A tra­di­ção oral um­bun­du oriun­da do Huambo “An­go­la é um po­e­ma lon­go e pro­fun­do”

Jornal Cultura - - Letras -

Éver­da­de apo­díc­ti­ca: a tra­di­ção oral an­go­la­na tem si­do ob­jec­to da re­co­lha, es­tu­do e aná­li­se de in­ves­ti­ga­do­res so­ci­ais, pes­qui­sa­do­res cul­tu­rais e es­cri­to­res an­go­la­nos e es­tran­gei­ros da mais di­ver­sa ce­pa.

Con­tu­do, en­tre os agru­pa­men­tos ét­ni­cos lin­guís­ti­cos que tem be­ne ici­a­do des­sa pes­qui­sa teó­ri­ca e/ou em­pí­ri­ca des­ta­cam-se os kim­bun­dus, os ki­kon­gos e os um­bun­dus. Em re­la­ção ao ima­gi­ná­rio des­te úl­ti­mo gru­po ét­ni­co-lin­guís­ti­co es­tão a cir­cu­lar em Lu­an­da dois tí­tu­los re­cen­te­men­te re­e­di­ta­dos pe­la UCCLA, no­me­a­da­men­te, “Can­ci­o­nei­ro Po­pu­lar An­go­la­no(sub­sí­di­os)”, re­co­lha do fa­le­ci­do ju­ris­ta Luís Gon­za­ga Lam­bo, “Can­ções de No­va Lis­boa”, que con­ta com “en­saio in­ter­pre­ta­ti­vo” do an­tro­pó­lo­go e crí­ti­co li­te­rá­rio Al­fre­do Mar­ga­ri­do, um dos mais pres­ti­gi­a­dos es­tu­di­o­sos das li­te­ra­tu­ras afri­ca­nas de lín­gua por­tu­gue­sa. Ri­que­za e di­ver­si­da­de da tra­di­ção oral

Ha­ja em vis­ta as­si­na­lar que, in­se­ri­da nes­ta es­tra­té­gia de di­vul­ga­ção da cul­tu­ra an­go­la­na além des­tes dois tí­tu­los, vá­ri­os são os es­cri­to­res an­go­la­nos que pes­qui­sa­ram, re­co­lhe­rem e di­vul­ga­ram con­tos, can­ções, pro­vér­bi­os e não só da tra­di­ção oral An­go­la­na. No es­tu­do do ca­so dos ki­kon­gos, o des­ta­que vai pa­ra António Fon­se­ca, sem es­que­cer um seu con­ter­râ­neo es­tre­an­te nes­tas li­des da pes­qui­sa et- no­grá ica. Em Cokwe, na pro­vín­cia do Mo­xi­co, a prin­ci­pal re­fe­rên­cia tem si­do o es­cri­tor Sa­mu­el Ka­cu­e­ji, que tem da­do a co­nhe­cer o pa­tri­mó­nio ima­te­ri­al so­bre o qual se tem de­bru­ça­do, ten­do já pu­bli­ca­do pe­la UEA vá­ri­os tí­tu­los so­bre o ima­gi­ná­rio oral da sua ter­ra na­tal. Na lín­gua kim­bun­du a igu­ra de mai­or re­le­vo foi e é Ós­car Ri­bas, in­des­men­ti­vel­men­te o mais re­pre­sen­ta­ti­vo do país, pe­la sua vas­ta obra nos do­mí­ni­os da li­te­ra­tu­ra oral, da et­no­gra ia, da an­tro­po­lo­gia, da ic­ção e não só, sem es­que­cer Ro­sá­rio Marcelino, com os con­tos tra­di­ci­o­nais, in­ti­tu­la­dos “Ji-sa­bu”. Mais: a pro­du­ção tex­tu­al de um Ua­nhen­ga Xi­tu, mes­mo re­cri­a­da com to­da car­ga da sua ori­gi­na­li­da­de,, in­se­re-se na pers­pec­ti­va di­a­cró­ni­ca des­sa li­nha ilo­só ica da nar­ra­ti­va oral an­go­la­na e, qui­çá, africana, com o gri­ot no epi­cen­tro da tri­bu­na dis­cur­si­va.

