8 de Ja­nei­ro So­nhos an­go­la­nos em pal­co

Jornal Cultura - - Primeira Página - MA­TA­DI MA­KO­LA |

A for­ma­ção e en­saio das pe­ças A Ma­ra­vi­lho­sa Vi­a­gem de Nils Hol­gers­son e Or­feu Negro co­me­ça­ram pa­ra­le­la­men­te no dia 5 de Ja­nei­ro e fo­ram apre­sen­ta­das ao pú­bli­co nos di­as 16 e 17, en­qua­dra­das nas co­me­mo­ra­ções em Lu­an­da do Dia da Cul­tu­ra Na­ci­o­nal, 8 de Ja­nei­ro. O Cen­tro de Ani­ma­ção Ar­tís­ti­ca do Ca­zen­ga re­ce­beu o pro­fes­sor fran­cês Fran­cis­co Mar­ques, que ad­mi­nis­trou os tra­ba­lhos num pe­río­do de du­as se­ma­nas a um gru­po de mais de 50 ac­to­res que com­põem os dois gru­pos de te­a­tro do cen­tro: TICTAC e Flo­res a Brin­car.

Os so­nhos

Ao in­ter­va­lo, de cal­ções cor­ta­dos à al­tu­ra do jo­e­lho e sen­ta­dos de ma­nei­ra des­con­traí­da so­bre o pal­co, os dois ami­gos con­ver­sa­vam cal­ma­men­te, sem se sen­ti­rem im­por­tu­na­dos com a ba­ru­lhei­ra pro­du­zi­da pe­las me­ni­nas que an­da­vam de um la­do pa­ra ou­tro em ci­ma do pal­co. Pai­zi­nho, de 13 anos, faz os per­so­na­gens de ca­bri­to, ra­po­sa e ga­to. Mas o que mais ado­ra é mes­mo o de ra­to, on­de ga­nha des­ta­que por imi­tar mui­to bem os sons e con­ju­gá-los com as pi­ru­e­tas que cau­sam me­do ao me­ni­no mau (Nils). So­nha ser ac­tor de ci­ne­ma, e quan­to a il­mes ex­pli­ca que gos­tou bas­tan­te de as­sis­tir o il­me Njin­ga-Rai­nha de An­go­la, exi­bi­do no ano pas­sa­do nu­ma das sa­las da ca­pi­tal da pro­vín­cia de Ma­lan­ge, mo­ti­vo que pe­sou na es­co­lha de Les­li­a­na Pe­rei­ra co­mo atriz de sua pre­di­le­ção. Tam­bém acom­pa­nha os il­mes de Di­to, des­ta­can­do o acla­ma­do “As­sal­tos em Lu­an­da”.

O seu ami­go Ma­ni­nho, de 12 anos, es­tu­dan­te da 7ª clas­se, vi­ve na pe­ça o me­ni­no mau (Nils). Am­bos vi­e­ram de Ma­lan­ge e per­ten­cem à com­pa­nhia in­fan­til Glo­bo Di­ku­lu da­que­la pro­vín­cia. Re­la­ta que fa­zem lá vá­ri­as pe­ças e têm a “Re le­xão” co­mo a pe­ça que mais lhes mar­cou, quan­do che­gou a in­ter­pre­tar na pe­ça o mu­ni­cí­pio da Ka­pan­da. É ad­mi­ra­dor de Mi­ca­e­la Reis e Fredy Cos­ta. So­nha ser bom ac­tor de te­a­tro.

Am­bos es­tão no gru­po há mais de 1 ano e têm o apoio dos pais. Tam­bém fa­zem par­te dos me­ni­nos da OPA de Ma­lan­ge e foi por via de um dos res­pon­sá­veis des­ta or­ga­ni­za­ção que os ac­to­res con­se­gui­ram che­gar a Lu­an­da.

