No mo­men­to próprio a es­cri­ta sur­ge do na­da

Jornal Cultura - - LETRAS - Isa­qui­el Co­ri

Au­tor dos mais con­sa­gra­dos da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, José Me­na Abran­tes re­gres­sou à pu­bli­ca­ção com o li­vro de con­tos “Po­ei­ra do Tem­po”, edi­ta­do pe­la Mayam­ba. As es­tó­ri­as re­cu­pe­ram, de mo­do di­fu­so e al­ta­men­te estilizado, a memória das úl­ti­mas dé­ca­das do país, en­car­na­da por per­so­na­gens chei­os de vi­da e que se adap­tam, à sua ma­nei­ra, aos me­an­dros cir­cuns­tan­ci­ais da gu­er­ra ou da paz. O jor­nal Cul­tu­ra en­tre­vis­tou o es­cri­tor e trans­cre­ve a con­ver­sa a se­guir.

Jor­nal Cul­tu­ra - Em ‘A man­cha es­cu­ra’, es­tó­ria que abre o li­vro ‘Po­ei­ra do Tem­po’, há uma pro­po­si­ta­da pres­sa em ‘par­tir pr’á fren­te’. Es­sa es­tó­ria, pe­lo seu des­do­bra­men­to no tem­po e no es­pa­ço, po­de­ria ren­der um ro­man­ce bem nu­tri­do. Con­cor­da com es­sa lei­tu­ra?

José Me­na Abran­tes

- Es­sa foi exac­ta­men­te a opi­nião de quem leu a es­tó­ria an­tes da sua pu­bli­ca­ção: que ela da­ria um ro­man­ce. Até me cha­ma­ram de ‘pre­gui­ço­so’ por não o ter es­cri­to. Acon­te­ce que eu não te­nho nem a vo­ca­ção, nem a dis­ci­pli­na, nem a dis­po­ni­bi­li­da­de de tem­po pa­ra me de­di­car a es­cre­ver um ro­man­ce. Dis­se­ram­me que se me obri­gas­se a es­cre­ver vá­ri­as pá­gi­nas por dia, o ro­man­ce se iria es­cre­ven­do por si... Tal­vez is­so fun­ci­o­ne pa­ra ou­tros au­to­res, mas não é es­sa a mi­nha ma­nei­ra de es­cre­ver. Ou sai qua­se tu­do de rajada ou não há tex­to pa­ra nin­guém. Nun­ca es­tou pre­o­cu­pa­do se vou ou não es­cre- ver, por­que no mo­men­to próprio es­sa ne­ces­si­da­de sur­ge do na­da. Foi as­sim que es­cre­vi as 33 es­tó­ri­as de ‘Ca­mi­nhos des-en­can­ta­dos’ em dois me­ses exac­tos, o mo­nó­lo­go ‘A ór­fã do Rei’ em du­as noi­tes e, tal­vez o meu re­cor­de pes­so­al, a pe­ça ‘Se­quei­ra, Luís Lo­pes ou o Mu­la­to dos Pro­dí­gi­os’, du­ran­te uma úni­ca ses­são de uma con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal no Zim­babwe. ‘A man­cha es­cu­ra’ co­me­çou por ser uma pro­pos­ta de guião, en­co­men­da­do há al­guns anos por um ci­ne­as­ta ami­go. O pro­jec­to não avan­çou e o guião icou guar­da­do na ga­ve­ta. Ao re­lê­lo, dei-me con­ta que po­dia dar mais subs­tân­cia à es­tru­tu­ra exis­ten­te. Foi as­sim que sur­giu o tex­to ac­tu­al. A mi­nha pre­o­cu­pa­ção mai­or não foi a de me de­di­car a gran­des aná­li­ses psi­co­ló­gi­cas ou po­lí­ti­cas, mas ape­nas a de fa­zer vi­a­jar a per­so­na­gem por vá­ri­os mo­men­tos mar­can­tes da história da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XX em An­go­la. Re­co­nhe­ço que de uma for­ma tal­vez de­ma­sia- do rá­pi­da e por is­so pre­fe­ri cha­mar-lhe ‘cró­ni­ca apres­sa­da de uma vi­da des­ven­tu­ra­da’... Co­mo que a des­cul­par-me an­te­ci­pa­da­men­te pe­la ver­ti­gem em que en­vol­vi os pró­pri­os leitores. Um ro­man­ce se­ria se ca­lhar uma can­sei­ra tan­to pa­ra eles co­mo pa­ra mim.

JC - Há um mo­men­to que pa­re­ce se­mi­nal e que se rei­te­ra em ‘A man­cha es­cu­ra’ e em ‘Sin­fo­nia ina­ca­ba­da’, que é a descoberta do mar. A lem­bran­ça des­se mo­men­to da in­fân­cia de­sen­ca­deia ou­tras lem­bran­ças na men­te das per­so­na­gens. A descoberta do mar te­rá si­do es­tru­tu­ran­te na memória do me­ni­no que nas­ceu em Ma­lan­je e ho­je é o es­cri­tor José Me­na Abran­tes?

JMA -

É uma ob­ser­va­ção jus­ta. Pa­ra quem nas­ceu nu­ma pe­que­na ci­da­de do in­te­ri­or, com um ri­a­cho à por­ta, o Capô­pa, a que cha­má­va­mos pom­po­sa­men­te de rio, e ape­sar de já co­nhe­cer as ma­jes­to­sas ca­ta­ra­tas de Ka­lan­du­la,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.