No tem­po das man­gas ma­du­ras

Jornal Cultura - - ECO DE ANGOLA - AN­TÓ­NIO QUINO|

Che­gou o tem­po das man­gas. Ca­xi­to en­che-se de co­lo­ri­das fru­tas pol­po­sas. Es­ver­de­a­das, ama­re­la­das, ala­ran­ja­das ou aver­me­lha­das. As do bair­ro Sas­sa Po­vo­a­ção fa­zem a mi­nha de­lí­cia. Ma­du­ras, ver­des e qua­se ma­du­ras; To­das elas bem gos­to­sas. Das car­nu­das às de io. Das po­po­su­das às ca­tor­zi­nhas. Das de bi­co de Ja­có às ca­en­che. Tu­do atrai. Tu­do en­fei­ti­ça.

No as­fal­ta­do co­ra­ção de Ca­xi­to, con­tra­pon­do aos ale­gres sus­pi­ros das Acá­ci­as já lo­ri­das, que co­lo­ri­da­men­te ba­fe­jam o mês de Na­tal, os tran­seun­tes sun­gam na diá­ria da vi­da man­jan­do man­gas sem ca­re­cer de man­gas com­prar.

Um pou­co mais lá, num aglo­me­ra­do de man­guei­ras sem de­cla­ra­do do­no, ou­tras man­guei­ras exi­bi­am a ver­me­lhi­dão da sua fer­ti­li­da­de, car­re­ga­da de ilhos que as ver­ga­va. À sua som­bra, pre­gui­ço­sas se­nho­ras en­chi­am bal­des ex­pos­tos em ban­ca­das im­pro­vi­sa­das pa­ra as eco­no­mi­as. As ti­ti­as ka­be­tu­la­vam nas quan­ti­da­des pra po­de­rem lu­crar num in­ves­ti­men­to fei­to pe­la Na­tu­re­za. No ne­gó­cio, elas só ti­nham em­pa­ta­do o es­for­ço de se sen­ta­rem a es­pe­ra que as man­gas caís­sem aos seus pés.

Saí­dos do cen­tro, che­ga-se ao Sas­sa Po­vo­a­ção, ali­ci­an­te con­vi­te pa­ra os de pas­sa­gem. Uí­ge ou Lu­an­da. Lu­an­da ou Uí­ge. Os das obras. Os dos iner­tes. Dis­pu­tam con­cor­ri­da­men­te os bal­des ka­be­tu­la­dos. Cu­ri­o­sa­men­te não re­cla­mam dos pre­ços. Nem dis­cu­tem. Es­tá tu­do bem. Ain­da o tro­co lhe dei­xam lá tam­bém. Em Lu­an­da só uma man­ga é que se vê, di­zem ad­mi­ra­dos. As ven­de­dei­ras ba­tem pal­mas con­ten­tes da vi­da de­las. Ou­tras fru­tas cai­rão e ou­tro bal­de se­rá pre­en­chi­do na sa­tis­fa­ção do im­pos­to mal co­bra­do.

Pa­ra ale­gria de car­día­cos, grá­vi­das, mens­tru­a­das, as­má­ti­cos e ou­tros que se diz te­rem nes­sa fru­ta um ado­ci­ca­do analgésico, o tem­po das man­gas ena­mo­ra, cul­tu­an­do a sua pol­pa su­cu­len­ta e ibro­sa, se­gu­ra­da por ios tan­to me­nos re­sis­ten­tes quan­to mais ma­du­ra a fru­ta.

O chei­ro é do­ce, co­mo do­ce são os imen­sos sa­bo­res que nas ar­den­tes noi­tes en­can­tam ce­gos mor­ce­gos, en­gra­vi­da­dos pe­lo es­per­ma do tem­po das man­gas ma­du­ras.

Nu­ma ma­nhã­zi­nha, ma­nhã fres­ca avas­sa­la­da pe­lo ban­zé de re­ful­gen­tes ku­pa­pa­tas que anu­lam cân­di­dos pi­os de par­dais, re­pa­rei nas du­as man­guei­ras. Vi­zi­nhas, uma e ou­tra se con­ci­li­an­do. Se fo­fo­can­do no fri­o­zi­nho do qua­se au­sen­te ven­to des­sa quen­te vé­nia do rio Dan­de, dan­do a be­ber os mes­mos na­tu­rais nu­tri­en­tes e sa­bo­re­an­do as mes­mas divinas chu­vas.

Che­guei-me a elas. Uma es­ta­va sor­ri­den­te e a ou­tra nem tan­to. As du­as, fe­cun­dan­do do mes­mo fa­lo de sei­va amo­ni­a­ca­da, uma exa­ge­ra­da­men­te grá­vi­da e ou­tra não, su­a­vam vi­da na sua exu­be­ran­te gran­de­za la­ten­te de re­a­le­za.

Cha­mus­ca­da pe­la ida­de já vin­ca­da, uma se en­cheu de ilhos, re­che­a­da de man­gas, do­bran­do-se so­bre o seu próprio dor­so, e a ou­tra em bre­ve verde, mas se­ca, ti­po mba­ku, não dan­do o gos­ti­nho de ver a si pre­sas co­mo sei­os gu­lo­sos as man­gas que a vai­da­de con­vi­da e o pa­la­dar mas­ti­ga.

Uma es­ta­va sor­ri­den­te e a ou­tra nem tan­to.

