DE VOL­TA A AN­GO­LA NAS PA AVRAS UE E A ME EN­SI­NOU A ES­CRE­VER

Jornal Cultura - - Navegações - Sér­gio O. Sá

Otem­po pas­sou. Dois anos e pou­co de co­mis­são for­ça­da­men­te cum­pri­da. Era­che­ga­da a ho­ra de re­gres­sar à me­tró­po­le. E na ma­nhã­zi­nha de 14 de Ja­nei­ro de 1968, o Vera Cruz, que dois anos an­tes me ti­nha le­va­do até An­go­la, le­van­tou fer­ro, fei­to fa­ve­la lu­tu­an­te, dei­xan­do o por­to de Lu­an­da, se­re­na­men­te, co­mo que pa­ra me dei­xar ma­tar as sau­da­des que já sen­tia da Gen­te e da Ter­ra que me ti­ve­ram, e da sua ca­pi­tal que, sob ame­na ne­bli­na, es­ta­va mais bo­ni­ta do que nun­ca. Mas que po­de­ria eu fa­zer, se­não acei­tar a re­a­li­da­de que eu próprio não me atre­ve­ra a al­te­rar?!

No conv­vés, on­de já qua­se nin­guém per­ma­ne­cia – si­nal de que qua­se to­do o con­tin­gen­te a bor­do, de cer­ca de 2500 al­mas, es­ta­va an­si­o­so por vi­rar de ini­ti­va­men­te as cos­tas à vi­da a que se su­jei­ta­ra du­ran­te tan­to tem­po – me dei­xei icar, en­vol­to nu­ma ines­pe­ra­da nos­tal­gia, e co­me­cei a pen­sar.

A pen­sar no que me fo­ra da­do apre­en­der du­ran­te o tem­po em que An­go­la me ti­ve­ra, no que eu mes­mo so­fre­ra e no que so­fre­ram ou­tros, no que vi­ra e ou­vi­ra e no que apren­de­ra com tu­do o que à mi­nha vol­ta acon­te­ce­ra.

E lem­brei- me das Gen­tes ne­gras re­cru­ta­das nas re­giões de on­de eram na­ti­vas pa­ra tra­ba­lha­rem fo­ra de­las, in­clu­si­ve nas zo­nas de gu­er­ri­lha, su­jei­tan­do- se a ser por ela con­si­de­ra­das ini­mi­gas.

E lem­brei-me des­sas Gen­tes que se sen­ti­am de­sin­te­gra­das, on­de o úni­co meio de co­mu­ni­ca­ção com as tro­pas e fa­zen­dei­ros eraa lín­gua por­tu­gue­sa, mal fa­la­da, co­mo con­vi­nha ao próprio re­gi­me e a quem as ex­plo­ra­va, de­vol­ven­do-as às su­as ter­ras, no inal dos con­tra­tos, com uns sa­cos de fu­ba, uns tra­pos es­tam­pa­dos pa­ra as mu­lhe­res e “dez reis de mel co­a­do” pa­ra os ho­mens.

E lem­brei-me dos apro­vei­ta­men­tos ob­ti­dos pe­las tro­pas do exér­ci­to por­tu­guês, re­la­ti­va­men­te a ele­men­tos ne­gros, ao con­vo­cá-los pa­ra fa­ze­rem de gui­as, tor­nan­do-os trai­do­res em re­la­ção aos seus con­ci­da­dãos guer­ri­lhei­ros.

E lem­brei-me das con­di­ções em que vi­vi­am as po­pu­la­ções afas­ta­das das ci­da­des e vi­las. To­tal­men­te aban­do­na­das à sua sor­te, sem as­sis­tên­cia na do­en­ça, sem es­co­las, sem co­mu­ni­ca­ções, sem na­da que se re­la­ci­o­nas­se com a ci­vi­li­za­ção, ape­sar de Por­tu­gal, o país co­lo­ni­za­dor, se di­zer uma na­ção ci­vi­li­za­da. E lem­brei-me dos ope­rá­ri­os ne­gros, qua­li ica­dos ou não, que au­fe­ri­am sa­lá­ri­os mui­to in­fe­ri­o­res aos dos seus co­le­gas eu­ro­peus que, a seu la­do, não fa­zi­am mais do que eles.

