O BAR­QUEI­RO E A KI­AN­DA CON­TO de Na­mi­bi­a­no Fer­rei­ra

Jornal Cultura - - Primeira Página -

O Bar­quei­ro, ágil de bra­ços e mus­cu­la­do, xim­bi­ca­va o don­go que des­li­za­va ca­rí­cia ma­cia so­bre o meu cor­po. Era vi­go­ro­so o Bar­quei­ro e pa­re­cia não se can­sar. Es­te era o seu des­ti­no e o don­go mes­mo, só um pro­lon­ga­men­to do seu próprio cor­po, da sua pró­pria al­ma. Eu tam­bém nun­ca me can­so. Sou um tem­po lí­qui­do a es­cor­rer por dois lá­bi­os de mar­gens. Es­te re­no­var do meu cor­po, a ca­da ins­tan­te, não im­pe­de que seu se­ja o nar­ra­dor lí­qui­do des­tas es­tó­ri­as. Eu sou Ku­ban­gan­za­ne­ne, o Rio. Um rio não cor­re nun­ca a mes­ma água. O que ica do meu Ego são as mi­nhas me­mó­ri­as, apri­si­o­na­das ao cor­po-bar­ro das mar­gens que apre­en­dem a vi­da dos ho­mens e do mun­do. Eu des­li­zo, sou o san­gue da Ter­ra, sou veia e es­te tam­bém é o meu des­ti­no, meu eter­no des­ti­no e sou fe­liz. No en­tan­to, não me pe­çam ex­pli­ca­ções de coi­sa al­gu­ma por­que não sei ex­pli­car coi­sa ne­nhu­ma. A mi­nha Fi­lo­so ia, se exis­te, é sim­ples e ra­sa. Li­mi­to-me a ob­ser­var e a nar­rar os fac­tos tal qual acon­te­ce­ram ou tal e qual che­ga­ram até mim. A mi­nha Me­ta ísi­ca re­su­me­se a es­te cons­tan­te e eter­no luir. O Bar­quei­ro trans­por­ta­va no don­go pes­so­as e mer­ca­do­ri­as en­tre uma e ou­tra nar­gem do meu cor­po. O vi­gor dos seus bra­ços, o don­go e eu, o Rio, éra­mos a trindade que di­a­ri­a­men­te sus­ten­ta­va a sua fa­mí­lia. O Bar­quei­ro acre­di­ta­va na Ki­an­da, se­nho­ra das águas e so­nha­va um dia ha­via de en­con­trá-la. As ki­an­das ha­bi­tam o meu cor­po e to­do o cor­po lí­qui­do do san­gue da Ter­ra. A mais pon­de­ro­sa de to­das as ki­an­das vi­ve nas águas amar­gas de Ka­lun­ga, que são sal­ga­das co­mo o san­gue dos ho­mens. O Bar­quei­ro sa­bia co­mo agra­dar e in­vo­car a pro­tec­ção des­ta pon­de­ro­sa di­vin­da­de. Ofe­re­ci-a-lhe pre­sen­tes: co­la­res de mis­san­ga, es­pe­lhos, pen­tes e brin­cos, en im coi­sas que to­das as ki­an­das sa­bem apre­ci­ar. O Bar­quei­ro, so­nha­va co­nhe­cer a len­dá­ria be­le­za e tal­vez amar a Ki­an­da po­rém, não era in­gé­nuo e sa­bia tam­bém da cru­el­da­de e dos cas­ti­gos que elas in lin­gem aos ho­mens pa­ra pu­nir a in­gra­ti­dão e ava­re­za da al­ma hu­ma­na. A vin­gan­ça e a pu­ni­ção de uma ki­an­da é coi­sa de eter­ni­da­de, não