Já Jo­el­son Car­do­so, de 13 anos, faz me­nos de 20 mi­nu­tos pa­ra che­gar até ao cen­tro, na com­pa­nhia do ir­mão me­nor e do ami­go. Es­tá no gru­po há du­as se­ma­nas e es­tá a gos­tar do trabalho que tem fei­to: na pe­ça faz de ra­to e de ca­va­lo. So­nha ser ga­lã de no­ve­las. Os pais ain­da não dis­se­ram na­da so­bre o ris­co de um dia amar o te­a­tro a pon­to de ab­di­car de tu­do por uma car­rei­ra de ac­tor. Ain­da não dis­se aos ami­gos que tem fre­quen­ta­do o cen­tro e que es­tá a en­sai­ar uma pe­ça. Tem pre­di­le­ção pe­lo ac­tor Fredy Cos­ta e Luís Ki­fas, que já che­gou a ver nu­ma ac­tu­a­ção de­cor­ri­da na sua es­co­la.

Elí­sio, de 7 anos, es­tu­dan­te da 4ª clas­se, é o mais pe­que­no da pe­ça. Gos­ta de te­a­tro por­que ga­nha mui­tos ami­gos. Faz de ra­to e ca­bra. É do Ca­zen­ga e fre­quen­ta o gru­po há um ano e meio. Já te­ve par­ti­ci­pa­ção co­mo ac­tor nas pe­ças “Pe­que­nas Fá­bu­las” e “Pás­sa­ro Azul” (on­de faz de ga­to). Os pais gos­tam e na es­co­la já uma pe­que­na ce­le­bri­da­de. To­dos o co­nhe­cem co­mo fa­ze­dor de te­a­tro. Diz que as­sis­te bas­tan­te o canal Te­le­mun­do, re­ve­la­ção que pro­vo­cou al­gu­mas gar­ga­lha­das da par­te das me­ni­nas atri­zes que o acom­pa­nha­vam no mo­men­to des­ta re­por­ta­gem. Das di icul­da­des a su­pe­rar, re­co­nhe­ceu que de­co­rar o tex­to

tem si­do a prin­ci­pal. Mo­ra no Ca­zen­ga e de­mo­ra cer­ca de no­ve mi­nu­tos pa­ra che­gar até ao cen­tro de for­ma­ção ar­tís­ti­ca. Ma­da­le­na Ngo­la, de 16 anos, é a ac­triz que nes­ta pe­ça co­man­da os gan­sos. Do seu currículo já con­ta com uma pas­sa­gem por Por­tu­gal aquan­do da mon­ta­gem de Pás­sa­ro Azul, em 2013, on­de in­ter­pre­ta a fa­da. Gos­tou do con­tac­to que man­te­ve com me­ni­nos da Fran­ça e da Bél­gi­ca, que tam­bém tra­zem co­mo ela no pei­to o so­nho de um dia bri­lhar nos pal­cos. Os pais re­cla­ma­vam no prin­cí­pio e não acre­di­ta­vam mui­to no seu ta­len­to. A ida a Por­tu­gal for­çou-os a mu­dar de po­si­ção e a ava­li­ar com cal­ma o seu juí­zo so­bre a me­ni­na. Ago­ra acei­tam e in­cen­ti­vam a pe­que­na a sin­grar co­mo ac­triz. Dos os­sos do o ício, re­co­nhe­ce que me­mo­ri­zar o tex­to tem si­do tam­bém pa­ra ela a par­te mais di ícil.

Co­nhe­ce­mos Mau­ra, de 13 anos, aque­la que as co­le­gas ad­mi­ram por to­mar a co­ra­gem de en­ce­nar a pe­ça “Pe­que­nas Fá­bu­las”, vis­to que o es­pec­tá­cu­lo exi­ge dos ac­to­res que sai­bam do­mi­nar a ar­te da dan­ça e ela não é boa nes­ta par­te, pe­lo que lan­ça a ré­pli­ca sem­pre que é acos­sa­da pe­las ami­gas e co­le­gas: “eu sou ac­triz e de­vo sa­ber es­tar em pal­co. Por­que o que gos­to mes­mo é do te­a­tro”.