E lem­brei-me de ter vis­to gen­te bran­ca a co­mer­ci­ar la­tas de pro­du­tos de con­ser­va, va­zi­as e re­cu­pe­ra­das pa­ra o efei­to, co­mo se de fai­an­ça se tra­tas­se, pa­ra Gen­te ne­gra uti­li­zar co­mo loi­ça de co­zi­nha.

E lem­brei-me das con­tri­bui­ções em es­pé­cie que a Gen­te da san­za­la de Ma­le­le – cer­ta­men­te co­mo to­das as que ar­ran­ca­vam da sua pró­pria Ter­ra, em qual­quer im-do-mun­do an­go­la­no, o ma­gro sus­ten­to com que so­bre­vi­vi­as – era obri­ga­da a pa­gar ao Es­ta­do.

E lem­brei- me das la­vras que ali­men­ta­vam a Gen­te da gu­er­ri­lha e que a tro­pa des­truía, co­mo for­ma de a obri­gar a uma es­pé­cie de no­ma­dis­mo for­ça­do.

E lem­brei- me das pa­la­vras do ca­mi­o­nis­ta du­ran­te uma lon­ga e so­li­tá­ria vi­a­gem pe­la es­tra­da do Ca­xi­to – Uí­ge, ao fa­zer- me sen­tir que se­guia com mais se­gu­ran­ça a seu la­do do que in­te­gra­do nu­ma co­lu­na mi­li­tar, re­cor­dan­do tam­bém a pos­te­ri­or di­ca, cap­ta­da em Lu­an­da, re­la­ti­va­men­te a uma ou ou­tra sa­ca de sal ou de ce­re­al dei­xa­das cair dos ca­miões na lon­ju­ra das es­tra­das do Nor­te.

E lem­brei- me dos que ti­nham si­do mor­tos, em Lu­an­da, no Na­tal de 1966, pe­las for­ças do re­gi­me. Cen­te­nas, se­gun­do as in­for­ma­ções que me che­ga­ram, na al­tu­ra, por cor­res­pon­dên­cia epis­to­lar.

E su­pus que se per­ma­ne­ces­se nes­sa Ter­ra po­de­ria vir a ter mui­tos mais mo­ti­vos de que me lem­brar pa­ra so­bre eles me­di­tar. E su­pus ain­da que se em An­go­la icas­se po­de­ria não re­sis­tir à ten­ta­ção, à ne­ces­si­da­de e ao de­ver de me ma­ni­fes­tar con­tra tal es­ta­do de coi­sas, e aca­bar por so­frer as pre­su­mí­veis con­sequên­ci­as.

E sen­ti re­ceio, um re­ceio que pa­re­cia jus­ti icar a mi­nha de­ci­são de re­gres­sar a Por­tu­gal. E jul­guei-me, nes­se mo­men­to, um co­bar­de por sen­tir es­se re­ceio e por me aco­mo­dar pe­ran­te a cons­ci­ên­cia que ia ten­do so­bre o que me fo­ra da­do ob­ser­var. Mas, que po­de­ria eu fa­zer?!

Via Lu­an­da já de lon­ge quan­do de­ci­di des­cer ao cu­bí­cu­lo que me ti­nham re­ser­va­do. Dei­tei-me e ten­tei ador­me­cer, mas mer­gu­lhei nu­ma es­pé­cie de an­gús­tia exis­ten­ci­al de que ha­ve­ri­am de icar resquí­ci­os pa­ra sem­pre.

__________

Nun­ca mais es­que­ci os Po­vos de An­go­la, com os quais me iden­ti ico. E três anos de­pois do meu re­gres­so a Por­tu­gal, ela­bo­rei o po­e­ma que a se­guir trans­cre­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.