de Áfri­ca se­gun­do a Áfri­ca.Cri­a­re­mos con­ser­va­tó­ri­os em que tra­re­mos de vol­ta Louis Arms­trong, Du­ke, Count, El­la, Sa­rah, Bil­lie, Bird, Mi­les, Mi­ri­am Ma­ke­ba, Fran­co, Fe­la, Bob Mar­ley, Ta­bu Ley, en­tre tan­tos ou­tros deu­ses da nos­sa mú­si­ca.Cons­trui­re­mos ins­ti­tui­ço­es em que apren­de­re­mos de no­vo a nos­sa po­e­sia de lou­vor, em que re­cla­ma­re­mos os nos­sos no­mes e em que o en­si­no da nos­sa cul­tu­ra,gas­tro­no­mia, ar­te­sa­na­to,es­cul­tu­ra,mo­bi­liá­rio e de­sign tra­di­ci­o­nais se­rão tão aces­sí­veis co­mo os iPads, com­pu­ta­do­res, cell pho­nes, Apps, iPods e ou­tros me­dia, on­de a nos­sa pre­sen­ça nos seus écrans se­rá mais fre­quen­te do que as no­tí­ci­as do dia, as pe­ru­cas, as ex­ten­sões, os cla­re­a­do­res de pe­le e a ur­ba­ni­za­ção e la­va­gem das nos­sas psi­ques.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.