Nick, o Avó Kum­bi

A pe­re­ni­da­de dos rit­mos an­go­la­nos

Jornal Cultura - - Primeira Página - MA­TA­DI MA­KO­LA|

“Se­rá sem­pre um mem­bro a ter em con­ta no gru­po de mú­si­cos que ti­ve­ram a au­dá­cia, ain­da no tem­po das tur­mas e, pos­te­ri­or­men­te, dos con­jun­tos, de trans­fe­rir a mú­si­ca con­ven­ci­o­nal pa­ra o fol­clo­re. Mar­cou uma épo­ca e as su­as me­mó­ri­as de­vem ser guar­da­das nos anais da His­tó­ria da Mu­si­ca Ur­ba­na An­go­la­na”, ou­via­se num dos pon­tos do elo­gio fú­ne­bre pro­fe­ri­do por um dos fa­mi­li­a­res do ma­lo­gra­do Ma­nu­el Cos­tan­ti­no “Nick”, quan­do foi a en­ter­rar no pre­té­ri­to 19 de Ja­nei­ro, no ce­mi­té­rio da San­ta­na, já de­pois da ho­ra 12, nu­ma tar­de as­su­mi­da­men­te so­la­ren­ga.

À por­ta do ce­mi­té­rio, em pé, es­ta­vam fa­mi­li­a­res, ami­gos, igu­ras ilus­tras da mú­si­ca e cul­tu­ra an­go­la­nas que se dis­pu­se­ram a acom­pa­nhar até a úl­ti­ma mo­ra­da es­ta igu­ra que “mar­cou com no­ta po­si­ti­va a sua pas­sa­gem pe­lo mundo”. E lon­ge de se­rem ape­nas cho­ros e cons­ter­na­ções, um gru­po de mú­si­cos (Ki­tu­xe e Seus Acom­pa­nhan­tes, Raúl To­lin­gas, Jor­ge Mu­lum­ba…) en­car­re­ga­ram­se de tor­nar o am­bi­en­te con­for­me era há­bi­to nos bons mo­men­tos con­vi­vi­dos ao la­do de Nick, ao to­ca­rem com en­ge­nho e eu­fo­ria su­ces­sos do ma­lo­gra­do, com des­ta­que pa­ra os re­gis­tos Avó Kum­bi e Dim­ba.

Ma­nu­el Cons­tan­ti­no “Nick” é ilho de Madalena Si­mão. Na­tu­ral de Icolo e Ben­go (Lu­an­da), nas­ce aos 25 de Se­tem­bro de 1952. Fa­le­ceu no dia 19 de Ja­nei­ro, lá pe­las 16 ho­ras, de aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral, no Hos­pi­tal Josina Ma­chel, em Lu­an­da.

Em 1961, em con­for­mi­da­de com as tur­bu­lên­ci­as so­ci­ais da épo­ca, dei­xa a ter­ra que o viu nas­cer e par­te pa­ra uma no­va vi­vên­cia na ci­da­de de Lu­an­da. Não pos­suin­do qual­quer do­cu­men­to que com­pro­vas­se os seus es­tu­dos pri­má­ri­os na en­tão san­za­la, cria con­di­ções na ad­mi­nis­tra­ção de Ca­te­te pa­ra a con­clu­são do en­si­no pri­má­rio, que con­clui em 1964. De­pois de­ci­de apren­der a pro is­são de ba­te-cha­pa, que exer­ceu até inais dos anos 70, che­gan­do a atin­gir o grau de se­gun­do che­fe na sec­ção de ba­te-cha­pa da Bri­ga­da de Cons­tru­ção Mi­li­tar.

