DO CAN­TAR PO­PU­LAR UM­BUN­DU

Jornal Cultura - - LETRAS -

Diz o sen­so co­mum que can­tar é, as- sob o ris­co de cres­ce­rem chi­fres na ca- qu­e­ri­do, es­tou can­sa­do], sen­do que ras do con­cur­so “Va­ri­an­te” em su­as sim co­mo cho­rar e rir, ma­ni­fes­ta­ção be­ça do de­so­be­di­en­te. Ser­vi­ria o dog- “Tri­ti­ti”, o no­me da cri­an­ça-per­so­na- pro­vín­ci­as. Há que se­gu­rá-las. uni­ver­sal. Isola-se no en­tan­to o dan­çar, ma pa­ra evi­tar a pre­gui­ça? Al­guns de- gem, é ono­ma­to­peia do rit­mo de ba­las. "Olohom­bo kepya/ kepya/ olo­ma- já que, ape­sar de ser um ines­go­tá­vel les, ho­je, eu os as­se­me­lha­ria a fil­mes Ain­da en­tre os con­sa­gra­dos, re­al­ce lan­ga vim­bo/ Aci fu/ Aci mbê/ Avoyo/ cam­po de es­tu­dos, qua­se sem­pre de- de ter­ror. Ha­via tam­bém os ro­mân­ti- pa­ra Ja­cin­to Tchi­pa, Sa­bi­no Hen­da e twen­dain­da nde­ti". Es­te tre­cho é de pen­de do es­tí­mu­lo da can­ção/mú­si- cos, os he­rói­cos. Não ra­ras ve­zes, pe- Flay, es­te úl­ti­mo que tem in­cor­po­ra­do uma dan­ça fol­cló­ri­ca em ro­da de mãos ca/rit­mo, di­go eu. Daí ter elei­to ape­nas día­mos que nos re­pe­tis­sem es­sa ou em mé­dia uma mú­si­ca da nos­sa tra­di- da­das, gi­ran­do aos pu­los num sen­ti­do, a can­ção pe­lo ân­gu­lo da so­ci­o­cul­tu­ra aque­la es­tó­ria du­ran­te anos. Não vi- ção em ca­da ál­bum, o que é pou­co. Já o lo­go in­ver­ti­do me­di­an­te a ló­gi­ca da do gru­po et­no-lin­guís­ti­co Ovim­bun­du. nham a se­co, car­re­ga­vam sem­pre uma Nda­ka Yo Wiñi, ra­di­ca­do em Lu­an­da, men­sa­gem quan­do se dis­ser "twen-

