Mar­ce­la Cos­ta Da te­ce­la­gem ar­tís­ti­ca à CE­LA­MAR

Jornal Cultura - - Primeira Página - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA |

Em alu­são ao Dia da Mu­lher An­go­la­na e ao Dia In­ter­na­ci­o­nal da Mu­lher, Mar­ce­la Cos­ta apre­sen­tou no pas­sa­do dia 10 de Mar­ço no Ca­mões – Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês a ex­po­si­ção de ta­pe­ça­ria “Re­ta­lhos de An­go­la”. Du­ran­te a inau­gu­ra­ção, foi lan­ça­do o li­vro so­bre a vi­da e obra da ar­tis­ta: “Mar­ce­la, Fi­lha de An­go­la”. “RE­TA­LHOS DE AN­GO­LA” mar­ca o re­gres­so de MAR­CE­LA COS­TA às ex­po­si­ções, após dez anos de au­sên­cia, de­vi­do às res­pon­sa­bi­li­da­de à fren­te da CE­LA­MAR (pro­mo­ção/di­vul­ga­ção de ou­tros ar­tis­tas e or­ga­ni­za­ção de ex­po­si­ções). A Ar­tis­ta apre­sen­ta 22 obras de ta­pe­ça­ria, das quais 13 iné­di­tas. Com te­ci­dos, es­tei­ras, mis­san­gas e tin­tas, que dão cor­po a igu­ra­ções di­ver­sas, MAR­CE­LA COS­TA re­vi­si­ta a cul­tu­ra tra­di­ci­o­nal de An­go­la, des­ta vez, com uma in­ci­dên­cia particular nos Po­vos do Sul.

A obra de Mar­ce­la Cos­ta apre­sen­ta­se-nos ar­qui­tec­ta­da em três pi­la­res fun­da­men­tais:

1. A ori­gi­nal ma­nu­fac­tu­ra da te­ce­la­gem;

2. Os mo­ti­vos ou igu­ra­ções ins­pi­ra­dos nos tra­ços da ar­te an­ces­tral;

3. A so­li­da­ri­e­da­de que bro­ta do Hu­ma­nis­mo ac­tu­an­te.

Is­to pres­su­põe tra­ba­lho. Pres­su­põe pa­ci­ên­cia. Per­sis­tên­cia. Hu­mil­da­de. E mui­to Amor. Amor e es­pe­ra de mãe. Mar­ce­la en­gra­vi­da um te­ma no úte­ro do te­ar. À noi­te os an­te­pas­sa­dos en­tram no seu so­nho e dei­xam-lhe icar ful­gu­ran­tes igu­ri­nos da Vi­da. De­pois dei­xa as mãos fe­cun­da­rem o so­nho no io es­ti­ca­do e um no­vo ser ve­ge­tal vem à luz ilu­mi­nar a al­ma de quem vê a obra, de quem tem fas­cí­nio pe­la Ar­te.

Mar­ce­la, um dia, se viu a de­se­nhar no pen­sa­men­to um no­vo qua­dro. Um qua­dro que fos­se al­ber­gue do mar e do sol, da ki­an­da e do den­dém, do don­go e da lor do ma­to. En­tão er­gueu ali na Ilha de Lu­an­da, um so­nho tan­gi­vel. E o so­nho nas­ceu, le­van­tou-se e deu som­bra aos ar­tis­tas de to­do o mundo. E vi­e­ram mui­tos, sen­tar-se à som­bra da­que­le so­nho. Me­ni­nas sem lar ga­nha­ram no­va fa­mí­lia num cír­cu­lo de Ngo­ma.

As­sim Mar­ce­la te­ceu no sal e na areia os ios do seu so­nho. E deu a es­se so­nho de pe­dra e cal o no­me de CE­LA­MAR.

CE­LA­MAR: ios te­ci­dos no sal da vi­da e na areia do tem­po.

CE­LA­MAR: An­go­la re­en­con­tra­da na la­rin­ge do amor.

CE­LA­MAR: a mão re­er­guen­do to­das as Áfri­cas do mundo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.