So­nha ser ac­triz de ci­ne­ma e for­mar-se em En­ge­nha­ria de Pe­tró­le­os. Mo­ra no Ca­zen­ga e faz 7 mi­nu­tos da ca­sa ao cen­tro, tra­jec­to que se­gue faz qua­tro anos. Es­tre­ou com a pe­ça “As Flo­res do Meu Jar­dim” e no ano pas­sa­do in­ter­pre­tou a per­so­na­gem de mãe que guar­da co­mo a mais mar­can­te da sua car­rei­ra. Nu­tre um gran­de fas­cí­nio pe­lo ac­tor an­go­la­no Fredy Cos­ta.

Loyd es­tá no gru­po há 5 anos e mo­ra a me­nos de 4 mi­nu­tos de ca­sa. Pen­sa mui­to nos seus so­nhos além do te­a­tro: “Ad­vo­ga­da ou En­ge­nhei­ra de Pe­tró­le­os”, acu­sa. É a “ve­te­ra­na” das me­ni­nas do Flo­res a Brin­car. Já não sa­be bem quan­do es­tre­ou a sua pri­mei­ra pe­ça, re­ve­la­ção que cau­sou ri­sos da par­te das su­as ami­gas. Mas é na me­mo­ri­za­ção do tex­to que ela até ho­je en­fren­ta sé­ri­as di icul­da­des. Nor­mal- men­te pe­de aju­da de al­guém de ca­sa pa­ra acom­pa­nhá-la nos exer­cí­ci­os, só as­sim con­se­gue “co­mer” o tex­to. A sua fa­mí­lia apoia o seu so­nho de ser ac­triz. Dos gran­des do ecrã an­go­la­no, ad­mi­ra o trabalho de Eri­ca Chis­sa­pa, que nes­tes di­as vi­ve o pa­pel de Ruth Ka­pa­la em Ji­ku­lu­mes­su. Ca­so um dia con­si­ga ga­nhar a aten­ção do gran­de pú­bli­co, pro­me­te fa­zer de tu­do pa­ra que to­dos se aper­ce­bam que no Ca­zen­ga exis­te um gru­po de te­a­tro bom pa­ra cri­an­ças.

Si­ma­na, de 13 anos, não so­nha ser ac­triz. Foi in­cen­ti­va­da pe­lo seu tio e faz um ano que es­tá no gru­po. Es­ta é a sua pri­mei­ra pe­ça. Não tem gran­de que­da por no­ve­las, pre­fe­re as­sis­tir se­ri­a­dos, sen­do Vi­o­le­ta o seu fa­vo­ri­to. Mo­ra em Vi­a­na. A sua que­da pa­ra o te­a­tro pro­vo­cou uma di­ver­gên­cia en­tre os pais: o pai apoia e a mãe não. É mui­to ami­ga de Cel­ma, de 10 anos, a me­ni­na mais no­va na mon­ta­gem da pe­ça. Se dá trabalho ou não a de­co­rar o tex­to, res­pon­deu: “Mais ou me­nos”. So­nha ser ac­triz de ci­ne­ma e conquistar o mun­do. É a mais pe­que­na do ban­do dos gan­sos e de­fen­de que a obri­ga­ção do exer­cí­cio de lei­tu­ra dos tex­tos cé­ni­cos tem aju­da­do a su­pe­rar o pro­ble­ma de lei­tu­ra em pú­bli­co que vi­nha en­fren­tan­do na es­co­la, de on­de um dia so­nha sair fei­ta En­ge­nhei­ra de Pe­tró­le­os.

Flo­res a Brin­car e TICTAC

Das mais de trin­ta cri­an­ças que com­põem o es­pec­tá­cu­lo, du­as de­las vi­e­ram de Ma­lan­ge pa­ra apro­vei­ta­rem a for­ma­ção. Os me­ni­nos vi­e­ram de um gru­po de Ma­lan­ge que re­pre­sen­ta a Com­pa­nhia Glo­bo Di­ku­lu na­que­la pro­vín­cia.