Em 1980 ocu­pou o car­go de ge­ren­te num dos res­tau­ran­tes da ca­pi­tal. É as­sim que ga­nha ex­pe­ri­ên­cia em ges­tão ho­te­lei­ra e nes­te mes­mo ano fun­da o res­tau­ran­te de­no­mi­na­do Avó Kum­bi, si­tu­a­do no Bair­ro do Gol­fe, que veio a ser o pon­to de re­fe­rên­cia mais re­le­van­te do re­fe­ri­do bair­ro. Ci­en­te do seu de­ver co­mo mú­si­co, em 1986 faz es­for­ços e cria a ca­sa de mú­si­ca Can­ti­nho do Ar­tis­ta, que ser­viu de fon­te de re­cei­tas pa­ra mui­tos ar­tis­tas. Em 1993, ten­do em con­ta a sua ab­ne­ga­da de­di­ca­ção à cul­tu­ra e à gas­tro­no­mia, fun­da a fei­ra Avó Kum­bi, que pos­te­ri­or­men­te to­mou o no­me de No­va Vi­da e, um pou­co de­pois, de Di­vór­cio.

No dia 17 de Se­tem­bro de 1997, Ma­nu­el Cons­tan­ti­no “Nick” foi ga­lar­do­a­do pe­lo en­tão ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de “Rei da Mú­si­ca Tra­di­ci­o­nal”, da­do o seu em­pe­nho pe­la mú­si­ca e cul­tu­ra no mu­ni­cí­pio do Ki­lam­ba Ki­a­xi. Dei­xa viú­va, 27 ilhos e 55 ne­tos.

A pe­re­ni­da­de dos rit­mos an­go­la­nos

Do seu ami­go Mas­sa­no Jú­ni­or, em re­pre­sen­ta­ção da União dos Ar­tis­tas e Com­po­si­to­res- UNAC, ou­vi­mos que Nick ini­cia a sua car­rei­ra ar­tís­ti­ca nos anos oi­ten­ta, vin­do a in­te­grar nas prin­ci­pais ban­das do país, com des­ta­que pa­ra Ki­tu­xi e Seus Acom­pa­nhan­tes. In­te­grou vá­ri­as tour­nées in­ter­na­ci­o­nais que lhe le­va­ram a co­nhe­cer Ar­gé­lia, Por­tu­gal, Con­go Braz­za­vil­le, Bra­sil, Áfri­ca do Sul, Suí­ça, Fran­ça, Zim­babwe e ou­tros que lhe trans­for­ma­ram num ver­da­dei­ro ci­da­dão do mundo. “Es­ta­mos di­an­te do eter­no si­lên­cio do au­tor de Ki­a­mu­kum­bi, Ku­mus­se­ke­le, Di­cho­cho­lo, Mu­la­to can­ga mas­sa, Tun­ga­né e ou­tros re­gis­tos que fi­ze­ram su­ces­so. Es­te de­sa­pa­re­ci­men­to cons­ti­tui uma per­da ir­re­pa­rá­vel no te­ci­do cul­tu­ral na­ci­o­nal, um ar­tis­ta que sem equí­vo­cos apos­tou tra­zer à mo­der­ni­da­de o sa­bor fol­cló­ri­co do can­ci­o­nei­ro tra­di­ci­o­nal. Es­sa pre­ten­são fi­cou a sua mar­ca ar­tís­ti­ca, cul­ti­van­do um es­ti­lo de mú­si­ca que po­de ser con­si­de­ra­do uma ma­triz por re­flec­tir a pe­re­ni­da­de dos rit­mos an­go­la­nos, e es­te é o mai­or le­ga­do que nos dei­xou. Mas o gé­nio e ma­es­tria des­se co­le­ga con­ti­nu­a­rá co­mo uma re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel, pois a sua obra mu­si­cal per­ma­ne­ce­rá vi­va e a his­tó­ria da mú­si­ca an­go­la­na de­ve­rá re­gis­tar com le­tras de ou­ro a sua va­li­o­sa con­tri­bui­ção”.