há per­dão. Mui­tas ve­zes o ou­via di­zer: “As ki­an­das não são bo­as nem más; são Jus­tas.” E fa­zia re­cair uma especial acen­tu­a­ção na úl­ti­ma pa­la­vra. Uma vez, à ho­ra do al­mo­ço, ou­vi mes­mo o nos­so Bar­quei­ro con­tar aos ou­tros bar­quei­ros, uma es­tó­ria que, se­gun­do ele, lhe ha­via si­do con­ta­da por um se­ku­lu dos lu­e­nas e era as­sim: “Há mui­to, mui­to tem­po mes­mo lá na Chana da Ca­meia, on­de há mais água do que ter­ra, ha­via um kim­bo que vi­via prós­pe­ro e fe­liz. Vi­vi­am na far­tu­ra da pes­ca da to­queia e não se es­que­ci­am de agra­ci­ar as ki­an­das com ofe­ren­das de va­lor. Po­rém, hou­ve um so­ba ga­nan­ci­o­so que co­me­çou a li­mi­tar as ofe­ren­das do seu kim­bo. E em vez de ofe­ren­das dig­nas pas­sou a dar nas ki­an­das coi­sas sem va­lor. Um dia os ho­mens par­ti­ram pa­ra vá­ri­os di­as de ca­ça, a to­queia, tão abun­dan­te ou­tro­ra, era ago­ra pou­ca e ha­via que pro­cu­rar co­mi­da pa­ra um po­vo que ti­nha cres­ci­do gra­ças aos anos far­tos de to­queia. No kim­bo, lá no meio da Chana, ica­ram só as mu­lhe­res, os ve­lhos e as cri­an­ças. As­sim que os ho­mens se perderam na imen­si­dão lou­ca da Chana apa­re­ceu no kim­bo uma mu­lher ve­lha, mes­mo de pe­le cheia de tem­po, ves­tia tra­pos su­jos e tão ve­lhos co­mo ela. To­da a sua igu­ra pa­re­cia era um ka­zum­bi de as­sus­tar. Pe­dia co­mi­da e um pou­co de des­can­so. As mu­lhe­res re­cu­sa­ram ou­vir as sú­pli­cas da ve­lha se­ku­la e ain­da man­da­ram os miú­dos lhe ape­dre­jar e açu­la­ram só kwa­ta-kwa­ta nos cães, en­xu­tan­do a ve­lha pa­ra fo­ra do kim­bo e lhe re­cu­san­do um pou­co de fun­je mes­mo frio e do dia an­te­ri­or. Quan­do os ho­mens re­gres­sa­ram da ca­ça, car­re­ga­dos de boa car­ne, não en­con­tra­ram o kim­bo. No lu­gar de­le exis­tia ago­ra uma la­goa de águas pro­fun­das e cris­ta­li­nas. Os ho­mens as­sus­ta­dos e de olhos es­bu­ga­lha­dos de ter­ror co­me­ça­ram só ou­vir gri­tos e sú­pli­cas de so­cor­ro de mu­lhe­res e o cho­ro de cri­an­ças. Mais as­sus­ta­dos ica­ram por­que re­co­nhe­ce­ram as vo­zes das su­as mu­lhe­res e o cho­ro dos seus fi­lhos e fi­lhas. Xé, mas de on­de vi­nham es­ses gri­tos, es­sas sú­pli­cas es­se cho­ro so­fri­do das cri­an­ças? Vi­nham da pró­pria la­goa que ti­nha apa­re­ci­do no lu­gar do kim­bo. No fun­do das águas cris­ta­li­nas, lá es­ta­va o kim­bo com as cu­ba­tas, os cães, as