A pro­pó­si­to das igre­jas is­lâ­mi­cas de Ma­ku­ta Nkon­do

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma -

O se­ma­ná­rio An­go­len­se pu­bli­cou na edi­ção de 22 de Mar­ço de 2013 a se­gun­da par­te de um ar­ti­go da au­to­ria de Ma­ku­ta Nkon­do, An­go­la e o pe­ri­go das sei­tas re­li­gi­o­sas (pp.21-22).

Cha­mou-nos a aten­ção o vo­ca­bu­lá­rio usa­do pe­lo au­tor na sua abor­da­gem ao Is­la­mis­mo - uma re­li­gião que ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de es­tu­dá-la nas ca­dei­ras de His­tó­ria das Re­li­giões e His­tó­ria de Áfri­ca na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as So­ci­ais da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Neto.

Al­guns au­to­res aler­tam pa­ra o cui­da­do que se de­ve ter no es­tu­do da re­li­gião, que, con­for­me acon­se­lham, de­ve ser fei­to com “dis­tan­ci­a­men­to” e sem idei­as pre­con­ce­bi­das (GA­AR­DER; HELLERN; NOTAKER, 2002; KEI­TA, 2009).

In­fe­liz­men­te o po­si­ci­o­na­men­to do nos­so in­ter­lo­cu­tor con­tra­ria es­se pres­su­pos­to fun­da­men­tal que, jun­ta­men­te a im­par­ci­a­li­da­de, de­ve ori­en­tar a ela­bo­ra­ção de um ar­ti­go.

Num dos pa­ra­grá­fos do ar­ti­go en­con­tra­mos alu­são às igre­jas is­lâ­mi­cas nas quais, se­gun­do o au­tor, os pas­to­res são re­cru­ta­dos en­tre os iéis de na­ci­o­na­li­da­de an­go­la­na [...] [e] sub­me­ti­dos ao en­si­no do Co­rão, do al­fa­be­to e da lín­gua árabes (gri­fo nos­so).

A aná­li­se que se se­gue em tor­no des­sa ci­ta­ção es­tá cen­tra­da em du­as per­gun­tas: o que se­rão igre­jas is­lâ­mi­cas? Se­rá a igre­ja um ter­mo usa­do pe­los mu­çul­ma­nos? Co­mo ve­re­mos, es- sas ques­tões car­re­gam al­guns pro­ble­mas de in­ter­pre­ta­ção as­so­ci­a­dos ao uso in­cor­rec­to de al­guns ter­mos que me­re­ce­rão a nos­sa aten­ção.

O ter­mo igre­ja de­ri­va do vo­ca­bu­lo ek­klé­sia, is­to é, “as­sem­bleia”; lo­cal de “reu­nião” dos ci­da­dãos. No No­vo Tes­ta­men­to o seu sig­ni ica­do trans­cen­de o sen­ti­do ori­gi­nal: con­gre­ga­ção lo­cal ou co­mu­ni­da­de uni­ver­sal cons­ti­tuí­da por cris­tãos (DI­CI­O­NÁ­RIO [BÍ­BLI­CO], in Bí­blia de Es­tu­do Es­pe­ran­ça, 2000).

Já na lín­gua ára­be o ter­mo “mes­qui­ta” (do ára­be mas­jid, sin­gu­lar; ma­sa­jid, plu­ral) é usa­do pa­ra de­sig­nar o tem­plo, lo­cal de cul­to fre­quen­ta­do pe­los mu­çul­ma­nos.

Em­bo­ra pos­sa ha­ver se­me­lhan­ça en­tre “igre­ja” e “mes­qui­ta”, exis­te uma di­fe­ren­ça en­tre os dois ter­mos que im­por­ta aqui as­si­na­lar: se por um la­do o pri­mei­ro ex­pres­sa du­as idei­as - es­pa­ço isí­co/edi ício, e con­jun­to de cren­tes -, do ou­tro la­do, o se­gun­do sig­ni ica tem­plo e na­da mais. O ter­mo “uma ys­la­miya”, ou ain­da “sa­la­ma”, com o si­nó­ni­mo de “co­mu­ni­da­de”, se­rá o que mais se apro­xi­ma da ideia de con­gre­ga­ção (ou ain­da co­mu­ni­da­de) ex­pres­sa pe­lo ter­mo “igre­ja”.

Di­to is­to, o que se­rão en­tão igre­jas is­lâ­mi­cas?

