O ver­da­dei­ro Karl Marx

(The New York Re­vi­ew of Bo­oks. Re­se­nha do li­vro “Karl Marx: Uma vi­da do Sé­cu­lo XIX”, de Jo­nathan Sper­ber Li­ve­right)

Jornal Cultura - - Primeira Página - JOHN GRAY

De mui­tas for­mas, Jo­nathan Sper­ber su­ge­re, Marx era um in­di­ví­duo an­ti­qua­do, cu­ja vi­são do fu­tu­ro foi mol­da­da em con­di­ções com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes de qual­quer uma que pre­va­le­ça ac­tu­al­men­te:

A ima­gem de Marx co­mo um con­tem­po­râ­neo cu­jas idei­as es­tão a mol­dar o mun­do mo­der­no aca­bou. Che­gou a ho­ra de en­ten­dê-lo co­mo uma igu­ra de um pas­sa­do his­tó­ri­co, ca­da vez mais dis­tan­te do nos­so tem­po: a épo­ca da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa, da ilo­so ia de He­gel, dos pri­mei­ros anos da Re­vo­lu­ção in­dus­tri­al e da eco­no­mia po­lí­ti­ca que de­la ema­nou.

O ob­jec­ti­vo de Sper­ber é apre­sen­tar Marx co­mo ele era – um pen­sa­dor do sé­cu­lo XIX com­pro­me­ti­do com as idei­as e acon­te­ci­men­tos do seu tem­po. Se Marx for vis­to des­ta for­ma, mui­tas das dis­pu­tas que sur­gi­ram no sé­cu­lo pas­sa­do à vol­ta do seu le­ga­do vão pa­re­cer inú­teis e ir­re­le­van­tes. A ir­mar que Marx foi de al­gu­ma for­ma “in­te­lec­tu­al­men­te res­pon­sá­vel” pe­lo comunismo do sé­cu­lo XX vai pa­re­cer um equí­vo­co, tal co­mo apre­sen­tar Marx co­mo um de­mo­cra­ta ra­di­cal, já que am­bas as teorias “pro­jec­tam no sé­cu­lo XIX con­tro­vér­si­as pos­te­ri­o­res.”

Cer­ta­men­te Marx en­ten­deu os prin- ci­pais tra­ços do ca­pi­ta­lis­mo, mas do “ca­pi­ta­lis­mo que exis­tiu nas pri­mei­ras dé­ca­das do sé­cu­lo XIX,” não do ca­pi­ta­lis­mo mui­to di­fe­ren­te que exis­te no prin­cí­pio do sé­cu­lo XXI. Quan­do Marx pers­pec­ti­va a no­va so­ci­e­da­de hu­ma­na que iria sur­gir após o co­lap­so do ca­pi­ta­lis­mo, não ti­nha uma con­cep­ção es­pe­cí ica de co­mo se­ria es­sa so­ci­e­da­de. Pro­cu­rar ne­le uma vi­são do nos­so fu­tu­ro, é, pa­ra Sper­ber, tão er­ra­do quan­to cul­pá-lo pe­lo nos­so pas­sa­do.

Usan­do co­mo fon­tes prin­ci­pais a no­va edi­ção de tex­tos de Marx e En­gels, co­nhe­ci­das pe­lo seu acró­ni­mo ale­mão ME­GA, Sper­ber cons­trói uma ima­gem da po­lí­ti­ca de Marx que é elu­ci­da­ti­va­men­te di­fe­ren­te da pre­ser­va­da pe­los re­la­tos pa­drão. As po­si­ções adop­ta­das por Marx ra­ra­men­te são di­ta­das por com­pro­mis­sos teó­ri­cos pré-exis­ten­tes re­la­ti­vos ao ca­pi­ta­lis­mo e ao comunismo. Fre­quen­te­men­te elas re lec­tem as su­as ati­tu­des em re­la­ção aos go­ver­nos eu­ro­peus e aos seus con li­tos, e às in­tri­gas e ri­va­li­da­des em que ele es­te­ve pre­sen­te co­mo ac­ti­vis­ta po­lí­ti­co.

Por ve­zes, a hos­ti­li­da­de de Marx aos re­gi­mes re­ac­ci­o­ná­ri­os eu­ro­peus le­vou-o a ex­tre­mos bi­zar­ros. Co­mo opo­nen­te ar­den­te da au­to­cra­cia rus­sa que li­de­rou a cam­pa­nha por uma gu­er­ra re­vo­lu­ci­o­ná­ria con­tra a Rús­sia em 1848-1849, icou cons­ter­na­do com a in­de­ci­são bri­tâ­ni­ca pe­ran­te a Gu­er­ra da Cri­meia. Marx de­nun­ci­ou a opo­si­ção à Gu­er­ra por par­te de bri­tâ­ni­cos ra­di­cais pro­e­mi­nen­tes, a ir­mou su­ces­si­va­men­te que a po­lí­ti­ca ex­ter­na va­ci­lan­te do Rei­no Uni­do se de­via ao fac­to de o Pri­mei­ro-mi­nis­tro, Lord Pal­mers­ton, ser um agen­te pa­go do Czar rus­so, um dos mui­tos trai­do­res que ocu­pa­vam po­si­ções de po­der no Rei­no Uni­do há mais de um sé­cu­lo – uma acu­sa­ção que rei­te­rou du­ran­te mui­tos anos em ar­ti­gos jor­na­lís­ti­cos reim­pres­sos pe­la sua ilha Ele­a­nor no li­vro A História da Di­plo­ma­cia Se­cre­ta do Sé­cu­lo XVIII.