Por ou­tro la­do, re­fe­riu que a sua obra ar­tís­ti­ca em mui­to se con­fun­de com a lu­ta dos can­to­res da sua ge­ra­ção em man­ter vi­va a pro­mo­ção da an­go­la­ni­da­de no cír­cu­lo mu­si­cal, já que sou­be fa­zer da mú­si­ca uma ar­ma de com­ba­te e de exal­ta­ção de va­lo­res co­mo pa­tri­o­tis­mo e cul­tu­ra na­ci­o­nal. “Mas, no fun­do, per­de­mos um ver­da­dei­ro es­cul­tor da mú­si­ca an­go­la­na de raiz”, con­clui o mem­bro do cor­po di­rec­ti­vo da União dos Ar­tis­tas e Com­po­si­to­res.

As­so­ci­a­ti­vis­mo no Ki­lam­ba Ki­a­xi

A As­so­ci­a­ção dos Na­tu­rais e Ami­gos do Ki­lam­ba Ki­a­xi, em jei­to de no­ta de con­do­lên­ci­as à fa­mí­lia en­lu­ta, sa­li­en­tou que Ma­nu­el Cons­tan­ti­no dei­xa um lu­gar in­subs­ti­tuí­vel pa­ra o mo­vi­men­to as­so­ci­a­ti­vis­ta do Ki­lam­ba Ki­a­xi, que o re­me­te à re le­xão do pas­sa­do his­tó­ri­co e cul­tu­ral des­te mu­ni­cí­pio. “Foi um ho­mem exí­mio, de­fen­sor e con­tri­buin­te à cau­sa da a ir­ma­ção do mo­vi­men­to as­so­ci­a­ti­vis­ta. Se­rá por nós imor­ta­li­za­do e sem­pre te­re­mos di icul­da­des em des­cre­ver a di­men­são in­vul­gar do seu ide­al de so­ci­a­li­za­ção: ho­mem sim­pá­ti­co, hu­ma­no, di­a­lo­gan­te, ac­ti­vis­ta, or­ga­ni­za­dor, aten­to, ou­vin­te, mo­bi­li­za­dor, con­ver­gen­te, ur­ba­no, pa­tri­o­ta e na­ci­o­na­lis­ta, qua­li­da­des e vir­tu­des de um ho­mem que sem­pre co­lo­cou Deus no cen­tro da sua vi­da”, des­cre­ve.

A re­cor­dar, dei­xou cla­ro que os seus mem­bros guar­da­rão os mo­men­tos mu­si­ca­dos pe­lo can­tor, lem­bran­do com des­ta­que o te­mas car­ta­zes Avô Kum­bi e Ca­be­ci­nha, ou em mo­men­tos de con­ver­sas em que fa­la­va em tom im­pe­ra­ti­vo as se­guin­tes pa­la­vras: “Quan­do eu mor­rer, os meus ami­gos e com­pa­nhei­ros sen­ta­rão na mes­ma me­sa, jo­ga­ram bis­ca, con­ta­rão his­tó­ri­as da mi­nha vi­da, e as­sim lem­bra­rão me­lhor as mi­nhas me­mó­ri­as”, sá­bi­as pa­la­vras hon­ra­das pe­los ami­gos Hen­da, Nan­do Ma­ria, San­ti­a­go, Lo­pes, Su­za­ni­to, Ma­cha­di­nho, Si­mão, Qu­ei­roz, Tio Li­to, Na­za­re­no, Ba­ló Ja­nuá­rio, Job Ca­pa­pi­nha e ou­tros.

Mas, con­ti­nua a re­fe­ri­da as­so­ci­a­ção da qual era mem­bro fun­da­dor, a sua imor­ta­li­da­de es­tá pxa­ten­te no es­pa­ço Avó Kum­bi ou Di­vór­cio, tes­te­mu­nha pal­pá­vel dos seus pas­sos e da sua con­tri­bui­ção ao mu­ni­cí­pio.

Os mú­si­cos in­ter­pre­ta­ram os su­ces­sos de Nick du­ran­te a ce­ri­mó­nia fú­ne­bre

Nick

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.