DESCOBERTA A MAIS AN­TI­GA IGRE­JA DA ÁFRI­CA SUB­SA­A­RI­A­NA

Em Ci­da­de Ve­lha, Cabo Verde

Jornal Cultura - - Primeira Página - NUNO RE­BO­CHO, EM CABO VERDE

Es­ca­va­ções ar­que­o­ló­gi­cas efec­tu­a­das em No­vem­bro de 2014 por uma equi­pa téc­ni­ca da bri­tâ­ni­ca Uni­ver­si­da­de de Cam­brid­ge, li­de­ra­da por Chis­topher Evans (a pe­di­do do Pre­si­den­te de Câmara Mu­ni­ci­pal da Ri­bei­ra Gran­de de San­ti­a­go, Ma­nu­el de Pi­na) pu­se­ram a des­co­ber­to, em Ci­da­de Ve­lha, os res­tos da mais an­ti­ga igre­ja ca­tó­li­ca da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na – a igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra da Con­cei­ção, nas­ci­da da an­ti­ga ca­pe­la do Es­pí­ri­to San­to. Da­ta dos ins do séc. XVI e foi cons­truí­da pe­los por­tu­gue­ses na que é ho­je o úni­co Pa­tri­mó­nio Mun­di­al re­co­nhe­ci­do pe­la UNESCO em Cabo Verde.

Eram co­nhe­ci­dos os ves­tí­gi­os des­ta re­lí­quia, su­pon­do- se que de­bai­xo de ter­ra se es­con­di­am pre­ci­o­si­da­des. Os ca­nhe­nhos his­tó­ri­cos fa­zi­am- lhe re­fe­rên­cia mas ge­ral­men­te era apon­ta­da a Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra do Rosá­rio do Ho­mens Pre­tos co­mo mais an­ti­go tem­plo ca­tó­li­co exis­ten­te nes­ta par­te do con­ti­nen­te afri­ca­no, co­ber­to de mi­tos que a ru­de­za dos do- cu­men­tos re­le­ga pa­ra as fa­lá­ci­as sem qual­quer fun­da­men­to –é o ca­so de te ter si­do obra da Ir­man­da­de dos Ho­mens Pre­tos, fa­zen­do- se, com is­so, tá­bua- ra­sa de que a Ir­man­da­de foi mui­to pos­te­ri­or à cons­tru­ção des­sa Igre­ja, co­mo o ates­ta do­cu­men­ta­ção ecle­siás­ti­ca co­lec­ta­da em Por­tu­gal.

Tú­mu­los, res­tos de azu­le­jos e de fai­an­ças, além de ob­jec­tos di­ver­sos, fo­ram acha­dos nes­tas es­ca­va­ções que se­rão con­ti­nu­a­das no pró­xi­mo ano, pro­va­vel­men­te jun­to dos ba­lu­ar­tes ili­pi­nos da li­nha de de­fe­sa da For­ta­le­za Re­al de São Fi­li­pe. Iniciadas em 2006, já per­mi­ti­ram lo­ca­li­zar os res­tos do al­mo­xa­ri­fa­do de Ri­bei­ra Gran­de (do séc. XVII), que foi ar­ra­sa­do por uma de­vas­ta­do­ra in­ves­ti­da de Fran­cis Dra­ke, e o an­ti­go cais des­te im­por­tan­te en­tre­pos­to de es­cra­vos. Am­bos si­tu­a­dos ac­tu­al­men­te em ar­té­ri­as com mui­to trân­si­to, só ago­ra é pos­sí­vel cri­ar con­di­ções pa­ra o des­vi­ar, per­mi­tin­do que se­jam co­lo­ca­dos em vi­si­bi­li­da­de pú­bli­ca.

Com es­te es­pó­lio ago­ra tra­zi­do à luz do dia, sur­gem con­di­ções pa­ra os es­tu- di­o­sos ana­li­sa­rem em por­me­nor os as­pec­tos fun­da­men­tais da azu­le­ja­ria por­tu­gue­sa em Áfri­ca nos sécs. XV e XVI e co­me­ça­rem a pre­ci­sar com mai­or ri­gor a história da an­ti­ga ci­da­de de Ri­bei­ra Gran­de. Uma das in­ter­ro­ga­ções a que se­rá ne­ces­sá­rio dar res­pos­ta é a ques­tão de se apu­rar se foi a ca­pe­la do Es­pí­ri­to San­to ( cu­jos res­tos fo­ram pos­tos a des­co­ber­to) que an­te­ce­deu a cons­tru­ção da Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra da Con­cei­ção ou se es­ta ca­pe­la é ape­nas uma dependência do que te­ria si­do o pri­mei­ro tem­plo sub­sa­a­ri­a­no.

De­vi­do ao ár­duo trabalho de in­ves­ti­ga­do­res, é a an­tiquís­si­ma ci­da­de que res­sur­ge dos es­com­bros e da qual já es­tão a des­co­ber­to al­guns mo­nu­men­tos, de­sig­na­da­men­te a Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra do Rosá­rio (séc. XVI), o Pe­lou­ri­nho (séc. XVII), o Con­ven­to de S. Fran­cis­co, os res­tos da Igre­ja da Mi­se­ri­cór­dia (am­bos tam­bém do séc. XVII, tal co­mo a For­ta­le­za Re­al de São Fi­li­pe) e a Sé Ca­te­dral (do séc. XVIII).

Exis­ti­ram pro­jec­tos do ar­qui­tec­to Si- za Vi­ei­ra pa­ra re­cu­pe­rar es­te ma­jes­to­so tem­plo, cu­ja vi­si­bi­li­da­de des­de o oce­a­no era as­si­na­lá­vel. To­da­via, a cri­se eco­nó­mi­ca fez ab­di­car des­ses in­ten­tos, o mes­mo acon­te­cen­do dos de­se­jos de pre­ser­var os ves­tí­gi­os do an­ti­go Pa­ço Epis­co­pal que cri­mi­no­so e im­per­doá­vel van­da­lis­mo de um am­bi­ci­o­so, sem es­crú­pu­los de qual­quer es­pé­cie, lan­çou ao mar pa­ra cons­truir uma dis­co­te­ca clan­des­ti­na: há ac­tos que nem uma pe­sa­da pe­na de ca­deia con­se­gue re­pa­rar.

A an­ti­ga Ri­bei­ra Gran­de (ac­tu­al Ci­da­de Ve­lha, Pa­tri­mó­nio da Hu­ma­ni­da­de e Ca­pi­tal Cabo-ver­di­a­na da Cul­tu­ra 2015 - on­de se cru­za­ram os mais pres­ti­gi­a­dos na­ve­ga­do­res e con­quis­ta­do­res da ges­ta dos sécs. XVI e XVII (co­mo Vas­co da Ga­ma, Cris­tó­vão Co­lom­bo, Amé­ri­co Ves­pú­cio, Se­bas­ti­an de El Ca­no, Fran­cis Dra­ke) – re­ga­nha re­nas­ci­do es­plen­dor, gra­ças ao em­pe­nho de uns quan­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.