Do mes­mo mo­do, a sua lu­ta com o seu ri­val rus­so Mikhail Ba­ku­nin pe­lo con­tro­lo da As­so­ci­a­ção In­ter­na­ci­o­nal dos Tra­ba­lha­do­res (IWMA) re lec­te mais o seu ódio pe­la mo­nar­quia prus­si­a­na e a sus­pei­ção de que Ba­ku­nin se­ria um pan-es­la­vis­ta com li­ga­ções se­cre­tas ao Czar do que a sua hos­ti­li­da­de pa­ra com a anar­quia au­to­ri­tá­ria de Ba­ku­nin. Fo­ram as pai­xões e as ani­mo­si­da­des do sé­cu­lo XIX, mais do que as co­li­ga­ções ide­o­ló­gi­cas tão fa­mi­li­a­res à era da Gu­er­ra Fria, que mol­da­ram a vi­da po­lí­ti­ca de Marx.

COM­PRO­MIS­SOS IDE­O­LÓ­GI­COS

A vi­são sub­til­men­te re­vi­si­o­nis­ta de Sper­ber es­ten­de-se ao que tem si­do con­si­de­ra­do os com­pro­mis­sos ide­o­ló­gi­cos de Marx. Ho­je, co­mo no sé­cu­lo XX, Marx é in­se­pa­rá­vel da ideia do comunismo, mas nem sem­pre es­te­ve com­pro­me­ti­do com ela. Na sua pri­mei­ra pe­ça co­mo edi­tor do Rhi­ne­land News em 1842, Marx le­van­tou uma po­lé­mi­ca acu­ti­lan­te con­tra o jor­nal lí­der na Ale­ma­nha, o Augs­burg Ge­ne­ral News, por pu­bli­car ar­ti­gos ad­vo­gan­do o comunismo. Não ba­se­ou o seu ata­que em ar­gu­men­tos so­bre a im­pra­ti­ca­bi­li­da­de do comunismo, foi a pró­pria ideia de comunismo que foi ata­ca­da. La­men­tan­do que “as nos­sas prós­pe­ras ci­da­des co­mer­ci­ais já não lo­res­çam”, de­cla­rou que a ex­pan­são das idei­as do comunismo po­de­ria “der­ro­tar a nos­sa in­te­li­gên­cia e conquistar os nos­sos sen­ti­men­tos,” um pro­ces­so in­si­di­o­so sem re­mé­dio ób­vio.

Con­tra­ri­a­men­te, su­ge­riu que qual­quer ten­ta­ti­va de im­por o comunismo se­ria fa­cil­men­te tra­va­da pe­la for­ça das ar­mas: “ten­ta­ti­vas prá­ti­cas [de in­tro­du­zir o comunismo], até ten­ta­ti­vas em mas­sa, po­dem ser re­pe­li­das com ca­nhões”. Sper­ber es­cre­ve, “o ho­mem que cin­co anos mais tar­de es­cre­ve­ria o Ma­ni­fes­to Co­mu­nis­ta ad­vo­ga­va o uso de ar­mas pa­ra su­pri­mir uma in­sur­rei­ção de tra­ba­lha­do­res co­mu­nis­tas.”

E is­to não foi uma ano­ma­lia iso­la­da. Num dis­cur­so pa­ra a So­ci­e­da­de De­mo­crá­ti­ca de Co­ló­nia em Agosto de 1848, Marx re­jei­tou a di­ta­du­ra re­vo­lu­ci­o­ná­ria de uma úni­ca clas­se co­mo “non­sen­se” – uma opi­nião tão di­a­me­tral­men­te opos­ta à vi­são que Marx ex­pres­sou ape­nas seis me­ses an­tes no Ma­ni­fes­to Co­mu­nis­ta, que pos­te­ri­or­men­te os edi­to­res mar­xis­tas-le­ni­nis­tas dos seus dis­cur­sos er­ro­ne­a­men­te re­cu­sa­ram acei­tar a sua au­ten­ti­ci­da­de – e mais de vin­te anos de­pois, com a eclo­são da Gu­er­ra Fran­co-Prus­si­a­na, Marx vol­tou a re­cu­sar qual­quer no­ção de uma Co­mu­na de Pa­ris co­mo “non­sen­se”.

Marx, o an­ti-co­mu­nis­ta, é uma igu­ra que nos é es­tra­nha, mas hou­ve sem dú­vi­da mo­men­tos em que ele par­ti­lhou a vi­são dos li­be­rais do seu tem­po e que lhe su­ce­de­ram, se­gun­do a qual o comunismo (as­su­min­do que pu­des­se

ser con­cre­ti­za­do) se­ria pre­ju­di­ci­al ao de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no. Es­te é ape­nas um exem­plo de uma ver­da­de mais am­pla. Ape­sar das su­as pró­pri­as as­pi­ra­ções e dos es­for­ços de ge­ra­ções de dis­cí­pu­los de En­gels em di­an­te, as idei­as de Marx nun­ca for­ma­ram um sis­te­ma uni ica­do. Uma das ra­zões pa­ra tal foi o ca­rác­ter in­co­e­ren­te da vi­da de trabalho de Marx. Em­bo­ra pen­se­mos em Marx co­mo um teó­ri­co abri­ga­do na Biblioteca do Mu­seu Bri­tâ­ni­co, a te­o­ri­za­ção era ape­nas uma das su­as vo­ca­ções e, ra­ra­men­te, a sua ocu­pa­ção prin­ci­pal.

