Re­lí­qui­as da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na

Jornal Cultura - - LETRAS - Nor­ber­to Cos­ta

Vá­ri­os tí­tu­los da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, cu­ja pri­mei­ra edi­ção foi efec­tu­a­da, no prin­cí­pio da dé­ca­da de 50 e pri­mei­ra me­ta­de dos anos 60, pe­la Ca­sa dos Es­tu­dan­tes do Im­pé­rio(CEI), em Lis­boa, em Por­tu­gal, no­me­a­da­men­te, “Po­e­mas” de Vi­ri­a­to da Cruz, “A fuga” de Ar­nal­do Santos, “Acá­ci­as Ru­bras” de Cos­ta An­dra­de, “Amor” de Má­rio An­tó­nio”, “A ci­da­de e a in­fân­cia” de Lu­an­di­no Vi­e­ra, no âm­bi­to dos fes­te­jos do 50º ani­ver­sá­rio da CEI a ser ce­le­bra­do no pró­xi­mo ano, com en­cer­ra­men­to das bo­das de ou­ro mar­ca­do pa­ra Maio de 2015.

O tí­tu­lo de es­treia de Lu­an­di­no Vi­ei­ra, con­ta com uma no­ta in­tro­du­tó­ria de Cos­ta An­dra­de, in­ti­tu­la­da “A abrir”, on­de es­cre­ve:

“Des­va­ne­ceu-me o teu con­vi­te, meu Lu­an­di­no Vi­e­ra! Não se con­vi­dam in­di­ví­du­os co­mo eu pa­ra apre­sen­tar al­guém, mui­to me­nos um li­vro. Foi de­cer­to a ami­za­de que te ditou a ati­tu­de e ela mes­ma me im­põe o de­ver de ace­der”, acres­cen­tan­do que “mais for­te se tor­na es­sa im­po­si­ção por­quan­to o teu li­vro é uma men­sa­gem de Amor e Fra­ter­ni­da­de, traz ´pa­la­vras de to­dos os por­tos do mun­do, por­tos de to­do o mun­do´”.

Cos­ta An­dra­de fri­sa que do li­vro “di­rão os crí­ti­cos o que me­lhor não sei di­zer, po­de­rão acu­sar-te de pou­ca se­gu­ran­ça por ve­zes, fal­ta de ma­tu­ri­da­de tal­vez, de vi­res um pou­co atra­sa­do...mas a es­treia se­rá(es­tou cer­to) aus­pi­ci­o­sa!”, re­for­çan­do que “são tão quen­tes as tu­as pa­la­vras. São ho­ras que vi­ves­te, pa­la­vras que vêm do mais pro­fun­do de ti sem que as te­nha di­ta­do o so­nho. Ofe­re­ces­te-nos o tes­te­mu­nho de uma épo­ca não mui­to dis­tan­te no tem­po, mas gran­de­men­te afas­ta­da na su­ces­são das ima­gens da nos­sa ci­da­de. Os acon­te­ci­men­tos são mais ve­lo­zes que o tem­po. Não pá­ra o il­me da vi­da.”

Cos­ta An­dra­de re­fe­re ain­da que “não são la­gran­tes já, es­ses pai­néis que ex­pões. Os teus con­tos são do tem­po ´ba­tu­ques de­fron­te da lo­ja do Sil­va Ca­ma­to (...)”, acres­cen­tan­do que “No­vas im­po­si­ções que­bra­ram o rit­mo e a mul­ti­pli­ci­da­de dos “gran­des de­sa ios” de en­tão. Eram ou­tras can­ções de ro­da em noi­tes de lu­ar no mor­ro, co­mo es­cre­veu o po­e­ta(...)ha­via mãos pre­tas e mãos bran­cas se­gu­ran­do o mes­mo chão das In­gom­bo­tas.”