De cer­ta for­ma, ex­pli­ca Ny­lon, o en­ce­na­dor e ac­tor de TICTAC e que fun­ci­o­na co­mo su­per­vi­sor do gru­po in­fan­til, che­ga a ser di ícil con­gre­gar cri­an­ças que te­nham von­ta­de de fa­zer te­a­tro por­que mui­tas cri­an­ças até têm von­ta­de mas re­cei­am a re­a­ção ne­ga­ti­va dos pais. Mui­tos des­tes me­ni­nos vi­e­ram das es­co­las em que pas­sa­mos pa­ra dar a en­ten­der o ca­rác­ter for­ma­ti­vo e pe­da­gó­gi­co do te­a­tro.

Ven­do bem, ana­li­sa que es­te even­to vem em boa ho­ra por fun­ci­o­nar co­mo um pla­no ex­tra­cur­ri­cu­lar em pe­río­do de fé­ri­as. Co­me­ça sem­pre com uma for­ma­ção nas es­co­las e ter­mi­na com ou­tra for­ma­ção no Cen­tro e só as­sim e es­ten­dem o con­vi­te pa­ra fa­zer par­te do gru­po Flo­res a Brin­car, a com­pa­nhia in­fan­to-ju­ve­nil do Cen­tro Ar­tís­ti­co do Ca­zen­ga.

O Flo­res a Brin­car é um gru­po que já con­ta com 23 anos de exis­tên­cia, sen­do os mem­bros ac­tu­ais a quar­ta ge­ra­ção do gru­po. A com­pa­nhia tem no seu re­per­tó­rio pe­ças que re­ce­be­ram crí­ti­cas de boa no­ta: “Ka­ki­la”, “Flo­res do Meu Jar­dim” e “Pe­que­nas Fá­bu­las”. Par­ti­ci­pa re­gu­lar­men­te no Fes­ti­val de Te­a­tro do Ca­zen­ga (FESTECA); par­ti­ci­pou na pri­mei­ra mos­tra de te­a­tro in­fan­til (FENACULT II) e tem par­ti­ci­pa­do em ac­ti­vi­da­des es­co­la­res e mar­ca­do pre­sen­ça nas co­me­mo­ra­ções de da­tas so­le­nes sem­pre que so­li­ci­ta­dos.

TICTAC é a com­pahia de te­a­tro de adul­tos. Sur­ge da fu­são de dois pro­jec­tos: TIC ( Te­a­tro In­te­ra­ti­vo do Ca­zen­ga) e TAC (Te­a­tro de Ani­ma­ção do Ca­zen­ga). Es­ta tem par­ti­ci­pa­do em vá­ri­os fes­ti­vais na­ci­o­nais e pre­vê pa­ra es­te ano par­ti­ci­par num fes­ti­val em Mo­çam­bi­que e nou­tro em Por­tu­gal.

A Ma­ra­vi­lho­sa Vi­a­gem de Nils Hol­gers­son, da es­cri­to­ra su­e­ca Sel­ma La­gerlöf

Du­as se­ma­nas é cla­ra­men­te tem­po in­su ici­en­te. O pro­fes­sor se viu com mui­to pou­co tem­po pa­ra fa­zer as cri­an­ças de­vo­rar tan­to tex­to. E, num ac­to ci­rúr­gi­co, viu-se obri­ga­do a tra­ba­lhar ao vi­vo e a de­pen­der da in­ten­ção de lei­tu­ra da si­tu­a­ção cé­ni­ca das cri­an­ças.

Op­tou pe­lo trabalho ao vi­vo e es­pon­tâ­neo que veio a dar re­sul­ta­dos que o sur­pre­en­de­ram pe­la po­si­ti­va: as cri­an­ças fo­ram se de­sen­vol­ven­do de en­saio a en­saio ca­da vez mais.