As bus­cas teó­ri­cas de Marx mui­tas ve­zes fo­ram ne­gli­gen­ci­a­das fa­ce a ac­ti­vi­da­des mais de­mo­ra­das: po­lí­ti­ca de emi­gra­ção, jor­na­lis­mo, o IWMA, fu­gir a cre­do­res, e as do­en­ças gra­ves e por ve­zes fa­tais que atin­gi­ram os seus ilhos e a sua mu­lher, e, mais tar­de, o des­po­le­tar da sua do­en­ça de pe­le em 1863. Mui­tas ve­zes os tra­ba­lhos teó­ri­cos de Marx fo­ram in­ter­rom­pi­dos du­ran­te me­ses ou re­le­ga­dos pa­ra as ho­ras mais tar­dias da noi­te. Mas, se as con­di­ções de vi­da de Marx di icil­men­te fo­ram com­pa­tí­veis com a con­ti­nui­da­de do trabalho, es­sen­ci­al à cons­tru­ção de um sis­te­ma, o ecle­tis­mo do seu pen­sa­men­to re­pre­sen­tou o mai­or obs­tá­cu­lo. É lu­gar-co­mum nos mei­os aca­dé­mi­cos o fac­to de que ele apro­vei­tou mui­tas idei­as de vá­ri­as fon­tes. O que Sper­ber acres­cen­tou ao que já se sa­bia so­bre o ecle­tis­mo de Marx foi ter son­da­do o con li­to en­tre a sua ade­são à cren­ça de He­gel de que a história tem in­cor­po­ra­da uma ló­gi­ca con­tí­nua de de­sen­vol­vi­men­to e o com­pro­mis­so com a ciência que Marx ad­qui­riu do mo­vi­men­to po­si­ti­vis­ta.

Ao apon­tar o pa­pel for­ma­ti­vo in­te­lec­tu­al do po­si­ti­vis­mo em me­a­dos do sé­cu­lo XIX, Sper­ber mos­tra-se co­mo um guia cer­tei­ro do mun­do de idei­as em que Marx se mo­ve. Em par­te, sem dú­vi­da, por­que pa­re­ce em al­guns as­pec­tos em­ba­ra­ço­sa­men­te re­ac­ci­o­ná­rio, o po­si­ti­vis­mo foi ne­gli­gen­ci­a­do por his­to­ri­a­do­res in­te­lec­tu­ais. Pro­du­ziu, no en­tan­to, um cor­po de idei­as de enor­me in luên­cia. Ori­gi­na­do pe­lo so­ci­a­lis­ta fran­cês Henri de Saint-Si­mon (1760-1825), mas de­sen­vol­vi­do por Au­gust Com­te (1798-1857), um dos fun­da­do­res da so­ci­o­lo­gia, o po­si­ti­vis­mo pro­mo­veu uma vi­são do fu­tu­ro que per­ma­ne­ce ho­je pe­ne­tran­te e po­de­ro­sa. A ir­man­do que a ciência é o mo­de­lo de qual­quer for­ma ge­nuí­na de co­nhe­ci­men­to, Com­te an­si­a­va por um tem­po on­de as tra­di­ções re­li­gi­o­sas de­sa­pa­re­ces­sem, as clas­ses so­ci­ais do pas­sa­do fos­sem ul­tra­pas­sa­das, e o in­dus­tri­a­lis­mo (um ter­mo cu­nha­do por Saint-Si­mon) re­or­ga­ni­za­do de for­ma ra­ci­o­nal e har­mo­ni­o­sa – uma trans­for­ma­ção que iria ocor­rer nu­ma sé­rie de eta­pas evo­lu­ci­o­ná­ri­as si­mi­la­res às que os ci­en­tis­tas en­con­tra­ram no mun­do na­tu­ral.

VI­SÃO DO PO­SI­TI­VIS­MO

Sper­ber diz-nos que Marx des­cre­via o sis­te­ma ilo­só ico de Com­te co­mo “por­ca­ria po­si­ti­vis­ta”, mas ha­via mui­tos pa­ra­le­lis­mos en­tre a vi­são da so­ci­e­da­de e da história de Marx e a vi­são des­tes po­si­ti­vis­tas:

