CELAMAR apre­sen­ta OU­TRA OPÇÃO­de ce­râ­mi­ca co­lec­ti­va

Jornal Cultura - - ARTES - José Luís Men­don­ça

“Pre­ten­de­mos re­vi­ta­li­zar es­te do­mí­nio da ar­te, ca­da vez mais es­que­ci­do em An­go­la”, dis­se Marcela Cos­ta, pro­pri­e­tá­ria da ga­le­ria CELAMAR, en­vol­ta na ma­re­sia do iní­cio da Ilha de Lu­an­da, a pro­pó­si­to da ex­po­si­ção co­lec­ti­va OU­TRA OP­ÇÃO, aber­ta ao pú­bli­co no pas­sa­do dia 5 de De­zem­bro.

A ce­râ­mi­ca é a ar­te de tra­ba­lhar com ar­gi­la cri­an­do ob­jec­tos de uti­li­da­de pa­ra a vi­da quo­ti­di­a­na. A ce­râ­mi­ca ar­tís­ti­ca não sen­do uma ar­te des­co­nhe­ci­da, dis­tin­gue-se da ce­râ­mi­ca in­dus­tri­al, pe­la be­le­za ali­a­da à uti­li­da­de prá­ti­ca. Com es­ta ex­po­si­ção, o pú­bli­co te­ve o pri­vi­lé­gio de ter em Lu­an­da ar­tis­tas de­di­ca­dos e que têm da­do o me­lhor de si, “ar­tis­tas ex­pe­ri­en­tes que re­sol­ve­ram apos­tar na pro­mo­ção dos seus tra­ba­lhos e no de­sen­vol­vi­men­to de to­das as for­mas de ar­tes plás­ti­cas, pas­san­do o tes­te­mu­nho aos mais no- vos que se­rão o pul­mão e o re­nas­cer de to­das as es­pe­ran­ças pe­ran­te os de­sa ios do ama­nhã”, lê-se no pan le­to mu­ral des­cri­ti­vo.

São 9 ce­ra­mis­tas, Eric, Ke­to, Varela, Ka­vu­nu­a­ku, Or­lan­do Lo­pes, Co­que­não, Nkon­go, Ci­ri­lo e Chad, cu­jo al­vo é tra­ba­lhar “pa­ra cons­truir uma história, cri­ar uma he­ran­ça de que a fu­tu­ra se ge­ra­ção se or­gu­lha­rá”.

Os ar­tis­tas que a Ga­le­ria CELAMAR apre­sen­ta em OU­TRA OP­ÇÃO, pos­su­em atrás de si uma car­rei­ra in­ter­na­ci­o­nal mar­ca­da pe­la vi­vên­cia e so­bre­tu­do pe­los ata­lhos que con­du­zi­ram ao en­ten­di­men­to en­tre o de­se­nho e a ar­gi­la.

Hen­ri­que Ngun­du (Eric) con iden­ci­ou à re­por­ta­gem do jor­nal Cul­tu­ra que, des­de mui­to ce­do, já na es­co­la pri­má­ria gos­ta­va mui­to de de­se­nhar, e mes­mo em ca­sa, o que mais gos­ta­va de fa­zer era tra­çar for­mas e pin­tá-las. O seu pai des­co­briu es­sa veia ar­tís­ti­ca e ma­tri­cu­lou-o nu­ma es­co­la de be­las ar­tes. Foi nes­ta es­co­la que apren­deu a tra­ba­lhar a ar­gi­la, a en­for­ná-la e fa­zer sair do for­no pe­ças sublimes, co­mo as que ali na CELAMAR nos deu gos­to ver.

Do con­jun­to das 72 pe­ças ex­pos­tas, des­ta­cam-se os can­de­ei­ros com luz ín­ti­ma, os va­sos es­ti­li­za­dos e as más­ca­ras cro­ma­das. Um par des­tes va­sos altos foi te­ci­do com tan­ta per­fei­ção e mi­nú­cia que pa­re­ce te­ci­do com pe­da­ços de ve­ge­tais. Mas tam­bém se exi­bi­ram pe­que­nos po­tes e va­sos de­co­ra­ti­vos e qua­dros de pe­da­ços de ar­gi­la, com mo­ti­vos afri­ca­nos. Des­tes úl­ti­mos, o qua­dro que re­pre­sen­ta dois to­ca­do­res ten­do por pa­no de fun­do a baía de Lu­an­da, com a abo­ba­da do BNA a so­bres­sair é uma ex­ce­len­te har­mo­ni­za­ção do so­nho com a ma­triz eco­nó­mi­ca do mun­do em que vi­ve­mos. Pe­que­nos ele­men­tos de­co­ra­ti­vos, co­mo peixes, aves, ca­ne­cas e bus­tos, de um cro­mo metalizado po­dem ri­va­li­zar com a me­lhor ar­te im­por­ta­da, o que pres­su­põe um me­lhor apro­vei­ta­men­to des­tas mãos má­gi­cas pro­jec­tan­do uma di­nâ­mi­ca de de­sen­vol­vi­men­to ar­tís­ti­co que ul­tra­pas­se o me­ro mo­men­to da ex­po­si­ção.

Marcela Cos­ta es­can­ca­rou-nos as por­tas da sua ofi­ci­na de ce­râ­mi­ca, nas tra­sei­ras da ga­le­ria. Ali, pu­de­mos cons­ta­tar co­mo se mol­da a ar­gi­la acu­mu­la­da em três tan­ques de ci­men­to, a ro­da de mol­dar, as pe­ças de cor­te e mo­de­la­gem e os dois for­nos con­se­gui­dos já há al­guns anos. Trabalho de pa­ci­ên­cia e de amor à Ar­te, que per­mi­te ti­rar ou­ro ra­ro do bar­ro. Pro­ces­so alquí­mi­co que nas­ce do dom das mãos e se so­li­di­fi­ca na pu­ri­fi­ca­ção da co­ze­du­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.