Co­mo é que uma cri­an­ça de­sen­vol­ve as su­as emo­ções fe­cha­da num am­bi­en­te se­ve­ra­men­te dis­ci­pli­na­do? A pe­ça con­ta a história de um ra­paz que vi­ve sob con­tro­lo dos pais e que na au­sên­cia des­tes to­ma a in­dis­ci­pli­na co- mo meio de de­sa­ba­fo: de­sar­ru­ma tu­do, tra­ta mal os ani­mais da quin­ta, tra­ta mal a igu­ra tra­di­ci­o­nal do gno­mo da ca­sa, con­si­de­ra­do o es­pí­ri­to bom da ca­sa. No de­sen­vol­vi­men­to da pe­ça, es­te ra­paz mau tro­na-se um pe­que­ni­no gno­mo, pa­ra ter uma ideia cla­ra de co­mo é ser pe­que­ni­no e in­de­fe­so e de co­mo o ser gran­de não lhe dá o di­rei­to de es­ca­mo­tar as pes­so­as e os ani­mais. O ra­paz jun­ta-se ao gan­so manso e com ele e ou­tros gan­sos sel­va­gens fogem a voo aber­to. Du­ran­te a vi­a­gem ele re­a­li­za bo­as coi­sas e os gan­sos o de­vol­vem a ca­sa con­tra a sua von­ta­de, pois já se ha­bi­tu­a­ra e ica­ra a gos­tar da com­pa­nha aven­tu­rei­ra des­tes. Aca­de­mia In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro In­fan­til

Do seu acer­vo, es­ta é a pri­mei­ra obra tra­du­zi­da em por­tu­guês dis­po­ní­vel nes­te pro­jec­to, em­bo­ra te­nha em ou­tras lín­guas clás­si­cos co­mo Oli­ver Twist, Pi­nó­quio, As Cró­ni­cas de Nár­nia, A Odis­seia e Ulis­ses pa­ra cri­an­ças e ou­tros tí­tu­los do câ­no­ne oci­den­tal.

Em Agosto de 2012 a adap­ta­ção em so­lo por­tu­guês da obra “Pás­sa­ro Azul” já con­ta­ra com a par­ti­ci­pa­ção de ac­to­res an­go­la­nos, no âm­bi­to da par­ce­ria com a com­pa­nhia an­go­la­na Glo­bo Di­ku­lu, es­ta­ble­ci­da des­de 2009.

A Aca­de­mia sur­giu em 1985. Te­ve ideia ori­gi­nal da pro­fes­so­ra e es­cri­to­ra fran­ce­sa Eli­sa­beth Tou­let, que nos di­as que cor­rem as­si­na um li­vro em Fran­ça so­bre to­do o trabalho in­fan­til de­sen­vol­vi­do nes­tes anos e cu­jo tí­tu­lo é “A Be­le­za ao En­con­tro da Edu­ca­ção”. É um li­vro que en­vol­ve cer­ca de trin­ta anos de ex­pe­ri­ên­cia des­ta que é tam­bém pro­fes­so­ra de li­te­ra­tu­ra. No iní­cio foi ape­nas pro­fes­so­ra, de­pois dei­xou a edu­ca­ção pa­ra re­a­li­zar a sua con­vic­ção de que por via da ar­te a cri­an­ça con­se­gui­ria de­sen­vol­ver um ide­al hu­ma­no ca­paz de re­co­nhe­cer o ou­tro e pre­sar o Ser aci­ma de tu­do: re­po­si­ção sa­tis­fa­tó­ria do con­cei­to de ho­mem e de co­mo a be­le­za é uma ques­tão de re­la­ção.

O nos­so in­ter­lo­cu­tor, o pro­fes­sor Fran­cis­co Mar­ques, um dos pi­o­nei­ros

do pro­jec­to, to­ma con­tac­to com as idei­as da au­to­ra quan­do am­bos se en­vol­vem num pro­jec­to em 1984: um il­me que en­vol­via 400 cri­an­ças en­tre ín­di­os da Amé­ri­ca do Nor­te que vi­vi­am em re­ser­vas (ame­rín­di­os), cri­an­ças do Qu­e­be­que e cri­an­ças fran­ce­sas. O efei­to his­tó­ri­co des­te il­me traz co­mo pa­no de fun­do a ida de Jack Car­ti­er à Amé­ri­ca do Nor­te. O il­me, nu­ma tra­du­ção fei­ta na ho­ra pe­lo pro­fes­sor, in­ti­tu­la-se “O Fu­tu­ro nos Olhos de uma Cri­an­ça”. Co­men­ta que o il­me ex­plo­ra a vi­são de um en­con­tro com o ou­tro e co­mo é que as cri­an­ças po­dem fa­zer is­so de ma­nei­ra ale­gre e com mui­ta paz. Is­so le­vou as cri­an­ças fran­ce­sas a pas­sar um tem­po com as ame­ri­ca­nas e as ame­ri­ca­nas re­tri­buí­ram ao ges­to, ten­do cons­ta­ta­do nes­te en­con­tro (à pri­mei­ra vis­ta pu­e­ril) ele­men­tos im­por­tan­tes so­bre a re­la­ção hu­ma­na. O il­me foi apoi­a­do pe­la UNESCO e foi exi­bi­do em ca­nais fran­ce­ses e ame­ri­ca­nos. Es­tes pro­jec­tos de­ram cer­te­za da uti­li­da­de da aca­de­mia. A Bél­gi­ca não se fez in­di­fe­ren­te e aco­lheu o pro­jec­to, on­de ixa­ram re­si­dên­cia faz 15 anos.