Ape­sar de to­da a dis­tân­cia que Marx man­te­ve des­sas dou­tri­nas [po­si­ti­vis­tas], a sua pró­pria vi­são de pro­gres­so nas di­fe­ren­tes fa­ses de de­sen­vol­vi­men­to his­tó­ri­co e a di­vi­são da história hu­ma­na em du­as fa­ses dis­tin­tas, uma pri­mei­ra, ir­ra­ci­o­nal, e uma se­gun­da, in­dus­tri­al e ci­en­tí­fi­ca, con­ti­nham ele­men­tos dis­tin­ti­vos do po­si­ti­vis­mo. As­tu­ta­men­te, Sper­ber iden­ti­fi­ca se­me­lhan­ças fun­da­men­tais en­tre a no­ção de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no de Marx e a de Her­bert Spen­cer (18201903), que ( ao con­trá­rio de Darwin) in­ven­tou a ex­pres­são “so­bre­vi­vên­cia do mais for­te” e usou- a pa­ra de­fen­der o ca­pi­ta­lis­mo lais­sez­fai­re. In­flu­en­ci­a­do por Com­te, Spen­cer di­vi­diu a so­ci­e­da­de hu­ma­na em dois ti­pos, “o “mi­li­tan­te” e o “in­dus­tri­al”, com o pri­mei­ro a de­sig­nar to­da a era pré- in­dus­tri­al, pré- ci­en­tí­fi­ca, e o úl­ti­mo a mar­car a no­va épo­ca da história mun­di­al.”

O no­vo mun­do de Spen­cer era uma ver­são ide­a­li­za­da dos pri­mór­di­os do ca­pi­ta­lis­mo victoriano, en­quan­to que o de Marx de­ve­ria em prin­cí­pio sur­gir quan­do o ca­pi­ta­lis­mo fos­se des­tro­na­do, mas os dois pen­sa­do­res es­pe­ra­vam al­can­çar “uma no­va era ci­en­tí ica, fun­da­men­tal­men­te di­fe­ren­te do pas­sa­do da hu­ma­ni­da­de.” Co­mo Sper­ber con­clui: “Ho­je, qual­quer vi­si­tan­te do Ce­mi­té­rio de High­ga­te na zo­na nor­te de Lon­dres po­de ver as se­pul­tu­ras de Karl Marx e Her­bert Spen­cer fren­te a fren­te − o que, ape­sar de to­das as di­fe­ren­ças in­te­lec­tu­ais en­tre os dois ho­mens, não é uma jus­ta­po­si­ção in­tei­ra­men­te ina­pro­pri­a­da.”

Não era ape­nas a vi­são da história co­mo um pro­ces­so evo­lu­ci­o­nis­ta que cul­mi­na­va nu­ma ci­vi­li­za­ção ci­en­tí ica que Marx re­ti­ra­va dos po­si­ti­vis­tas. Ele tam­bém ab­sor­veu al­gu­mas das su­as teorias dos ti­pos ra­ci­ais. O fac­to de Marx le­var es­sas teorias a sé­rio po­de pa­re­cer sur­pre­en­den­te, mas não po­de­mos es­que­cer que mui­tos pen­sa­do­res de des­ta­que do sé­cu­lo XIX – es­pe­ci­al­men­te Her­bert Spen­cer – eram de­vo­tos da fre­no­lo­gia, e os po­si­ti­vis­tas acre­di­ta­vam que, pa­ra ser to­tal­men­te ci­en­tí ico, o pen­sa­men­to so­ci­al de­via ser ba­se­a­do na isi­o­lo­gia.

CRÍTICA DO RA­CIS­MO

Com­te iden­ti icou a ra­ça (jun­ta­men­te com o cli­ma) co­mo um dos de­ter­mi­nan­tes ísi­cos da vi­da so­ci­al, e o En­saio so­bre a De­si­gual­da­de en­tre as Ra­ças Hu­ma­nas (1853-1855), de Arthur de Go­bi­ne­au, um in lu­en­te de­fen­sor das hi­e­rar­qui­as ra­ci­ais ina­tas, foi par­ci­al­men­te ins­pi­ra­do na ilo­so ia de Com­te. Marx re­a­giu ao li­vro de Go­bi­ne­au com des­dém, e não mos­trou ne­nhum si­nal de qual­quer cren­ça na su­pe­ri­o­ri­da­de ra­ci­al no seu re­la­ci­o­na­men­to com o seu gen­ro Paul La­far­gue, que ti­nha as­cen­dên­cia afri­ca­na. (A sua úni­ca ob­jec­ção ao ca­sa­men­to era a de que La­far­gue não ti­nha uma fon­te de ren­di­men­to se­gu­ra.) Mas Marx não era imu­ne aos es­te­reó­ti­pos ra­cis­tas da épo­ca. A sua des­cri­ção do so­ci­a­lis­ta ale­mão de as­cen­dên­cia ju­dia Fer­di­nand Las­sa­le, que Sper­ber des­cre­ve co­mo “um de­sa­ba­fo pou­co fe­liz, até pa­ra os pa­drões do sé­cu­lo XIX,” ilus­tra es­sa in luên­cia:

“É ago­ra to­tal­men­te cla­ro pa­ra mim, que, co­mo com­pro­va­do pe­lo for­ma­to da sua ca­be­ça e o cres­ci­men­to do seu ca­be­lo, ele [Las­sal­le] des­cen­de dos ne­gros que se jun­ta­ram à mar­cha de Moi­sés pa­ra fo­ra do Egip­to (is­to se a sua mãe ou avó do la­do pa­ter­no não aca­sa­la­ram com um negro). Es­ta com­bi­na­ção de Ju­daís­mo e Ger­ma­nis­mo com a subs­tân­cia ba­se da ne­gri­tu­de re­sul­ta num pro­du­to pe­cu­li­ar. A agres­si­vi­da­de des­se ra­paz tam­bém é se­me­lhan­te à dos ne­gros.”