mu­lhe­res e as cri­an­ças. Tu­do ten­ta­ram pa­ra os li­ber­ta­rem mas im­pos­sí­vel, des­con­se­gui­ram sem­pre… A ve­lha se­ku­la era uma ki­an­da dis­far­ça­da que cas­ti­gou a ava­re­za e a fal­ta de com­pai­xão das pes­so­as da­que­le kim­bo da Chana da Ca­meia. Di­zem mes­mo que ain­da ho­je, quem pas­sar por lá, fi­ca só a ou­vir aque­le cho­ro dos can­den­gues e as sú­pli­cas mis­tu­ra­das nos gri­tos das mu­lhe­res. Dos ho­mens, na­da mais se sou­be, di­zem por lá que nun­ca mais con­se­gui­ram cons­ti­tuir fa­mí­li­as.” Es­ta es­tó­ria, a fa­vo­ri­ta do Bar­quei­ro, era pa­ra ele uma cer­te­za da exis­tên­cia des­tas di­vin­da­des. E mes­mo quem é que re­co­lhia as ofe­ren­das que ele dei­xa­va re­gu­lar­men­te nas mar­gens do rio? As mu­lhe­res não por­que ti­nham res­pei­to e so­bre­tu­do pa­vor. Só po­di­am ser as ki­an­das! To­das as tar­des, de­pois do trabalho. O Bar­quei­ro es­con­dia-se nos ca­na­vi­ais na es­pe­ran­ça de en­con­trar a Ki­an­da. Ele sa­bia que ela exis­tia, pó­pi­las, não era só à toa es­sa es­tó­ria lá da Chana, e as ofe­ren­das que de­sa­pa­re­ci­am da mar­gem do rio!? Xé, es­sas ki­an­das eram se­res exis­ten­tes, só po­dia mes­mo. Es­tes eram pen­sa­men­tos que o Bar­quei­ro me con­fes­sa­va. A per­sis­tên­cia e a pa­ci­ên­cia do Bar­quei­ro em bre­ve fo­ram re­com­pen­sa­das. Num des­ses ins de tar­de es­tan­do ele es­con­di­do en­tre os ca­na­vi­ais que se es­ten­dem pe­las mi­nhas mar­gens, uma es­tra­nha apa­ri­ção sur­giu do na­da. Es­tra­nha­men­te a água pa­rou, nem vi­bra­ções nem o can­tar ha­bi­tu­al da água, o ven­tou se­re­nou. Um mo­men­to em que o tem­po, ju­ro, pa­rou. A pou­ca dis­tân­cia o Bar­quei­ro, viu sair das águas do meu cor­po uma si­lhu­e­ta de mu­lher. Be­la, de­ma­si­a­do be­la, de sei­os ri­jos, dois ma­bo­ques a es­cor­re­rem pe­que­ni­nas go­tí­cu­las de água pra­te­a­da. Só com o bus­to fo­ra de água, a su­bli­me apa­ri­ção de mu­lher co­me­çou a ba­nhar-se e no­va­men­te a água não cre­pi­ta­va, ica­va só as­sim qui­e­ta sem bu­lir, sem me­xer mes­mo na­da-na­da. Era co­mo se tu­do fos­se par­te de um úni­co ele­men­to: água. Imó­vel, o Bar­quei­ro ad­mi­ra­va fas­ci­na­do e uma re­de de pen­sa­men­tes in­va­diu a sua ca­be­ça: co­mo apa­re­ceu as­sim do qua­se na­da? É mu­lher ou ki­an­da? E a água não vi­bra­va, não can­ta­va me­ma-me­ma-me­ma… Mas que fei­ti­ço é es­se, Nzam­bi, meu pai!

