1961 ME­MÓ­RIA DE UM ANO DE­CI­SI­VO

Jornal Cultura - - Primeira Página - GUSTAVO COS­TA

Con­fron­ta­do com a mag­ni­tu­de dos “Tri­lhos da In­de­pen­dên­cia”, que a As­so­ci­a­ção Tchiwe­ka en­ten­deu ofe­re­cer-nos co­mo uma das mais re­cen­tes e va­li­o­sas pe­ças do nos­so acer­vo his­tó­ri­co-po­lí­ti­co,mer­gu­lha­mos ago­ra nas raí­zes das his­tó­ri­as tri­lha­das nas cen­to e no­ven­ta e oi­to pá­gi­nas da­qui­lo que po­de ser já o mai­or es­pó­lio do­cu­men­tal reu­ni­do até ho­je à vol­ta da nos­sa nar­ra­ti­va in­de­pen­den­tis­ta,com a am­pli­tu­de de uma uto­pia que se con­sa­grou na nos­sa mai­or sa­ga: a conquista da In­de­pen­dên­cia!

Não re­sis­ti tam­bém ao pi­o­nei­ris­mo de um tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção de uma en­ver­ga­du­ra ím­par, que tem o DNA de um na­ci­o­na­lis­ta cu­ja gran­de­za se con­fun­de com a epo­peia de mi­lha­res de an­go­la­nos que, na­que­le tem­po, há mais de cin­quen­ta anos, ca­da um à sua ma­nei­ra, de­ram o me­lhor de si pa­ra abri­rem os ca­bou­cos do nos­so edi ício pá­trio.

Por es­sa ra­zão, as fo­to­gra ias, os ví­de­os e as gra­va­ções, mais do que o acer­vo e o le­ga­do do na­ci­o­na­lis­ta Lú­cio La­ra, são a ex­pres­são do gri­to de al­ma de uma imen­sa ge­ra­ção de­po­si­tá­ria dos mais no­bres va­lo­res do nos­so mo­der­no na­ci­o­na­lis­mo.

Foi por es­sa ra­zão que, desde o pri­mei­ro mo­men­to, en­tre Fe­ve­rei­ro de 2011 e Ja­nei­ro de 2012, a equi­pa do No­vo Jor­nal da qual eu fa­zia par­te, se as­so­ci­ou, in­con­di­ci­o­nal­men­te, a es­ta ini­ci­a­ti­va.

Con­ta­gi­a­do pe­la sua di­men­são, o No­vo Jor­nal de en­tão abriu-lhe as pá­gi­nas e,as­su­min­do-se cúm­pli­ce da mes­ma cau­sa, pa­gi­na­do­res e jor­na­lis­tas, en­ten­de­ram con­tri­buir, de for­ma modesta, pa­ra a sua vi­si­bi­li­da­de ao ir­ra­di­ar gra is­mos e a ins ex­tra­or­di­ná­ri­os pa­ra um pro­jec­to que era en­tão uma es­pe­ran­ça e um so­nho e que, ago­ra, se tor­nou re­a­li­da­de.

Es­ta é uma obra que não foi ge­ra­da por ne­nhu­ma uni­ver­si­da­de, nem re­ce­beu o con­cur­so de ne­nhu­ma con­sul­to­ra es­tran­gei­ra, co­mo ago­ra, exa­ge­ra­da­men­te, vi­rou mo­da.

Tam­bém não foi es­cri­ta por ne­nhum jor­na­lis­ta in­sig­ne, que qua­se já não os há, nem por jo­vens en­gra­va­ta­dos que, fa­lan­do de cá­te­dra, da his­tó­ria têm a mes­ma va­ga no­ção que al­guns dos nos­sos no­vos ri­cos têm da po­bre­za...

Es­ta­mos pe­ran­te uma ar­ma po­de­ro­sa, que re­sis­tiu a to­das as ten­ta­ti­vas de ra­su­ra da his­tó­ria da In­de­pen­dên­cia e mes­mo a cer­tas cor­ren­tes ne­ga­ci­o­nis­tas, que gos­ta­ri­am de ver triun­fa­da aqui uma nar­ra­ção “des­ca­fei­na­da”.

Se es­sa nar­ra­ção se im­pu­ses­se, não se­ja­mos ino­cen­tes, pre­va­le­ce­ria a ma­ni­pu­la­ção da ver­da­de atra­vés de uma sub­til se­lec­ção de acon­te­ci­men­tos, que da­ria lu­gar à cri­a­ção de mi­tos pa­ra jus­ti icar dou­tri­nas e prá­ti­cas do pas­sa­do e do pre­sen­te.

Se es­sa nar­ra­ção triun­fas­se, as­sis­ti­ría­mos, não te­nha­mos ilu­sões, a ex­clu­são de par­tes da nos­sa me­mó­ria co­lec­ti­va e de gru­pos mais sen­sí­veis, tais co­mo as mi­no­ri­as ét­ni­cas, po­lí­ti­cas, re­li­gi­o­sas ou ra­ci­ais.

A As­so­ci­a­ção Tchiwe­ka pre­fe­riu a Na­ção e de­ci­diu me­mo­ri­zar um pe­da­ço cha­ve da nos­sa his­tó­ria cu­ja ri­que­za as­sen­ta na sua trans­ver­sa­li­da­de.