Sper­ber co­men­ta que es­ta pas­sa­gem de­mons­tra “a com­pre­en­são não ra­ci­al que Marx ti­nha dos ju­deus”. A “com­bi­na­ção de ju­daís­mo e ger­ma­nis­mo” que Marx viu em Las­sal­le era “cul­tu­ral e po­lí­ti­ca,” e não bi­o­ló­gi­ca. Co­mo Sper­ber con­ti­nu­ou a de­mons­trar, Marx tam­bém se re­fe­riu aos ti­pos ra­ci­ais su­ge­rin­do que eram fun­da­dos em li­nha­gens bi­o­ló­gi­cas. Elo­gi­an­do o trabalho do et­nó­gra­fo e geó­lo­go fran­cês Pi­er­re Tré­maux (18181895), cu­jo li­vro Ori­gem e Trans­for­ma­ção do Ho­mem e Ou­tros Se­res leu em 1866, Marx enal­te­ceu a te­o­ria de Tré­maux so­bre o pa­pel da ge­o­lo­gia na evo­lu­ção hu­ma­na e ani­mal co­mo sen­do "mui­to mais im­por­tan­te e mui­to mais ri­ca do que Darwin" por pro­pi­ci­ar uma lei­tu­ra de "ba­se na­tu­ral" pa­ra a na­ci­o­na­li­da­de e por mos­trar que “o Negro co­mum é ape­nas a for­ma de­ge­ne­ra­da de um ti­po mui­to su­pe­ri­or.” Com es­sas ob­ser­va­ções, Sper­ber co­men­ta: “Marx pa­re­ce mo­ver-se em di­rec­ção a uma ex­pli­ca­ção bi­o­ló­gi­ca ou ge­o­ló­gi­ca pa­ra as di­fe­ren­ças de na­ci­o­na­li­da­de – em qual­quer ca­so, co­nec­tan­do na­ci­o­na­li­da­de e as­cen­dên­cia, ex­pli­ca­das em ter­mos de ciência na­tu­ral… ou­tro exem­plo da in luên­cia em Marx das idei­as po­si­ti­vis­tas acer­ca da pri­o­ri­da­de in­te­lec­tu­al das ci­ên­ci­as na­tu­rais.”

A ad­mi­ra­ção de Marx por Darwin é bem co­nhe­ci­da. Re­za a len­da que Marx propôs-se de­di­car o li­vro O Ca­pi­tal a Darwin. Sper­ber des­cre­ve es­te fac­to co­mo “um mi­to que foi re­jei­ta­do vá­ri­as ve­zes mas que não pa­re­ce ser er­ra­di­cá­vel,” já que foi Edward Avel­ling, o aman­te de Ele­a­nor, ilha de Marx, quem abor­dou Darwin sem su­ces­so pa­ra lhe pe­dir per­mis­são pa­ra lhe de­di­car um vo­lu­me po­pu­lar que ti­nha es­cri­to so­bre evo­lu­ção. Mas não ha­ja dú­vi­da que Marx ad­mi­ra­va o trabalho de Darwin, con­si­de­ran­do-o (nas pa­la­vras de Sper­ber) co­mo “mais um gol­pe in­te­lec­tu­al des­fe­ri­do a fa­vor do ma­te­ri­a­lis­mo e do ateís­mo.”

Me­nos co­nhe­ci­das são as pro­fun­das di­fe­ren­ças en­tre Marx e Darwin. Se Marx con­si­de­ra­va o trabalho de Tré­maux “uma im­por­tan­te me­lho­ria em re­la­ção a Darwin”, era por­que “o pro­gres­so, que em Darwin era pu­ra­men­te aci­den­tal, é aqui ne­ces­sá­rio com ba­se nos pe­río­dos de de­sen­vol­vi­men­to do cor­po do pla­ne­ta.” Vir­tu­al­men­te qual­quer se­gui­dor de Darwin acre­di­ta­va na al­tu­ra ter ti­do aces­so a uma de­mons­tra­ção ci­en­tí ica do pro­gres­so na na­tu­re­za; mas, ape­sar de o próprio Darwin ter he­si­ta­do al­gu­mas ve­zes nes­se pon­to, tal nun­ca foi a sua vi­são fun­da­men­tal. A te­o­ria da se­lec­ção na­tu­ral de Darwin na­da diz so­bre qual­quer ti­po de me­lho­ria – co­mo Darwin ob­ser­vou, quan­do jul­ga­do pe­lo seu próprio pon­to de vis­ta, as abe­lhas são um aper­fei­ço­a­men­to dos hu­ma­nos –e o fac­to de Marx, ao con­trá­rio da gran­de mai­o­ria da­que­les que pro­mo­ve­ram a ideia da evo­lu­ção, ter en­ten­di­do a au­sên­cia da ideia de pro­gres­so no Dar- wi­nis­mo, dá tes­te­mu­nho da sua in­te­li­gên­cia pe­ne­tran­te. No en­tan­to, tal co­mo os ou­tros, era emo­ci­o­nal­men­te in­ca­paz de en­ten­der o mun­do con­tin­gen­te que Darwin ti­nha des­co­ber­to.