Um de­se­jo ar­den­te per­cor­reu o cor­po do Bar­quei­ro, aque­le de­se­jo quen­te e hú­mi­do quan­do um ho­mem de­se­ja uma mu­lher. Quem era aque­la bel­da­de de pe­le ne­gra que re le­tia o dou­ra­do-âm­bar do por-do-sol em pe­que­nas bo­li­nhas de pra­ta? So­bre a pe­le es­cor­ri­am-lhe pe­que­ni­nos olhos de luz pra­te­a­da, pé­ro­las e mis­san­gas de um bri­lho mís­ti­co. Os sei­os eram fru­tas a pe­di­rem pa­ra se­rem to­ca­dos e mor­di­dos num ras­go de su­cu­len­to néc­tar.

En­fei­ti­ça­do pe­la vi­são e aco­co­ra­do no ca­na­vi­al o Bar­quei­ro aca­bou por re­ve­lar a sua pre­sen­ça, fa­zen­do bu­lir a água num cha­pi­nhar que atraiu a aten­ção da mu­lher que se di­ri­giu na di­re­ção do Bar­quei­ro sau­dan­do: “Mo­ro ke­ni! Eu sou a Ki­an­da do rio. O Bar­quei­ro ti­tu­be­ou uma qua­se inau­dí­vel res­pos­ta e, apo­plé­ti­co, viu a Ki­an­da apro­xi­mar- se ain­da mais, emer­gir com­ple­ta­men­te das águas e à me­di­da que saía do meu cor­po-rio, a par­te de pei­xe ia se trans­for­man­do em per­fei­to cor­po de mu­lher, um tu­fo de pe­los pú­bi­cos, co­ber­tos de pe­que­nos e lu­mi­nis­cen­tes pon­ti­nhos de água, sor­ria en­tre co­xas gros­sas e du­ras a pro­me­ter uma mbun­da far­ta de mu­lher. O Bar­quei­ro le­van­tou-se re­ve­lan­do a erec­ção que lhe in la­ma­va a na­tu­re­za. A Ki­an­da sor­riu, es­ten­deu-lhe a mão di­rei­ta e num su­a­ve des­li­ze afa­gou­lhe as mãos. De­pois, es­ta­lou o po­le­gar con­tra o de­do mé­dio e le­van­do a mão ao pei­to dis­se ao Bar­quei­ro: “Ama­rás a Ki­an­da no se­gre­do do rio, pro­me­tes?!” O Bar­quei­ro pro­me­teu e amou a Ki­an­da no se­gre­do do cre­pús­cu­lo de to­das as tar­des.

Mas a na­tu­re­za do ho­mem não per­doa. Tar­de ou ce­do a vai­da­de de ma­cho não re­sis­te em guar­dar um se­gre­do des­tes. É ne­ces­sá­rio ao seu or­gu­lho ma­cho van­glo­ri­ar-se das sua fa­ça­nhas se­xu­ais. En­tre con­ver­sas com ou­tros bar­quei­ros, o Bar­quei­ro re­ve­lou as tar­des de amor com a Ki­an­da fa­zen­do os ou­tros ho­mens mor­rer de uma sú­bi­ta inveja que se tran­for­mou em des­con­fi­an­ça, de­sa­cre­di­ta­ção e, em pou­co tem­po, vi­rou go­zo e ri­so en­tre os bar­quei­ros do rio. Eu ou­vi com es­tes ou­vi­dos lí­qui­dos de água. O Bar­quei­ro fe­ri­do no seu or­gu­lho dis­se: “Vo­cês, ho­mens in­ve­jo­sos, ve­nham es­ta tar­de nos ca­na­vi­ais do rio, eu es­ta­rei lá aman­do a Ki­an­da. Eu, e mais nin­guém.”

Os bar­quei­ros do rio fo­ram. Es­con­di­dos nos ca­na­vi­ais, vi­ram a Ki­an­da apa­re­cer, aca­ri­ci­ar o Bar­quei­ro e de­pois ro­la­rem na mar­gem mo­lha­da das mi­nhas águas. Po­rém a Ki­an­da já sa­bia de tu­do, as ki­an­das sa­bem sem- pre de to­das as coi­sas. O pla­no de vin­gan­ça e pu­ni­ção já es­ta­va tra­ça­do. A Ki­an­da do rio nun­ca mais voul­tou a en­con­trar- se com o Bar­quei­ro, mas is­so não foi a pu­ni­ção pa­ra o ho­mem. O cas­ti­go veio quan­do, o Bar­quei­ro, qu­e­ren­do sa­tis­fa­zer a sua ne­ces­si­da­de de ma­cho, ve­ri­fi­cou ater­ra­do, que a na­tu­re­za que lhe pen­dia en­tre as co­xas, não pas­sa­va, ago­ra, de uma na­tu- re­za morta. A im­po­tên­cia do Bar­quei­ro vo­ou de kim­bo em kim­bo por en­tre os lá­bi­os e as ri­sa­di­nhas mal­do­sas das mu­lhe­res.

Don­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.