A nos­so ver, o au­tor es­ta­ria se re­fe­rin­do aos tem­plos is­lâ­mi­cos e so­bre o que acon­te­ce no seu in­te­ri­or. Fê-lo, mas de for­ma er­ra­da, usan­do um ter- mo - igre­ja - pre­sen­te ape­nas no Cris­ti­a­nis­mo. Pois, os lo­cais de cul­to fre­quen­ta­dos pe­los mu­çul­ma­nos são cha­ma­dos de mes­qui­tas.

Agin­do em sen­ti­do con­trá­rio, o au­tor evi­den­cia ter no Cris­ti­a­nis­mo o seu qua­dro de re­fe­rên­cia, daí que te­nha se ser­vi­do da sua lin­gua­gem na abor­da­gem do Is­la­mis­mo. Is­to por um la­do. Do ou­tro la­do, de­mons­tra des­co­nhe­ci­men­to da ter­mi­no­lo­gia usa­da por es­ta re­li­gião, di­fe­ren­te do Cris­ti­a­nis­mo.

Na ex­pres­são que te­mos es­ta­do a ana­li­sar o ad­jec­ti­vo is­lâ­mi­cas, com o sen­ti­do de re­li­gião, é usa­do co­mo si­nó­ni­mo de “igre­ja” - um er­ro que se co­me­te fre­quen­te­men­te no dia-a-dia pe­lo que achá­mos ne­ces­sá­rio te­cer al­gu­mas con­si­de­ra­ções so­bre es­se as­sun­to que, ape­sar de ser bas­tan­te com­ple­xo, já me­re­ceu al­gu­ma aten­ção do có­ne­go Apo­lo­nio Gra­ci­a­no.

Se­gun­do a a ir­ma­ção des­te sa­cer­do­te ca­tó­li­co, pro­fe­ri­da na Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la em 2014, “o Is­lão não é uma igre­ja, mas, sim, uma re­li­gião”. De fac­to, é des­se mo­do que ela sur­giu e é es­tu­da­da até ho­je.

Já vi­mos o sen­ti­do da pa­la­vra igre­ja, an­tes e com o sur­gi­men­to do Cris­ti­a­nis­mo. To­da­via, não po­de­mos con­fun­di-la co­mo re­li­gião, pois, es­ta pa­la­vra não sig­ni ica ne­nhum lo­cal de cul­to, ou de reu­nião, tão pou­co ain­da con­jun­to de íéis que par­ti­lham da mes­ma fé!

O ter­mo re­li­gião, do la­tim re­li­ga­re/re­li­ge­re, sig­ni ica: (i) or­ga­ni­zar; or­de­nar; es­tru­tu­rar; (ii) sub­me­ter-se as nor­mas na­tu­rais/di­vi­nas; cum­prir com o or­de­na­men­to tal co­mo pres­cri­to/pré-es­ta­be­le­ci­do; etc. Eis a ra­zão pe­la qual re­li­gião sig­ni ica: te­mor a Deus, pra­ti­ca de cul­tos, con­jun­to de ri­tos/cerimónias, ve­ne­ra­ção as coi­sas sa­gra­das, etc. (Trin­da­de, 2012). Lín­gua e her­me­neu­ti­ca A re­li­gião e a lín­gua são dois fe­nó­me­nos his­tó­ri­cos in­dis­so­ciá­veis. Am­bas ma­ni­fes­tam pen­sa­men­tos, idei­as e ati­tu­des que evo­lu­em com o de­cor­rer do tem­po e no es­pa­ço. Tal­vez por es­sa ra­zão a her­me­nêu­ti­ca se te­nha de­di­ca­do, ini­ci­al­men­te, à com­pre­en­são dos tex­tos re­li­gi­o­sos re­di­gi­dos, co­mo não po­dia dei­xar de ser, nu­ma de­ter­mi­na­da lín­gua. Des­te mo­do, faz to­do o sen­ti­do ter­mos cui­da­do no uso e in­ter­pre­ta­ção des­ta ou da­que­la pa­la­vra cu­jo sen­ti­do a ela atri­buí­do só po­de ser en­con­tra­do no con­tex­to em que es­tá in­se­ri­da.

As­sim sen­do, e de acor­do com o que nós pres­cre­ve­mos an­te­ri­or­men­te, con­clui-se ha­ver in­com­pre­en­são e in­com­pa­ti­bi­li­da­de no uso dos ter­mos que for­mam a ex­pres­são que aca­bá­mos de ana­li­sar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.