IN­TER­PRE­TA­ÇÃO DA HISTÓRIA

Co­mo o fa­le­ci­do Les­zek Koła­kows­ki cos­tu­ma­va di­zer, “Marx foi um iló­so­fo ale­mão.” A in­ter­pre­ta­ção de Marx da história de­ri­va­va não da ciência mas da no­ção me­ta ísi­ca de He­gel so­bre a evo­lu­ção do es­pí­ri­to (Geist) no mun­do. Pro­cla­man­do a ba­se ma­te­ri­al do rei­no das idei­as, Marx in­ver­teu de for­ma no­tá­vel a ilo­so ia de He­gel; mas, no de­cur­so des­sa in­ver­são, a cren­ça de He­gel de que a História é es­sen­ci­al­men­te um pro­ces­so de evo­lu­ção ra­ci­o­nal re­a­pa­re­ceu em Marx co­mo a con­cep­ção de uma su­ces­são de trans­for­ma­ções re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as pro­gres­si­vas. Es­se pro­ces­so po­de­ria não ser es­tri­ta­men­te ine­vi­tá­vel; o re­gres­so à bar­bá­rie era uma pos­si­bi­li­da­de per­ma­nen­te. Mas o de­sen­vol­vi­men­to to­tal das po­ten­ci­a­li­da­des hu­ma­nas con­ti­nu­a­va a ser pa­ra Marx o des­ti­no inal da História. Marx e tan­tos ou­tros pre­ten­di­am que a te­o­ria da evo­lu­ção apoi­as­se a sua cren­ça no pro­gres­so pa­ra um mun­do me­lhor, mas o fei­to de Darwin con­sis­tiu em mos­trar co­mo a evo­lu­ção ope­ra­va sem re­fe­rên­cia a qual­quer di­rec­ção ou es­ta­do inal. Re­cu­san­do acei­tar a descoberta de Darwin, Marx vi­rou-se pa­ra as teorias re­bus­ca­das de Tré­maux, ho­je me­re­ci­da­men­te es­que­ci­das.

Si­tu­an­do Marx in­tei­ra­men­te sé­cu­lo XIX pe­la pri­mei­ra vez, é pro­vá­vel que a no­va vi­da que Sper­ber lhe atri­bui se­ja de ini­ti­va por mui­tos anos ain­da. Es­cri­to nu­ma pro­sa lú­ci­da e gra­ci­o­sa, o li­vro es­tá cheio de por­me­no­res biográ icos e de vi­nhe­tas me­mo­rá­veis, en­tre­la­ça­dos com mes­tria com um re­tra­to con­vin­cen­te da Eu­ro­pa do sé­cu­lo XIX e co­men­tá­ri­os elu­ci­da­ti­vos so­bre as idei­as de Marx. As re­la­ções de Marx com os pais e a sua he­ran­ça ju­dai­ca, a sua vi­da de es­tu­dan­te, os se­te anos de na­mo­ro e o ca­sa­men­to com a ilha de um fun­ci­o­ná­rio do go­ver­no da Prús­sia não mui­to bem-su­ce­di­do, e a lon­ga vi­da de po­bre­za aris­to­crá­ti­ca e de de­sor­dem boé­mia que se lhe se­gui­ram são re­tra­ta­dos vi­vi­da­men­te.

Sper­ber des­cre­ve as vá­ri­as car­rei­ras de Marx — nas quais, co­mo co­men­ta, Marx te­ve mais su­ces­so co­mo um jor­na­lis­ta ra­di­cal que fun­dou um jor­nal do que a or­ga­ni­zar a clas­se ope­rá­ria — e ana­li­sa cui­da­do­sa­men­te as mu­dan­ças nas su­as ati­tu­des in­te­lec­tu­ais e po­lí­ti­cas. É ine­gá­vel que Sper­ber con­se­gue apre­sen­tar Marx co­mo uma igu­ra com­ple­xa e mu­tá­vel imer­sa num mun­do mui­to dis­tan­te do nos­so. Mas tal sig­ni icar que o pen­sa­men­to de Marx é de to­do ir­re­le­van­te pa­ra os con li­tos e con­tro­vér­si­as do sé­cu­lo XX e do sé­cu­lo XXI é ou­tra ques­tão.

A a ir­ma­ção de que as idei­as de Marx ti­ve­ram a sua quo­ta de res­pon­sa­bi­li­da­de nos cri­mes do comunismo e a cren­ça de que Marx cap­tou as­pec­tos do ca­pi­ta­lis­mo que con­ti­nu­am a ser im­por­tan­tes nos di­as de ho­je não po­dem ser pos­tas de la­do tão fa­cil­men­te co­mo Sper­ber de­se­ja­ria. Marx po­de nun­ca ter pre­vis­to na­da pa­re­ci­do com o es­ta­do to­ta­li­tá­rio que foi cri­a­do na União So­vié­ti­ca — de fac­to, um es­ta­do des­se ti­po po­de ter si­do pa­ra ele li­te­ral­men­te in­con­ce­bí­vel. No en­tan­to, o re­gi­me que emer­giu na Rús­sia So­vié­ti­ca foi re­sul­ta­do do de­se­jo de dar vi­da a uma vi­são mar­xis­ta re­co­nhe­cí­vel. Marx não se ate­ve a uma vi­são úni­ca da no­va so­ci­e­da­de que es­pe­ra­va vi­es­se a emer­gir das ruí­nas do ca­pi­ta­lis­mo. Co­mo Sper­ber ob­ser­va, “Nu­ma fa­se mais avan­ça­da da sua vi­da, Marx subs­ti­tuiu a vi­são utó­pi­ca da abo­li­ção to­tal do trabalho ali­e­na­do e di­vi­di­do por ou­tra, a de uma hu­ma­ni­da­de de­vo­ta­da ao la­bor ar­tís­ti­co e aca­dé­mi­co.” No en­tan­to, Marx acre­di­ta­va ir­me­men­te que um mun­do di­fe­ren­te e in­com­pa­ra­vel­men­te me­lhor po­de­ria emer­gir da des­trui­ção do ca­pi­ta­lis­mo, e ba­se­a­va es­sa cren­ça nu­ma mis­tu­ra in­co­e­ren­te de ilo­so ia ide­a­lis­ta, es­pe­cu­la­ção evo­lu­ci­o­ná­ria du­vi­do­sa, e vi­são po­si­ti­vis­ta da História.