A li­ga­ção a An­go­la es­tá ser es­ta­be­le­ci­da por via da Aca­de­mia Glo­bo Di­ku­lu, que pre­ten­de as­sen­tar a cri­a­ção de uma aca­de­mia lu­só­fo­na.

As cri­an­ças e o te­a­tro

O pro­fes­sor ex­pli­ca que Eli­za­beth e mui­tos pe­da­go­gos di­zem que o te­a­tro pa­ra cri­an­ças ( en­tre 9 e 12 anos, pe­río­do em que as idei­as ain­da não es­tão tão mol­da­das) é uma fer­ra­men­ta im­por­tan­te pa­ra po­der per­ce­ber es­ta ar­te co­mo a lin­gua­gem da re­la­ção, uma res­pos­ta ao com­por­ta­men­to ma­te­ri­a­lis­ta e in­di­vi­du­a­lis­ta do mun­do mo­der­no. Acre­di­tam que o te­a­tro sur­ge sem­pre co­mo um ac­to co­mu­ni­tá­rio, sem­pre ao ser­vi­ço da co­mu­ni­da­de. E é bom em­pre­en­der is­so nes­ta fa­se da vi­da da pes­soa. É is­so que ten­tam le­var às pes­so­as, e não é uma procura das cri­an­ças com mais ca­pa­ci­da­de ou uma ten­ta­ti­va de ca­pa­ci­tá- las, ou de cri­ar lí­der, ve­de­ta e es­tre­la, já que tu­do is­so é o que eles per­ce­bem por via da te­le­vi­são. Mas o te­a­tro po­de dar al­go além des­tas pers­pec­ti­vas, a procura de ta­len­tos pa­ra afir­má- los co­mo um bem útil à co­mu­ni­da­de, vis­to ser um trabalho ár­duo e que sem­pre bus­ca a ver­da­de, a au­ten­ti­ci­da­de e a ori­gi­na­li­da­de.

Mas, con­ti­nua o pro­fes­sor, é pre­ci­so não con­fun­dir a li­nha so­ci­al da ar­tís­ti­ca, fa­zen­do en­ten­der que o te­a­tro não dá res­pos­tas às pro­ble­má­ti­cas das cri­an­ças, is­to por­que ao te­a­tro não com­pe­te se ocu­par de áre­as in­di­ca­das ao trabalho so­ci­al: ape­nas fa­zer trabalho ar­tís­ti­co.

