Cró­ni­ca

Jornal Cultura - - ARTES - IMAN­NI DA SILVA

Pois é meus ca­ros a per­gun­ta que exis­tên­cia dos mes­mos. Nu­ma An­go­la sim­ples fac­to de se­rem hu­ma­nos. Os to­dos fa­zem e que não quer calar. Vi- que cres­ce e pre­ten­de con­ti­nu­ar a fa- par­ti­dos da opo­si­ção que são to­tal- ram o bei­jo? O pri­mei­ro bei­jo gay na zê-lo em to­dos os ter­mos, se­ria um men­te na­ci­o­na­lis­tas re­pro­vam a ho- te­le­vi­são an­go­la­na, ou me­lhor, se me ab­sur­do ter que dar um pas­so pa­ra mos­se­xu­a­li­da­de tal co­mo ci­ta Joa- per­mi­tem, o pri­mei­ro bei­jo gay nu­ma atrás, per­den­do tem­po em pren­der e quim Na­foia, o se­cre­tá­rio pa­ra in­for- te­le­no­ve­la an­go­la­na in­ter­pre­ta­da por pu­nir pes­so­as que só que­rem vi­ver ma­ção do Par­ti­do de Re­no­va­ção So- dois ac­to­res an­go­la­nos, pois ce­nas ín- em paz a sua ori­en­ta­ção se­xu­al en- ci­al PRS de que os ho­mos­se­xu­ais de- ti­mas en­tre dois ho­mens com di­rei­to quan­to au­men­tam os as­sal­tos, ho­mi- ve­ri­am ser in­ter­na­dos em hos­pi­tais a bei­jo na nos­sa te­le­vi­são pú­bli­ca já cí­di­os e vi­o­la­ções em mui­tos ca­sos de psi­quiá­tri­cos . Mais di­nhei­ro pú­bli­co pas­sa­ram nos anos 90 e se bem me cri­an­ças e, pa­ra ver­mos a que pon­to gas­to à toa e em vão, com tan­ta coi­sa a lem­bro num se­ri­a­do brasileiro que che­ga a men­te ma­chis­ta e ho­mo­fó­bi­ca fa­zer em ter­mos de edu­ca­ção, saú­de e pas­sa­va aos do­min­gos. Pois bem, e de mui­tos, nun­ca se fa­lou na pe­na de se­gu­ran­ça. De­ve­ri­am era mu­dar pa­ra nes­sa al­tu­ra nin­guém dis­se na­da, e mor­te pa­ra os cri­mes aci­ma ci­ta­dos PAS Par­ti­do de Atra­so Social. O PRS, cu­ri­o­sa­men­te o bei­jo dos bra­si­lei­ros mas, no que diz res­pei­to aos gays, já tal com a FNLA, de­cla­ra que não ne- du­rou um se­gun­do mais que o nos­so. pa­re­ce um boa ideia. Pren­der e pu­nir ces­si­ta dos vo­tos dos gays nas elei- Mas se­rá que de­vo cha­mar de bei­jo ou gays? Pes­so­as que ape­sar de tu­do são ções, um ac­to mui­to pou­co in­te­li­gen­te se­li­nho? O en­cos­tar de lá­bi­os que du- nor­mais pois pen­sam, têm sen­ti­men- pa­ra quem tem se­de e pres­sa de che- que viu e ou­viu, nes­se ca­so os gays rou li­te­ral­men­te um se­gun­do cau­sou tos e ser­vem tan­to co­mo qual­quer ou- gar ao po­der pois o nú­me­ro de gays se­ri­am he­te­ros por cau­sa das no­ve- ala­ri­do, quem di­ria! Gol­pe de mar­ke- tro in­di­ví­duo pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to no país é bem mai­or do que pen­sam, las, fil­mes e as pes­so­as a sua vol­ta. ting ou ino­cen­te ima­gi­na­ção dos au­to- da sua so­ci­e­da­de, pois es­tu­dam, tra- sem con­tar com os seus fa­mi­li­a­res, Al­guém pu­bli­cou que a ho­mos­se­xua- res o que in­te­res­sa é que até in­ter­na- ba­lham e têm idei­as ino­va­do­ras. Se as ami­gos e sim­pa­ti­zan­tes, en­tão não se li­da­de é a mai­or ame­a­ça da hu­ma­ni- ci­o­nal­men­te ago­ra a no­ve­la já é até fa- pes­so­as sou­bes­sem qu­an­tas ve­zes sur­pre­en­dam se nun­ca ga­nha­rem. Na da­de co­mo se de uma do­en­ça con­ta- la­da(ain­da bem) e co­mo se diz to­da elas aplau­dem os gays em An­go­la, ar- mi­nha opi­nião, de­ve sim ha­ver de­ba- gi­o­sa se tra­tas­se cu­ja pro­pa­ga­ção publicidade é boa publicidade. Mas o ran­ca­vam os seus ca­be­los. Gays nes­te tes e sim ha­ver um con­sen­so, on­de to- eli­mi­na­rá a pos­si­bi­li­da­de de ha­ver que pa­re­cia ser um sim­ples bei­jo téc- País es­tão em to­dos os ra­mos, eles es- dos te­nham a li­ber­da­de de se­rem o pro­cri­a­ção fu­tu­ra­men­te e pa­ra mim ni­co en­tre dois ho­mens