Lenine se­guiu as pe­ga­das de Marx ao ela­bo­rar uma no­va ver­são des­te cre­do. Não há mo­ti­vo pa­ra ne­gar a a ir­ma­ção, avan­ça­da por Koła­kows­ki e ou­tros au­to­res, de que a mis­tu­ra le­tal de cer­te­za me­ta ísi­ca e pseu­do­ci­ên­cia que Lé­ni­ne icou a de­ver a Marx te­ve um pa­pel vi­tal na cri­a­ção do re­gi­me to­ta­li­tá­rio co­mu­nis­ta. Ao pro­cu­ra­rem atin­gir uma vi­são inal­can­çá­vel de um fu­tu­ro har­mo­ni­o­so que se se­gui­ria ao co­lap­so do ca­pi­ta­lis­mo, os se­gui­do­res le­ni­nis­tas de Marx cri­a­ram uma so­ci­e­da­de re­pres­si­va e de­su­ma­na que por sua vez su­cum­biu, en­quan­to o ca­pi­ta­lis­mo, ape­sar de to­dos os seus pro­ble­mas, con­ti­nua em ex­pan­são.

Marx não po­de evi­tar ser im­pli­ca­do nal­guns dos pi­o­res cri­mes do sé­cu­lo pas­sa­do, mas é igual­men­te ver­da­de que ele es­cla­re­ce al­guns dos nos­sos ac­tu­ais di­le­mas. Sper­ber não vê na­da de no­tá­vel na fa­mo­sa pas­sa­gem do Ma­ni­fes­to Co­mu­nis­ta em que Marx e En­gels de­cla­ram:

“Tu­do o que é só­li­do se dis­sol­ve no ar, tu­do o que é sa­gra­do é pro­fa­na­do, e o Ho­mem é inal­men­te for­ça­do en­ca­rar, com lu­ci­dez, as su­as re­ais con­di­ções de vi­da e as su­as re­la­ções com o seu se­me­lhan­te.”

Sper­ber su­ge­re que a ideia de que es­ta “as­ser­ção de mu­dan­ça in­ces­san­te, ca­lei­dos­có­pi­ca” an­te­ci­pa a con­di­ção do ca­pi­ta­lis­mo do inal do sé­cu­lo XX e do prin­cí­pio do sé­cu­lo XXI tem ori­gem nu­ma má tra­du­ção do ori­gi­nal ale­mão, que se­ria mais cor­rec­ta­men­te tra­du­zi­do pe­lo se­guin­te:

“Tu­do o que exis­te ir­me­men­te e to­dos os ele­men­tos da so­ci­e­da­de de or­dens se eva­po­ram, tu­do o que é sa­gra­do é des­sa­cra­li­za­do, e os ho­mens são inal­men­te obri­ga­dos a con­tem­plar a sua po­si­ção na vi­da e as su­as re­la­ções mú­tu­as com lu­ci­dez.”

Mas, à par­te o fac­to de a ver­são de Sper­ber ser de­ci­di­da­men­te me­nos ele­gan­te, (co­mo o próprio re­co­nhe­ce), não ve­jo gran­de di­fe­ren­ça de sig­ni ica­do en­tre as du­as. Se­ja qual for a for­ma co­mo es­tá tra­du­zi­da, a pas­sa­gem apon­ta pa­ra um as­pec­to cen­tral do ca­pi­ta­lis­mo — a sua ten­dên­cia ine­ren­te pa­ra re­vo­lu­ci­o­nar a so­ci­e­da­de — que a mai­o­ria dos eco­no­mis­tas e dos po­lí­ti­cos do tem­po de Marx e pos­te­ri­o­res a Marx ig­no­ra­ram ou su­bes­ti­ma­ram.

Os pro­gra­mas dos “con­ser­va­do­res li­be­rais,” que vi­sam des­man­te­lar a re­gu­la­ção res­tri­ti­va so­bre as for­ças de mer­ca­do, ao mes­mo tem­po que con­ser­vam ou res­tau­ram os pa­drões tra­di­ci­o­nais da vi­da fa­mi­li­ar e da or­dem so­ci­al, de­pen­dem do pres­su­pos­to de que o im­pac­to do mer­ca­do po­de ser con ina­do à eco­no­mia. Ob­ser­van­do que o mer­ca­do li­vre cria e des­trói for­mas de vi­da so­ci­al à me­di­da que pro­duz e elimina pro­du­tos e in­dús­tri­as, Marx de­mons­trou que es­ta a ir­ma­ção es­tá pro­fun­da­men­te er­ra­da. Ao con­trá­rio do que es­pe­ra­va, o na­ci­o­na­lis­mo e a re­li­gião não de­sa­pa­re­ce­ram, nem dão si­nal de o vir a fa­zer no fu­tu­ro pró­xi­mo; mas, ao per­ce­ber o mo­do co­mo o ca­pi­ta­lis­mo es­ta­va a mi­nar a vi­da bur­gue­sa, Marx apre­en­deu uma ver­da­de vi­tal.