Co­mo já re­fe­ri­do em tex­tos an­te­rio- can­ção ou mais que is­so – já não sei se bem co­mo o Su­ku­mun­lã e o Ku­pe­le­te- dain­da nde­ti" [o nor­mal é ir­mos as- res, a vi­vên­cia é um re­cur­so va­li­o­so não era a can­ção que as car­re­ga­va. la, de Benguela, são can­to­res e com­po- sim]. Se­gun­do o Duo Canhoto, com­pi- on­de a bi­bli­o­gra­fia es­cas­seia. Re­cor- As can­ções são de in­de­fec­tí­vel har- si­to­res cu­ja re­a­li­za­ção tar­da tão-só la­dor da rap­só­dia "Om­boyo" [o com- re­rei, pois, a me­mó­ri­as de in­fân­cia na mo­nia me­ló­di­ca. Quan­to à sua es­tru­tu- pe­la mi­o­pia dos ho­lo­fo­tes, tão fo­ca­dos boio], que ga­nhou mai­or vi­si­bi­li­da­de co­mu­na do Mon­te Be­lo, mu­ni­cí­pio do ra, o ver­so não é pre­o­cu­pa­ção, pe­lo me- no dan­çan­te, efé­me­ro e oco elec­tró­ni- de­pois de ga­nhar de can­to­ra Pé­ro­la Bo­coio, em Benguela, que aban­do­nei nos não li­te­ral­men­te co­mo o co­nhe­ce- co. Te­mos aqui os mais re­pre­sen­ta­ti- uma rou­pa­gem co­mer­ci­al, a es­sên­cia aos se­te anos de­vi­do à gu­er­ra ci­vil. mos. São a men­sa­gem ob­jec­ti­va e a li- vos con­ti­nu­a­do­res, pe­lo que se­ria tris- da pa­rá­bo­la é: nu­ma co­mu­ni­da­de em Per­mi­tam-me ves­tir de au­ra po­si­ti­va a ção sub­ja­cen­te o mais im­por­tan­te, on- te vê-los de­sis­ti­rem. gu­er­ra, os pa­ra­dig­mas fun­ci­o­nam de má­xi­ma de que “se po­de ti­rar a pes­soa de o frag­men­ta­do, a pa­rá­bo­la e o pro- Os ve­te­ra­nos Jo­sé Vi­o­la, César Can- ma­nei­ra in­ver­sa, on­de, li­te­ral­men­te, do ma­to, e não o ma­to da pes­soa”, por- vér­bio co­a­bi­tam com o es­ti­lo can­ta-au- gue e Jo­a­quim Vi­o­la, li­ga­dos à Rá­dio os ca­bri­tos ficam na la­vra, ao pas­so quan­to o con­cei­to “ma­to” re­pre­sen­ta, tor. Al­guns no­mes da mú­si­ca trans­por- Na­ci­o­nal de An­go­la, têm lu­gar ca­ti­vo que as pa­lan­cas ficam na al­deia. Tra­ta- no fa­lar das nos­sas gen­tes, o meio ru- ta­ram pa­ra dis­cos a tra­di­ção, quer no na me­mó­ria co­lec­ti­va. “A mon­lan­ge/ se de mais uma ma­ni­fes­ta­ção dos nos- ral e to­da a sua mís­ti­ca – não ne­ces­sa- con­teú­do, quer na for­ma. É cer­to que a ku li­le­li­le/ nyõhõ wa­lin­ga ociwaya/ sos an­te­pas­sa­dos con­tra a de­sor­dem ri­a­men­te a sel­va­ja­ria. li­nha é té­nue en­tre in­ter­ven­ção e tra­di- oman­gu yo­vowo­te­le/ ka ku­li u ka tu- ine­ren­te a lu­tas e con­fli­tos.