Ne­le es­tão pro­jec­ta­dos de­poi­men­tos e fo­tos me­mo­rá­veis de­pa­tri­o­tas an­go­la­nos, de ou­tros com­ba­ten­tes afri­ca­nos an­ti-co­lo­ni­a­lis­tas e tam­bém de an­ti-fas­cis­tas por­tu­gue­ses, que de­ci­di­ram so­li­da­ri­zar-se co­ma cau­sa an­go­la­na.

Não há aqui, nes­ta obra,an­go­la­nos da UPA, da FNLA, do MPLA, da Revolta Ac­ti­va, da Revolta do Les­te ou da UNITA. Há aqui ape­nas an­go­la­nos! Es­ta­mos aqui, por­ven­tu­ra, pe­ran­te a vi­a­gem do­cu­men­tal de mai­or fô­le­go na­ci­o­na­lis­ta, que car­re­ga o mé­ri­to de es­tar des­pi­da de es­trei­tis­mos par­ti­dá­ri­os ou de pre­con­cei­tos de na­tu­re­za ét­ni­ca, tri­bal, ra­ci­al ou re­li­gi­o­sa.

Es­ta­mos pe­ran­te um hi­no à re­con­ci­li­a­ção, es­cri­to com po­e­mas que afas­tam a ex­clu­são e pro­cu­ram an­tes ir­ma­nar pas­sa­dos com per­cur­sos di­fe­ren­tes mas to­dos eles tri­lhan­do o mes­mo es­pí­ri­to. Fo­lhas res­sus­ci­ta­das Es­ta­mos pe­ran­te uma obra com no­me e en­de­re­ço pró­pri­os, cu­jos tes­te­mu­nhos re­tra­tam os hor­ro­res da ocu­pa­ção co­lo­ni­al, os mor­tos, nas ci­da­des e nas ma­tas, os per­se­gui­dos e os de­sa­pa­re­ci­dos.

Es­ta­mos pe­ran­te um mo­nu­men­to es­cul­pi­do com de­vo­ção e dis­cri­ção, fo­ra dos ho­lo­fo­tes da pro­pa­gan­da, fei­to por gen­te sim­ples, modesta e ab­ne­ga­da, que fez des­ta in­ves­ti­ga­ção um de­sa io em bus­ca de um pas­sa­do e de um tem­po que, por­ven­tu­ra, mui­tos jul­ga­vam per­di­dos...

A lei­tu­ra des­ta obra ge­ra emoções e obri­ga- nos a re­vi­ver a cha­ma do pro­tes­to que gal­va­ni­zou mi­lha­res de na­ci­o­na­lis­tas de di­fe­ren­tes ma­ti­zes po­lí­ti­cas que, en­jau­la­dos pe­la PIDE na lu­ta clan­des­ti­na ou em­pu­nhan­do ar­mas nas ma­tas, lan­ça­ram as se­men­tes da ines­que­cí­vel ges­ta da li­ber­ta­ção de An­go­la das gri­lhe­tas do ocu­pan­te por­tu­guês.

Com­pro­me­ti­das ape­nas com a his­tó­ria, quei­ram as no­vas ge­ra­ções ler es­ta obra, que aju­da­rá a com­pre­en­der o pas­sa­do e a ilu­mi­nar o fu­tu­ro, atra­vés do que a As­so­ci­a­ção Tchiwe­ka qua­li icou co­mo “fo­lhas ar­qui­va­das, que não se­rão mor­tas, an­tes re­no­va­da­men­te res­sus­ci­ta­das”.

Por is­so é que es­ta é da­que­las obras que de­ve­ria igu­rar nos escaparates das nos­sas li­vra­ri­as e nas ga­le­ri­as das bi­bli­o­te­cas dos nos­sos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no pú­bli­co e pri­va­do.

Por­que par­tiu da ideia do res­ga­te da his­tó­ria, da ideia da li­ber­da­de de pen­sar, de fa­zer, de ser e de ver a his­tó­ria sem com­ple­xos e sem zo­nas de som­bra ou de es­cu­ri­dão.

Es­ta­mos pe­ran­te um no­tá­vel le­van­ta­men­to de uma par­te sig­ni ica­ti­va da his­tó­ria, fei­ta por uma as­so­ci­a­ção que re­cu­sa, po­rém, ser de­ten­to­ra­do mo­no­pó­lio dos seus des­po­jos.

Por is­so é que es­ta vas­ta com­pi­la­ção es­cri­ta, do­cu­men­tal, ico­no­grá ica e tes­te­mu­nhal, fei­ta em tem­po opor­tu­no, de­sa ia a isen­ção e a li­ber­da­de dos his­to­ri­a­do­res pa­ra que per­si­gam a in­ves­ti­ga­ção ago­ra ini­ci­a­da pe­la As­so­ci­a­ção Tchiwe­ka.

E, por­que é que os his­to­ri­a­do­res são cha­ma­dos a en­fren­ta­res­te de­sa io?

Pa­ra que as no­vas ge­ra­ções sai­bam que hou­ve um an­tes e um de­pois. Pa­ra que a ge­ra­ção 80 in­te­ri­o­ri­ze que o pas­sa­do acon­te­ceu e não po­de “de­sa­con­te­cer”.

Pa­ra que a ge­ra­ção Go­o­gle, aque­la que tem tu­do ao to­que do te­cla­do, que sa­be qua­se tu­do a res­pei­to dos ou­tros, não di­ga nun­ca, por nun­ca, que nun­ca ou­viu fa­lar dos hor­ro­res do co­lo­ni­a­lis­mo e da re­sis­tên­cia an­ti-co­lo­ni­al pro­ta­go­ni­za­da por mi­lha­res de heróis anó­ni­mos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.