Não quer is­to di­zer que Marx te­nha a pro­por al­gu­ma for­ma de sair­mos das nos­sas ac­tu­ais di icul­da­des eco­nó­mi­cas. Há nos tex­tos de John May-

nard Key­nes e de um dis­cí­pu­lo fun­da­men­tal de Key­nes co­mo Hy­man Minsky um co­nhe­ci­men­to mui­to mais pro­fun­do da ten­dên­cia do ca­pi­ta­lis­mo pa­ra so­frer cri­ses re­cor­ren­tes do que em tu­do o que Marx es­cre­veu. No seu dis­tan­ci­a­men­to de qual­quer con­di­ção da so­ci­e­da­de que exis­ta ou pos­sa vir a exis­tir de for­ma re­a­lis­ta, “a ideia co­mu­nis­ta” re­cu­pe­ra­da por pen­sa­do­res co­mo Alain Ba­di­ou e Sla­voj Žižek es­tá a par das fan­ta­si­as li­be­rais res­sus­ci­ta­das à di­rei­ta. A ide­o­lo­gia pro­mo­vi­da pe­lo eco­no­mis­ta aus­tría­co F.A. Hayek e pe­los seus se­gui­do­res, se­gun­do a qual o ca­pi­ta­lis­mo é o ven­ce­dor da cor­ri­da pe­la so­bre­vi­vên­cia en­tre os sis­te­mas eco­nó­mi­cos, tem mui­to em co­mum com a ver­são er­satz da evo­lu­ção pro­pa­ga­da por Her­bert Spen­cer há mais de um sé­cu­lo. Re­cor­ren­do a fa­lá­ci­as há mui­to de­sa­cre­di­ta­das, es­tas teorias neo-mar­xis­tas e ne­o­li­be­rais ape­nas ser­vem pa­ra ilus­trar o po­der per­sis­ten­te das idei­as que pro­me­tem uma li­ber­ta­ção má­gi­ca do con li­to hu­ma­no.

UM ACIDENTE DA HISTÓRIA?

A po­pu­la­ri­da­de re­no­va­da de Marx é um acidente da História. Se a I Gu­er­ra Mun­di­al não ti­ves­se ocor­ri­do e cau­sa­do o co­lap­so do cza­ris­mo, se o Exér­ci­to Bran­co ti­ves­se pre­va­le­ci­do na Gu­er­ra Ci­vil Rus­sa co­mo Lenine che­gou a re­ce­ar e o lí­der bol­che­vi­que não ti­ves­se con­se­gui­do man­ter o po­der, e se al­gum dos in­con­tá­veis acon­te­ci­men­tos de en­tão se ti­ves­se pas­sa­do de ou­tra for­ma, Marx se­ria ac­tu­al­men­te um no­me de que a mai­o­ria das pes­so­as di icil­men­te se lem­bra­ria. Tal co­mo as coi­sas se pas­sa­ram, res­tam-nos os er­ros e as con­fu­sões de Marx. Marx com­pre­en­deu a vi­ta­li­da­de anár­qui­ca do ca­pi­ta­lis­mo pro­va­vel­men­te an­tes e me­lhor do que nin­guém. Mas a vi­são do fu­tu­ro que Marx re­ti­rou do po­si­ti­vis­mo e par­ti­lhou com o ou­tro pro­fe­ta vi­to­ri­a­no que jaz à sua fren­te no ce­mi­té­rio de High­ga­te, se­gun­do a qual as so­ci­e­da­des in­dus­tri­ais es­tão no li­mi­ar de uma ci­vi­li­za­ção ci­en­tí ica na qual as re­li­giões e con li­tos do pas­sa­do de­sa­pa­re­ce­rão, não tem fun­da­men­tos ra­ci­o­nais — um mi­to que, co­mo a ideia de que Marx que­ria de­di­car a sua mai­or obra a Darwin, foi re­fu­ta­do mui­tas ve­zes, mas pa­re­ce im­pos­sí­vel de er­ra­di­car.

A cren­ça de que a hu­ma­ni­da­de evo­lui pa­ra uma mai­or har­mo­nia é sem dú­vi­da re­con­for­tan­te pa­ra mui­tos de nós, mas es­ta­ría­mos me­lhor pre­pa­ra­dos pa­ra li­dar com os nos­sos conflitos se pu­dés­se­mos dei­xar pa­ra trás a vi­são de Marx so­bre a História, bem co­mo a sua fé oi­to­cen­tis­ta na pos­si­bi­li­da­de de uma so­ci­e­da­de di­fe­ren­te de qual­quer ou­tra que te­nha exis­ti­do.

Karl Marx e a sua fi­lha Jenny Marx

Karl Marx

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.