Ele pon­tu­a­li­za que as per­so­na­gens Ri­car­do e Marina “es­tão ago­ra dis­tan­tes”, mui­to em­bo­ra “se­jam ami­gos (ami­go de atre­sa nun­ca dei­xa de ser Ami­go) vi­vem re­a­li­da­des di­fe­ren­tes que os con­du­zem tal­vez ao mes­mo im, mas são tão opos­tas su­as vi­das, su­as fo­mes, seus no­vos co­nhe­ci­dos, seus em­pre­gos, seus bair­ros, seus la­res. Iguais por ve­zes os so­nhos. Iguais de­cer­to as re­cor­da­ções.”

O pre­fa­ci­a­dor in­sis­te con ian­te “a tua men­sa­gem de Amor nin­guém des­trui­rá por­que não há for­ça ca­paz”, ob­ser­van­do an­tes que foi “quan­do ju­rá­mos ´não mais fa­lar da cor` de to­dos os ho­mens.”

Fi­nal­men­te, re­ma­ta que “o teu li­vro, um pou­co de to­dos nós e da ter­ra imen­sa, é de uma épo­ca que as cri­an­ças de ago­ra não vi­vem e mui­tos não en­ten­dem, mas um dia vi­rá”.

Ou­tra men­sa­gem de amor po­de ser cap­ta­da no tí­tu­lo de Má­rio An­tó­nio des­sa co­lec­ção da CEI, po­e­ta de que vos fa­la­re­mos adi­an­te, em obe­di­ên­cia a uma or­dem cro­no­ló­gi­ca na­da des­pi­ci­en­da na pe­ri­o­di­za­ção li­te­rá­ria.

Per is dos au­to­res re­e­di­ta­dos

Vi­ri­a­to da Cruz, o fa­mo­so po­e­ta da ex­pres­são te­lú­ri­ca da an­go­la­ni­da­de, nas­ceu a 19 de Mar­ço de 1928, no Por­to Am­boim. Es­ta re­e­di­ção traz a pú­bli­co os pri­mei­ros po­e­mas da sua la­vra que se lhe co­nhe­cem, á ex­cep­ção de dois que vi­e­ram a pú­bli­co re­cen­te­men­te, no li­vro a si de­di­ca­do, in­ti­tu­la­do “Vi­ri­a­to da Cruz- o ho­mem e a obra”, reu­nin­do en­sai­os ana­lí­ti­cos da sua in­te­res­san­te pro­du­ção poé­ti­ca, per­cur­so li­te­rá­rio e da sua atri­bu­la­da tra­jec­tó­ria po­lí­ti­ca...

Vi­ri­a­to da Cruz par­ti­ci­pou no pri­mei­ro con­gres­so de ar­tis­tas e es­cri­to­res ne­gros , em Pa­ris, em 1956,on­de fez uma co­mu­ni­ca­ção in­ti­tu­la­da... Nes­te mes­mo ano re­di­giu a lá­pis o cé­le­bre ma­ni­fes­to do MPLA, com a sua le­tra miú­da...

É se­cre­tá­rio ge­ral do MPLA no pri­mei­ro co­mi­té-di­rec­tor cri­a­do em Conacry em 1960.

Ou­tro seu com­pa­nhei­ro de ge­ra­ção li­te­rá­ria re­e­di­ta­do +e Má­rio An­tó­nio, com o t+ti­tu­lo amor...

Má­rio An­tó­nio nas­ceu em 1934, em Ma­que­la do Zom­bo, Uí­ge...

José Vi­e­ra Ma­teus da Gra­ça (Lu­an­di­no) nas­ceu em 1936 em Fu­ra­dou­ro, Por­tu­gal. Ce­do veio com os pais pa­ra An­go­la. Vi­veu a in­fân­cia a Lu­an­da, o pa­no de fun­do da sua obra li­te­rá­ria, in­cluin­do a lin­gua­gem co­lo­qui­al dos mus­se­ques que o des­ta­cou co­mo um dos mai­o­res ino­va­do­res da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na e que lhe va­leu a atri­bui­ção do pré­mio da SPE e le­vou ao en­cer­ra­men­to des­ta úl­ti­ma as­so­ci­a­ção e con­se­quen­te­men­te da CEI, em 1965, da­do que au­tor gra­ma­va no Tar­ra­fal uma pe­na mai­or de 10 anos acu­sa­do de sub­ver­são ao es­ta­do co­lo­ni­al, po­si­ci­o­nan­do-se a fa­vor da lu­ta clan­des­ti­na pe­la li­ber­ta­ção de An­go­la.