Vi os me­ni­nos che­gan­do de pe­dras nos bol­sos dos cal­ções tão an­ti­gos quan­to a na­tu­re­za da ino­cên­cia. Ou­tros já em­pu­nhan­do dar­dos ro­cho­sos su­jan­do as mãos, su­jan­do os de­dos. Vi­ra­dos pro ma­to, na­da so­bra­ria pros car­ros e mo­tos que zu­ni­am na zo­na. Nem vi­dros se­ri­am que­bra­dos. E co­me­çou a porrada. Pe­dras su­bin­do com ve­lo­ci­da­de pro céu. Pu­ka na ár­vo­re, pu­ka na man­ga, pu­ka no chão. Caiu. É mi­nha. Foi qua­se. Es­tá verde. Eu vi pri­mei­ro. Foi a mi­nha pe­dra. Men­ti­ro­so. Cal­ma, há pra to­dos. Va­mos se di­vi­dir de­pois. Nes­sa não bur­ro, não vês que nem man­ga verde tem!

Na dis­pu­ta dos gu­lo­sos ati­ra­do­res, as du­as ár­vo­res vi­zi­nhas ca­la­vam-se. Uma sor­ri­den­te e a ou­tra nem tan­to.

As man­guei­ras são ven­ci­das pe­la for­ça da gra­vi­da­de e lar­gam as su­as me­ni­nas, acom­pa­nha­das por al­gu­ma fo­lha­gem en­ve­lhe­ci­da pe­lo tem­po. Com a ma­tu­ri­da­de, os jovens ten­dem a aban­do­nar o lar e o acon­che­go dos pais. Mas, e tei­mo­sa­men­te o que fa­zi­am as ido­sas (fo­lhas se­cas) ain­da lá agar­ra­das? Se­ria por au­sên­cia de al­gum Bei­ral pra man­guei­ras?

Ao la­do das opu­len­tas, as se­nho­ras olha­vam sorrindo os seus me­ni­nos ape­dre­jan­do as du­as vi­zi­nhas. De seus olha­res, pa­re­cia ha­via uma de­ci­são: des­de que não fos­sem dis­pu­tar com elas o pro­du­to, po­de­ri­am con­ti­nu­ar a lan­çar os dar­dos que qui­ses­sem. As pe­dras lan­ça­das pa­re­ce sa­bem bem quan­do nou­tras fo­lha­gens.

O pu­ka, pu­ka dos me­ni­nos pros­se­guia. Sorrindo, os­ten­ta­va a sua inveja de se ver isen­ta dos ape­dre­ja­men­tos dos me­ni­nos. Sor­ria por não ter de sen­tir no ca­nas­tro a dor dos dar­dos lan­ça­dos. Mas o seu sor­ri­so tra­zia tam­bém tris­te­za. Tris­te­za por des­co­nhe­cer nes­se tem­po das man­gas o gos­to gos­to­so de car­re­gar na sua ilhar­ga fru­tos da sua pom­po­sa ges­ta­ção.

O pu­ka pu­ka dos me­ni­nos pros­se­guia. Não ha­via sor­ri­so, não tan­to pe­la dor que sen­tia no seu ca­nas­tro, pro­vo­ca­da pe­la dor dos dar­dos lan­ça­dos a si. Apren­de­ra na es­co­la da Na­tu­re­za, que só se lan­ça dar­dos a quem pro­duz. Por is­so, foi trei­na­da pa­ra en­cai­xar so­pa­pos, bi­cos e pon­ta­pés alhei­os. Foi trei­na­da pa­ra não es­pe­rar apoio de vi­zi­nhas que na­da pro­du­zem e in­gem so­li­da­ri­e­da­de, mes­mo em fal­sos mur­mú­ri­os de con­so­lo lan­ça­dos ao ven­to. A sua dor era pe­la per­da. Dos fru­tos da sua pom­po­sa ges­ta­ção; dos que saíam ain­da ver­des sem pre­pa­ra­ção pa­ra ali­men­tar vi­das; das man­gas ver­des que ma­les fa­ri­am aos im­ber­bes estô­ma­gos; e das ma­du­ri­nhas que dei­xa­ri­am sau­da­des.

A man­guei­ra, opu­len­ta­men­te grá­vi­da, sa­bia que os seus fru­tos par­ti­ri­am pa­ra ali­men­tar ou­tras vi­das. Mas nem por is­so sor­ria, pois a res­pon­sa­bi­li­da­de por do­ar vi­via ne­la. Que mal cau­sa­ri­am? Que bem fa­ri­am?

Pe­lo con­trá­rio, a ou­tra que na­da pro­du­zi­ra, nem gra­vi­dez nem na­da, es­tu­pi­da­men­te sor­ria por não ter ti­do a ca­pa­ci­da­de de bro­tar her­dei­ros. Tra­zia ale­gria por não ser ob­jec­to de ape­dre­ja­men­to, vê se po­de!

De inveja, a man­guei­ra mba­ku sor­ria da sor­te da en­gra­vi­dan­te man­guei­ra, que te­ve o pra­zer de ali­men­tar vi­das: ver­des, ma­du­ras e qua­se ma­du­ras; por­que a vi­da ti­nha de con­ti­nu­ar pa­ra que, num ou­tro ama­nhã de acá­ci­as lo­ri­das, hou­ves­se mais tem­pos de man­gas ma­du­ras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.