A exem­plo de Pa­ris, on­de tra­ba­lha há 15 anos com cri­an­ças mui­to po­bres, tra­ba­lhar com cri­an­ças do Ca­zen­ga não fo­ge à re­gra: a gran­de in­ten­ção é por as cri­an­ças em con­tac­to com o me­lhor que o te­a­tro ofe­re­ce de au­to­res e obras co­mo An­tí­go­na pa­ra cri­an­ças, em que se des­ven­da da tra­gé­dia gre­ga um for­te sen­ti­do de ge­o­gra­fia e história. E no fun­do, de­fi­ne, o te­a­tro é vi­a­jar, en­ten­der o au­tor, o que to­ca ou con­tras­ta com a re­a­li­da­de do lei­tor. E re­pa­ra que em tu­do is­so há al­go de adul­to que le­va as cri­an­ças a es­ta­rem pa­ra lá dos li­mi­tes e dos me­dos que às ve­zes a es­co­la im­põe, por­que es­co­las há que dei­xam as cri­an­ças em si­tu­a­ções crí­ti­cas no que to­ca ao re­co­nhe­ci­men­to di­fe­ren­ci­al de ou­trem e ao hu­ma­nis­mo. “Há me­dos ali à vol­ta”, apon­ta, acres­cen­tan­do que o te­a­tro vem pre­ci­sa­men­te mos­trar que as mes­mas po­dem ul­tra­pas­sar pro­ble­mas e de­sen­vol­ver ca­pa­ci­da­des pa­ra com­pre­en­der com as su­as emo­ções e sen­ti­men­tos as si­tu­a­ções ine­ren­tes ao seu dia-a-dia, e que a cul­tu­ra po­de ser vis­ta as­sim co­mo um ali­men­to mui­to im­por­tan­te pa­ra al­ma e pa­ra a vi­da in­te­ri­or.

O pro­fes­sor Fran­cis­co Mar­ques

É a ter­cei­ra vez que vem a An­go­la. Se é ou não di­fí­cil tra­ba­lhar com cri­an­ças, nos res­pon­de com um sor­ri­so a sair dos can­tos dos lá­bi­os que o mais di­fí­cil é ser adul­to por­que is­so im­pli­ca mui­tas ma­ni­as, e uma de­las é a de es­tar to­da a ho­ra a man­dar ca­lar as cri­an­ças. Re­tor­quiu que não é di­fí­cil: “Não gos­to de me di­ri­gir a elas co­mo se fos­sem qua­dra­das. A mi­nha exi­gên­cia é mais pa­ra as­sen­tar res­pei­to pe­los ou­tros. A fal­ta de res­pei­to e di­zer coi­sas ruins são du­as coi­sas a ul­tra­pas­sar, por­que é pre­ci­so que sai­bam des­de cri­an­ça que um ho­mem não de­ve ofen­der ou­tro”, re­flec­te.

Há vin­te anos que vi­ve em Pa­ris. É for­ma­dor na área de te­a­tro e faz par­te de uma com­pa­nhia de te­a­tro pro­fis­si­o­nal, que es­tá ba­se­a­da nu­ma pro­vín­cia fran­ce­sa. Des­co­briu o te­a­tro quan­do ti­nha 21 anos e não era a sua pri­mei­ra for­ma­ção: pri­mei­ra­men­te for­mou-se em Ges­tão Me­câ­ni­ca. A es­co­la não foi um lu­gar que lhe com­ple­tou, por cul­pa tam­bém de al­guns pro­fes­so­res que de­mons­tra­vam con­tra ele um cer­to grau de chau­vi­nis­mo pe­lo fac­to de ser fi­lho de emi­gran­tes por­tu­gue­ses. Per­ce­beu ce­do que não que­ria tra­ba­lhar com pes­so­as que o po­di­am pre­ju­di­car. Ti­nha fo­co em áre­as que de­fi­nia co­mo pres­ta­do­ras de ser­vi­ço so­ci­al, co­mo é ca­so da me­di­ci­na, on­de se ini­cia co­mo aju­dan­te de en­fer­mei­ro.

Uma vez, na ci­da­de fran­ce­sa aon­de emi­gra­ram os seus pais, apa­re­ceu uma com­pa­nhia de te­a­tro de ex­pres­são po­pu­lar que le­vou ao pal­co uma pe­ça so­bre a história da ci­da­de, uma ci­da­de fa­mo­sa por pos­suir vá­ri­as fá­bri­cas. Foi um dos 15 ac­to­res a ac­tu­ar e te­ve mui­to im­pac­to, e des­de es­sa da­ta que per­ce­beu de for­ma ir­re­vo­gá­vel que o te­a­tro se­ria o ca­mi­nho cer­to pa­ra es­tar em con­tac­to com vá­ri­as cul­tu­ras, co­mu­ni­da­des e ida­des. Dei­xou o seu an­ti­go trabalho e se aven­tu­rou nu­ma for­ma­ção de qua­tro anos em Te­a­tro, Fi­lo­so­fia e História. Des­de en­tão tem de­sen­vol­vi­do a ac­ti­vi­da­de co­mo for­ma­dor.