“Aten­to ob­ser­va­dor do meio so­ci­al on­de vi­veu, bus­ca­ria ne­le os te­mas da sua es­cri­ta. Des­de mui­to jo­vem foi au­tor de vá­ri­os con­tos, no­ve­las e ro­man­ces de te­má­ti­ca lu­an­den­se, a ir­man­do-se co­mo cri­a­dor de um no­vo pa­drão li­te­rá­rio em per­so­na- gens e na lin­gua­gem quo­ti­di­a­na fa­la­da nos mus­se­ques”- lê-se na contracapa.

Tem co­la­bo­ra­ção li­te­rá­ria dis­per­sa em di­ver­sas pu­bli­ca­ções, no­me­a­da­men­te o jor­nal “O Es­tu­dan­te”, “A cul­tu­ra”, no Bo­le­tim Cul­tu­ral do Hu­am­bo, no diá­rio Pro­vín­cia de An­go­la (que an­te­ce­deu o Jor­nal de An­go­la) e na re­vis­ta men­sa­gem da CEI.

Foi vá­ri­as ve­zes pre­mi­a­do pe­la qua­li­da­de da sua obra li­te­rá­ria, des­ta­can­do-se a atri­bui­ção do pré­mio ao con­to “A vi­da Ver­da­dei­ra de Do­min­gos Xa­vi­er, pe­la So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de An­go­la, em 1961. Se­gui­do do pré­mio João Di­as, da CEI, atri­buí­do ao con­to “A ci­da­de e a in­fân­cia”, em 1962. Dois anos de­pois o cé­le­bre li­vro “Lu­a­an­da”, se­gui­do de vá­ri­os pré­mi­os co­mo da as­so­ci­a­ção na­ci­o­na­lis­ta on­de mi­li­tou a Anan­go­la (do kim­bun­du, os ilhos de An­go­la). De­pois da in­de­pen­dên­cia es­te­ve vin­cu­la­do à me­dia e à cul­tu­ra, ten­do si­do di­rec­tor da TPA e do Ins­ti­tu­to de An­go­la­no do Ci­ne­ma. Foi o pri­mei­ro se­cre­tá­rio-ge­ral da UEA, ten­do si­do mem­bro fun­da­dor da pri­mei­ra as­so­ci­a­ção surgida em Lu­an­da de­pois da in­de­pen­dên­cia. Em 2006 re­cu­sou a re­cep­ção do Pré­mio Ca­mões de Li­te­ra­tu­ra, por ale­ga­das ra­zões ín­ti­mas. Vi­ve em Por­tu­gal des­de 1992, de­pois das mu­dan­ças po­lí­ti­cas ope­ra­das em 1991.

Cons­ta en­tre os seus tí­tu­los mais di­vul­ga­dos no país e no es­tran­gei­ro, es­cri­tos mai­o­ri­ta­ri­a­men­te no cár­ce­re, “Vi­das no­vas”, “Ve­lhas es­tó­ri­as”, “No an­ti­ga­men­te na vi­da”, “Ma­ca­dum­ba”, “Nós os do Ma­ku­lus­su”, en­tre ou­tros. Mais re­cen­te­men­te deu à es­tam­pa “O rio e os guer­ri­lhei­ros”, que re­tra­ta a lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, um seu te­ma pri­vi­le­gi­a­do des­de an­ta­nho, de­pois de um lon­go pe­río­do de de­fe­so por ban­da do au­tor, que icou trin­ta anos sem es­cre­ver, ou pe­los me­nos sem pu­bli­car um li­vro.

Já o seu com­pa­nhei­ro de “Ge­ra­ção da cul­tu­ra” ( pos­te­ri­or à “Ge­ra­ção da Men­sa-

Agos­ti­nho Neto

Má­rio Pin­to de An­dra­de

Lu­an­di­no Vi­ei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.