Já na ma­triz ovim­bun­du, que é o que nos mo­bi­li­za ho­je, aqui e ago­ra, sen­do, por is­so, a abor­da­gem que mais nos in­te­res­sa nes­te mo­men­to, sa­li­en­tam-se, so­bre­tu­do, dois no­mes: Raúl David, se­cun­da­do por Cos­ta Andrade, cu­jos li­vros fo­ram pu­bli­ca­dos du­ran­te os anos 80 e 90 pe­la União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, dan­do cor­po ma­te­ri­al ao ima­gi­ná­rio oral tan­to de Benguela, co­mo do Huambo e mes­mo do Bié. Raúl David pu­bli­cou di­ver­sos tí­tu­los de re­co­lhas de po­e­mas e nar­ra­ti­vas tra­di­ci­o­nais em um­bun­du, en­quan­to Cos­ta Andrade deu a lu­me “Le­nha se­ca” e “Di­zer as­sim”, re­co­lha de con­tos e pro­vér­bi­os um- bun­du, lín­gua na­ci­o­nal que do­mi­na­va e fa­zia ques­tão de ne­la se ex­pri­mir em pú­bli­co, in­clu­si­ve no par­la­men­to par gáu­dio da au­di­ên­cia, ou, me­lhor se­ja, pa­ra sur­pre­sa agra­dá­vel do pú­bli­co-al­vo.

Can­ci­o­nei­ro Po­pu­lar An­go­la­no

Vol­tan­do aos dois tí­tu­los que pre­si­dem es­te ar­ti­go, va­le res­sal­tar que, Gon­za­ga Lam­bo es­cre­ve “À Gui­sa de in­tro­du­ção que “da mi­nha cu­ri­o­si­da­de pe­lo com­ple­xo hu­ma­no, re­sul­tou o im­pul­so de in­ves­ti­gar os mo­ti­vos da mi­nha afec­ti­vi­da­de pe­la Áfri­ca, tra­go de sau­da­de que ab­sor­vo nas ho­ras do isolamento con­di­ci­o­nal, e ten­tar apa­gar na ar­dó­sia do des­ti­no o sub­jec­ti­vis­mo ne­ga­ti­vo eu­ro­cen­tris­ta, pe­gan­do luz à ve­la da ob­jec­ti­vi­da­de ne­gro­a­fri­ca­na”, re­for­çan­do que ”As­sim, co­mo se es­cre­ves­se à mi­nha ama­da, sau­do­so pul­sar do meu co­ra­ção e fer­vu­ra do meu san­gue, eu sin­to uma de­li­ci­o­sa emo­ção pa­ra com a con­vic­ção de a pe­na que ma­ne­jo, ir der­ra­mar sa­ca­das de luz so­bre uma de­mop­si­co­lo­gia que se in­di­vi­du­a­li­za nu­ma vi­vên­cia le­vi­a­na ou sis­te­ma­ti­ca­men­te ig­no­ra­da.”

G.. Lam­bo re­fe­re, a pro­pó­si­to, do tí­tu­lo que atri­bui à sua pes­qui­sa da ora­li­da­de no Pla­nal­to Cen­tral se­gui­da de co­men­tá­ri­os seus, que “O Can­ci­o­nei­ro Po­pu­lar An­go­la­no, po­rém, é rei­vin­di­ca­ti­vo da vir­tu­a­li­da­de ana­lí­ti­ca do ne­gro, pre­lú­dio de um im­pul­so que es­tag­nou à fal­ta de ener­gia es­ti­mu­lan­te, cen­te­lha de luz amor­te­ci­da no ne­ga­ti­vis­mo social”, ob­ser­van­do que “An­go­la, co­mo ter­ra e po­vo, é um po­e­ma lon­go e pro­fun­do que os ho­mens ain­da não con­se­gui­ram ler e com­pre­en­der(…)Não es­tu­da­rei o can­ci­o­nei­ro de to­da An­go­la, cu­ri­o­so mo­sai­co de lín­guas, mas tão so­men­te o da­que­la par­ce­la que ex­pri­me o seu sen­ti­men­tos em um­bun­du, po­den­do­nos ser­vir de tram­po­lim pa­ra o res­to des­sa epo­peia des­co­nhe­ci­da.”