NAYLON (Nel­son Gon­çal­ves)

Es­tá sem­pre em mo­vi­men­to aqui e aco­lá. Bran­do, sim­pá­ti­co, dei­xa sem­pre à vis­ta o seu gos­to em ser pres­tá- vel. É um pou­co o que nos pa­re­ceu Naylon, ou me­lhor, o pro­fes­sor Nel­son Gon­çal­ves, que en­con­tra­mos a ro­dar so­bre o pal­co em pas­sos mui­to cui­da­do­sos co­mo se de um de­se­nho se tra­tas­se. Naylon co­me­ça a fa­zer te­a­tro nu­ma das co­mu­ni­da­des da igre­ja me­to­dis­ta. Re­cor­da com or­gu­lho acen­tu­a­do que um dos pri­mei­ros per­so­na­gens que in­ter­pre­tou foi a da fi­gu­ra de Pedro. En­tra pa­ra o gru­po de te­a­tro do Cen­tro de Ani­ma­ção Ar­tís­ti­ca do Ca­zen­ga em 2010, após par­ti­ci­par nu­ma for­ma­ção mi­nis­tra­da pe­lo ac­tor Dal­ton Bor­ra­lho.

Dos ac­to­res que ad­mi­ra, a es­tre­la ame­ri­ca­na Den­zel Washing­ton é o pri­mei­ro da lis­ta. Ad­mi­ra-o pe­la ca­pa­ci­da­de sin­gu­lar que tem em pre­en­cher ca­da mo­men­to de um il­me em que par­ti­ci­pa.

“Ka­ki­la” foi a pe­ça com que se es­tre­ou no Ca­zen­ga. In­ter­pre­tou um jo­vem guer­rei­ro que se apai­xo­na pe­la fi­lha do seu ini­mi­go. Mas a se­gu­ran­ça de es­tar em pal­co e de en­ca­rar o cen­tro do Ca­zen­ga co­mo o seu ni­nho se­gu­ro veio a re­ve­lar- se fir­me quan­do in­ter­pre­ta o mo­nó­lo­go “Tar­de de­mais”, que con­si­de­ra co­mo li­nha se­pa­ra­do­ra ( o an­tes e de­pois) quan­to aos de­sa­fi­os por en­ca­rar na car­rei­ra de ac­tor: “foi as­sim que me sen­ti pre­pa­ra­do e con­fi­an­te. A pe­ça foi mon­ta­da em 2012 e veio a re­ve­lar mui­to do que quis fa­zer em pal­co”.

Fi­ca a re­si­dir por um ano em Por­tu­gal e co­mo trabalho de fim do seu pro­jec­to de for­ma­ção vol­ta a mon­tar a mes­ma pe­ça que no­va­men­te re­ce­be jun­to dos lu­si­ta­nos uma crítica po­si­ti­va, tan­to que me­re­ceu uma se­gun­da ses­são de­pois da es­treia.

Re­si­den­te no Ca­zen­ga, re­pa­ra que ge­ral­men­te as pes­so­as des­te mu­ni­cí­pio gos­tam do te­a­tro, mas não têm mui­ta cul­tu­ra de as­si­tir aos espectáculos.

Acen­tua que ho­je já têm con­se­gui­do ca­ti­var al­gum pú­bli­co. An­tes, era mui­to pi­or. Su­pe­ra­ram con­si­de­ra­vel­men­te es­te pro­ble­ma quan­do de­ci­di­ram não co­brar na­da, sim­ples­men­te pa­ra ca­ti­var e po­de­rem ver a fun­ção do te­a­tro nas su­as vi­das.

Um mo­men­to do en­saio de A Ma­ra­vi­lho­sa Vi­a­gem de Nils Hol­gers­son

O pro­fes­sor Fran­cis­co Mar­ques (ao cen­tro)

Os ac­to­res do Flo­res a Brin­car

NY­LON (à di­rei­ta)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.