Son os en­go­li­dos a san­gue rio

Jornal Cultura - - BARRA DO KWANZA| -

dis­tan­ci­a­mo-nos de­le e do car­ro, uma atrás da ou­tra, a Van­da vi­nha pró­xi­ma de mim, um pou­ca per­to do car­ro. Sem nos dar­mos con­ta, dois ou­tros se­nho­res, apa­re­ce­ram do na­da, ves­ti­dos da mes­ma for­ma, um foi di­rec­to pa­ra mim ou­tro pa­ra a Van­da. Não sei co­mo, mas na pe­que­na ten­ta­ti­va, es­ca­pei, a que não acon­te­ceu com a mi­nha ami­ga.– Dis­se Ca­ró, ami­ga e co­le­ga mais ín­ti­ma da Van­da nas vés­pe­ras do su­ce­di­do.

Há três anos que nos lem­bra­mos des­sas pa­la­vras, pas­sa­ram na tv, o bair­ro to­do re­vol­tou-se, mo­veu ma­res e mon­ta­nhas, mas não lo­grou o in­ten­to, pas­sa­ram três anos que o bair­ro per­deu gra­ça, fa­mí­lia per­deu es­pe­ran­ça, a mãe, coi­ta­da da Do­na Fi­lo, vi­ve de­li­ran­do, ro­gan­do pra­gas e pa­la­vrões pa­ra qual­quer um, con­de­nan­do Deus, re­pe­ti­do, co­mo úni­ca for­ma de vi­ver, a per­gun­ta “Porquê?” O pai, es­se, que lhe de­di­ca­va to­do o amor, per­deu a mo­ti­va­ção da vi­da, no ano se­guin­te, jus­to no dia do ani­ver­sá­rio da ilha, apa­nhou um en­far­to que o le­vou a um co­ma pro­fun­do. Pro­fun­do é pa­la­vra cer­ta de co­mo o bair­ro sen­tiu o rap­to da Van­da.

Três anos de­pois, uma carta, na ver­da­de um bi­lhe­ti­nho, – só um bi­lhe­ti­nho pa­ra tan­ta dor da fa­mí­lia,que pas­so a ci­tar:

“Ma­mã e pa­pá, ma­nos e ma­nas, – meus qu­e­ri­dos!

Vo­cês, mais do que eu, sa­bem que fui e con­ti­nuo a ser­ví­ti­ma de vá­ri­os cri­mes: rap­to, se­ques­tro, trá ico, e… pa­ra pou­par os vos­sos co­ra­ções que já es­tão can­sa­dos de so­frer não di­rei.

Ma­mã e pa­pá, ma­nos e ma­nas, – meus qu­e­ri­dos!

Es­cre­vo pa­ra vo­cês com uma cer­ta emo­ção, o meu ros­to pa­re­ce fon­te de uma nas­cen­te. Pen­so que es­tou a vi­ver na Áfri­ca do Sul, pois os ho­mens só­fa­lam in­glês, e ou­tras lín­guas im­per­cep­tí­veis pa­ra mim. Ju­ro que te­nho mais sau­da­des de vol­tar do que vi­ver. Es­pe­ro que is­so um dia acon­te­ça, es­pe­ro. Es­pe­ro a vos­sa co­la­bo­ra­ção, des­de que vim pa­ra aqui, vi­vo num mo­tel cha­ma­do ClubNigth. Po­de­ria alon­gar a carta, te­mo que al­guém me en­con­tre e… nem que­ro que vo­cês ima­gi­nem a pu­ni­ção. Até um dia! Van­da dum lu­gar in­cer­to, tal­vez na Áfri­ca do Sul.” (Fim da ci­ta­ção). – Te­mos que fa­zer jus­ti­ça, – dis­se um dos ti­os pró­xi­mos.

Jus­ti­ça sim!, to­dos eles que­rem, mas não sa­bem on­de co­me­çar,pois não sa­bem quem trou­xe a carta, foi en­con­tra­da na por­ta da ca­sa.

Quem me de­ra… Oxa­lá que fos­se eu… Meu Deus…Co­mo cães de rai­va, os ho­mens da zo­na, to­dos eles, agas­ta­dos que­rem fa­zer jus­ti­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.