No pla­no con­cep­tu­al, o pes­qui­sa­dor cul­tu­ral fri­sa que ”Quan­to ao con­teú­do ide­o­ló­gi­co, lar­ga­men­te mul­ti­fa­ce­ta­do, se­ria lou­cu­ra pre­ten­der abor­dá-lo nos seus por­me­no­res e na sua vas­ti­dão, em tão re­du­zi­das pá­gi­nas me é pos­sí­vel es­cre­ver”, avan­çan­do que “ten­ta­rei so­men­te uma cir­cuns­pec­ção de sín­te­se so­bre es­se can­ci­o­nei­ro, de que apre­sen­to ape­nas al­gu- mas can­ções de amos­tra, e cu­ja au­to­ria é mas­sa anó­ni­ma, ge­ral­men­te coi­si ica­da nos seus va­lo­res in­trín­se­cos.”

O es­cri­tor, que tam­bém foi ju­ris­ta de for­ma­ção, sus­ten­ta que “aus­cul­tu­an­do com in­te­res­se es­sa ma­ni­fes­ta­ção po­pu­lar, sur­pre­en­der-nos-á uma cri­a­ção imo­reg­na­da de li­ris­mo, re­pre­sen­ta­ti­va das su­as con­cep­ções ilo­só icas so­bre o mundo e so­bre o ho­mem pe­ran­te a exis­tên­cia. Num es­for­ço de aná­li­se com­pa­ra­ti­va, des­co­bri­re­mos nes­se Can­ci­o­nei­ro Po­pu­lar An­go­la­no ti­pos de can­ti­gas de amor, de ami­go, de es­cár­nio”, re­for­çan­do que “Da­dos se­gu­ros pa­ra a his­to­ri­o­gra ia do po­vo, en­con­trá-los-emos nas can­ções que ixam fe­nó­me­nos so­ci­ais. A sua re­li­gião, em con­fu­são ín­ti­ma com tó­te­mes e ta­lis­mãs, tam­bém en­con­trou arquivo se­gu­ro nes­sa ex­pres­são es­pon­tâ­nea do po­vo. Ain­da aí en­con­tra­mos in­dí­ci­os de uma mi­to­lo­gia co­me­ça­da mas não con­ti­nu­a­da. En im, a vi­ven­cia ín­ti­ma do po­vo, as su­as reacções an­te o fe­nó­me­no exis­ten­ci­al, tu­do po­de­mos ler no seu can­tar”- re­ma­ta.

“Can­ções po­pu­la­res de No­va Lis­boa”

A res­pei­to de “Can­ções Po­pu­la­res de No­va Lis­boa”, Al­fre­do Mar­ga­ri­do es­cre­ve no seu es­tu­do in­tro­du­tó­rio que “ao abor­dar­mos a subs­tân­cia des­tas can­ções, te­mos em vis­ta en­ca­rá-las co­mo a re­sul­tan­te ime­di­a­ta, no pla­no da po­e­sia e da mú­si­ca po­pu­la­res, de um pro­ces­so rá­pi­do de trans­for­ma­ção dos qua­dros so­ci­ais an­go­la­nos”, en­fa­ti­zan­do que “Não dei­xa de ser im­por­tan­te no­tar a con­ju­ga­ção exis­ten­te en­tre a ori­en­ta­ção que se re­gis­ta em tais can­ções e a es­pi­nha dor­sal que po­de­mos en­con­trar na po­e­sia eru­di­ta an­go­la­na. O que va­le di­zer que exis­te um pro­fun­do elo en­tre a te­má­ti­ca das for­mas poé­ti­cas po­pu­la­res e as for­mas poé­ti­cas eru­di­tas”- ar­gu­men­ta.

A es­te pro­pó­si­to Mar­ga­ri­do in­sis­te que “Tal fac­to pos­sui ra­zões pro­fun­das, na me­di­da em que os pro­ble­mas com que se de­fron­tam as mi­no­ri­ais in­te­lec­tu­ais, de acen­tu­a­da for­ma­ção pe­que­no-bur­gue­sa, es­tão pro­fun­da­men­te en­tro­sa­das com a pro­ble­má­ti­ca das mas­sas an­go­la­nas, quer da­que­las que se ra­di­cam na ci­da­de (tem­po­rá­ria ou de ini­ti­va­men­te), quer das que con­ti­nu­am li­ga­das á

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.