cau­sou um es- tão no des­por­to, po­lí­ti­ca, mú­si­ca, te­le- que são sem que as su­as con­di­ções se- não há na­da mais fo­ra de mo­da do cân­da­lo que di­vi­diu opi­niões e fez vi­são e em gran­des car­gos em em­pre- jam im­pos­tas so­bre ou­tros. Não con- que di­zer que o HIV/ SI­DA é uma pen­sar, re­flec­tir e de­ba­ter. Em­bo­ra si- sas do Es­ta­do e pri­va­das. Eu mes­mo cor­do com a te­se de que ca­sais do do­en­ça gay, bas­ta ver co­mo mui­tos ga a no­ve­la eu não as­sis­ti ao epi­só­dio co­nhe­ço mui­tos, mas co­mo não me mes­mo se­xo te­nham que mos­trar dos nos­sos jo­vens (he­te­ros)ho­je se em que hou­ve o bei­jo mas co­mo tu­do com­pe­te abrir a por­ta do ar­má­rio dos afec­to em pú­bli­co pois tem que se res- com­por­tam co­mo co­e­lhos na fa­se do ho­je em dia é tão ins­tan­tâ­neo quan­to ou­tros man­te­nho o bi­co bem fe­cha­do. pei­tar a sen­si­bi­li­da­de alheia e nin- aca­sa­la­men­to. En­fim com tan­to dis- o ca­fé no lei­te a ce­na já es­tá no You­tu- Em­bo­ra não va­li­de o ca­sa­men­to ou guém é obri­ga­do a abrir a men­te da pa­ra­te so­bre es­te as­sun­to, de­vo be.com pa­ra quem quer re­pe­tir, par­ti- união de fac­to en­tre pes­so­as do mes- mes­ma for­ma que nin­guém tem o di- acres­cen­tar que só com in­for­ma­ção, lhar e ma­tar a cu­ri­o­si­da­de. O Fa­ce- mo se­xo, a Cons­ti­tui­ção an­go­la­na ga- rei­to de dis­cri­mi­nar e des­res­pei­tar en­ten­di­men­to, união, res­pei­to mú­tuo bo­ok pa­re­cia um si­te cri­a­do só pa­ra se ran­te li­ber­da­de aos ci­da­dãos o que ou­trem pe­lo que faz en­tre qua­tro pa- e opor­tu­ni­da­des pa­ra to­dos é que um de­di­car ao de­ba­te e qu­an­tas fo­ram as pes­so­al­men­te já es­tá de bom ta­ma- re­des. Se­gun­do a opi­nião de al­guns, as país cres­ce­rá e quan­to ao pen­sa­men- dis­cus­sões e in­sul­tos em pá­gi­nas cria- nho pois não é im­por­tan­te aos gays cri­an­ças são as mai­o­res ví­ti­mas, o que to de que ho­mos­se­xu­a­li­da­de não é das de pro­pó­si­to pa­ra de­fen­der ou de- te­rem que mos­trar afec­to em pú­bli­co pa­ra mim é des­ca­bi­do pois nin­guém uma re­a­li­da­de nos­sa, só me res­ta di- to­nar a no­ve­la na­ci­o­nal. O que va­le é mas sim o res­pei­to da so­ci­e­da­de pe­lo de­se­ja al­guém do mes­mo se­xo só por zer JI­KU­LU­MES­SU An­go­la. que fez com que as pes­so­as fa­las­sem for­ço­sa­men­te so­bre uma re­a­li­da­de pa­ra a qual o país por mui­to tem­po ten­tou fe­char os olhos. E o pi­or é que, tal co­mo um dos per­so­na­gens, mui­tos são os ho­mos­se­xu­ais ca­sa­dos que cons­tan­te­men­te tra­em as su­as mu- lhe­res pa­ra que, gra­ças à in­fi­de­li­da­de, pos­sam ser eles mes­mos, in­fe­liz­men- te. Mui­tos ci­da­dãos in­sis­tem em di­zer de que tal ac­to não faz par­te da nos­sa cul­tu­ra e que a pro­du­ção da no­ve­la quer in­flu­en­ci­ar as pes­so­as. Ora ve­ja- mos. Ori­en­ta­ções se­xu­ais, nes­te ca­so a ho­mos­se­xu­a­li­da­de, sem­pre fi­ze­ram par­te da hu­ma­ni­da­de desde que Adão caiu em ten­ta­ção. Em qual­quer país des­te mundo exis­tem ho­mos­se­xu­ais e na­da tem a ver com in­fluên­ci­as ou glo- ba­li­za­ção, até se es­que­cem que, em mui­tos paí­ses da Eu­ro­pa nos quais os ho­mos­se­xu­ais são pro­te­gi­dos por lei, uma vez so­fre­ram e mui­to pa­ra que ho­je pu­des­sem ser li­vres, li­ber­da­de es­ta que An­go­la re­ceia. Ho­je exis­te li- ber­da­de e pa­re­ce que mes­mo que os gays em An­go­la ten­tem ter o mí­ni­mo de pudor e man­ter a dis­cri­ção, mui­tas são as pes­so­as que que­rem leis que os pu­nam pe­lo fac­to de as in­co­mo­dar a

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.