A lu­so­fo­nia é uma bo­lha 2. Um mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo va­zio

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural -

si­da­des, opi­nião, che ias ou go­ver­no); além de um bai­xo ho­ri­zon­te de ex­pec­ta­ti­vas, nas es­co­las, nos mei­os in­te­lec­tu­ais e ar­tís­ti­cos.

Na au­sên­cia de opor­tu­ni­da­des ou es­tí­mu­los só­cio-cul­tu­rais e eco­nó­mi­cos, o de­sâ­ni­mo as­so­la: foi na ca­pi­tal do império que eu mon­tei a mi­nha bar­ra­ca / não con­si­go afas­tar a mi­nha pis­to­la, en­quan­to me­ni­no não co­nhe­ci ne­nhu­ma es­co­la, no li­ceu nun­ca vi / re­for­ma­tó­rio já fu­gi / Sa­ra­ma­go nun­ca li / pre­pa­ra­tó­rio de­sis­ti, can­tam os Phil­lar­mo­nic We­ed.

A vi­da apar­ta­da do cen­tro (da tal Lis­boa co­ol e mul­ti­cul­tu­ral) que habita em dor­mi­tó­ri­os, que se ar­ras­ta em com­boi­os e bar­cos de exaus­tão, ou pas­sei­os a cen­tros co­mer­ci­ais, é uma es­pé­cie de con­di­ção re­pro­du­zi­da em vá­ri­as ge­ra­ções, ex­cluí­da des­te car­tão de vi­si­ta que crêem fa­zer va­ler quan­do se fa­la de uma so­ci­e­da­de on­de ca­bem to­das as cul­tu­ras. Mas, a par­tir da pe­ri­fe­ria, a no­va diás­po­ra africana “ul­tra­pas­sa em gran­de par­te as vi­sões sim­plis­tas de di­fe­ren­ça cul­tu­ral e ra­ci­al que do­mi­nam o dis­cur­so pú­bli­co” (Teresa Fra­di­que, Fi­xar o Mo­vi­men­to, 2002, p.69), por exem­plo atra­vés do rap, cons­truin­do um dis­cur­so crí­ti­co so­bre es­sa mes­ma con­di­ção.

6. pen­sar o “Ou­tro”: um mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo va­zio

A úni­ca for­ma de pen­sar o “Ou­tro” até ago­ra tem si­do ou as­si­mi­lar ou to­le­rar (Sanches, 2006: 8), ou ape­nas ex­plo­rar. En­ten­da-se to­le­rân­cia no sen­ti­do do iló­so­fo es­lo­ve­no Sla­voj Zi­zek: to­le­rar o “Ou­tro en­quan­to es­te não é o ver­da­dei­ro Ou­tro, mas o Ou­tro as­sep­ti­za­do da sa­be­do­ria eco­ló­gi­ca pré-mo­der­na (…)a par­tir do mo­men­to em que se tra­ta do Ver­da­dei­ro Ou­tro (di­ga­mos, à cli­to­ri­dec­to­mia, às mu­lhe­res con­de­na­das ao uso do véu, à tor­tu­ra que acar­re­ta a mor­te dos ini­mi­gos), da ma­nei­ra co­mo o Ou­tro re­gu­la a es­pe­ci ici­da­de do seu go­zo, a to­le­rân­cia de­tém-se.” (Zi­zek, 2006: 76) Ou se­ja, ou se pro­cu­ra o se­me­lhan­te (omi­ti-lo em no­me da ho­mo­ge­nei­za­ção da na­ção) ou o res­pei­to dis­tan­te, sem­pre por aqui­lo que é ino­fen­si­vo e ‘tra­tá­vel’, o que pres­su­põe uma des­po­li­ti­za­ção de to­do es­te pro­ces­so ou es­tra­té­gi­as de con­vi­vên­cia.7

Se a mul­ti­cul­tu­ra­li­da­de sur­gi­da na Eu­ro­pa é en­ten­di­da co­mo um veí­cu­lo que pro­por­ci­o­nou po­lí­ti­cas de re­co­nhe­ci­men­to, há que con­tex­tu­a­li­zá- la. No meio de tan­tas ofer­tas cul­tu­rais e tan­tas bo­as von­ta­des de ‘aber­tu­ra ao Ou­tro’, há que ter cui­da­do co­mas ver­sões de mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo pa­ra as quais so­mos con­vo­ca­dos,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.