No “ma­to” ou kim­bo, vi­ver é can­tar, ção oral não en­ga­ja­da. Es­tá aqui em mã­la ko” [meu fi­lho/ não cho­res/ a tua Há en­tre­tan­to uma can­ção, tam­bém ha­ven­do a des­ta­car: (a) o cam­po da cau­sa o es­ti­lo cor­ri­do de nar­rar. Fa­le- mãe tor­nou-se va­dia/ ca­dei­ra de ho- ab­sor­vi­da em pe­que­no, que des­per­ta mo­bi­li­za­ção po­lí­ti­ca e com­ba­ti­va, que mos a se­guir de qua­tro no­mes do pla- tel/ não há quem lá não se sen­te], cu­ri­o­si­da­de pe­la pre­o­cu­pa­ção que pa- não po­de ser ig­no­ra­do pa­ra a ri­go­ro­sa nal­to cen­tral (Huambo e Bié). (Can­gue); “Ame ame Ciyun­ge/ va­tu­ci- re­ce re­si­dir na con­cep­ção quan­to ao com­pre­en­são da nos­sa his­tó­ria (fos­se Zé Kat­chiun­go, que se no­ta­bi­li­zou ta ka­va­li/ Ciyun­ge/ va­tu­tu­ma olon- rit­mo e mé­tri­ca. Can­ta­da é ain­da me- do la­do do MPLA mo­vi­men­to, do go- pe­la mú­si­ca de re­sis­tên­cia (na Jam­ba), gom­be/ ove ekum­bi lyain­da” [Eu sou a lhor, mas fi­que­mos pe­lo tex­to ape­nas, ver­no, fos­se do la­do da Unita); (b) a di- é exí­mio con­ta­dor de es­tó­ri­as e pro­vér- Ciyun­ge/ So­mos dois ir­mãos só/ man- o úni­co meio pos­sí­vel aqui: men­são social e an­tro­po­ló­gi­ca – so­bre- bi­os em tons bem dan­çan­tes, co­mo são dam-nos pas­tar o ga­do/ quan­do já se On­dum­bu wéh [lá o leão]/ Yalya, tu­do no que à di­vi­são de ta­re­fas res­pei- exem­plos “ucin­je uti wo­va­va” e “oci­ko- pôs o sol], (de Jo­a­quim Vi­o­la e rein­ter- yalya, ya­mã­lã [de­vo­rou a tu­do e to- ta –, no pal­co que é a pe­dra on­de mu- ko”. Bes­sa Tei­xei­ra é mais co­nhe­ci­do pre­ta­do pe­las Jin­gas). Jun­ta-se a eles o dos]/ Ku­lo ka yi­pi­ti­lã [aqui, po­rém, lhe­res trans­for­mam mi­lho em fu­ba, na pe­la re­e­di­ção de can­ta­res po­pu­la­res do Fedy, au­tor do su­ces­so “Kalupeteka”, não che­ga]/ Ame wéh [eu cá] / Ndaim- au­sên­cia de mo­a­gei­ras in­dus­tri­ais, que por te­mas. Jus­ti­no Han­dan­ga é ou- que mui­to con­tri­buiu pa­ra a re­con­ci- ba odun­ge oci­la­vi [con­fio no ma­te­ri­al ajus­tan­do gol­pes com o “upi” (pi­so) ao tra pe­dra-an­gu­lar, cu­ja mar­ca é o cru- li­a­ção na­ci­o­nal. com que fiz o cer­co] / On­dum­bu yi­pi­ta com­pas­so de can­ções, qu­an­tas ve­zes a za­men­to en­tre a re­co­lha e o re­tra­to so- Vo­zes fe­mi­ni­nas são es­po­rá­di­cas. pi? [on­de é que irá pas­sar o leão?] sa­ti­ri­zar ou a con­de­nar há­bi­tos e ac- ci­al em prol dos mais des­fa­vo­re­ci­dos. Sur­giu Mi­la Me­lo com rap­só­dia nos Ter­mi­no, por­tan­to, com du­as per- ções (do in­di­ví­duo ao co­lec­ti­vo) com Por sua vez, Viñi-Viñi [cu­ja al­cu­nha anos 90. Há du­as dé­ca­das sur­gi­ram gun­tas de re­tó­ri­ca: te­rá ha­vi­do in- ba­se no sis­te­ma de va­lo­res do meio, sig­ni­fi­ca “Etc., Etc.], já fa­le­ci­do, nar­ra pe- Be­la Chi­co­la e Pé­ro­la. Patrícia Fa­ria fluên­cia de al­gum “mis­si­o­ná­rio” oci- mas; (c) é na ora­li­da­de (ba­tu­ca­das, se- ri­pé­ci­as de um con­tra­ta­do nas mi­nas de re­cu­pe­rou “Ka­ta­li­na”, do tre­cho “ka den­tal pa­ra a es­té­ti­ca da ri­ma? Pois rão no on­jan­go ou à vol­ta da fo­guei­ra) ou­ro de Trans­va­al, à épo­ca co­lo­ni­al, kwe­le­le on­gon­go ka yi­le­te” [quem não nos pa­re­ce ser ca­su­al es­ta ela­bo- que re­si­de o mo­ti­vo des­ta di­va­ga­ção. bem co­mo a hu­mi­lha­ção que é a gu­er­ra: nun­ca se ca­sou não sa­be o que é so- ra­ção. Quan­do foi que sur­giu a fá­bu­la

Os con­tos, mar­ca­da­men­te fan­tás­ti- “Tri­ti­ti, não cho­res mais/ por­que o pa- frer]. Kas­so­va, de Benguela, e Ed­na des­ta can­ção atri­buí­da à le­bre? cos e me­lan­có­li­cos, só po­di­am ser par- pá/ não tem pão/ pa­ra te dar/ (…) hu ka- Ma­teia, do Huambo, des­ta­ca­ram-se ti­lha­dos de noi­te, nun­ca à luz do dia, li­le va­li, Ota, nda­ka­va” [não cho­res mais, nos úl­ti­mos anos en­quan­to ven­ce­do-

Ja­cin­to Tchi­pa

Jus­ti­no Han­dan­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.